A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Construção da Política de Informação e Informática em Saúde Versão 1.2 Brasília, 22 de outubro de 2003 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Área.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Construção da Política de Informação e Informática em Saúde Versão 1.2 Brasília, 22 de outubro de 2003 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Área."— Transcrição da apresentação:

1 A Construção da Política de Informação e Informática em Saúde Versão 1.2 Brasília, 22 de outubro de 2003 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Área de Informação e Informática

2 Roteiro da Apresentação Introdução Introdução Processo de construção da política Processo de construção da política Algumas experiências internacionais Algumas experiências internacionais A política de informação e informática em saúde A política de informação e informática em saúde propósito propósito estratégia estratégia diretrizes diretrizes Usos da informação Usos da informação Perspectivas Perspectivas

3 Introdução Sistemas de Informação de Saúde (SIS) História recente História recente 25 anos de desenvolvimento dos SIS no Brasil 25 anos de desenvolvimento dos SIS no Brasil Início – SIM - meados da década de 70 Início – SIM - meados da década de 70 Objetivo dos SIS de abrangência nacional: Objetivo dos SIS de abrangência nacional: atender a necessidade dos órgãos centrais em obter dados para efeitos imediatos de gestão ou geração do conhecimento epidemiológico atender a necessidade dos órgãos centrais em obter dados para efeitos imediatos de gestão ou geração do conhecimento epidemiológico

4 Introdução Sistemas de Informação de Saúde (SIS). O trabalho coletivo de construção do Sistema de Informação do SUS, esforço da União, Estados e Municípios ao longo de 25 anos, tem reconhecimento nacional e internacional pelo que já tem produzido de concreto.. O trabalho coletivo de construção do Sistema de Informação do SUS, esforço da União, Estados e Municípios ao longo de 25 anos, tem reconhecimento nacional e internacional pelo que já tem produzido de concreto. Experiências inovadoras implementadas nos Estados e Municípios ou mesmo no caso da iniciativa federal, do Cartão Nacional de Saúde, despertam muito interesse e vêm sendo estimuladas. Experiências inovadoras implementadas nos Estados e Municípios ou mesmo no caso da iniciativa federal, do Cartão Nacional de Saúde, despertam muito interesse e vêm sendo estimuladas.

5 Introdução Sistemas de Informação de Saúde (SIS) Problemas Problemas Operação manual dos registros nos serviços de saúde Operação manual dos registros nos serviços de saúde Re-trabalho por múltiplos instrumentos de coleta de dados Re-trabalho por múltiplos instrumentos de coleta de dados Falta de integração entre os SIS Falta de integração entre os SIS Falta de padrões para representar e compartilhar a informação em saúde Falta de padrões para representar e compartilhar a informação em saúde Captura de dados para atender demandas administrativas centrais, sem interesse para o serviço Captura de dados para atender demandas administrativas centrais, sem interesse para o serviço As crescentes demandas da informação e o atraso tecnológico consomem parte importante da mão de obra em saúde, sem melhorar a operação local. As crescentes demandas da informação e o atraso tecnológico consomem parte importante da mão de obra em saúde, sem melhorar a operação local.

6 NÍVEL FEDERAL NÍVEL ESTADUAL NÍVEL MUNICIPAL SITUAÇÃO ATUAL

7 Introdução Em outras áreas de governo, temos exemplos recentes do uso bem sucedido da informática Em outras áreas de governo, temos exemplos recentes do uso bem sucedido da informática passando do simples uso no processamento dos dados central passando do simples uso no processamento dos dados central para apoiar a realização da própria atividade com surpreendentes ganho de qualidade e produtividade para apoiar a realização da própria atividade com surpreendentes ganho de qualidade e produtividade Casos de sucesso Casos de sucesso eleições eleições imposto de renda imposto de renda

