A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS CURSO DE BACHAREL EM ESPORTE COORDENADORA:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS CURSO DE BACHAREL EM ESPORTE COORDENADORA:"— Transcrição da apresentação:

1 REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS CURSO DE BACHAREL EM ESPORTE COORDENADORA: Profª Drª ROSANGELA MARQUES BUSTO

2 NOMENCLATURA Art. 1° O Trabalho de Conclusão do Curso de Bacharel em Ciência do Esporte – TCC é desenvolvido de acordo com o Regulamento Geral dos Trabalhos de Conclusão de Curso da UEL e deste regulamento. Art. 1° O Trabalho de Conclusão do Curso de Bacharel em Ciência do Esporte – TCC é desenvolvido de acordo com o Regulamento Geral dos Trabalhos de Conclusão de Curso da UEL e deste regulamento. Art. 2° O TCC do Curso de Bacharel em Ciência do Esporte é trabalho de natureza técnica, científica, filosófica ou artística, elaborado individualmente pelo aluno do curso, resultante de estudo sob a orientação de professor do departamento. Art. 2° O TCC do Curso de Bacharel em Ciência do Esporte é trabalho de natureza técnica, científica, filosófica ou artística, elaborado individualmente pelo aluno do curso, resultante de estudo sob a orientação de professor do departamento.

3 OBJETIVOS I - capacitar o aluno para a elaboração de estudos nas áreas de concentração do curso; I - capacitar o aluno para a elaboração de estudos nas áreas de concentração do curso; II - levar o aluno a correlacionar e aprofundar os conhecimentos teóricos – práticos adquiridos no curso, de acordo com o projeto político – pedagógico do curso; II - levar o aluno a correlacionar e aprofundar os conhecimentos teóricos – práticos adquiridos no curso, de acordo com o projeto político – pedagógico do curso; Art. 3° O trabalho de Conclusão do curso de Bacharel em Ciência do Esportes, atende a objetivos determinados:

4 OBJETIVOS III – propiciar ao aluno o contato com o processo de investigação científica; III – propiciar ao aluno o contato com o processo de investigação científica; IV - contribuir para o enriquecimento das diferentes linhas de estudo do Departamento, estimulando a produção científica articulada com as necessidades da comunidade local, nacional e internacional. IV - contribuir para o enriquecimento das diferentes linhas de estudo do Departamento, estimulando a produção científica articulada com as necessidades da comunidade local, nacional e internacional.

5 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E DIDÁTICA Art. 4° As atividades administrativas e didáticas do TCC ficarão sob a responsabilidade de dois docentes do Departamento de Desportos Individuais e Coletivos (DIC) do Centro de Educação Física (CEFD), dentre os quais um será eleito Coordenador e o outro suplente.

6 § 1º O coordenador do Trabalho de Conclusão de Curso de Ciência do Esporte deve ser efetivo, em regime de 40 (quarenta) horas, e possuir, preferencialmente, a titulação de mestre. § 1º O coordenador do Trabalho de Conclusão de Curso de Ciência do Esporte deve ser efetivo, em regime de 40 (quarenta) horas, e possuir, preferencialmente, a titulação de mestre. § 2º O coordenador, eleito em reunião do Departamento de Desportos Individuais e Coletivos, será nomeado por Portaria do Reitor para um período de 2 (dois) anos, sendo permitida apenas uma recondução consecutiva. § 2º O coordenador, eleito em reunião do Departamento de Desportos Individuais e Coletivos, será nomeado por Portaria do Reitor para um período de 2 (dois) anos, sendo permitida apenas uma recondução consecutiva.

