A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cristologia A pessoa e a obra de Jesus. Definição Cristologia é a doutrina sobre a pessoa e a obra de Jesus Cristo; o estudo de seu relacionamento com.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cristologia A pessoa e a obra de Jesus. Definição Cristologia é a doutrina sobre a pessoa e a obra de Jesus Cristo; o estudo de seu relacionamento com."— Transcrição da apresentação:

1 Cristologia A pessoa e a obra de Jesus

2 Definição Cristologia é a doutrina sobre a pessoa e a obra de Jesus Cristo; o estudo de seu relacionamento com Deus e de seu relacionamento com os homens.

3 Os títulos de Jesus Cristo Cristo, do grego, significa ungido. É a transliteração da palavra hebraica Messias, com o mesmo significado. Jo 1.41; Possui a força de um título em Atos Paulo parece usá-lo neste sentido, Rm 6.3; 9.5. Unção (costume judaico) – a não compreensão do significado pode ter levado os gentios cristãos de fala grega a usar o termo como um nome próprio (cristãos e não jesuítas!).

4 Os títulos de Jesus Cristo Unção no AT referia-se à alegria, Rt 3.3; Sl 45.7, portanto a ideia de um ungido sofredor é uma contradição em termos. O ungido do Senhor, 1Sm 16.6, refere-se ao rei e, depois dos dias de Davi, indicava sempre um filho de Davi, de onde se entendeu que a messianidade envolve o reinado e a filiação de Davi. Ciro, rei da Pérsia, é descrito como ungido do Senhor, Is 45.1 – figura – reconstruiu o templo

5 Os títulos de Jesus Cristo Revelação da messianidade velada: 1) Maria, Isabel, José, anjos, pastores, Simeão, Ana, magos, Herodes, João Batista, 2) Satanás, demônios, 3) discípulos, 4) inimigos. Jesus não assumiu a posição devido ao conceito judaico de messianidade, Mt 16.22, mas esperou que a revelação chegasse aos discípulos e eles mesmos confessassem, v.16. Depois, Jesus aceita o título e redefine a messianidade nos termos de sofrimento e morte, v.21. O sinal contraditado - no julgamento de Jesus - o conceito judaico de messianidade contradizia o que se tornou o Messias crucificado, pedra de tropeço para o devoto judeu, a confissão de fé de todo cristão, 1Co 1.23, e o assunto de toda pregação cristã inicial, At 3.18.

6 Os títulos de Jesus Senhor Kurios, usada como sinal de respeito ou reconhecimento de autoridade, Jo (hortelão); (Tomé). Para o gentio referia-se ao imperador ou rei, com nuanças religiosas; ao deus de um grupo ou aos deuses. Em oposição, usava-se kurios com frequência para se referir a Jesus, Mc 7.28, Senhor e Deus. Para o judeu se revestia de autoridade divina; na versão dos LXX (Septuaginta) o nome Yahweh era substituído pelo termo. Para o judeu cristão, Senhor expressa a completa divindade de Cristo e igualdade com Deus; qualquer função divinas pode ser atribuída a ele, Hb Orações a Jesus como Senhor, At 7.59, único Senhor, 1Co 8.5,6.

7 Os títulos de Jesus Filho do Homem Título favorito escolhido pelo próprio Jesus - 12 X usado por Jesus no Ev. de João; 70 X nos sinópticos. Titulo com dois sentidos distintos no AT: – Simples homem, representativo da figura terrena, Sl 8.4; Ez 2.1; – Figura celestial, quase divina, Dn 7.13 (expectativa dos judeus). Não havia Messias sofredor para o judeu; não deveria haver o Filho do homem há de padecer, Mt 17.12,. Pedro, At 2.22; e Estevão, 7.56 apontam, pelo contexto, para o Filho do homem celestial e não o da representação humana ou figura terrena. O termo aparece em Hb 2.6 (Sl 8.4) e na visão do Cristo ressuscitado em Ap 1.13; Paulo enfatiza o último Adão, 1Co 15.45, e o segundo homem, 15.47, enfatizando que o segundo é vindo do céu.

8 Os títulos de Jesus Filho de Deus Título usado livremente tanto pelos: demônios, Mt 8.29; estrangeiros, 27.54; discípulos, Em Mt e Lc - associa-se ao nascimento virginal, Mt 1.23; Lc Em Mc e Jo, enfatizam a origem celestial, Mc 1.1; Jo Favorita em Paulo e em sua pregação, Rm 1.3; At No AT, o título foi usado para: – Anjos, Gn 6.2; Jó 1.6; Dn 3.25; – Ao descendente de Davi (Sl). – Referir-se à divindade completa, Sl Jesus aceita o título, pois, os judeus entenderam que reivindicava igualdade com Deus, Jo Ser Filho significa ser Deus, mesmo em dependência, obediência e sofrimento, Hb 5.8. Filho de Deus indica divindade de Cristo.