8 Introdução São poucas as iniciativas de informatização dos serviços de saúde no Brasil na união, estados e municípios. São poucas as iniciativas de informatização dos serviços de saúde no Brasil na união, estados e municípios. Mostram o sucesso da informática para aumentar a produtividade e qualidade dos serviços de saúde. Mostram o sucesso da informática para aumentar a produtividade e qualidade dos serviços de saúde. Em alguns casos também tem ajudado a prestar novos serviços aos usuários Em alguns casos também tem ajudado a prestar novos serviços aos usuários

9 Introdução As iniciativas nos serviços, As iniciativas nos serviços, importantes porque atendem as necessidades dos órgãos locais importantes porque atendem as necessidades dos órgãos locais desarticuladas desarticuladas não aproveitam racionalmente os esforços de desenvolvimento de software dos vários órgãos não aproveitam racionalmente os esforços de desenvolvimento de software dos vários órgãos o que é crítico em um país com poucos recursos para a saúde o que é crítico em um país com poucos recursos para a saúde A falta de padrões estabelecidos de representação da informação em saúde A falta de padrões estabelecidos de representação da informação em saúde não permite o intercâmbio de dados entre os serviços e sistemas de informação não permite o intercâmbio de dados entre os serviços e sistemas de informação nem a alimentação automática dos sistemas de informação de saúde nem a alimentação automática dos sistemas de informação de saúde

10 Introdução Assim, é fundamental que a Política de Informação e Informática em Saúde Assim, é fundamental que a Política de Informação e Informática em Saúde oriente o processo de informatização do trabalho em saúde oriente o processo de informatização do trabalho em saúde maximizando os ganhos de eficiência e qualidade permitidos pela tecnologia maximizando os ganhos de eficiência e qualidade permitidos pela tecnologia gerando automaticamente os registros eletrônicos para os sistemas de informação de saúde gerando automaticamente os registros eletrônicos para os sistemas de informação de saúde obtendo informação de maior confiabilidade e uso para gestão, prestação de serviços, geração de conhecimento e controle social obtendo informação de maior confiabilidade e uso para gestão, prestação de serviços, geração de conhecimento e controle social

11 Processo de Construção da Política O controle social, um dos princípios mais destacados do sistema de saúde brasileiro, garante a participação da sociedade em fóruns de deliberação de políticas de saúde O controle social, um dos princípios mais destacados do sistema de saúde brasileiro, garante a participação da sociedade em fóruns de deliberação de políticas de saúde Na qualificação das políticas de saúde, o Ministério da Saúde está apostando em processos participativos Na qualificação das políticas de saúde, o Ministério da Saúde está apostando em processos participativos Este processo está caracterizado na agenda de trabalho que resultará na definição da política de informação e informática em saúde Este processo está caracterizado na agenda de trabalho que resultará na definição da política de informação e informática em saúde Através de metodologia participativa, críticas e sugestões à proposta serão recolhidas e sistematizadas Através de metodologia participativa, críticas e sugestões à proposta serão recolhidas e sistematizadas

12

13 Algumas experiências internacionais A definição de políticas integradas para a área de Informação e Informática em Saúde vem se difundindo mundialmente. A definição de políticas integradas para a área de Informação e Informática em Saúde vem se difundindo mundialmente. As experiências de países com sistemas públicos de saúde são de especial interesse para a elaboração da política brasileira. As experiências de países com sistemas públicos de saúde são de especial interesse para a elaboração da política brasileira. Em um esforço inicial, revisou-se as experiências da Inglaterra, Canadá e Austrália. Em um esforço inicial, revisou-se as experiências da Inglaterra, Canadá e Austrália.