7 § 3º O Coordenador do Trabalho de Conclusão de Curso deve dispor, para cumprir suas funções de 6 (seis) horas semanais. § 3º O Coordenador do Trabalho de Conclusão de Curso deve dispor, para cumprir suas funções de 6 (seis) horas semanais. § 4º Os suplentes devem dispor, para cumprir suas funções, de 2 (duas) horas semanais. § 4º Os suplentes devem dispor, para cumprir suas funções, de 2 (duas) horas semanais. § 5º Todos os docentes efetivos do Centro de Educação Física (CEFD) preferencialmente, que ministram disciplina no curso de Ciência do Esporte, com titulação mínima de especialista, que não estejam em afastamento, são orientadores e podem ser solicitados a participar do TCC dentro de sua área de especialidade. § 5º Todos os docentes efetivos do Centro de Educação Física (CEFD) preferencialmente, que ministram disciplina no curso de Ciência do Esporte, com titulação mínima de especialista, que não estejam em afastamento, são orientadores e podem ser solicitados a participar do TCC dentro de sua área de especialidade.

8 § 6º Os docentes não efetivos, com titulação mínima de especialista, podem ser orientadores desde que a apresentação pública do TCC se dê 1(um) mês antes do desligamento da UEL. § 6º Os docentes não efetivos, com titulação mínima de especialista, podem ser orientadores desde que a apresentação pública do TCC se dê 1(um) mês antes do desligamento da UEL. § 7° Os docentes de outros Centros da UEL poderão ser orientadores desde que aprovado pelo colegiado. § 7° Os docentes de outros Centros da UEL poderão ser orientadores desde que aprovado pelo colegiado. § 8° O orientador do Trabalho de Conclusão de Curso tem carga horária que deve ater-se às normas da Universidade quanto à distribuição de atividades docentes. § 8° O orientador do Trabalho de Conclusão de Curso tem carga horária que deve ater-se às normas da Universidade quanto à distribuição de atividades docentes.

9 MODALIDADES Art. 5º O Trabalho de Conclusão de Curso pode ser desenvolvido na forma de monografia e ou artigo científico, podendo enquadrar-se em uma das seguintes modalidades de trabalho: Art. 5º O Trabalho de Conclusão de Curso pode ser desenvolvido na forma de monografia e ou artigo científico, podendo enquadrar-se em uma das seguintes modalidades de trabalho:

10 I – experiências desenvolvidas no estágio curricular e voluntário; I – experiências desenvolvidas no estágio curricular e voluntário; II –desenvolvimento de equipamentos; II –desenvolvimento de equipamentos; III – a atuação em projetos de ensino, pesquisa e extensão, conforme normas específicas da instituição; III – a atuação em projetos de ensino, pesquisa e extensão, conforme normas específicas da instituição; IV – pesquisa de campo, experimental ou bibliográfica relacionadas aos conteúdos do curso. IV – pesquisa de campo, experimental ou bibliográfica relacionadas aos conteúdos do curso.

11 NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DO TCC Art. 6º O TCC é elaborado pelos alunos regularmente matriculados na última série do curso de Bacharel em Ciência do Esporte. Art. 6º O TCC é elaborado pelos alunos regularmente matriculados na última série do curso de Bacharel em Ciência do Esporte. Art. 7º A monografia é elaborada, individualmente, pelo aluno com a orientação de um docente do curso de Bacharel em Ciência do Esporte pertencente a uma das áreas temáticas do curso. Art. 7º A monografia é elaborada, individualmente, pelo aluno com a orientação de um docente do curso de Bacharel em Ciência do Esporte pertencente a uma das áreas temáticas do curso.

12 Parágrafo único – Não havendo docente habilitado no tema da monografia, o Colegiado do curso de Ciência do Esporte habilita docente de outro departamento, de outra instituição ou profissional considerado autoridade no assunto, para a função de co- orientador, que deverá compor a banca Parágrafo único – Não havendo docente habilitado no tema da monografia, o Colegiado do curso de Ciência do Esporte habilita docente de outro departamento, de outra instituição ou profissional considerado autoridade no assunto, para a função de co- orientador, que deverá compor a banca

