A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ABRALIMP Encontro de Associados Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ABRALIMP Encontro de Associados Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne."— Transcrição da apresentação:

1 ABRALIMP Encontro de Associados Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne

2 Projetistas de piso Executores de piso Fabricantes de revestimentos de alto desempenho (RAD) Fabricantes de insumos para pisos e revestimentos Fabricantes de máquinas e ferramentas para o setor

3 PISO COM ESTRUTURA CONDENADA

4 PISO SEM RESISTÊNCIA SUPERFICIAL

5 Piso contaminado com óleo

6 PISO ESBURACADO/REMENDADO

7 Recuperação de pisos industriais

8

9

10

11 Revestimento Alto Desempenho (RAD) Lapidações de piso SOLUÇÃO PARA PISOS INDUSTRIAIS

12 Soluções para pisos industriais *Uma visão sistêmica* Revestimento de Alto Desempenho (RAD) Epóxi, PU, Uretano, MMA. Impermeabilização, sem poros, resistência química, absorção 0, recuperação de superfície, fácil higienização, sem juntas, colore o piso, agrega material, ideal para áreas produtivas Lapidação de Pisos Polimérica ou Convencional Alta resistência a abrasão, alta dureza, ideal para área de grandes movimentação, alto tráfego como CD, lojas, etc

13 Introdução aos revestimentos Quais os tipos de sistemas de Revestimento de Alto Desempenho (RAD) existem no mercado ? Multilayer / Multicamadas/ Espatulado Líquido Autonivelantes Argamassados Pinturas

14 TABELA COMPARATIVA RESINA/CARGA SistemaResinaQuartzo/ Cargas Autonivelante1 Kg2 a 3 Kg Multilayer/ Espatulado Líquido 1 Kg4 a 6 Kg Argamassado1 Kg8 a 14 Kg

15 Substrato (piso concreto) Capa de Regularização Camada de Quartzo Colorido 1° Camada Acabamento 2° Camada Acabamento Sistema Multilayer

16 SISTEMA MULTILAYER Aspecto: - Líquido nivelante com saturação por aspersão Vantagens: - Alta resistência a impacto e a abrasão. - Baixa variabilidade na espessura. - Preserva/ melhora o índice de planicidade (Ff). - Flexibilidade nas composições e acabamentos. - Sistemas com várias opções de espessura. - Sistema maciço, sem porosidades. - Alta aderência ao substrato Desvantagens: - Mais etapas de execução.

17 SISTEMA MULTILAYER Adensamento uniforme Sem porosidade Alta aderência

18 Sistema Autonivelante Substrato (piso concreto) Capa de Regularização RevestimentoAutonivelante

19 SISTEMA AUTONIVELANTE Aspecto: - Líquido autonivelante com carga incorporada na mistura Vantagens: - Rápido de aplicar. - Superfície lisa e fácil de limpar. - Sistema maciço. Desvantagens: - Tende a ter variabilidade na espessura. - Menor resistência a riscos. (excesso de - resina na superfície) - Tendência a gerar tensões de retração com o tempo.

20 SISTEMA AUTONIVELANTE Agregados decantados Sem porosidade Alta aderência Resina na superfície

21 Sistema Espatulado Líquido

22 Espatulado Líquido Aspecto: - Líquido denso, pesado já incorporando agregado e resina pigmentada, puxada de uma só vez Vantagens: - Alta resistência a impacto e a abrasão. - Resistência a choques térmicos quando usado resinas uretanicas cimentícias ou epóxi cimentícia - Sistema maciço, sem porosidades. - Alta aderência ao substrato Desvantagens: - Aspecto estético inferior - Tende a diminuir Ff

23 Espatulado Líquido

24 ESPATULADO LÍQUIDO

25 SISTEMA ARGAMASSADO Aspecto: - Argamassa seca Vantagens: - Alta resistência a impacto e a abrasão. - Competente regularizador de pisos muito desgastados/ esburacados. Desvantagens: - Tende a piora o índice de planicidade ( Ff) - Maior variabilidade na espessura (a espessura pode variar muito) - Só pode ser executado com espessuras acima de 4 mm - Porosidade na estrutura - Desaconselhável em área sujeitas a lavagens constantes

26 SISTEMA ARGAMASSADO Porosidade Diferença de adensamento

27 SISTEMA PINTURA Substrato (piso concreto) 1° Demão Pintura 2° Demão Pintura 3° Demão Pintura

28 SISTEMA PINTURA Aspecto: - Resina líquida pigmentada Vantagens: - Baixo custo - Rápido de aplicar. Desvantagens: - Baixa resistência a impacto - Não regulariza - Baixa resistência a ataques químicos

