A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A primeira dificuldade é de que apesar da física ser uma ciência exata, ministrar aula (docência) não é. O ato de ministrar uma aula envolve dois sujeitos:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A primeira dificuldade é de que apesar da física ser uma ciência exata, ministrar aula (docência) não é. O ato de ministrar uma aula envolve dois sujeitos:"— Transcrição da apresentação:

1

2 A primeira dificuldade é de que apesar da física ser uma ciência exata, ministrar aula (docência) não é. O ato de ministrar uma aula envolve dois sujeitos: o professor e os seus alunos, e o ambiente a onde eles estão inserido. Esse pode ser a escola (particular ou privada) ou a cidade onde esta se localiza. É dessa relação social e psicológica que depende em boa parte uma boa aula.

3 Em seguida uma boa aula depende da autoconfiança do professor, tanto a confiança do domínio da matéria como de falar em publico. No primeiro item entram as técnicas de preparação de aula. Uma aula bem preparada lhe transmite confiança quanto ao domínio do conteúdo a ser ministrado.

4 Atividades lúdicas, trabalho e exercícios em grupo em sala de aula fazem com que você não fique o tempo todo na frente da sala, na Berlinda, e lhe permite circular pela sala e interagir com os alunos. Isto é muito importante, principalmente quando você não tem experiência em sala de aula.

5 Este é certamente um tema que traz aos futuros professores muitas dúvidas, pois é notório que cada professor gostaria de ter a melhor técnica de ensino bem como o melhor método, algo que fosse infalível para solucionar ou pelo menos atenuar problemas como salas de aula superlotadas, alunos cansados, desnutridos, enfim, os mais diversificados tipos de alunos.

6 Mas a partir desse momento surgem dúvidas como seria o melhor método: aquele direto ou indireto? Qual seria a melhor técnica: individual? Grupal? Mista? Direta? Indireta? Pois bem, são muitas as técnicas e métodos a serem utilizados, e sua aplicabilidade é igualmente diversificada; cabe ao professor observar o objetivo da aula bem como a heterogeneidade da sala para poder obter assim escolher naquele momento qual seria o melhor método e a melhor técnica de ensino a ser explorado,

7 A dramatização é utilizada com bons resultados em comunidades carentes com alto índice de violência, pois muitas vezes o professor tem que desempenhar o papel família, tutor, psicólogo e conseguir assim, lançando mão dos meios que tem retirar o aluno da sua realidade não tão atrativa levando-o até um mundo mais interessante e que certamente aumentará a produtividade escolar.

8 O plano de ensino é antes de tudo uma sistematização do ensino com vistas a se obter a melhor aprendizagem possível. Ele dá uma idéia de direção às várias atividades de ensino e aprendizagem a serem desenvolvidas durante o curso. É um guia ou roteiro de ação que evita o desenvolvimento casual ou caótico do processo ensino-aprendizagem.

9 O plano deve atender ao critério de flexibilidade, adaptando-se às mudanças que se fizerem necessário. Os objetivos (Para que ensinar?), o conteúdo programático (O que ensinar?), as estratégia de ensino (Como ensinar?) e o sistema de avaliação (Como avaliar o ensino?) são componentes indispensáveis na estruturação de um plano de ensino, inter-relacionando e dando- lhe um caráter dinâmico.

10 O objetivo é tudo aquilo que se quer alcançar através de uma ação clara e explícita. Um objetivo deve informar, da maneira mais clara possível, o que um aluno que o alcançou deverá ser capaz de fazer. Deve também (sempre que haja sentido nisso) especificar as condições sob as quais se espera que o aluno demonstre que atingiu o objetivo, bem como o padrão mínimo de desempenho aceitável.

11 Clareza Todo objetivo deve descrever e comunicar claramente o que se quer alcançar, se isso não ocorrer, ele não pode ser considerado um bom objetivo. Um objetivo quando é claro, na sua comunicação, não permite alternativas e interpretações vagas, tornando-se inteligível e compreensível a todos.

12 A simplicidade na definição dos objetivos é uma exigência da própria realidade concreta dos alunos, professores e das escolas. Pouca ajuda longas e complexas listas de objetivos que não podem ser trabalhados pelos alunos e professores.

13 Ao definir os objetivos, os professores devem se perguntar se esses objetivos são significativos e úteis para os alunos. Pois a validade dos objetivos depende das necessidades, interesses e capacidades dos alunos. Se isto não ocorrer eles serão insignificantes e inúteis.

14 O objetivo é algo que se quer alcançar através de um agir possível, concreto e viável. Qualquer objetivo de ensino exige algumas perguntas muito sérias, tais como: O objetivo pode ser trabalhado ou operacionalizado através de uma ação concreta que demonstre resultados observáveis? Como, onde e com que meios poderá ser agilizado tal objetivo? Terão os professores e alunos condições humanas e materiais para trabalhar tais objetivos?