9 Os títulos de Jesus O Servo de Yahweh Conceito presente na segunda metade do livro de Isaías (sofrimento – morte – vitória final); tema também encontrado em Atos 3.13 e 1Pedro 1.19 e na Cristologia paulina, Fp 2.7. Título que se funde ao Filho de Deus e ao Cordeiro de Deus, em Jo 1.29; Is A voz dirigida a Jesus em Mt 3.17 é ao servo de Is Seu ministério de cura é igualado ao cântico do servo em Isaías 42, Mt Jesus menciona-se em correlação direta com Isaías 53, Mt e

10 Os títulos de Jesus Salvador O próprio nome de Jesus já continha esta ideia, Mt Este é um epíteto, título, uma qualificação de Deus, 2Sm 22.3; Jd 25; ou de alguém levantado por ele, Is João apresenta duas vezes, Salvador do mundo, Jo 4.42; 1Jo Lucas 2.11 menção direta; Pedro em At 5.31; Paulo em At 13.23; Fp 3.20; 2Tm 1.10; Tt 1.4. Usado desde o início da Igreja, pois, a palavra peixe em grego "ichthyos" (ΙΧθΥΣ), era usada como um anagrama, pois suas cinco letras eram também a abreviação da frase: Iesous Christos Theou Yios Soter (Jesus Cristo Filho de Deus, Salvador).

11 Os títulos de Jesus Salvador Usado desde o início da Igreja, pois, a palavra peixe em grego "ichthyos" (ΙΧθΥΣ), era usada como um anagrama, pois suas cinco letras eram também a abreviação da frase: Iesous Christos Theou Yios Soter (Jesus Cristo Filho de Deus, Salvador).

12 Palavra Logos, grego, traduzido por Verbo ou Palavra. Termo filosófico raro, presente nos textos dos filósofos do passado, de significado amplo. Os títulos de Jesus Heráclito - princípio divino que governava o universo e impedia que o mundo, em constante mutação, se tornasse o caos; era a capacidade do homem pensar e raciocinar, de discernir entre o bem e o mal; de onde provém o conhecimento da verdade; a mente de Deus.

13 Os títulos de Jesus Palavra – Sofistas – poder do pensamento, da fala e da persuasão, chegando a ser, predominantemente, a razão humana. – Aristóteles – fonte da virtude humana já que as ações são determinadas pelo entendimento, e é pela fala que chegamos ao entendimento. A escola de Atenas – Raphael Vaticano

14 Os títulos de Jesus Palavra – Estóicos – Logos é a alma inteligente, interior, autoconsciente e universal, da qual a nossa razão é parte e expressa a natureza ordenada e teleologicamente orientada do cosmos. Paulo conversou com estóicos no Areópago em Atenas, At 17.18,19. Zenon

15 Os títulos de Jesus Palavra – Filo de Alexandria (30 a.C. – 50 d.C.) – Logos era uma figura mediadora que procede de Deus, que forma um laço entre o Deus transcendente e o mundo, e representa a humanidade como sumo sacerdote e advogado diante de Deus; é a suma e o lugar do poder criador de Deus, e como tal ordena e governa o mundo visível. Filo de Alexandria

16 Os títulos de Jesus Palavra Justino, o Mártir ( ) – Afirmava que as sementes da sabedoria foram semeadas por todo o mundo, portanto, os cristãos podiam encontrar lampejos da verdade divina na filosofia secular da Grécia; é a doutrina do Logos Spermatikos, Palavra Germinadora, que propunha que cada homem recebeu em seu intelecto um germe do Logos. Para ele, nem tudo o que foi ensinado pelos filósofos estava fora das Escrituras.

17 Os títulos de Jesus Palavra Nós recebemos o ensinamento de que Cristo é o primogênito de Deus e indicamos que ele é o Verbo, do qual todo o gênero humano participou. Portanto aqueles que viveram conforme o Verbo são cristãos, quando foram considerados ateus, como sucedeu entre os gregos com Sócrates, Heráclito e outros semelhantes (Apologia I, 1995, 46.2,3). Com efeito, tudo o que os filósofos e legisladores disseram e encontraram de bom foi elaborado por eles pela investigação e intuição natural, conforme a parte do Verbo que lhe coube. Todavia, como eles não conheceram o Verbo inteiro, que é Cristo, eles frequentemente se contradisseram uns aos outros (Apologia II, 1995, 10.2,3 Portanto, tudo o que de bom foi dito por eles, pertence a nós, cristãos, porque nós adoramos e amamos depois de Deus, o Verbo, que procede do mesmo Deus ingênito (nascido com o indivíduo, inato) e inefável (que não se pode exprimir pela palavra; encantador, delicioso, inebriante). Todos os escritores só puderam obscuramente ver a realidade, graças à semente do Verbo neles ingênita (Apologia II, 1993, 13.4,5). Justino, o Mártir

18 Os títulos de Jesus Palavra Acusação Influência helenística excessiva na esfera da fé cristã. Refutação Fundamento das escolas filosóficas: reino espiritual diferente do material. O estoicismo - o espírito era a forma mais refinada da matéria. A filosofia grega compreendia as coisas em termos de naturezas. Se o Logos se tornara carne, o Logos se transformaria deixando de ser Logos – como a lagarta é destruída ou deixa de existir ao transformar-se em borboleta. Seria impossível contemplar-lhe a glória como João afirma.