29 SISTEMA TERRAZZO Aspecto: - Resina Autonivelante com agregados variados ( vidro, conchas, pedras, metais) Vantagens: - Alta resistência a risco - e abrasão - Estética incomparável - Alta durabilidade - Fácil manutenção e - renovação Desvantagens: - Alto custo - Demorado na execução

30 TERRAZZO

31 CORTE TERRAZZO

32

33

34

35

36 LAPIDAÇÃO POLIMÉRICA DE PISO "Um processo inovador de tratamento de piso que alia as vantagens de um revestimento epóxi com a resistência à abrasão e impacto de um piso de concreto"

37 Lapidação Polimérica Impregnação com resina epóxi de alta penetração 100% sólidos Preenche as porosidades do piso de concreto Impermeabiliza o piso Aumenta o brilho Solidifica trincas e craqueamentos Aumenta a resistência à abrasão e a riscos Recupera pisos fracos e porosos Aumenta manchas no piso Lapidação Polimérica Impregnação com resina epóxi de alta penetração 100% sólidos Preenche as porosidades do piso de concreto Impermeabiliza o piso Aumenta o brilho Solidifica trincas e craqueamentos Aumenta a resistência à abrasão e a riscos Recupera pisos fracos e porosos Aumenta manchas no piso Lapidação comum Impregnação com densificador a base de silicatos. De 1,5 a 10% de sólidos Recristaliza diminuindo a dimensão dos poros Diminui a permeabilidade. Melhora o brilho Não solidifica trincas nem craqueamentos Aumenta a resistência à abrasão e a riscos Não recupera pisos fracos e porosos Não aumenta manchas no piso Lapidação comum Impregnação com densificador a base de silicatos. De 1,5 a 10% de sólidos Recristaliza diminuindo a dimensão dos poros Diminui a permeabilidade. Melhora o brilho Não solidifica trincas nem craqueamentos Aumenta a resistência à abrasão e a riscos Não recupera pisos fracos e porosos Não aumenta manchas no piso COMPARATIVO LAPIDAÇÃO POLIMÉRICA x LAPIDAÇÃO COMUM X X

38 Grão 36 Grão 120 PROCESSO de Lapidação Polimérica Processo de Lapidação polimérica inicia-se com o desbaste da superfície com diamantes grosso, grão 24,36. Nesta fase corta-sea superfície melhorando a planicidade. O processo vai até o grão 120

39 POLIMENTO PARA ABERTURA DE POROS

40 POLIMENTO DE CANTOS

41 Grão 36 Grão 120 Grão 220 Epóxi PROCESSO de Lapidação Polimérica Após o corte com o grão 120, impregna-se o piso com resina epóxi alto sólido de alta penetração. 2 a 3 demãos 8 horas após, remove-se o excesso de epóxi com um diamante grão 220 e 400 Grão 400

42 IMPREGNAÇÃO COM EPÓXI

43 EPÓXI DE ALTA PENETRAÇÃO PROCESSO DE IMPREGNAÇÃO COM EPÓXI

44 PROCESSO intermediário de Lapidação

45 Grão 36 Grão 120 Grão 220 Grão 100 Grão Epóxi PROCESSO de Lapidação Polimérica A sequencia final vai até o grão com brilho acima de 40.

46

47

48

49

50

51 Craqueamento antes do processo de Lapidação Polimérica Craqueamento após o processo de Lapidação Polimérica

52 COMO MANTER PISOS REVESTIDOS? Sempre usar autolavadoras Sempre usar discos não abrasivos ( Branco, vermelho, bege) Nunca usar discos abrasivos (Preto ou verde) Usar somente detergentes neutros ou levemente alcalinos.

53 COMO MANTER PISOS LAPIDADOS ? Sempre usar autolavadoras Sempre usar discos não abrasivos ( Branco, vermelho, bege) Nunca usar discos abrasivos (Preto ou verde) Usar somente produtos de limpeza próprios para pisos lapidados

54 COMO RECUPERAR PISOS LAPIDADOS? Sempre usar autolavadoras Usar uma sequência de discos diamantados, 400,800,1500, 3000 Nunca usar discos abrasivos (Preto ou verde) Usar somente produtos de limpeza próprios para pisos lapidados


Carregar ppt "ABRALIMP Encontro de Associados Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google