14 Relevância para o Brasil Aspectos comuns à política dos três países: Aspectos comuns à política dos três países: Propósito: Propósito: O uso adequado da tecnologia da informação contribuindo para melhorar a saúde da populaçãoO uso adequado da tecnologia da informação contribuindo para melhorar a saúde da população Foco: Foco: no processo de trabalho em saúde, no usuário e no registro eletrônico de saúdeno processo de trabalho em saúde, no usuário e no registro eletrônico de saúde possibilita uma visão multiprofissional, multi- institucional e de continuidade das ações de saúdepossibilita uma visão multiprofissional, multi- institucional e de continuidade das ações de saúde

15 Relevância para o Brasil Aspectos comuns à política dos três países: Aspectos comuns à política dos três países: padrões para representar e compartilhar a informação em saúde padrões para representar e compartilhar a informação em saúde infra-estrutura de conectividade infra-estrutura de conectividade capacitação de recursos humanos capacitação de recursos humanos garantia de privacidade e confidencialidade da informação identificada garantia de privacidade e confidencialidade da informação identificada planejamento estratégico planejamento estratégico dotação orçamentária dotação orçamentária processo participativo processo participativo

16 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil Propósito "Promover o uso inovador, criativo e transformador da tecnologia da informação, para melhorar os processos de trabalho em saúde, resultando em um Sistema Nacional de Informação em Saúde articulado, que produza informações para os cidadãos, a gestão, a prática profissional, a geração de conhecimento e o controle social, garantindo ganhos de eficiência e qualidade mensuráveis através da ampliação de acesso, eqüidade, integralidade e humanização dos serviços e, assim, contribuindo para a melhoria da situação de saúde da população"

17 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil Estratégia O registro eletrônico do evento em saúde O registro eletrônico do evento em saúde Para: Para: melhorar a qualidade e eficiência dos processos melhorar a qualidade e eficiência dos processos alimentar automaticamente a cadeia de informações alimentar automaticamente a cadeia de informações atender as necessidades de gestão, prática profissional, controle social e geração de conhecimento sobre a situação de saúde atender as necessidades de gestão, prática profissional, controle social e geração de conhecimento sobre a situação de saúde eliminar os instrumentos paralelos de coleta relativos ao evento em saúde eliminar os instrumentos paralelos de coleta relativos ao evento em saúde integrar os sistemas de informação em saúde integrar os sistemas de informação em saúde

18 NÍVEL FEDERAL NÍVEL ESTADUAL NÍVEL MUNICIPAL SITUAÇÃO PROPOSTA

19 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Indivíduos Atividades preventivas e curativas se beneficiam de um registro eletrônico que integre toda a informação disponível sobre o indivíduo, ao longo do tempo e entre as várias instituições com que tem contato Atividades preventivas e curativas se beneficiam de um registro eletrônico que integre toda a informação disponível sobre o indivíduo, ao longo do tempo e entre as várias instituições com que tem contato O Cartão Nacional de Saúde, que identifica univocamente usuários e profissionais, é a experiência inicial na construção deste novo paradigma. O Cartão Nacional de Saúde, que identifica univocamente usuários e profissionais, é a experiência inicial na construção deste novo paradigma.

20 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Coletividades O uso da informática nas ações de saúde coletiva traz enormes ganhos de eficiência e qualidade, para a O uso da informática nas ações de saúde coletiva traz enormes ganhos de eficiência e qualidade, para a Vigilância Sanitária Vigilância Sanitária Vigilância Ambiental Vigilância Ambiental Saúde do Trabalhador Saúde do Trabalhador A quase totalidade das atividades de campo destas áreas são inteiramente baseadas em registros manuais A quase totalidade das atividades de campo destas áreas são inteiramente baseadas em registros manuais

21 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Intersetorialidade O processo informatizado de trocas de informações com outros setores permite a articulação com as atividades que têm grande impacto sobre as condições de saúde como educação, trabalho, previdência social e outros O processo informatizado de trocas de informações com outros setores permite a articulação com as atividades que têm grande impacto sobre as condições de saúde como educação, trabalho, previdência social e outros