13 Art. 8º As monografias do TCC deverão ser realizadas na Universidade Estadual de Londrina. Art. 8º As monografias do TCC deverão ser realizadas na Universidade Estadual de Londrina. Parágrafo único – Em caso de não existirem, nesta instituição, condições adequadas para a realização da monografia, o Colegiado de curso é informado mediante os seguintes procedimentos: Parágrafo único – Em caso de não existirem, nesta instituição, condições adequadas para a realização da monografia, o Colegiado de curso é informado mediante os seguintes procedimentos: I- carta do docente orientador do Centro de Educação Física e Desporto, ao colegiado, justificando as razões da necessidade do trabalho ser realizado fora da instituição; I- carta do docente orientador do Centro de Educação Física e Desporto, ao colegiado, justificando as razões da necessidade do trabalho ser realizado fora da instituição; II- carta de aceite da instituição onde será realizado o trabalho II- carta de aceite da instituição onde será realizado o trabalho III- o processo como um todo é analisado e aprovado pelo colegiado. III- o processo como um todo é analisado e aprovado pelo colegiado.

14 Art. 9º A apresentação do Trabalho de Conclusão de curso deve seguir as normas da ABNT. e os artigos científicos de acordo com as normas estabelecidas pelo Conselho Editorial da Revista. Art. 9º A apresentação do Trabalho de Conclusão de curso deve seguir as normas da ABNT. e os artigos científicos de acordo com as normas estabelecidas pelo Conselho Editorial da Revista. Art. 10º O prazo para elaboração e apresentação da monografia é de 1(um) ano letivo de acordo com o currículo vigente do curso, não podendo ultrapassar os prazos previstos no Calendário Escolar. Art. 10º O prazo para elaboração e apresentação da monografia é de 1(um) ano letivo de acordo com o currículo vigente do curso, não podendo ultrapassar os prazos previstos no Calendário Escolar.

15 ATRIBUIÇÕES DO COLEGIADO DE CURSO Art. 11º Compete ao Colegiado do Curso: Art. 11º Compete ao Colegiado do Curso: I – emitir parecer sobre o Regulamento Interno do Trabalho de Conclusão de Curso, encaminhando-o ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, para aprovação; I – emitir parecer sobre o Regulamento Interno do Trabalho de Conclusão de Curso, encaminhando-o ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, para aprovação; II - emitir parecer nos casos excepcionais de mudança de orientadores e orientandos, se necessário; II - emitir parecer nos casos excepcionais de mudança de orientadores e orientandos, se necessário; III – analisar as infrações e o descumprimento das normas de TCC por qualquer uma das partes envolvidas. III – analisar as infrações e o descumprimento das normas de TCC por qualquer uma das partes envolvidas.

16 ATRIBUIÇÕES DO COORDENADOR DE TCC Art. 12º Compete ao Coordenador do TCC: Art. 12º Compete ao Coordenador do TCC: I – articular-se com o Colegiado do Curso para compatibilizar diretrizes, organização e desenvolvimento dos trabalhos; I – articular-se com o Colegiado do Curso para compatibilizar diretrizes, organização e desenvolvimento dos trabalhos; II - coordenar a elaboração do Regulamento Interno do Trabalho de Conclusão de Curso, encaminhando-o ao Colegiado do Curso para parecer; II - coordenar a elaboração do Regulamento Interno do Trabalho de Conclusão de Curso, encaminhando-o ao Colegiado do Curso para parecer; III - Orientar os alunos na escolha dos docentes orientadores, divulgar as linhas de estudo e o número de vagas dos docentes orientadores; III - Orientar os alunos na escolha dos docentes orientadores, divulgar as linhas de estudo e o número de vagas dos docentes orientadores;

