A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Leitura de Autores Modernos - PUCRS 2013/I - Profa Ana Lisboa de Mello SIMBOLISMO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Leitura de Autores Modernos - PUCRS 2013/I - Profa Ana Lisboa de Mello SIMBOLISMO."— Transcrição da apresentação:

1 Leitura de Autores Modernos - PUCRS 2013/I - Profa Ana Lisboa de Mello SIMBOLISMO

2 Romantismo, Simbolismo e depois Surrealismo foram os bastiões da resistência dos valores do imaginário no seio do reino triunfante do cientificismo racionalista. É no coração desses movimentos que se estabelece progressivamente uma reavaliação positiva do sonho, do devaneio, até da alucinação, [...] cujo resultado foi, segundo Henri Ellenberger, a descoberta do inconsciente. (Gilbert DURAND) O sonho é uma segunda vida. Não pude atravessar, sem estremecer, essas portas de marfim ou de chifre que nos separam do mundo invisível. Os primeiros instantes do sono são a imagem da morte; um torpor nebuloso se apodera de nosso pensamento e não podemos determinar o instante preciso onde o eu, sob uma outra forma, continua a obra da existência. In: Aurélia de Gérard de Nérval,

3 AS DUAS PORTAS Disse a sensata Penélope: Meu hóspede, os sonhos são de difícil interpretação, de sentido obscuro; e nem tudo quanto anunciam se realizam. Existem duas portas por ondem nos vêm os sonhos instáveis: uma de chifre e outra de marfim. Os que vêm pela porta de marfim serrado enganam-nos com vâs esperanças e palavras ocas; mas os que passam pela de chifre polido, esses anunciam ao mortal que os vir coisas que hão de realizar-se. Homero. Rapsódia XIX. In: Odisseia. Trad. E. Dias Palmeira e M. Alves Correia. Lisboa: Sá da Costa, p. 286

4 Os românticos se haviam tornado agudamente cônscios de aspectos de sua própria experiência que de modo algum poderiam ser analisados ou explicados pela teoria de um mundo regido por mecanismo de relojoaria. O universo não era uma máquina, afinal de contas, mas algo muito mais misterioso e menos racional. WILSON, Edmund. O castelo de Axel (estudo sobre a literatura imaginativa de 1870 a 1930). São Paulo: Cultrix, p. 10.

5 As fontes esotéricas e ocultas do Romantismo e do Simbolismo

6 Esoterismo e ocultismo Na segunda metade do século XIX, os termos esoterismo e ocultismo começarão a ser empregados correntemente, no momento em que se tenta uma síntese das grandes tradições secretas, em que se tenta definir uma doutrina a partir de grandes tradições secretas. O termo ocultismo, na língua francesa, surge pela primeira vez na obra de Eliphas Levi. Segundo Robert Amadou: O ocultismo é o conjunto de doutrinas e práticas fundadas na teoria das correspondências In: Amadou, apud MERCIER, Alain. Les sources ésotériques et occultes de la poésie symboliste ( ). Paris: Nizet, 1969, v. I, p. 13

7 Esoterismo: evoca a idéia de segredo, de disciplina do arcano, de conhecimentos reservados. Trata- se de um tipo de conhecimento espiritual a ser alcançado por vias e técnicas apropriadas, segundo diversas escolas e correntes. São vias que conduzem ao espaço espiritual buscado como ao próprio espaço alcançado. Implica um processo de interiorização.

8 Elementos fundamentais do esoterismo no Ocidente 1. Correspondências: existiriam correspondências simbólicas e reais entre todas as partes do universo visível e invisível. É antiga a ideia de microcosmo e macrocosmo. Essas correspondências são mais ou menos veladas para o primeiro olhar, portanto precisam ser decifradas. 2. Natureza viva: O cosmos é complexo, plural, hierarquizado, como se vê na ideia de correspondência. A palavra magia, tão importante no imaginário da Renascença, evoca bem essa ideia de Natureza vista, conhecida, experimentada como essencialmente vívida e seguidamente habitada por uma luz ou um fogo escondido que circula através dela. Magia é, ao mesmo tempo, o conhecimento das redes de simpatias e antipatias que unem as coisas da Natureza, e o trabalho concreto com esses conhecimentos (talimãs, pedras, plantas...).