22 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Estabelecer Registro Eletrônico de Saúde Estabelecer Registro Eletrônico de Saúde que permita recuperar, por meios eletrônicos, as informações de saúde do indivíduo em seus diversos contatos com o sistema de saúde, com o objetivo de melhorar a qualidade dos processos de trabalho em saúde que permita recuperar, por meios eletrônicos, as informações de saúde do indivíduo em seus diversos contatos com o sistema de saúde, com o objetivo de melhorar a qualidade dos processos de trabalho em saúde

23 Registro Eletrônico de Saúde Atendimento rotineiro dos pacientes Acesso aos registros pelo usuário Apoio 24 horas à Assistência Agregados de dados anônimos Programas de melhoria da saúde Gestão e Controle Social Pesquisa Epidemiológica Fonte: NHSIA, NHS, 2000

24 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Estabelecer progressivamente sistema de identificação unívoca de Estabelecer progressivamente sistema de identificação unívoca de usuários, usuários, profissionais profissionais estabelecimentos de saúde estabelecimentos de saúde resultando no aprimoramento do processo de integração dos sistemas de informação de saúde e viabilizando o registro eletrônico de saúde resultando no aprimoramento do processo de integração dos sistemas de informação de saúde e viabilizando o registro eletrônico de saúde

25 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Estabelecer padrões de representação da informação em saúde, através de um processo aberto e participativo Estabelecer padrões de representação da informação em saúde, através de um processo aberto e participativo abrangendo vocabulários, conteúdos e formatos de mensagens abrangendo vocabulários, conteúdos e formatos de mensagens permitindo o intercâmbio entre as instituições, permitindo o intercâmbio entre as instituições, viabilizando a interoperabilidade entre os sistemas viabilizando a interoperabilidade entre os sistemas possibilitando a correta interpretação das informações possibilitando a correta interpretação das informações

26 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Dotar a área de saúde de instrumentos jurídicos, normativos e organizacionais que a capacite a assegurar Dotar a área de saúde de instrumentos jurídicos, normativos e organizacionais que a capacite a assegurar a confidencialidade a confidencialidade a privacidade a privacidade a disponibilidade dos dados e das informações individualmente identificadas em saúde a disponibilidade dos dados e das informações individualmente identificadas em saúde a autenticidade e integridade a autenticidade e integridade

27 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Investir na criação de infra-estrutura de comunicação que permita a interoperabilidade entre as aplicações nos diversos serviços de saúde Investir na criação de infra-estrutura de comunicação que permita a interoperabilidade entre as aplicações nos diversos serviços de saúde

28 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Ampliar a competência nacional na área de produção de softwares em saúde, através de: Ampliar a competência nacional na área de produção de softwares em saúde, através de: Adoção de metodologias para o desenvolvimento de sistemas de informação em saúde,Adoção de metodologias para o desenvolvimento de sistemas de informação em saúde, Atribuição de licença de software livre para todo o desenvolvimento financiado com recursos do SUS, Atribuição de licença de software livre para todo o desenvolvimento financiado com recursos do SUS, Adoção de padrões abertos de software,Adoção de padrões abertos de software, Criação e manutenção de um repositório nacional de software em saúde, incluindo componentes e aplicações, de acesso público e irrestrito,Criação e manutenção de um repositório nacional de software em saúde, incluindo componentes e aplicações, de acesso público e irrestrito, Indução da capacidade de produção do mercado de software em saúde, fomentando o potencial de geração de emprego e exportação,Indução da capacidade de produção do mercado de software em saúde, fomentando o potencial de geração de emprego e exportação,

29 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Ampliar a competência nacional na área de produção de softwares em saúde, através de: Ampliar a competência nacional na área de produção de softwares em saúde, através de: Definição de linhas de financiamento para o desenvolvimento de software em saúde, em articulação com agências financiadoras,Definição de linhas de financiamento para o desenvolvimento de software em saúde, em articulação com agências financiadoras, Articulação da capacidade de produção de software do setor público de saúde, incluindo as instituições de ensino e pesquisa,Articulação da capacidade de produção de software do setor público de saúde, incluindo as instituições de ensino e pesquisa, Estabelecimento de mecanismo de certificação e avaliação de qualidade do software e hardware desenvolvidos para a saúde eEstabelecimento de mecanismo de certificação e avaliação de qualidade do software e hardware desenvolvidos para a saúde e Capacitação de recursos humanos no desenvolvimento de aplicações em saúde.Capacitação de recursos humanos no desenvolvimento de aplicações em saúde.

