A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ECONOMIA BRASILEIRA CRISE DE 1962-1967, O PAEG E AS BASES DO MILAGRE ECONÔMICO – CAP. 8 Profa. Daniela Scarpa Beneli.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ECONOMIA BRASILEIRA CRISE DE 1962-1967, O PAEG E AS BASES DO MILAGRE ECONÔMICO – CAP. 8 Profa. Daniela Scarpa Beneli."— Transcrição da apresentação:

1 ECONOMIA BRASILEIRA CRISE DE , O PAEG E AS BASES DO MILAGRE ECONÔMICO – CAP. 8 Profa. Daniela Scarpa Beneli

2 1. P RIMEIRA CRISE ENDÓGENA Explicações para a Crise Crise Cíclica: capacidade ociosa Celso Furtado: importação de tecnologias poupadoras de mão de obra Instabilidade Política Inflação

3 1. P RIMEIRA CRISE ENDÓGENA Tratou-se de crise cíclica, agravada pela instabilidade política e pela políticas de estabilização recessivas (Plano Trienal e PAEG)

4 2. C RISE POLÍTICA E O PLANO TRIENAL Janio Quadros herdou problemas do Plano de Metas: Inflação Déficit público Déficit em transações correntes (ver slide 9 da aula anterior) João Goulart Plano Trienal de Celso Furtado Ações antiflacionárias: queda do gasto público e da Liquidez 1962: PIB = 6,6% 1963 : PIB = 0,6% e Inflação = 83,25% 1963: Celso Furtado deixa o governo

5 O Sr. Celso Furtado assinando o termo de posse no Conselho de Ministros, sob as vistas do Presidente João Goulart e do Primeiro-Ministro Hermes Lima - Foto: Arquivo / Agência O Globo

6 3. R UPTURA DEMOCRÁTICA E MODELO DEPENDENTE ASSOCIADO 1964: Governo Militar Fim do populismo (1930 e 1960) agroexportadora para urbano industrial Acumulação industrial: taxas de retorno e Estado Getúlio Vargas: pai dos pobres e mãe dos ricos trabalhadores X do processo de acumulação Intensificação do PSI (1950 a 1987) Terceiro maior crescimento do per capita do mundo

7 3. R UPTURA DEMOCRÁTICA E MODELO DEPENDENTE ASSOCIADO 1964: Governo Militar Programa Nacional Desenvolvimentista Capitalismo dependente e associado Elevado grau de internacionalização Oligopolização através das MNC Dependência externa

8 4. PAEG – ESTABILIZAÇÃO E MUDANÇAS INSTITUCIONAIS PAEG Ministro do Planejamento: Roberto Campos Ministro da Fazenda: Octávio Gouvea de Bulhões Presidente do Bacen: Mario Henrique Simonsen Internamente: Inflação Internacionalmente: Normalização das relações com FMI

9 Roberto Campos - ministro da economia do governo Castelo Branco -, desembarcando no Santos Dumont - Foto: Aníbal Philot / Agência O Globo

10 4. PAEG – ESTABILIZAÇÃO E MUDANÇAS INSTITUCIONAIS PAEG Diagnóstico da Inflação Excesso de demanda Monetização do déficit público Expansão do crédito para as empresas Aumentos salariais Ações Política Fiscal restritiva: redução de gastos e aumento da arrecadação Política monetária restritiva: controle de emissão monetária e de crédito Política de Rendas restritiva: contenção salarial

11 4. PAEG – ESTABILIZAÇÃO E MUDANÇAS INSTITUCIONAIS PAEG Ações Reformas Bancária CMN, Bacen, Financeiras, Bancos comerciais e de investimento BNH Tributária Criação: ICM, IPI Financiamento: ORNT, LTN Trabalhista Extinção das indenizações por tempo de serviço FGTS

12

13 R ESULTADOS DO PAEG... C RISE DOS ANOS

14

15 Humberto de Alencar Castelo Branco (Presidente da Republica) General Artur Costa e Silva (à esquerda) e Ernesto Geisel (atrás do Castelo Branco) - Foto: Arquivo / O Globo : Castelo Branco : Costa e Silva : Geisel : Médice


Carregar ppt "ECONOMIA BRASILEIRA CRISE DE 1962-1967, O PAEG E AS BASES DO MILAGRE ECONÔMICO – CAP. 8 Profa. Daniela Scarpa Beneli."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google