15 Toda a ação, em qualquer nível ou setor, exige, por conseqüência, um resultado concreto e observável. Estes resultados podem ser verificados e observados a longo, médio e curto prazo, contudo, se faz necessário ter condições para verificar os resultados.

16 No ensino se processa toda uma ação para promover mudanças na aquisição de conhecimentos, novas atitudes, comportamentos e habilidades. Sendo assim, a ação requer a possibilidade de constar se houve mudanças, e em que grau e nível se processaram. Logo um dos requisitos importantes de um objetivo é que ele possa ser observado ou avaliado para que se possa comprovar o alcance das intenções.

17 2.2. Relação entre objetivos e conteúdos 2.3. Relação entre objetivos e procedimentos 2.4. Relação entre objetivos e avaliação

18 - maturidade dos alunos; - aprendizagem atual dos alunos; - motivação; - tempo disponível do aluno em relação à quantidade de objetivos; - recursos disponíveis; - situações de ensino.

19 Quanto ao nível de generalização Objetivo Geral Objetivo específico Quanto aos domínios Objetivo cognitivo – Objetivo afetivo Objetivo psicomotor

20 O conteúdo programático é o meio para a consecução dos objetivos propostos. Refere-se às informações, selecionadas dentro do contexto amplo da matéria de ensino. Esta seleção deve atender a critérios tais como: Lógicos – relacionados à própria estrutura da matéria de ensino; Psicológicos – relacionados ao nível de desenvolvimento do aluno;

21 Sociológicos – relacionados à realidade social na qual está inserido o aluno; Curriculares – relacionados ao currículo no qual está inserida a disciplina. Antes de realizar a seleção do conteúdo é conveniente listar todo o conteúdo que está direto ou indiretamente relacionado com a disciplina. A partir disto selecionam-se os conteúdos que se constituem em pré-requisitos e os que serão trabalhados durante o desenvolvimento da disciplina.

22 Feito isso, passa-se à organização seqüencial do conteúdo, isto é, à organização de seqüências de estudo. A organização seqüencial se resume em ordenação, que pode ser feita de duas formas. - vertical, que leva de um nível de complexidade a outro mais elevado; - horizontal, que relaciona os diferentes campos do conhecimento humano.

23 As estratégias de ensino abrangem uma gama de procedimentos do professor, métodos e técnicas de ensino e recursos instrucionais, selecionados e organizados harmonicamente de modo a proporcionar ao aluno experiências de aprendizagem que, potencialmente, o levarão a alcançar os objetivos propostos.

24 Por métodos de ensino, entendemos aqui como uma sistemática de trabalho a ser utilizada durante todo ou parte do desenvolvimento da disciplina. - As técnicas de ensino representam maneiras particulares de organizar o ensino, a fim de provocar a atividade do aluno, no processo de aprendizagem. - Recursos instrucionais designam objetos, mapas, gravuras, filmes, transparências, pessoas fonte, retroprojetores, etc.

25 As técnicas de ensino podem ser classificadas em: ensino individualizado e ensino socializado. O ensino individualizado é caracterizado pela ênfase dada ao atendimento das diferenças individuais, isto é, permite que o aluno avance na aprendizagem segundo o seu próprio ritmo. Técnicas utilizadas no ensino individualizado são: o estudo dirigido, o ensino programado, o ensino através de projetos, o ensino contratual, unidades de trabalho, pesquisas, estudo através de fichas, módulos, o estudo de problemas, exercícios individuais e outras.

26 No ensino socializado, a atenção se concentra no grupo, pois a aprendizagem é efetivada através do trabalho e do estudo grupal e requer uma dinâmica de cooperação mútua. Pode ser desenvolvido através da prática progressiva de várias técnicas grupais, como, por exemplo: discussões em grupo, painéis, simpósios, seminários, dramatizações, mesas-redondas e outras.

27 O sistema de avaliação especifica as várias modalidades a serem utilizadas para determinar em que medida os objetivos estão sendo ou foram alcançados. Assim como os objetivos devem dizer claramente o que o aluno deverá ser capaz de fazer, o sistema de avaliação deve prever mecanismos que determinem até que ponto ele faz o que dele se espera.

28 A avaliação poderá ser realizada através de observações, testes objetivos, testes de resposta livre, entrevistas, etc, mas em qualquer caso deverá estar baseada nos objetivos. A coerência entre a avaliação e os objetivos é fundamental no planejamento de ensino. Essa coerência deve existir entre objetivos, conteúdo programático, estratégias de ensino e avaliação.

29

30


Carregar ppt "A primeira dificuldade é de que apesar da física ser uma ciência exata, ministrar aula (docência) não é. O ato de ministrar uma aula envolve dois sujeitos:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google