30 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Promover a integração dos sistemas de informação através de Promover a integração dos sistemas de informação através de captura única do evento em saúde, através da informatização do processo de trabalho captura única do evento em saúde, através da informatização do processo de trabalho mecanismos que permitam a interoperabilidade entre as diversas aplicações informatizadas mecanismos que permitam a interoperabilidade entre as diversas aplicações informatizadas

31 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Apoiar a prática profissional, através de Apoiar a prática profissional, através de uso de telecomunicações na assistência à saúde uso de telecomunicações na assistência à saúde ensino à distância ensino à distância sistemas de apoio à decisão sistemas de apoio à decisão protocolos clínicos e programáticos protocolos clínicos e programáticos acesso eletrônico à literatura especializada acesso eletrônico à literatura especializada

32 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Estimular a coleta de dados e usos de informações não rotineiras através de pesquisas amostrais ou inquéritos periódicos capazes de complementar e validar dados coletados continuamente. Estimular a coleta de dados e usos de informações não rotineiras através de pesquisas amostrais ou inquéritos periódicos capazes de complementar e validar dados coletados continuamente.

33 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Garantir o acesso a bases de dados em saúde,respeitando a privacidade e confidencialidade de dados individuais identificados, conforme preceitos éticos. Ampliar a produção e disseminação de informações de saúde atendendo às necessidades de usuários, profissionais, gestores, prestadores de serviços e controle social às necessidades de usuários, profissionais, gestores, prestadores de serviços e controle social o intercâmbio com instituições de ensino e pesquisa, outros setores governamentais e da sociedade e instituições internacionais o intercâmbio com instituições de ensino e pesquisa, outros setores governamentais e da sociedade e instituições internacionais

34 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Estimular, através de articulação com os Ministérios de Educação e Ciência e Tecnologia, a inclusão de conteúdos relacionados à área de informação e informática em saúde, com ênfase para análise de informação, em cursos de formação de profissionais de saúde. Estimular, através de articulação com os Ministérios de Educação e Ciência e Tecnologia, a inclusão de conteúdos relacionados à área de informação e informática em saúde, com ênfase para análise de informação, em cursos de formação de profissionais de saúde. Estabelecer mecanismos que permitam a manutenção de quadro permanente de profissionais de informação e informática em saúde no Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e demais instituições que integram o setor saúde, garantindo a implementação do sistema nacional de informação em saúde. Estabelecer mecanismos que permitam a manutenção de quadro permanente de profissionais de informação e informática em saúde no Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e demais instituições que integram o setor saúde, garantindo a implementação do sistema nacional de informação em saúde.

35 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Investir na capacitação de recursos humanos para o uso da tecnologia da informação Investir na capacitação de recursos humanos para o uso da tecnologia da informação na operação do sistema de saúde na operação do sistema de saúde no desenvolvimento de aplicações em saúde no desenvolvimento de aplicações em saúde na utilização das informações de saúde na utilização das informações de saúde atendendo as necessidades específicas de atendendo as necessidades específicas de controle social controle social melhoria da capacidade de gestão melhoria da capacidade de gestão geração de conhecimento em saúde geração de conhecimento em saúde

36 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Estabelecer rede de centros colaboradores na área de informação e informática em saúde, selecionados através de processos abertos, de forma a melhor aproveitar a capacidade instalada para: Estabelecer rede de centros colaboradores na área de informação e informática em saúde, selecionados através de processos abertos, de forma a melhor aproveitar a capacidade instalada para: formação e capacitação de recursos humanos, formação e capacitação de recursos humanos, análise de situação de saúde, análise de situação de saúde, pesquisa e desenvolvimento, pesquisa e desenvolvimento, produção e disseminação de informações, produção e disseminação de informações, avaliação de alternativas e controle de qualidade de produtos. avaliação de alternativas e controle de qualidade de produtos.