19 Os títulos de Jesus Palavra Refutação O logos, como ideia grega, é impessoal, já o logos de João é pessoa e recebeu o nome de Jesus, possibilitando o entendimento primeiro do judeu e também do grego, Rm Porém, o que descarta a influência filosófica grega é que nunca houve paralelo com a verdade da encarnação, em que o Logos (Verbo) se fez carne, Jo 1.14.

20 Os títulos de Jesus Palavra Logos é usado como um título para Jesus em João 1.1,14; 1João 1.1 e Apocalipse Este termo engloba dois pensamentos: – Atividade criadora preexistente. – Perfeita expressão e revelação de Deus. Esta ideia está presente em Paulo, Cl e em Hb na categoria de Sabedoria.

21 Os títulos de Jesus Palavra No AT há a palavra criadora (debar-Yahwehidebar- Yahweh), que proferida por Deus ou dada aos profetas para ser dita em seu nome. Nela não há falha possível em cumprimento ao propósito divino, Is Essa palavra de Deus é assim personificada.

22 Os títulos de Jesus Palavra Para os judeus (bem como para qualquer oriental da antiguidade) a palavra não era um mero som, mas algo de existência independente e cheio de poder: Pela palavra do SENHOR foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo espírito da sua boca. Sl 33:6 Enviou a sua palavra, e os sarou; e os livrou da sua destruição. Sl 107:20 O que envia o seu mandamento à terra; a sua palavra corre velozmente. Sl 147:15 Porventura a minha palavra não é como o fogo, diz o SENHOR, e como um martelo que esmiúça a pedra? Jr 23:29

23 Os títulos de Jesus Palavra A palavra de Isaque, depois de abençoar Jacó, não podia mais voltar atrás, Gênesis 27:30-40 – E disse Esaú a seu pai: Tens uma só bênção, meu pai? Abençoa-me também a mim, meu pai. E levantou Esaú a sua voz, e chorou. O poder da Palavra de Deus é manifesto no relato da criação – 7 X E disse Deus, Gênesis 1:3, 6-24

24 Os títulos de Jesus Palavra Nos Targumins ou Targuns - em muitos textos são acrescentados de elementos antropomórficos, colocando no lugar de Senhor, os termos palavra, declaração, discurso: E Moisés levou o povo fora do arraial ao encontro (COM A PALAVRA) de Deus; e puseram-se ao pé do monte. Êxodo 19:17...porquanto isso é um sinal entre mim (MINHA PALAVRA) e vós... Êxodo 31:13 Também a minha mão fundou (POR MINHA PALAVRA FUNDEI) a terra, e a minha destra mediu os céus a palmos... Isaías 48:13

25 A pré-existência de Jesus Cristo No AT, Deus se revelou em sua unidade, sem qualquer distinção interpessoal perceptível nesse tempo. No AT, não é correto identificar Deus com a pessoa do Pai revelada no NT, pois, antes da vinda de Jesus, as três pessoas falavam com a mesma voz, e é impossível dizer qual delas era mais presente ou ausente que as demais. Para alguns comentaristas, afora as manifestações figuradas e indiretas do Filho no AT, apesar de presente e ativo na divindade, não há evidência de revelação específica e direta do Filho no AT. (Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, Hebreus 11:38-39 Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo. Hebreus 1:1-2

26 A pré-existência de Jesus Cristo Jesus introduziu a novidade de chamar a Deus de Pai no Pai Nosso, Mt 6. Escandalizou os judeus ao chamar Deus de seu Pai, Jo Paulo - experiência exclusivamente cristã, Gl 4.6. Os judeus entendiam que chamar a Deus de Pai era ter um relacionamento entre iguais. Um filho é igual ao pai no nível humano básico. O conceito de eternidade judaico - os pais se eternizam nos filhos; havendo filhos não há encerramento da existência, ideia que iguala pais e filho no mesmo nível. Ao chamar Deus de Pai, Jesus disse a todos que também era Deus.

