A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Classe 3 - Existências. Curso: EA – GO 2 EXISTÊNCIAS = São todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa e que se destinam à venda.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Classe 3 - Existências. Curso: EA – GO 2 EXISTÊNCIAS = São todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa e que se destinam à venda."— Transcrição da apresentação:

1 1 Classe 3 - Existências

2 Curso: EA – GO 2 EXISTÊNCIAS = São todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa e que se destinam à venda ou a serem incorporados na produção. Classificação desses bens: Mercadorias - Bens adquiridos para revenda sem transformação interna na empresa. Produtos acabados e intermédios - Produção apta para venda. Subprodutos - Produtos secundários resultantes do processo produtivo principal e obtidos em simultâneo. Desperdícios, resíduos e refugos - Bens de baixo valor económico resultantes do processo produtivo. Produtos e trabalhos em curso - Produtos que se encontram em fabricação mas não estão ainda aptos para venda. Matérias primas - Bens que se destinam a ser incorporados directamente nos produtos. Matérias subsidiárias e de consumo - Bens que directa ou indirectamente concorrem para a produção, mas não incorporam directamente o produto. CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

3 Curso: EA – GO 3 F O que se pretende com a movimentação das contas de existências? 1) Conhecimento em qualquer momento da quantidade e valor dos stocks que a empresa detém; 2) Apuramento do custo dos produtos vendidos e consumidos e, consequentemente, do resultado apurado nas vendas. F O POC permite a movimentação da Classe 3 - Existências, de duas formas: Ø Sistema de Inventário Permanente (SIP); Ø Sistema de Inventário Intermitente ou Periódico (SII). CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS SISTEMAS DE INVENTÁRIO

4 Curso: EA – GO 4 A principal diferença: (SII/SIP) · SIP - movimenta-se para cada entrada e saída de bens, as contas de existências, permitindo desta forma um conhecimento permanente do valor dos stocks, custos das vendas e respectivo resultado. · SII - Este tipo de informação só é possível aquando da contagem física dos bens, porque não se movimentam as contas de existências durante o período. A escolha entre estes dois sistemas de inventários deve ser reflectida e tendo como base alguns critérios: · nº de bens movimentados na empresa; · estrutura informática que permita o controlo permanente; · volume de compras e vendas unitárias. Nota: De acordo com o DL nº 44/99, de 12 de Fevereiro, as entidades às quais é aplicável o POC são obrigadas a adoptar o SIP na contabilização das suas existências a partir de 01 de Janeiro de 2000, ficando, contudo dispensadas desta obrigatoriedade as entidades que não verifiquem dois dos três limites fixados no artº 262º do CSC e até ao termo do exercício seguinte àquele em que tais limites (quaisquer dois) forem ultrapassados. a)Total de balanço: ; b) Total das vendas e outros proveitos: ; e nº de trabalhadores empregados em média durante o exercício: 50 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

5 Curso: EA – GO 5 SISTEMA DE INVENTÁRIO PERMANENTE F Este sistema permite um conhecimento permanente do valor dos stocks em armazém, custo das vendas e respectivo resultado (isto porque, para cada entrada e saída de bens são movimentadas as contas de existências). F NOTAS: ò A conta 31 está normalmente saldada. ò A cada momento temos: 0 Na conta 32, as existências em armazém; 0 Na conta 61, o custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas; 0 Na conta 71, as vendas líquidas. O Resultado Bruto das Vendas (RBV) é: e VL (Vendas líquidas) = Saldo da conta 71 CMVMC (Custo das merc. vend. e das mat. cons.) = Saldo da conta 61 Logo CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS RBV = VL - CMVMC RBV = Saldo da conta 71 - Saldo da conta 61

6 Curso: EA – GO 6 = Contabilização SIP = Compras D 312- Compras Mercadorias / 316 – Compras MP, subs. e de cons. D – IVA – Dedutível – Existências C 221 – Fornec / 11 – Caixa / 12-Bancos + Entrada em armazém D 32 – Mercadorias / 36 – MP, subs. e de consumo C 312- Compras Mercadorias / 316 – Compras MP, subs. e de cons. Devoluções de compras, descontos ou abatimentos D 221 – Fornec / 11 – Caixa / 12-Bancos C 317 – Devol. de compras / 318 – Desc. e abatimentos em compras C – IVA – Regul. – A favor do Estado + D 317 – Devol. de compras / 318 – Desc. e abatimentos em compras C 32 – Mercadorias / 36 – MP, subs. e de consumo CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

7 Curso: EA – GO 7 Contabilização SIP (cont.) Vendas D 211 – Clientes c/c / 11 – Caixa / 12-Bancos C 71 - Vendas C – IVA – Liquidado – Operações Gerais + Saída de armazém (pelo valor do custo dos bens que se estão a vender) D 61 – CMVMC C 32 – Mercadorias / 36 – MP, subs. e de consumo Devoluções de Vendas D 717 – Devoluções de vendas C 211 – Clientes c/c / 11 – Caixa / 12-Bancos C – IVA – Regularizações a favor da Empresa + D 32 – Mercadorias / 36 – MP, subs. e de consumo C 61 – CMVMC CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

8 Curso: EA – GO 8 SISTEMA DE INVENTÁRIO INTERMITENTE/PERIÓDICO F Neste sistema, para se determinar o valor das existências e, consequentemente, do resultado das vendas tem que se proceder previamente à inventariação directa dos bens em stock. F Assim: Sabemos que: Sendo : CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS RBV = VL - CMVMC CMVMC = E i + Compras - E f + RE