37 A Política de Informação e Informática em Saúde do Brasil: Diretrizes Institucionalizar mecanismos que garantam a participação de usuários e profissionais de saúde no processo de desenvolvimento de sistemas de informação em saúde para o SUS. Institucionalizar mecanismos que garantam a participação de usuários e profissionais de saúde no processo de desenvolvimento de sistemas de informação em saúde para o SUS. Instituir um Plano Geral de Desenvolvimento de Sistemas de Informação em Saúde para orientar o conjunto de esforços e investimentos, resultando em sistemas articulados e evitando o desperdício de recursos humanos, materiais e financeiros. Instituir um Plano Geral de Desenvolvimento de Sistemas de Informação em Saúde para orientar o conjunto de esforços e investimentos, resultando em sistemas articulados e evitando o desperdício de recursos humanos, materiais e financeiros.

38 Usos da informação em saúde Há um crescente consenso sobre a importância central da informação para avaliar o sucesso das políticas de saúde Há um crescente consenso sobre a importância central da informação para avaliar o sucesso das políticas de saúde Informações de qualidade, são capazes de revelar a realidade de serviços e ações de saúde, evidenciando vantagens e problemas de prioridades e investimentos definidos frente a situação de saúde da população. Informações de qualidade, são capazes de revelar a realidade de serviços e ações de saúde, evidenciando vantagens e problemas de prioridades e investimentos definidos frente a situação de saúde da população. A desconcentração geográfica, a ampliação e o fortalecimento das bases científico-tecnológicas de produtos e processos de trabalho em saúde potencializam este uso da informação. A desconcentração geográfica, a ampliação e o fortalecimento das bases científico-tecnológicas de produtos e processos de trabalho em saúde potencializam este uso da informação.

39 Relação com os objetivos setoriais Em sintonia com este consenso, o Ministério da Saúde pretende estabelecer uma política de informação e informática em saúde para subsidiar Em sintonia com este consenso, o Ministério da Saúde pretende estabelecer uma política de informação e informática em saúde para subsidiar a produção e difusão do conhecimento, a gestão, a organização do trabalho em saúde e o controle social a produção e difusão do conhecimento, a gestão, a organização do trabalho em saúde e o controle social o planejamento e a avaliação de ações individuais e coletivas, que reduzam a morbimortalidade por doenças e agravos prevalentes, considerando a diversidade local, regional e os grupos ou segmentos populacionais mais expostos o planejamento e a avaliação de ações individuais e coletivas, que reduzam a morbimortalidade por doenças e agravos prevalentes, considerando a diversidade local, regional e os grupos ou segmentos populacionais mais expostos

40 Relação com os objetivos setoriais A política de informação e informática em saúde deve apoiar A política de informação e informática em saúde deve apoiar a promoção da eqüidade na atenção integral à saúde a promoção da eqüidade na atenção integral à saúde a reorganização da atenção especializada a reorganização da atenção especializada o aperfeiçoamento e consolidação da gestão descentralizada do SUS o aperfeiçoamento e consolidação da gestão descentralizada do SUS o fortalecimento da gestão democrática do SUS o fortalecimento da gestão democrática do SUS a definição da política nacional de investimentos em saúde a definição da política nacional de investimentos em saúde