27 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a A Palavra existia no princípio; nunca houve tempo em que a Palavra não tenha existido. Ele estava antes de toda criação de Gn 1.1, portanto não pode fazer parte da criação; não pode ter sido uma criatura porque nada há no universo que não tenha vindo dele: Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. João 1:3 Antes do tempo começar e tudo ser criado, o Verbo já existia: Antes que Abraão existisse...Eu sou, Jo 8:58 Esta afirmação se refere à sua eternidade; no princípio Deus criou..., mas João afirma que no princípio era..., ou seja, já existia. Era, imperfeito grego, é existencial e transmite ideia de continuidade.

28 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a O contexto bíblico confirma: E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. Cl 1:17 E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse. Jo 17:5 Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo. Jo 17:24 A pré-existência de Cristo é eterna; o Filho já existia na eternidade: E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Mq 5:2...Pai da Eternidade..., Is 9:6 (Aquele que tem em si a eternidade e pode partilhá-la)

29 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Hebreus 13:8 Jesus não pode ser a primeira criatura (TJ) porque haveria um período na história em que ele não teria existido. Se ele passou a existir a partir do dia em que foi criado, como pode ser ele o mesmo antes de existir? Em qualquer tempo da eternidade passada, os tempos antes dos séculos, Tt 1.2, ele era o Verbo, o mesmo, pois é imutável.

30 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a TODAS as coisas foram feitas POR INTERMÉDIO DELE, e sem ele NADA do que foi feito se fez. João 1:3 A palavra grega para por intermédio dele é (dia), através de, por meio de, por, causa de é a mesma palavra aplicada a Deus-Pai: Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém. Romanos 11:36

31 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Se o Filho fosse criado, então existiria no universo uma criatura que não foi feita por ele, que seria ele mesmo! Mas o texto de João é claro e objetivo desejando exatamente mostrar que nada há neste universo que não seja criado pelo Senhor Jesus! Criação TODAS as coisas por meio dele Jesus Sem Ele NADA do que foi feito se fez Por intermédio

32 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Ário ( d.C.) Era um diácono/presbítero em Alexandria que propôs a doutrina chamada arianismo. Ele defendia que: O Logos e o Pai não eram da mesma essência O Filho era uma criação do Pai Houve um tempo em que o Filho (ainda) não existia Ário

33 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Ário - Questão lexicográfica Ário usava a Septuaginta (versão grega da Bíblia hebraica). Uma de suas bases doutrinárias está em Pv 8.22, em que ele associava a Sabedoria com Jesus, traduzida desta forma: O Senhor me possuiu – ARC O Senhor me possuía – ARA Jeová me possuiu – TB O Senhor me criou – LXX, a Bíblia de Alexandria O verbo qanah =obter, adquirir, criar, fundar, comprar, possuir, produzir.

34 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Ário - Questão lexicográfica O termo qanah parece 83 vezes no AT, sendo que somente em 6 vezes parece ter o sentido de criar: Gn 14.19,22; Dt 32.6; Sl 74.2; 73.2; 78.54; 77.54; O significado criar é para ser rejeitado... Os substantivos derivados de qana ( qyniqn, miqna, miqneh ) nunca se referem a concepção ou criação, The Theological Dictionary of the Old Testament O Senhor me possuía simplesmente significa: Eu era o Senhor. Comentário Bíblico de Moody.

35 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a O verbo criar, no hebraico é bara (criar do nada, iniciar uma coisa nova), é usado somente com referência à atividade de Deus, especialmente para expressar o conceito de criação divina.

36 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Ário - Questão teológica Não há vínculo direto entre a Sabedoria de Provérbios 8.22 com Cristo. Não há afirmação expressa que essa sabedoria seja o Senhor Jesus. A palavra no hebraico para sabedoria em Provérbios é chokmah que significa em geral: – habilidade na guerra – sabedoria em administração – perspicácia – prudência em assuntos religiosos – ética religiosa

37 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Ário - Questão teológica Tertuliano ( ) – associou sabedoria aos estágios da história do Logos Justino, o Mártir – associou sabedoria com o Logos Irineu – associou-a ao Espírito Santo Não há consenso entre comentaristas e especialistas na Palavra. Tertuliano Justino Mártir Irineu de Lion

38 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a Paulo chama Jesus de Sabedoria de Deus, porém usa a palavra sophia, e não Logos: Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção, 1Co 1.24,30. Paulo chama-o também de poder, justiça, santificação, redenção, não personalizando as palavras, mas exaltando os feitos de Jesus em cada uma das áreas. A sabedoria é parte divina bem como as demais virtudes.