9 Filósofos da Natureza na época romântica A Naturphilosophie dos filósofos românticos alemães toma a forma de um esoterismo: - Uma concepção da Natureza como um texto a decifrar com auxílio das correspondências. Ela é plena de implicações simbólicas; suas significações residem fora dela mesma; a ciência rigorosa é somente um ponto de partida na direção à totalizante captura de processos invisíveis, ou seja, uma natureza naturante. - Os filósofos da Natureza são mais ou menos especializados (químicos, físicos...) mas com pensamento que se eleva a ecléticas sínteses e se esforça por abraçar, na sua complexidade, um mundo polimorfo feito de diferentes graus da realidade. - A identidade do Espírito e da Natureza, considerados como dois germes de uma raiz comum (matéria e natureza repousam sobre um princípio espiritual, um Espírito os habita). Filósofos alemães: Carl von Eschenmayer ( ); Friedrich von Hardenberg (conhecido por Novalis, ); John Wilhelm Ritter ( ); G.H. Shubert ( ); Carl Gustav Carus ( ).

10 Hinos à noite De entre os seres vivos que têm o dom da sensibilidade haverá algum que não ame, mas do que todas as aparições feéricas do extenso espaço que o rodeia, a luz, em que tudo rejubila as suas cores, os seus raios, as suas vagas; e a suave onipresença do seu dia que desponta? Como se fora a alma mais íntima da vida, respira-a o gigantesco orbe de astros sem repouso, que flutua dançando no seu fluxo azul – respira-a a pedra faiscante, em sempiterna paz, as plantas sugadoras e meditativas, e os animais selvagens e ardentes, de tão várias figuras - todavia mais do que todos, respira-a o excelso Estrangeiro, de olhar pensativo, passos incertos, lábios docemente apertados e repletos de harmonias. Como um rei da terrestre Natureza, ela convoca todas as potências para inúmeras transformações, prende e desprende perenes vínculos e envolve todos os seres terrenos na sua celeste imagem. Somente pela sua presença desvela toda a maravilha dos impérios do mundo. Novalis. Hinos à Noite. Lisboa: Assírio & Alvim, p. 17

11 : Sobre os poetas da geração de simbolistas de1880 : Esses jovens não reconheciam mais sua maneira de sentir nos livros dos parnasianos e naturalistas (...) Sentiam-se exasperados com a clareza de uma língua que acabava por ver tudo do ponto de vista demasiadamente cru, com graças estereotipadas de uma prosódia que cedia a todos como uma cortesã. Aspiravam à sombra, ao mistério, à obscuridade; sonhavam com uma outra prosódia, mais desajeitada mas mais ingênua. Queriam versos que conservassem dos antigos versos somente a alma sutil e delicadamente sonora, versos quase imateriais e que se assemelhassem a mágicos encantamentos, uma espécie de música abstrata, que não mais se dirigisse ao ouvido mas diretamente ao espírito e capaz de resolver, com simples alusões, todo um mundo de emoções e de pensamentos. POIZAT

12 Para os simbolistas, o símbolo é inseparável do mistério: Nomear um objeto é suprimir três quartas partes da fruição do poema que é feita da felicidade de adivinhar pouco a pouco; sugeri-lo, eis o sonho. É o perfeito uso deste mistério que constitui o símbolo: evocar pouco a pouco um objeto para mostrar um estado de alma, ou, inversamente, escolher um objeto e dele abstrair um estado de alma, por uma série de deciframentos. Mallarmé

13 O símbolo não tem a função de impedir uma idéia de chegar à consciência clara, mas resulta muito mais da impossibilidade da consciência semiológica, do signo, em exprimir a parte da felicidade ou da angústia que a consciência total sente face à inelutável instância da temporalidade. Gilbert Durand in: A imaginação simbólica

14 Charles Baudelaire ( ) Principais obras - A arte romântica As flores do mal Os Paraísos Artificiais – Reflexões sobre alguns de meus contemporâneos Pequenos poemas em prosa ou Spleen de Paris Meu coração desnudado

15 As Flores do Mal (1857) Capítulos: Ao leitor (1 poema) Spleen e ideal (85 poemas) Quadros parisienses ( O vinho Flores do Mal Revolta A morte Poemas acrescentados a Flores do Mal na edição póstuma ( )