17 IV - enviar para o Colegiado e Chefia do Departamento, no prazo de 30 (trinta) dias antes do encerramento de cada ano letivo, uma lista contendo os prováveis nomes dos alunos orientandos e seus respectivos orientadores para o ano letivo seguinte; IV - enviar para o Colegiado e Chefia do Departamento, no prazo de 30 (trinta) dias antes do encerramento de cada ano letivo, uma lista contendo os prováveis nomes dos alunos orientandos e seus respectivos orientadores para o ano letivo seguinte; V - convocar, sempre que necessário, os orientadores para discutir questões relativas à organização, planejamento, desenvolvimento e avaliação do TCC; V - convocar, sempre que necessário, os orientadores para discutir questões relativas à organização, planejamento, desenvolvimento e avaliação do TCC; VI - coordenar, quando for o caso, o processo de substituição de orientadores, ouvido o Colegiado de Curso, se necessário; VI - coordenar, quando for o caso, o processo de substituição de orientadores, ouvido o Colegiado de Curso, se necessário;

18 VII - elaborar a ficha de acompanhamento de desempenho geral do orientando; VII - elaborar a ficha de acompanhamento de desempenho geral do orientando; VIII – coordenar o processo de constituição de bancas examinadoras e definir o cronograma de apresentação dos trabalhos a cada ano letivo, com a homologação do Colegiado; VIII – coordenar o processo de constituição de bancas examinadoras e definir o cronograma de apresentação dos trabalhos a cada ano letivo, com a homologação do Colegiado; IX - ministrar aulas na disciplina de TCC. IX - ministrar aulas na disciplina de TCC. X - compor, como membro nato, o Colegiado do Curso de Ciência do Esporte. X - compor, como membro nato, o Colegiado do Curso de Ciência do Esporte. Art. 13º Compete ao suplente representar e substituir o coordenador nos seus impedimentos. Art. 13º Compete ao suplente representar e substituir o coordenador nos seus impedimentos.

19 ATRIBUIÇÕES DO ORIENTADOR Art. 14º A orientação do TCC é entendida como processo de acompanhamento didático – Art. 14º A orientação do TCC é entendida como processo de acompanhamento didático – pedagógico, é da responsabilidade de um doente da Universidade, com titulação mínima de Especialista, respeitada sua área de atuação. pedagógico, é da responsabilidade de um doente da Universidade, com titulação mínima de Especialista, respeitada sua área de atuação. Art. 15º A orientação do TCC é realizada individualmente, podendo ocorrer encontros coletivos para orientações gerais, comuns ou estudos dirigidos sobre metodologia e conhecimentos básicos da área temática. Art. 15º A orientação do TCC é realizada individualmente, podendo ocorrer encontros coletivos para orientações gerais, comuns ou estudos dirigidos sobre metodologia e conhecimentos básicos da área temática.

20 § 1º O número de orientandos por orientador é vinculada à sua carga horária aprovada e destinada pelo Chefe de Departamento. § 1º O número de orientandos por orientador é vinculada à sua carga horária aprovada e destinada pelo Chefe de Departamento. § 2º Todo docente do Departamento deve orientar, caso solicitado, pelo menos um aluno dentro de sua área de atuação, podendo o orientador assumir até 4 (quatro) orientandos, respeitando-se os critérios de distribuição de atividade acadêmicas do Departamento, sem consulta prévia à Coordenação do TCC, que analisa os pedidos excedentes quanto à especificidade do tema e demais condições de orientação. § 2º Todo docente do Departamento deve orientar, caso solicitado, pelo menos um aluno dentro de sua área de atuação, podendo o orientador assumir até 4 (quatro) orientandos, respeitando-se os critérios de distribuição de atividade acadêmicas do Departamento, sem consulta prévia à Coordenação do TCC, que analisa os pedidos excedentes quanto à especificidade do tema e demais condições de orientação. § 3º O orientador conta com 1 (uma) hora semanal para o atendimento de cada orientando. § 3º O orientador conta com 1 (uma) hora semanal para o atendimento de cada orientando.

