A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UPCII M Microbiologia Teórica 9 2º Ano 2011/2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UPCII M Microbiologia Teórica 9 2º Ano 2011/2012."— Transcrição da apresentação:

1 UPCII M Microbiologia Teórica 9 2º Ano 2011/2012

2 Sumário T10 MJC2 Capítulo VIII. Desiquilíbrios do sistema nervoso central e sistema locomotor Infecções do sistema nervoso central Infecções do sistema locomotor 18-10-2011

3 Sistema nervoso Sistema normalmente estéril Infecções são raras mas frequentemente fatais Infecções caracterizadas por: Compartamentalização Separadas da corrente sistémica Sem sistema imunitário intrínseco Estrutura única e compacta 18-10-2011T-14 3 T10 MJC

4 Sistema nervoso Barreira hematocefálica 18-10-2011T-14 4 T10 MJC

5 Infecções do Sistema Nervoso Fluido Cerebroespinhal (poucos anticorpos e complemento) Apenas moléculas pequenas Quando é infectado pode proporcionar infecção da membrana pia-aracnóide 18-10-20115T10 MJC

6 Infecções do Sistema Nervoso 18-10-20116T10 MJC

7 Meningite Etiologia viral, bacteriana ou fúngica 18-10-20117T10 MJC

8 Meningite Viral 18-10-20118T10 MJC

9 Sinais clínicos da Meningite 18-10-20119T10 MJC

10 Prevenção e tratamento de meningite não viral 18-10-201110T10 MJC

11 Prevenção e tratamento de meningite não viral 18-10-2011T10 MJC11

12 Meningite neonatal 18-10-201112T10 MJC

13 Infecções do parênquima cerebral Abcessos Etiologia: Flora mista (Staph. aureus e Bacteroides) Associados a isquémia Manifestações clínicas: Dores de cabeça, sinais focais e espasmos, pode não haver febre. RM, TAC, cultura de FCE estéril Tratamento: depende da encapsulação Apenas drenagem Antibioterapia sistémica 18-10-201113T10 MJC

14 Abcessos no Sistema Nervoso 18-10-201114T10 MJC

15 Encefalite 18-10-201115T10 MJC

16 Encefalite 18-10-201116T10 MJC

17 Infeções crónicas do Sistema Nervoso 18-10-201117T10 MJC

18 Tétano Exotoxina de Clostridium tetani. Tetanotoxina: causa espasmos musculares por inibir libertação de um inibidor da transmissão do impulso nervoso Entra via ferida por transporte retrogrado pelo axónio ou pela corrente sanguínea Tetanolisina: é uma hemolisina mas pouco se sabe dos sinais clínicos que provoca. A tetanotoxina provoca espasmos musculares muito violentos Contaminação por esporos da bactéria existentes no solo Prevenção feita por vacinação Tratamento por: Antidotos quando a infecção é precoce Alívio de sintomas (ventilação artificial) 18-10-201118T10 MJC

19 Infecções do Sistema Locomotor

20 Defesas imunitárias do sistema locomotor Macrófagos especializados nas membranas sinovial das articulações Liquido sinovial com algumas células mononucleadas, complemento e lisozima Vascularização da medula e córtex do osso (com as defesas associadas à corrente sanguínea) 18-10-201120T10 MJC

21 Principais agentes patogénicos Espinal medula Mycobacterium tuberculosis Brucella spp. Cryptococcus spp. Osso Staphylococcus aureus Mycobacterium tuberculosis Coliformes Salmonella (typhi) Brucella spp. Articulação Staphylococcus aureus Haemophilus influenzae Mycobacterium tuberculosis Neisseria meningitidis e N. gonorrheae Brucella spp. Treponema pallidum 18-10-201121T10 MJC

22 Principais infecções deste sistema Artrite séptica aguda Osteomilite 18-10-201122T10 MJC

23 Artrite séptica aguda Staphylococcus aureus Haemophilus influenzae Streptocccus pneumoniae e outros Neisseria gonorrheae Anaeróbios não formadores de esporos (Bacteroides) Mycobacterium tuberculosis Salmonella spp. Brucella spp. 18-10-201123T10 MJC

24 Sinais clínicos Edema Vermelhidão Dor 18-10-201124T10 MJC

25 Origem Trauma da cápsula articular Inoculação hematogénica geralmente devida a septicémia Extensão da osteomilite ou de outro foco circundante Complicações de artrite reumatóide Infecção de articulações protésicas 18-10-201125T10 MJC

26 Epidemiologia Ocorre mais frequentemente em crianças Pode ocorrer por sépis prévia da pele, nasofaringe, seios nasais, pulmões e tracto genital. Nas próteses pode originar de Paciente/equipa operatória Bloco operatório 18-10-201126T10 MJC

27 Diagnóstico laboratorial Observação directa de biofilme e cultura do fluido aspirado Hemocultura Cultura do foco primário suspeito Testes serológico (Salmonella e Brucella) 18-10-201127T10 MJC

28 Tratamento Antibioterapia imediata Baseada em antibiograma Pode ser sistémica ou localizada 18-10-201128T10 MJC

29 Artrite Reactiva Artrite aguda que afecta uma ou mais articulações Chlamydia trachomatis Salmonella, Shigella, Yersinia ou Campylobacter Mediada por mecanismos imunológicos específicos. 18-10-201129T10 MJC

30 Osteomilite Aguda Mais comum em crianças com <10anos Staph aureus, H. influenzae, Strep. pyogenes, S. pneumoniae e outros, Salmonella, Brucella, Anaeróbios não formadores de esporos Crónica Mais comum em adultos Staph. aureus, Mycobacterium tuberculosis, Pseudomonas aeruginosa, Salmonella, Brucella spp. 18-10-201130T10 MJC

31 Patogénese Qualquer lesão séptica Trauma exposto 18-10-201131T10 MJC

32 Tratamento Antibioterapia dirigida a Staph aureus antes dos resultados das culturas Cirurgia pode ser necessária 18-10-201132T10 MJC

33 Osteomilite e MD Mais comum na mandíbula Pode ser facilitada por: Patologia óssea Irradiação Trauma em condições debilitadas 18-10-201133T10 MJC

34 Bibliografia T10 MJC3418-10-2011 Capítulo 25


Carregar ppt "UPCII M Microbiologia Teórica 9 2º Ano 2011/2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google