9 Curso: EA – GO 9 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS = Contabilização SII = Compras D 312- Compras Mercadorias / 316 – Compras MP, subs. e de cons. D – IVA – Dedutível – Existências C 221 – Fornec / 11 – Caixa / 12-Bancos Devoluções de compras, descontos ou abatimentos D 221 – Fornec / 11 – Caixa / 12-Bancos C 317 – Devol. de compras / 318 – Desc. e abatimentos em compras C – IVA – Regul. – A favor do Estado Vendas D 211 – Clientes c/c / 11 – Caixa / 12-Bancos C 71 - Vendas C – IVA – Liquidado – Operações Gerais Devoluções de Vendas D 717 – Devoluções de vendas C 211 – Clientes c/c / 11 – Caixa / 12-Bancos C – IVA – Regularizações a favor da Empresa

10 Curso: EA – GO 10 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS A valorização de existências como processo de determinação dos preços de entrada e saída, assume relevo tanto mais especial quanto maior for o volume de stocks da empresa. POC CRITÉRIOS DE VALORIMETRIA Valorização de ENTRADAS de existências Custo de aquisição (i.e, preço de compra + gastos adicionais + descontos comerciais obtidos) ou custo de produção. Valorização de SAÍDAS de existências Custo específico Custo médio ponderado FIFO (Custo cronológico directo) LIFO (Custo cronológico inverso) Custo padrão

11 Curso: EA – GO 11 No que respeita à valorização das saídas podem apontar-se vários critérios, que podem ser sintetizados: 1. - Critérios que têm como base os custos: Custos históricos - correspondem a custos passados, ou seja, aos que foram suportados na aquisição das existências: a) Custo ESPECÍFICO - os produtos são avaliados pelo seu preço real, ou seja, por todos os encargos de compra que lhe sejam directamente imputáveis. de aplicação difícil; utilizado apenas por alguns ramos de actividade - ourivesarias e joalharias, etc., i.é, artigos de elevado valor unitário b) Custo cronológico directo: FIFO - as existências vendidas e consumidas são valorizadas pelos preços mais antigos (first in, first out). - as existências em armazém são valorizadas aos preços mais recentes. - Este critério origina que em períodos inflacionistas as empresas tendam a apurar margens mais elevadas. · Deverá ser evitado quando se pretenda a apresentação de resultados mais baixos. CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

12 Curso: EA – GO 12 c) Custo cronológico inverso: LIFO - valorizam-se as existências em armazém pelo preço mais antigo. - as saídas são movimentadas, em consequência, pelos preços mais recentes (last in, first out). Este procedimento origina, em períodos inflacionistas, o aparecimento de lucros mais baixos (custeio mais elevado das vendas). · Tem o inconveniente da subavaliação dos stoks em armazém. d) Custo médio ponderado: - o preço unitário das existências é determinado pela média ponderada do preço de compra e do valor dos stocks em armazém. · Tal média pode efectuar-se: - após cada compra; - após o total das entradas durante um certo período (por ex.: mês). · Este critério situando-se numa posição intermédia do LIFO e do FIFO elimina vantagens e inconvenientes destes últimos. · Critério mais utilizado na prática e o de mais fácil aplicação aos processos computorizados. CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

13 Curso: EA – GO Custos de reposição (represent. preços de substituição): · Preço de mercado ou NIFO - as existências são valorizadas pelo preço que a empresa teria de suportar se substituísse as suas existências, nas condições em que se encontravam as actuais (next in, first out) Custos apriorísticos - são determinados à priori, ou seja, correspondem a custos previsionais ou previsíveis num futuro próximo. A sua determinação pode efectuar-se com base em: a) Custos padrões - quando determinados em função de condições ideais de aproveitamento e funcionamento de todos os factores produtivos: capacidade máxima do equipamento, produtividade óptima do trabalho, etc. b) Custos orçamentados - determinados com base em quadros discriminativos da actividade a desenvolver num futuro imediato, ponderados todos os factores que a afectam ou poderão vir a afectar. CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

14 Curso: EA – GO Critérios com base nos preços de venda Os stocks são avaliados pelo preço que se espera que venham a ser vendidos. Tal procedimento origina o registo no momento da avaliação de lucros potenciais, ou seja, de resultados que apenas se efectivam no momento da venda. Por esta razão não é aconselhável a sua utilização. 3.- Critérios mistos Os stocks são avaliados quer pelo seu custo histórico, quer pelo preço de venda. A opção entre cada um destes, ou ambos simultaneamente, levou ao aparecimento de dois critérios: · Dupla avaliação e · menor dos custos. POC – Capítulo 5º - Critérios de valorimetria (existências). CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS

15 Curso: EA – GO 15 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS F CÁLCULO DO PREÇO DE VENDA Quando não definido por organismos competentes ou acordos estabelecidos, pode ser calculado de duas formas distintas: 1) Fixando uma certa percentagem de lucro (x) calculada sobre o preço de custo das existências, sendo determinado pela seguinte fórmula: Pv = Pc + x. Pc Donde 2) Fixando uma certa percentagem de lucro (y) sobre o preço de venda das existências. Teremos: P´v = Pc + y. P´v Donde em que Pv é superior a Pv, visto a margem de lucro ser calculada sobre uma base superior. Pc - Custo das existências x - % de lucro s/ o Pc Pv - Preço de venda Pv = Pc (1 + x) P´v = Pc (1 - y) -1


Carregar ppt "1 Classe 3 - Existências. Curso: EA – GO 2 EXISTÊNCIAS = São todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa e que se destinam à venda."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google