16 Albatroz Às vezes, por folgar, os homens da equipagem Pegam de um albatroz, enorme ave do mar, Que segue - companheiro indolente de viagem – O navio no abismo amargo a deslizar. E por sobre o convés, mal estendido apenas, o imperador do azul, canhestro e envergonhado, asas que enchem de dó, grandes e alvas penas, eis que deixa de arrastar como remos ao lado. O alado viajor tomba como num limbo! Hoje é cômico e feio, ontem tanto agradava! Um ao seu bico leva o irritante cachimbo, Outro imita a coxear o enfermo que voava! O poeta é semelhante ao príncipe do céu Que do arqueiro se ri e da tormenta no ar; Exilado na terra e em meio do escarcéu, As asas de gigante impedem-no de andar! I Spleen e Ideal

17 Correspondência Tradução de Jamil Almansur Haddad A natureza é um templo onde vivos pilares Podem deixam ouvir confusas vozes: e estas Fazem o homem passar através de florestas De símbolos que o vêem com olhos familiares. Como os ecos lentos além confundem seus rumores Na mais profunda e mais tenebrosa unidade, Tão vasta como a noite e como a claridade, Harmonizam-se os sons, os perfumes e as cores. Perfumes frescos há como carnes de crianças Ou oboés de doçura ou verdejantes ermos E outros ricos, triunfais e podres na fragrância Que possuem a expansão do universo sem termos Como o sândalo, o almíscar, o benjoim e o incenso Que cantam dos sentidos o transporte imenso. Spleen e Ideal

18 PAISAGEM Quero, para compor os meus castos monólogos, Deitar-me junto ao céu, à moda dos astrólogos E bem perto do sino ouvir-lhe cismarento As solenes canções, levadas pelo vento. As mãos postas no queixo, eu do alto da mansarda, Hei de ver a oficina a cantar na hora parda: Torres e chaminés ou mastros da cidade, Grandes céus a fazer sonhar a eternidade. É sempre doce ver que à tarde a bruma vela A estrela pelo azul e a lâmpada à janela, Os rios de carvão irem ao firmamento, E a lua derramar seu frouxo encantamento; Eu hei de ver a primavera, o outono e o estio; E quando o inverno vier, monótono frio, Por tudo fecharei cortinas e portões Para construir na noite as feéricas mansões. [...] Quadros Parisienses

19 A uma passante A rua em torno era um frenético alarido. Toda de luto, alta e sutil, dor majestosa, Uma mulher passou, com sua mão suntuosa Erguendo e sacudindo a barra do vestido. Pernas de estátua, era-lhe a imagem nobre e fina. Qual bizarro basbaque, afoito eu lhe bebia No olhar, céu lívido onde aflora a ventania, A doçura que envolve e o prazer que assassina. Que luz… e a noite após! – Efêmera beldade Cujos olhos me fazem nascer outra vez, Não mais hei de te ver senão na eternidade? Longe daqui! tarde demais! Nunca talvez! Pois de ti já me fui, de mim tu já fugiste, Tu que eu teria amado, ó tu que bem o viste! Quadros Parisienses Tradução de Ivan Junqueira.

20 O vinho dos trapeiros Tradução de Ivo Barroso Muitas vezes, à luz de um lampião sonolento, da qual a chama e o vidro estalam sob o vento, Num antigo arrabalde, informe labirinto, Onde fervilha o povo anônimo e indistinto, Vê-se um trapeiro cambaleante,a fronte inquieta, rente às paredes a esgueira-se como um poeta, e alheio aos guardas e aos alcagüetes mais abjetos, abrir seu coração em gloriosos projetos. Juramentos profere e dita leis sublimes, Derruba os maus, perdoa as vítimas dos crimes, E sob o azul do céu, como um dossel suspenso, embriaga-se na luz de seu talento imenso. Toda essa gente afeita às aflições caseiras, Derreada pela idade e farta de canseiras, Trôpega e curva ao peso atroz do asco infinito Vômito escuro de um Paris enorme e aflito,....