39 No princípio era o Verbo, Jo 1.1a O conceito eternidade do Logos é o mesmo que a Bíblia apresenta como um dos atributos incomunicáveis de Deus: O teu trono está firme desde então; tu és desde a eternidade, Sl Isso significa que Deus é livre de toda distinção temporal de passado ou de futuro, ele não teve um começo e nem terá fim em seu Ser, é de duração infinita de tempo, sem início nem fim. É essa a ideia que o apóstolo transmite ao afirmar no princípio era o Verbo. Esequias Soares

40 O Verbo estava com Deus, Jo 1.1b Significando não só a existência da Palavra no ser de Deus, mas que a Palavra era separada como entidade diferente. O termo Deus = Pai; quando theos vem acompanhado de artigo ho, ou sem qualificação, refere-se sempre ao Pai. (E. S.) A frase com o Deus (pros ton theon) mostra ideia de um relacionamento dinâmico numa comunhão perfeita na eternidade passada entre o Pai e o Filho. A preposição gregapros, com, na construção de João indica um plano de intimidade e igualdade, face a face. Isto indica que o Pai é uma Pessoa distinta do Verbo. Uma contrariedade às doutrinas que se seguiram na história da Igreja:

41 O Verbo estava com Deus, Jo 1.1b A manifestação das três pessoas distintas nas Escrituras. – O batismo de Jesus, Mt 3.16,17; – a oração sacerdotal de Jesus, Jo 17; – outras passagens: Jo 8.17,18; 1Jo João enfatizou duas vezes que o Pai é uma pessoa e o Filho outra: Jo 1.1b e v.2 ele estava no princípio com Deus.

42 O Verbo era Deus, Jo 1.1c Afirmação taxativa; tudo o que se diz de uma pessoa deve ser automaticamente aplicado também à outra. A ideia progressiva culmina com a afirmação enfática e o Verbo era Deus. A divindade do Verbo é expressa e explicitamente demonstrada no prólogo do evangelho de João. Todo contexto bíblico mostra: Jesus é Deus igual ao Pai: Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus. Jo 5:18 Eu e o Pai somos um. Jo 10:30 Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade; Cl 2:9

43 O Verbo era Deus, Jo 1.1c

44 Deus é amor, 1Jo.4.16 Para que o amor tenha significado, deve existir quem seja capaz de amar e de receber amor. Para ser perfeito, o amor deve ser recíproco. Quando não, é trágico, causa dor e divisão. Se o Filho não amasse o Pai com a mesma intensidade que o Pai o ama geraria desequilíbrio na divindade – algo destrutivo à unidade de Deus. Deus é amor é garantia final de que o Pai e o Filho são idênticos em todos os aspectos.

45 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo 1)Negações da humanidade de Jesus Docetismo – Como a matéria é intrinsecamente má, Cristo não encarnou plenamente, mas tinha uma aparência de corpo humano. Ideia pré-gnóstica combatida em Colossenses e João surgida nos fins do século I. Apolinarianismo – Apolinário, bispo de Laodicéia dizia que, em Cristo, o Logos (alma divina) tomou o lugar da alma humana. Gregório de Nazianzo contrariou: O que não é assumido não é curado. O Concílio de Constantinopla em 381 condenou o apoliarianismo.

46 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo 1)Negações da humanidade de Jesus Eutiquianismo (monofisismo – monos = apenas uma; physis = natureza) – Eutiques, monge em Constantinopla, afirmava que a natureza divina absorveu a natureza humana. Portanto, Cristo, após a união, possuía totalmente a natureza divina e apenas se revestia de carne humana. O Concílio de Calcedônia em 451 rejeitou esta doutrina.

47 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo Ebionismo – Ebion é uma palavra hebraica que significa pobre, necessitado, miserável, mendigo, pedinte de esmolas. Jesus era um profeta extraordinário, que se identificava com os pobres, mas não era Deus, sendo filho natural de José e Maria (reavivado pelo unitarismo, teólogos liberais e teologia da libertação). 2) Negações da divindade de Cristo

48 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo 2) Negações da divindade de Cristo Adocionismo – Jesus era tão submisso ao Pai que o Pai o adotou como o seu Cristo e Salvador dos homens vindo a possuir uma posição exaltada e divina. Arianismo – Cristo era apenas uma criatura, não o Deus eterno. A frase- chave do movimento é houve um tempo quando Cristo não era. Estimulou a elaboração do Credo de Nicéia em 325, no primeiro grande Concílio onde esta doutrina foi refutada (TJ).

49 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo Nestorianismo – Naturezas incompletas, quando se unem forma a natureza completa (alma + corpo = ser humano). Naturezas completas não podem se unir (divindade + humanidade). Portanto, as duas naturezas em Cristo são duas pessoas unidas somente por suas vontades e propósitos comuns. Rejeitado no III Concílio de Éfeso em ) Negação da união pessoal divino-humana de Cristo

50 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo 4) Negações da distinção entre o Pai e o Filho Sabelianismo – Sabélio, Presbítero de Ptoleimada dizia que só existe uma Pessoa divina, Deus-Pai, que se manifesta nas três formas: Pai, Filho e Espírito Santo (Deus se transformou no processo da história). Combatido por Hipólito, Tertuliano e Origines, dentre outros, e mais tarde pelos reformadores. Modalismo – Surgiu com Paulo de Samosata, bispo de Antioquia, ; Deus apresentou-se de três modos e não existe eternamente como três pessoas, mas somente uma. O Espírito Santo é mero atributo impessoal de Deus. Essa doutrina foi o prenúncio do arianismo. Rejeitado no Sínodo de Antioquia em 268.