21 Art. 16º Compete ao Orientador de TCC: Art. 16º Compete ao Orientador de TCC: I- Orientar, acompanhar e avaliar o desenvolvimento do trabalho em todas as suas fases; I- Orientar, acompanhar e avaliar o desenvolvimento do trabalho em todas as suas fases; II – estabelecer o plano e cronograma do trabalho junto com o orientando, prevendo encontros, no mínimo a cada quinze dias; II – estabelecer o plano e cronograma do trabalho junto com o orientando, prevendo encontros, no mínimo a cada quinze dias; III – informar o orientando sobre as normas, procedimentos e critérios de avaliação; III – informar o orientando sobre as normas, procedimentos e critérios de avaliação;

22 IV – comparecer às reuniões convocadas pelo Coordenador do TCC, para discutir questões relativas à organização, planejamento, desenvolvimento e avaliação dos trabalhos; IV – comparecer às reuniões convocadas pelo Coordenador do TCC, para discutir questões relativas à organização, planejamento, desenvolvimento e avaliação dos trabalhos; V – comunicar ao Coordenador do TCC quando ocorrerem problemas, dificuldades e dúvidas relativas ao processo de orientação; V – comunicar ao Coordenador do TCC quando ocorrerem problemas, dificuldades e dúvidas relativas ao processo de orientação; VI – presidir a banca examinadora do trabalho por ele orientado; VI – presidir a banca examinadora do trabalho por ele orientado;

23 VII – apresentar três notas do orientando, que são: VII – apresentar três notas do orientando, que são: a) nota referente a avaliação do processo de elaboração do TCC, a) nota referente a avaliação do processo de elaboração do TCC, b) nota pela qualidade do trabalho escrito final, apresentação oral e argüição. b) nota pela qualidade do trabalho escrito final, apresentação oral e argüição. VIII – preencher adequadamente as fichas de acompanhamento das orientações e ata da apresentação pública, arquivando-as para quaisquer situações futuras; VIII – preencher adequadamente as fichas de acompanhamento das orientações e ata da apresentação pública, arquivando-as para quaisquer situações futuras;

24 IX – escolher, o nome dos dois docentes que comporá a banca examinadora e convidá-lo para a mesma; IX – escolher, o nome dos dois docentes que comporá a banca examinadora e convidá-lo para a mesma; X – marcar com antecedência local, hora e assunto que irá tratar na orientação; X – marcar com antecedência local, hora e assunto que irá tratar na orientação; XI – avisar ao orientando, diretamente, ou através da secretaria do Departamento, qualquer impedimento para o comparecimento a um encontro de orientação; XI – avisar ao orientando, diretamente, ou através da secretaria do Departamento, qualquer impedimento para o comparecimento a um encontro de orientação; XII – encaminhar as alterações sugeridas pela banca em um prazo de até 3 (três) dias após a apresentação pública. XII – encaminhar as alterações sugeridas pela banca em um prazo de até 3 (três) dias após a apresentação pública.

25 ATRIBUIÇÕES DO ORIENTANDO Art. 17º Compete ao Orientando Art. 17º Compete ao Orientando I – Cumprir as normas e regulamento interno do Trabalho de Conclusão de Curso; I – Cumprir as normas e regulamento interno do Trabalho de Conclusão de Curso; II – cumprir as etapas estabelecidas no cronograma do TCC; II – cumprir as etapas estabelecidas no cronograma do TCC; III – escolher o seu orientador até o mês de novembro do ano anterior à conclusão do curso; III – escolher o seu orientador até o mês de novembro do ano anterior à conclusão do curso;

26 IV – definir a temática do trabalho, juntamente com o orientador, e apresentar, nas datas definidas com o orientador, os trabalhos desenvolvidos; IV – definir a temática do trabalho, juntamente com o orientador, e apresentar, nas datas definidas com o orientador, os trabalhos desenvolvidos; V – entregar o trabalho definitivo, em três vias, à coordenação do TCC do curso, 30 (trinta) dias antes da apresentação pública, junto com a carta de encaminhamento assinada pelo orientador, sendo que, o aluno que não entregar o TCC no prazo determinado é automaticamente reprovado; V – entregar o trabalho definitivo, em três vias, à coordenação do TCC do curso, 30 (trinta) dias antes da apresentação pública, junto com a carta de encaminhamento assinada pelo orientador, sendo que, o aluno que não entregar o TCC no prazo determinado é automaticamente reprovado; VII – apresentar o trabalho final à banca em forma de tema livre, mediante comunicação oral; VII – apresentar o trabalho final à banca em forma de tema livre, mediante comunicação oral;