21 Retorna, a trescalar do vinho as escorralhas, junto aos comparsas fatigados das batalhas, os bigodes lembrando insígnias espectrais. Os estandartes, os pendões e arcos triunfais Erguem-se ante essa gente, ó solene magia! E na ensurdecedora e luminosa orgia Dos gritos, dos clarins, do sol e do tambor, trazem eles a glória ao povo ébrio de amor! Assim é que através da ingênua raça humana o vinho, esplêndido Pactolo*, do ouro emana; Pela garganta do homem canta eleos seus feitos E reina por seus dons tal como os reis perfeitos. E para o ódio afogar e o ócio ir entretendo Desses malditos que em silêncio vão morrendo, Em seu remorso Deus o sono havia criado; O Homem o Vinho fez, do Sol filho sagrado! * Em grego Paktolós, pequeno rio da Lídia, célebre por suas pepitas de ouro

22 O vinho do solitário Tradução de Ivan Junqueira O misterioso olhar de uma mulher galante, Pousado sobre nós como um pálido raio Que a lua envia ao lago em trêmulo desmaio, Quando ali quer banhar sua beleza ondeante; A derradeira moeda à mão de um jogador; Um beijo libertino da esguia Adelina; Os sons ociosas de uma música ferina, Que lembra ao longe a humana súplica da dor; Isso tudo não vale, ó garrafa profunda O bálsamo que aflora em teu ventre e fecunda O coração do poeta em júbilo antes os céus; Tu lhe dás a esperança, a juventude, a vida - E o orgulho, essa riqueza aos pobres concedida, Que os torna heróicos e mais próximos de Deus! O vinho

23 A Alma do Vinho tradução Ivan Junqueira A alma do vinho, certa tarde, nas garrafas cantava: "Homem, elevo a ti, que me és tão caro, No cárcere de vidro e lacre em que me abafas, Um cântico de luz e de fraterno amparo! Bem sei quanto custou, na tórrida montanha, De causticante sol, de suor e de mau trato, Para forjar-me a vida e enfim a alma ter ganha. Mas eu não serei jamais perverso nem ingrato, Pois sinto uma alegria imensa quando desço Pela goela de quem ao trabalho se entrega, E seu tépido peito é a tumba onde me aqueço E onde me agrada mais estar do que na adega. Não ouves os refrões da domingueira toada E a esperança que me unge o seio palpitante? Cotovelos na mesa e manga arregaçada, Tu me honrarás e o riso há de ser constante; Hei de acender-te o olhar à esposa embevecida; A teu filho farei voltar a força e as cores, E serei para tão tíbio atleta da vida O óleo que os músculos enrija aos lutadores. Repousarei em ti, vegetal ambrosia, Grão atirado pelo eterno Semeador, Para que assim de nosso amor nasça a poesia Que até Deus subirá como uma rara flor!"

24 O vinho do solitário Tradução de Ivan Junqueira O misterioso olhar de uma mulher galante, Pousado sobre nós como um pálido raio Que a lua envia ao lago em trêmulo desmaio, Quando ali quer banhar sua beleza ondeante; A derradeira moeda à mão de um jogador; Um beijo libertino da esguia Adelina; Os sons ociosas de uma música ferina, Que lembra ao longe a humana súplica da dor; Isso tudo não vale, ó garrafa profunda O bálsamo que aflora em teu ventre e fecunda O coração do poeta em júbilo antes os céus; Tu lhe dás a esperança, a juventude, a vida - E o orgulho, essa riqueza aos pobres concedida, Que os torna heróicos e mais próximos de Deus!

25 O vinho dos amantes Tradução de Ivan Junqueira O espaço hoje esplende de vida! Livres de esporas, freio ou brida, Cavalguemos no vinho: adiante Se abre um céu puro e fulgurante! Como dois anjos que tortura Uma implacável calentura, No límpido azul da paisagem Sigamos a fugaz miragem! Embalados no íntimo anelo De um lúcido e febril afã, Qual num delírio paralelo, Lado a lado nadando, irmã, Chegaremos enfim, risonhos, Ao paraíso de meus sonhos!