51 Heresias Antigas - As falsas concepções sobre a Pessoa de Cristo O unitarismo, movimento moderno de tendências racionalistas alcançou grande ímpeto na Nova Inglaterra, no século XIX. Negava a doutrina da Trindade, mas também negava a divindade de Cristo; tendia a considerar o pecado como uma imperfeição passageira na natureza humana, que é essencialmente boa. Um retorno ao ebionismo.

52 A Anunciação Onde a encarnação de fato iniciou?* Este relato ocupa somente treze versículos e aparece somente em um evangelho, Lc

53 A Anunciação Até 1751 havia uma festa da anunciação, fixada em 25 de março, exatos nove meses antes do Natal. A data era considerada o início do ano litúrgico, pois a encarnação de Jesus ocorreu no momento de sua concepção no ventre de Maria*. Ignorar a anunciação é incentivar a negação do nascimento virginal de Cristo (os católicos romanos jamais abandonaram a anunciação).

54 A Anunciação Lucas inter-relaciona Maria e Isabel (três primeiros meses de gestação de Maria sobrepõem-se aos três últimos de Isabel, quando passaram juntas). João Batista no ventre da mãe moveu-se quando da aproximação de Maria. Isabel compreendeu o fato como revelação especial, chamando Maria de a mãe do meu Senhor, Lc 1.43, mencionando com isto que o próprio Deus se encontrava no ventre de Maria para nascer!

55 A Anunciação

56 A figura dos nomes: José e Maria – nomes ligados ao início e ao fim do período de escravidão no Egito (José, filho de Jacó, que de escravo chegou a Governador do Egito e Miriam (Maria), irmã de Moisés que vivenciou a libertação do Egito). Jesus (Javé é Salvação) – Josué, sucessor de Moisés, que tirou a casa de Jacó do deserto e a fez entrar na terra prometida. Davi – o rei que conquistou a terra que foi prometida à Abraão. Jesus é o herdeiro de Davi, autorizado a governar o reino sem fim prometido pelo anjo Gabriel.

57 A Anunciação Jesus era descendente de Davi, não por Maria, mas por José, o pai não biológico. Jesus não era descendente de Davi por descendência sanguínea, mas por contrato matrimonial. A herança régia procede do pai adotivo de Jesus, não da mãe. A Trindade atuou na concepção de Jesus. Gabriel afirmou que o Espírito Santo desceria sobre ela e o poder do Altíssimo (Deus) a cobriria com a sua sombra, para que o fruto do ventre fosse o Filho de Deus. E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. Lucas 1:35

58 A encarnação O Verbo se fez carne, Jo 1.14 Vimos que o Logos foi estratégia do Espírito Santo ao inspirar João na produção de seus escritos, um recurso extraordinário para alcançar judeus e gregos pois deles era conhecido os conceitos de dabar, em hebraico e logos, em grego (Dabar é usado nas traduções hebraicas do Novo Testamento).

59 A encarnação O Natal A doutrina que mais dá testemunho das verdades fundamentais do evangelho na sociedade secular; a grande festa da encarnação! Cuidado com a aversão ao Natal presente em algumas igrejas!!!

60 A encarnação A encarnação é mencionada indiretamente em Mateus, Lucas, Filipenses , Colossenses, Hebreus e outras passagens. Porém o principal foco é João 1.14: A Palavra tornou-se carne. Para Atanásio ( d.C.) esse versículo era a chave da Cristologia. A encarnação é mais passiva que ativa, tendo os cristãos a defendido mais do que compreendido. Ela é mais sentida e aceita que entendida, assim como o que Jesus realizou na cruz parece ser mais importante que a sua identidade.

61 A encarnação Prefere-se contar a historia do Natal do que explicá-la. A encarnação possui um significado profundamente espiritual e histórico, é o princípio do ato final da obra divina da salvação – os últimos dias, Gerald Bray. Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, Hb 1.1.

62 A encarnação O verbo usado habitar, skenoo, significa morar em uma tenda, cabana ou tabernáculo, enfatizando uma morada provisória. O Verbo se fez carne e habitou entre nós, Jo 1.14

63 A encarnação Nesse caso habitar é o verbo grego katoikeo que significa viver, habitar e cuja ideia é morada permanente. Porque nele habita corporalmente toda plenitude da divindade, Cl 2.9 O físico era provisório, o divino é permanente.