41 Relação com os objetivos setoriais A política de informação e informática em saúde deve apoiar A política de informação e informática em saúde deve apoiar o combate às adulterações de produtos, concorrências desleais e disfunções técnicas o combate às adulterações de produtos, concorrências desleais e disfunções técnicas medidas voltadas à preservação do meio ambiente medidas voltadas à preservação do meio ambiente a melhoria da qualidade dos ambientes de trabalho e à prevenção e tratamento de doenças e agravos relacionados ao trabalho a melhoria da qualidade dos ambientes de trabalho e à prevenção e tratamento de doenças e agravos relacionados ao trabalho

42 Usos da informação em saúde Parceiros estratégicos na produção e utilização das informações em saúde: Parceiros estratégicos na produção e utilização das informações em saúde: usuários usuários profissionais profissionais gestores gestores prestadores de serviços de saúde prestadores de serviços de saúde instituições de ensino e pesquisa instituições de ensino e pesquisa sociedade civil organizada sociedade civil organizada controle social controle social

43 Usos da informação em saúde: usuários facilitar o acesso aos serviços de saúde facilitar o acesso aos serviços de saúde agilizar o agendamento agilizar o agendamento humanizar o atendimento de saúde humanizar o atendimento de saúde garantir o pleno acesso às suas informações de saúde (habeas data) garantir o pleno acesso às suas informações de saúde (habeas data) promover a educação em saúde promover a educação em saúde fortalecer a autonomia e o autocuidado em saúde fortalecer a autonomia e o autocuidado em saúde orientar o convívio com as doenças e a manutenção da saúde orientar o convívio com as doenças e a manutenção da saúde conhecer a situação de saúde da população e as características de serviços e profissionais conhecer a situação de saúde da população e as características de serviços e profissionais

44 Usos da informação em saúde: profissionais de saúde aprimorar o trabalho em saúde através de: aprimorar o trabalho em saúde através de: registro eletrônico de saúde registro eletrônico de saúde agendamento, referência e contra-referência de usuários agendamento, referência e contra-referência de usuários protocolos clínicos e programáticos protocolos clínicos e programáticos alertas e notificações alertas e notificações sistemas de apoio à decisão sistemas de apoio à decisão consulta assistida à distância consulta assistida à distância produção de conhecimento científico produção de conhecimento científico capacitação e educação continuada capacitação e educação continuada ensino à distância ensino à distância educação em saúde da população educação em saúde da população avaliação e desempenho de profissionais, equipes e serviços avaliação e desempenho de profissionais, equipes e serviços análise da situação de saúde da população análise da situação de saúde da população

45 Usos da informação em saúde: gestores aperfeiçoar e consolidar a gestão descentralizada do SUS aperfeiçoar e consolidar a gestão descentralizada do SUS planejar as ações de saúde segundo as necessidades e demandas locais planejar as ações de saúde segundo as necessidades e demandas locais subsidiar o acompanhamento financeiro, administrativo e das políticas de saúde subsidiar o acompanhamento financeiro, administrativo e das políticas de saúde avaliar desempenho, processos e impacto dos serviços avaliar desempenho, processos e impacto dos serviços qualificar as atividades de controle, avaliação, regulação e auditoria qualificar as atividades de controle, avaliação, regulação e auditoria promover o acesso ao conhecimento e à capacitação promover o acesso ao conhecimento e à capacitação agilizar a troca de informação com outros níveis de governo, outros setores e instituições agilizar a troca de informação com outros níveis de governo, outros setores e instituições

46 Perspectivas A política de informação e informática em saúde ao adotar um processo participativo, levando em conta as experiências nacional e internacional no desenvolvimento de sistemas de informação e no uso criativo e transformador da tecnologia da informação, certamente resultará em benefício de toda a sociedade brasileira. A política de informação e informática em saúde ao adotar um processo participativo, levando em conta as experiências nacional e internacional no desenvolvimento de sistemas de informação e no uso criativo e transformador da tecnologia da informação, certamente resultará em benefício de toda a sociedade brasileira.

47 Site da Política


Carregar ppt "A Construção da Política de Informação e Informática em Saúde Versão 1.2 Brasília, 22 de outubro de 2003 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Área."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google