27 § 1º – Caso a banca aponte a necessidade de correções ou reformulações no trabalho, o orientando deverá entregar uma cópia do TCC corrigido, até o primeiro dia letivo da semana de exames finais. § 1º – Caso a banca aponte a necessidade de correções ou reformulações no trabalho, o orientando deverá entregar uma cópia do TCC corrigido, até o primeiro dia letivo da semana de exames finais. § 2º É reprovado automaticamente o aluno que comete uma das seguintes faltas: plágio, compra de trabalhos e ou falsificação de documentos. § 2º É reprovado automaticamente o aluno que comete uma das seguintes faltas: plágio, compra de trabalhos e ou falsificação de documentos.

28 PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES Art. 18º O planejamento das atividades para elaboração do TCC deve estar de acordo com os prazos definidos no Calendário Escolar, estando, ainda, de acordo com o programa geral da atividade acadêmica obrigatória do Trabalho de Conclusão de Curso. Art. 18º O planejamento das atividades para elaboração do TCC deve estar de acordo com os prazos definidos no Calendário Escolar, estando, ainda, de acordo com o programa geral da atividade acadêmica obrigatória do Trabalho de Conclusão de Curso. Art. 19º A monografia deve ser apresentada aos membros da banca examinadora 30 (trinta) dias antes do final do período letivo, respeitando-se o calendário escolar. Art. 19º A monografia deve ser apresentada aos membros da banca examinadora 30 (trinta) dias antes do final do período letivo, respeitando-se o calendário escolar.

29 § 1º – O aluno deve entregar 3 (três) cópias do trabalho, sendo uma cópia para cada um dos membros da banca examinadora, 30 (trinta) dias antes da data da apresentação do trabalho final. § 1º – O aluno deve entregar 3 (três) cópias do trabalho, sendo uma cópia para cada um dos membros da banca examinadora, 30 (trinta) dias antes da data da apresentação do trabalho final. § 2º – Por ocasião da apresentação do trabalho corrigido, o aluno deve entregar 1 (uma) cópia à coordenação do TCC, sendo que esta, passará pela banca examinadora para verificação das correções e posteriormente enviada à biblioteca central. § 2º – Por ocasião da apresentação do trabalho corrigido, o aluno deve entregar 1 (uma) cópia à coordenação do TCC, sendo que esta, passará pela banca examinadora para verificação das correções e posteriormente enviada à biblioteca central.

30 DESLIGAMENTO DO ORIENTANDO Art. 20º O orientador, com anuência do Colegiado de Curso, pode solicitar desligamento da orientação do TCC quando o orientando não cumprir o plano e cronograma das atividades. Art. 20º O orientador, com anuência do Colegiado de Curso, pode solicitar desligamento da orientação do TCC quando o orientando não cumprir o plano e cronograma das atividades. § 1º – O desligamento não poderá ocorrer se faltar menos de 60 (sessenta) dias da data fixada para a entrega do trabalho. § 1º – O desligamento não poderá ocorrer se faltar menos de 60 (sessenta) dias da data fixada para a entrega do trabalho.

31 § 2º – O Coordenador do TCC pode indeferir o pedido se julgar insuficiente a justificativa apresentada ou se entender não haver mais tempo hábil para a conclusão do trabalho sob orientação de outro docente. § 2º – O Coordenador do TCC pode indeferir o pedido se julgar insuficiente a justificativa apresentada ou se entender não haver mais tempo hábil para a conclusão do trabalho sob orientação de outro docente. § 3º – O orientando pode apresentar nos 3 (três) dias seguintes à ciência do desligamento, justificativa perante o Coordenador do TCC e solicitar outro orientador. § 3º – O orientando pode apresentar nos 3 (três) dias seguintes à ciência do desligamento, justificativa perante o Coordenador do TCC e solicitar outro orientador.