64 A encarnação...e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade, Na esfera puramente natural era impossível ver a glória da Palavra na carne humana de Jesus. – Em Nazaré foi rejeitado pelos de sua vila; – Nicodemos reconhecia seus ensinos da parte de Deus analisando seus milagres. – Não se tratava de um tipo de conhecimento natural, discernível por qualquer pessoa reflexiva.

65 A encarnação Reconhecer a glória de Jesus implicava numa revelação divina especial, como no caso de Pedro, Mt Poucos homens, a princípio foram tocados pelo Espírito de Deus para contemplar a glória da Palavra em Jesus.

66 A encarnação A Palavra Escrita Segundo Gerald Bray, a Palavra que se tornou carne em Jesus, também se transformou, de forma diferente, em papel e tinta, nas palavras da Bíblia. As Sagradas Escrituras são a voz de Deus para a igreja. A Bíblia realiza para nós o mesmo papel que o corpo encarnado do Filho de Deus desempenhou para os discípulos.

67 A encarnação A Palavra Escrita O ensino de Jesus aplica-se ao ensino da Bíblia. Cristo é uma pessoa divina com duas naturezas: divina e humana. A Bíblia também. A voz divina nos fala no texto e por meio dele. A revelação da divindade de Cristo foi um presente divino e não resultado da pesquisa humana, Assim também o reconhecimento das Escrituras como Palavra de Deus só pode provir do testemunho do Espírito. Contemplamos hoje a glória da Palavra por meio da Bíblia, Jo 5.39 – As Escrituras testemunham de mim. A Palavra de Deus, por meio do Espírito, continua habitando em nós!

68 "Quem o povo diz que eu sou?" Marcos 8.27 Conhecendo mais o Filho de Deus

69 Quem é Jesus? Qual dessas opiniões você já ouviu? Um simples homem; grande mestre moral; fundador de uma grande religião; um louco; alguém que nunca existiu; o responsável por iniciar uma série de males no mundo (Cruzadas, Inquisição, guerras religiosas, colonialismo evangelístico, etc.); o iluminado; um enganador; grande médico; espírito evoluído; guru; impostor; um revolucionário; um profeta; um grande poeta; o maior socialista; o primeiro democrata; o primeiro hippie; um extraterrestre; etc.

70 Como posso conhecer Jesus? 1. Pela carteira de identidade= As Escrituras Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham a meu respeito. João 5.39 Mais de 300 impressionantes profecias do AT Elas confirmam que Jesus é quem diz ser: o Filho de Deus, o Messias, o próprio Deus.

71 Algumas profecias ACONTECIMENTO PROFECIA DATACUMPRIMENTO DATA Nascido de uma virgem Isaías a.C.Mt1.18,24,25; Lc a.C. Nascido em Belém Miquéias a.C.Mt /Lc Crucificado Salmo a.C.Lc Ressuscitado Salmo 16.10; 30.3; aCAt.2.31/13.33/ Mt.28.6

72 Como posso conhecer Jesus? 2. Olhe para o que ele fez = Suas obras...a própria obra que o Pai me deu para concluir, e que estou realizando, testemunha que o Pai me enviou. João 5.36 Cada ato de Jesus mostra quem ele é. Tudo ele fez perfeito.

73 Como posso conhecer Jesus? 3. Pense no que ele disse – Suas palavras Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus" João 6.68,69. As palavras que eu lhes disse são espírito e vida, João 6.63 Pelo que ele dizia podemos avaliar quem ele era. Nele não vemos incoerência entre o que fez e falou. Suas palavras e obras foram comparadas: At 1.1

74 O que Jesus diz a respeito de si? 1. Que Ele e o Pai são o mesmo Deus Eu e o Pai somos um. Jo Que quem o vê, está vendo ao Pai Jesus respondeu: - Faz tanto tempo que estou com vocês, Filipe, e você ainda não me conhece? Quem me vê, vê também o Pai. Jo Que Ele é o Messias, o Cristo -Você é o Messias, o Filho do Deus Bendito? Jesus respondeu: -Sou. Mc 14.61,62; Jo 4. 25,26

75 O que Jesus diz a respeito de si? 4. Que Ele é o único caminho Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim, Jo Que Ele é o Filho Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo..., Mt 28.19,20

76 O que outros disseram de Jesus? 1. Seus inimigos - disseram que Ele se fazia igual a Deus...os líderes judeus ficaram ainda com mais vontade de matá-lo. Pois, além de não obedecer à lei do sábado, ele afirmava que Deus era o seu próprio Pai, fazendo-se assim igual a Deus. Jo Eu e o Pai somos um. Novamente, pegaram os judeus em pedras para lhe atirar... Não é por obra boa que te apedrejamos, e sim por causa da blasfêmia, pois, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo. Jo