26 Parece-me por vezes que ouço dizer o vinho: Homem, meu bem-amado, quero lançar para ti, apesar da minha prisão de vidro e dos meus ferrolhos de cortiça, um canto cheio de fraternidade, um canto cheio de alegria e de esperança. (...) Cairei no fundo de teu peito como uma ambrosia vegetal. Serei o grão que fertiliza o sulco dolorosamente lavrado. A nossa íntima reunião criará a poesia. Nós dois faremos um Deus, e voaremos para o infinito, como os pássaros, as borboletas, os fios da Virgem, os perfumes e todas as coisas aladas. In: Baudelaire. Os paraísos artificiais

27 Embriagai-vos Tradução de Ivo Barroso É necessário estar sempre bêbedo. Tudo se reduz a isso; eis o único problema. Para não sentires o fardo horrível do Tempo, que vos abate e vos faz pender para a terra, é preciso que vos embriagueis sem cessar. Mas - de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, como achardes melhor. Contanto que vos embriagueis. E, se algumas vezes, nos degraus de um palácio, na verde relva de um fosso, na desolada solidão de vosso quarto, despertardes, com a embriaguês já atenuada ou desaparecida, perguntai ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai-lhes que horas são; e o vento, e a vaga, e a estrela, e o pássaro, e o relógio, hão de vos responder: - É a hora de embriagar-se! Para não serdes os martirizados escravos do Tempo, embriagai-vos; embriagai-vos sem tréguas! De vinho, de poesia ou de virtude, como achardes melhor.

28 Enivrez-vous! Il faut être toujours ivre. Tout est là: cest lunique question. Pour ne pas sentir lhorrible fardeau du Temps qui brise vos épaules et vous penche vers la terre, il faut vous enivrer sans trêve. Mais de quoi? De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise. Mais enivrez-vous. Et si quelque fois, sur les marches dun palais, sur lherbe verte dun fossé, dans la solitude morne de votre chambre, vous vous réveillez, livresse déjà diminuée ou disparue, demandez au vent, à la vague, à létoile, loiseau, lhorloge, à tout ce qui fuit, tout ce qui gémit, à tout ce qui roule, à tout ce qui chante, à tout ce qui parle, demandez quelle heure il est; et le vent, la vague, létoile, loiseau, l horloge, vous réprondront: Il est heure de sénivrer! Pour nêtre pas les esclaves martyrisés du Temps, enivrez-vous sans cesse! De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise. BAUDELAIRE, Charles. « Le spleen de Paris »

29 Stéphane Mallarmé ( ) Obras Principais: LAprès-midi dun faune, 1876 Le Vathek de Bekford, 1876 Les Dieux antiques, 1879; Album de vers et de prose, 1887 ; Divagações, 1897; Un coup de dés jamais nabolira le hasard, 1897 ; Poésies, 1899; Vers de circonstance, 1920; Igitur, 1925; Contos Indianos, 1927

30 O Acaso Cai a pluma rítmico suspense do sinistro nas espumas primordiais de onde há pouco sobressaltara seu delírio a um cimo fenescido pela neutralidade idêntica do abismo

31 Stéphane Mallarmé Temida e famosa é a obscuridade de sua lírica. Esta deve ser decifrada a partir de uma linguagem que só é escrita por este autor. E, contudo, evidencia-se que também a lírica de Mallarmé pertence a uma estrutura poética cujas articulações isoladas têm sua origem no Romantismo e que foi se definindo cada vez mais a partir de Baudelaire. Hugo Friedrich

32 Brisa marinh a S.Mallarmé A carne é triste, sim, e eu li todos os livros. Fugir! Fugir! Sinto que os pássaros são livres, Ébrios de se entregar à espuma e aos céus imensos. Nada, nem os jardins dentro do olhar suspensos, Impede o coração de submergir no mar Ó noites! Nem a luz deserta a iluminar Este papel vazio com seu branco anseio, Nem a jovem mulher que preme o filho ao seio. Eu partirei! Vapor a balouçar nas vagas, Ergue a âncora em prol das mais estranhas plagas! Um Tédio, desolado por cruéis silêncios, Ainda crê no derradeiro adeus dos lenços! E é possível que os mastros, entre as ondas más, Rompam-se ao vento sobre os náufragos, sem mastros, sem mastros, nem ilhas férteis,a vogar... Mas, ó meu peito, ouve a canção que vem do mar!

33 Em Mallarmé, podemos constatar : -ausência de uma lírica do sentimento e da inspiração; -fantasia guiada pelo intelecto; -aniquilamento da realidade e das ordens normais, tanto lógicas como afetivas; -manejo das forças impulsivas da língua; -sugestionabilidade em vez de compreensibilidade; -ruptura com a tradição humanística e cristã; -isolamento que tem consciência de ser distinção; -nivelamento do ato de poetar com a reflexão sobre a composição poética, predominando nesta as categorias negativas ( desorientação, dissolução, incoerência, fragmentação, estranhamento, obscuridade...)