32 Art. 21º O orientando, mediante justificativa encaminhada à coordenação do TCC, pode solicitar a substituição de orientador. Art. 21º O orientando, mediante justificativa encaminhada à coordenação do TCC, pode solicitar a substituição de orientador. § 1º – O pedido de substituição deve ser encaminhado à secretaria do Colegiado, no mínimo 60 (sessenta) dias antes da data fixada para a entrega do trabalho. § 1º – O pedido de substituição deve ser encaminhado à secretaria do Colegiado, no mínimo 60 (sessenta) dias antes da data fixada para a entrega do trabalho. § 2º – O Coordenador do TCC pode indeferir o pedido se julgar insuficiente a justificativa apresentada ou se entender não haver mais tempo hábil para a conclusão do trabalho sob orientação de outro docente. § 2º – O Coordenador do TCC pode indeferir o pedido se julgar insuficiente a justificativa apresentada ou se entender não haver mais tempo hábil para a conclusão do trabalho sob orientação de outro docente.

33 CRITÉRIOS E METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO Art. 22º O Trabalho de Conclusão de Curso é avaliado por banca examinadora composta por 3 (três) docentes da Universidade, cujo presidente deve ser, obrigatoriamente, o orientador. Art. 22º O Trabalho de Conclusão de Curso é avaliado por banca examinadora composta por 3 (três) docentes da Universidade, cujo presidente deve ser, obrigatoriamente, o orientador. Parágrafo único – Excepcionalmente e a critério do Colegiado, podem integrar a banca examinadora docentes não atuantes no Centro de Educação Física ou profissional considerado autoridade na área do TCC. Parágrafo único – Excepcionalmente e a critério do Colegiado, podem integrar a banca examinadora docentes não atuantes no Centro de Educação Física ou profissional considerado autoridade na área do TCC.

34 Art. 23º A avaliação do TCC é realizada obedecendo as seguintes etapas: Art. 23º A avaliação do TCC é realizada obedecendo as seguintes etapas: I – Avaliação do processo de elaboração do trabalho pelo orientador; 0,0 a 10,0 (peso 01). I – Avaliação do processo de elaboração do trabalho pelo orientador; 0,0 a 10,0 (peso 01). II – Avaliação do texto do trabalho, apresentação e arguição pública pelos três membros da banca examinadora; 0,0 a 10,0 (peso 02). II – Avaliação do texto do trabalho, apresentação e arguição pública pelos três membros da banca examinadora; 0,0 a 10,0 (peso 02).

35 Art. 24º O aluno que obtém nota final igual ou superior a 7,0 (sete) é considerado aprovado no Trabalho de Conclusão de Curso. Art. 24º O aluno que obtém nota final igual ou superior a 7,0 (sete) é considerado aprovado no Trabalho de Conclusão de Curso. Art. 25º Se o aluno for reprovado após a constituição da banca e apresentação pública, a mesma tem 3 (três) dias úteis para apresentar o relatório sobre a avaliação Art. 25º Se o aluno for reprovado após a constituição da banca e apresentação pública, a mesma tem 3 (três) dias úteis para apresentar o relatório sobre a avaliação

36 PREVISÃO DE CUSTOS Art. 26º Os custos da elaboração do trabalho ficam a cargo do aluno. Art. 26º Os custos da elaboração do trabalho ficam a cargo do aluno.

37 DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 27º Os casos omissos no presente regulamento são resolvidos em primeira instância pelo Colegiado de Curso, em Segunda instância pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e em última pelo Conselho Universitário. Art. 27º Os casos omissos no presente regulamento são resolvidos em primeira instância pelo Colegiado de Curso, em Segunda instância pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e em última pelo Conselho Universitário. Aprovado pelo Colegiado do Curso de Ciência do Esporte em 10/04/2002 Aprovado pelo Colegiado do Curso de Ciência do Esporte em 10/04/2002


Carregar ppt "REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS CURSO DE BACHAREL EM ESPORTE COORDENADORA:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google