77 O que outros disseram de Jesus? 2. Pedro - disse que Ele era o Cristo, o Filho de Deus Simão Pedro respondeu: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". Mc 16.16, Marta - disse que Ele era o Cristo, o Filho de Deus Sim, Senhor, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo, Jo Tomé – o chamou de Senhor e Deus Disse-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu! Jo 20.27,28. Resposta de Jesus: Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram. Jo

78 O que a Bíblia diz de Jesus? 1. Jesus é Deus, mas também é homem (Jesus) o qual, subsistindo em forma de Deus, não julgou que o ser igual a Deus fosse coisa de que não devesse abrir mão, mas esvaziou-se, tomando a forma de servo, feito semelhante aos homens; e sendo reconhecido como homem, humilhou-se, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. (TB) Fp Jesus é o segundo membro da Trindade Quem me vê, vê também o Pai., Jo 14.8,9. Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, Mt 28.19

79 Jesus estava no Antigo Testamento Jesus é o Verbo, Jo 1.1,2,14; Gn Jesus Criador e a sustentador, Jo 1.3; Cl 1.16,17 Jesus o Filho de nome não conhecido, Pv 30.4 Jesus o Príncipe do Exército do Senhor, Js – Anjos não aceitam adoração, Ap Jesus era o Anjo do Senhor revelado a Moisés, Êx

80 Como você imagina Jesus? Que imagens veem à sua mente quando você pensa em Jesus?

81 Como você imagina Jesus? Que imagens veem à sua mente quando você pensa em Jesus?

82 Como você imagina Jesus? Que imagens vêem à sua mente quando você pensa em Jesus? De acordo com a imagem do sudário

83 Como você imagina Jesus? Os primeiros retratos de Jesus d.C. Para os gregos: Jesus como um jovem sem barba parecido com o deus Apolo.

84 Como você imagina Jesus? Documento de 1514, atribuído a Públio Lêntulo, governador romano que sucedeu Pôncio Pilatos, descreveu Jesus assim: É um homem alto; a cor do cabelo não tem comparação, de cachos graciosos... repartidos no alto da cabeça, caindo para frente em cascata, à moda dos nazireus; tem testa alta, grande e impressionante; as faces não têm mancha nem ruga, belas e coradas; o nariz e a boca são talhados com primorosa simetria; a barba, de cor igual à do cabelo, abaixo do queixo e repartida no meio como um garfo; os olhos, de um azul luminoso, claros e serenos... Ninguém o viu sorrir.

85 Como você imagina Jesus? Uma tradição do século II acreditava que Jesus fosse corcunda. Na Idade Média foi difundida a idéia de que Jesus sofrera de lepra.

86 O que dizer da aparência de Jesus? Nas moedas o judeu palestino é apresentado com pele de cor azeitonada (escura), olhos castanhos, nariz adunco (curvo), cabelos negros e aparados, barbas fartas.

87 O que dizer da aparência de Jesus? É pouco provável que fosse alto. Sabe-se que os judeus do século I eram de baixa estatura. Ele devia usar roupas sem mangas, Cinto, capa, sandálias Devia carregar um cajado nas viagens.

88 O que dizer da aparência de Jesus? A única descrição física de Jesus: Assim como houve muitos que ficaram pasmados diante dele; sua aparência estava tão desfigurada, que ele se tornou irreconhecível como homem; não parecia um ser humano; Ele não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse, nada havia em sua aparência para que o desejássemos. Foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e experimentado no sofrimento. Como alguém de quem os homens escondem o rosto, foi desprezado, e nós não o tínhamos em estima. Isaías 52.14; 53.1,2 (NVI).

89 Como era a personalidade de Jesus? Jesus era carismático, atraente – O povo ficava três dias sem comer para ouvir suas palavras, Mt Jesus era emotivo – tinha compaixão, se indignava, celebrava, se angustiava, entristecia, etc. Jesus não ocultava suas necessidades - chorou Jesus elogiava as pessoas Jesus estabelecia intimidade com as pessoas Jesus era sensível Jesus não era rígido Jesus era um homem dos outros – (Bonhoeffer). Jesus não queria aparecer Jesus era alegre

90 Como você vê Jesus? Eu fui arrebatado em espírito, no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta... E, virando- me, vi sete castiçais de ouro; e, no meio dos sete castiçais, um semelhante ao Filho do Homem, vestido até aos pés de uma veste comprida e cingido pelo peito com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os olhos, como chama de fogo; e os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivesse sido refinado numa fornalha; e a sua voz, como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; eu sou o Primeiro e o Último e o que vive; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém! E tenho as chaves da morte e do inferno. Ap


Carregar ppt "Cristologia A pessoa e a obra de Jesus. Definição Cristologia é a doutrina sobre a pessoa e a obra de Jesus Cristo; o estudo de seu relacionamento com."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google