34 Arthur Rimbaub ( ) Poesias ( ) Uma temporada no Inferno (1873) Iluminações (1874)

35 O poeta vidente Arthur Rimbaud ( ) O Poeta se faz vidente através de um longo, imenso e racional desregramento de todos os sentidos. Todas as formas de amor, de sofrimento, de loucura; ele procura a si próprio, extrai de si todos os venenos para guardar apenas as quintessências. Inefável tortura, contra a qual necessita de toda a fé, de toda a força sobre-humana, através da qual se torna, dentre todos, o grande enfermo, o grande criminoso, o grande maldito – e o supremo Sábio – Pois atinge o Desconhecido! Pois cultivou a alma, já rica, mais do que ninguém!. Atinge o incógnito e, quando, enlouquecido, acabar perdendo a inteligência de suas visões, já as terá visto!

36 Vogais Arthur Rimbaud A negro, E branco, I vermelho, U verde, O azul: vogais Eu falarei um dia de suas florescências latentes: A, negro espartilho veludo das moscas ruidosas Que voltejam ao redor dos maus cheiros cruéis. Golfos de sombra; E, canduras dos vapores e das tendas, Lanças das geleiras orgulhosas, reis brancos, arrepios de umbelas; I, púrpuras, sangue cuspido, riso de lábios belos Em cóleras ou bebedeiras penitentes;

37 U, ciclos, vibrações divinas dos mares viridentes, Paz dos pastos semeados de animais, paz das rugas Que a alquimia imprime às grandes frontes eruditas; O, supremo Clarão, pleno de insólitas estridências, Silêncios atravessados dos Mundos e dos Anjos -O, Ômega, raio violeta de Seus Olhos! (1871)

38 Para Hauser, o simbolismo representa, por um lado, o resultado final da evolução iniciada pelo romantismo, isto é, pela descoberta da metáfora, célula germinal da poesia e que conduziu à riqueza da imaginária impressionista; mas não só repudia o impressionismo pelo seu ponto de vista materialista e o Parnaso pelo seu formalismo e racionalismo, como repudia o romantismo pelo seu emocionalismo e convencionalismo da linguagem metafórica.

39 Na realidade, o simbolismo pode considerar-se a reação contra toda a poesia anterior, descobre alguma coisa que ou nunca se conhecera ou que nunca até então se dera relevo: a poésie pure – a poesia que surge do espírito irracional, não- conceptual, da linguagem, que é contrária a toda interpretação lógica. Para o simbolismo, a poesia é apenas a expressão daquelas relações e correspondências que a linguagem, deixada a si própria, cria entre o concreto e o abstrato, o material e o ideal, e entre as diferentes esferas dos sentidos – Hauser

40 Bibliografia BAUDELAIRE, Charles. Os paraísos artificiais. trad. de José Saramago. Rio de Janeiro: Ediouro, ____. Os paraísos artificiais. Trad. de Alexandre Ribondi, Vera Nóbrega; Lúcia Nagib. Porto Alegre:L&PM, ____. O poema do Haxixe. Trad.Eduardo Brandão. São Paulo: Aquariana, ____. Poesia e prosa. Trad. de Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995 ____. As flores do mal. Trad. de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985 ____. As flores do mal. Trad. Jamil A. Haddad. São Paulo: Círculo do Livro, DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Ed. &0, 1993 GOMES, Álvaro Cardoso. (org.) A estética simbolista. SP: Cultrix, 1985.

41 FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades, HAMBURGER, Käte. A lógica da criação literária. SP: Perspectiva, HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. SP: Mestre Jou, MERCIER, Alain. Les sources ésotériques et occultes de la poésie symboliste ( ). Paris: Nizet, 1969 NERVAL, Gérard. Aurélia. SP: Iluminuras, NOVALIS. Hinos à noite. Lisboa: Assírio & Alvim, RAYMOND, Marcel. De Baudelaire ao surrealismo. SP:EDUSP, SOURIAU, Etienne. Vocabulaire estétique. Paris: PUF, WILSON, Edmund. O castelo de Axel (estudo sobre a literatura imaginativa de 1870 a 1930). São Paulo: Cultrix, 1987.


Carregar ppt "Leitura de Autores Modernos - PUCRS 2013/I - Profa Ana Lisboa de Mello SIMBOLISMO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google