A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 1. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 2. OBJECTIVO GERAL DESTA ACTIVIDADE 3. COMPETÊNCIAS DO ALUNO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 1. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 2. OBJECTIVO GERAL DESTA ACTIVIDADE 3. COMPETÊNCIAS DO ALUNO."— Transcrição da apresentação:

1 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA

2 DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 1. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 2. OBJECTIVO GERAL DESTA ACTIVIDADE 3. COMPETÊNCIAS DO ALUNO 4. COMPETÊNCIAS E FUNÇÕES DO TUTOR 5. A ORIENTAÇÃO: ACTIVIDADE INTERACTIVA 6. IMPORTÂNCIA DO PESO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA BOA QUALIDADE PEDAGÓGICO-DIDÁCTICA DAS ESCOLAS 7. BIBLOGRAFIA

3 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA TUTORIAA TUTORIA É UMA ACTIVIDADE PEDAGÓGICA QUE CONSISTE EM ORIENTAR O ALUNO A NÍVEL DO SEU DESENVOLVIMENTO: – PESSOAL _ ACONSELHAMENTO PESSOAL (COUNSELLING) - ORIENTAR O ALUNO NA AUTO APRENDIZAGEM DO SER PESSOA, APRENDER A SER __ CONHECER E DESENVOLVER ASSERTIVAMENTE A SUA IDENTIDADE AS SUAS POTENCIALIDADES ÚNICAS E IRREPETÍVEIS) –PERCURSO ESCOLAR- ACONSELHAMENTO ESCOLAR - ORIENTAÇÃO DIDÁCTICA NAS VÁRIAS DISCIPLINAS _ MINISTRAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTUDO PERSONALIZADAS – (ESTUDO ORIENTADO ) DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A)

4 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA TUTORO TUTOR É : –UM ACESSOR DE PROJECTOS PESSOAIS (DO ALUNO VERSUS COMUNIDADE) –UM PROFISSIONAL DE ORIENTAÇÃO NAS DIFERENTES VERTENTES DO DESENVOLVIMENTO (PESSOAL, SOCIAL, ACADÉMICO..) –UM ELO DE INTERACÇÃO ENTRE OS VÁRIOS AGENTES EDUCATIVOS. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A)

5 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA ATRAVÉS DA ACTIVIDADE TUTORIAL PRETENDE-SE QUE O ALUNO ATINJA UM CONHECIMENTO ASSERTIVO DE SI MESMO, DOS OUTROS E DA SOCIEDADE GLOBAL QUE O RODEIA (NO SENTIDO ESPECÍFICO E IGUALMENTE MAIS GERAL) DE MODO A QUE CHEGUE A ADQUIRIR AS COMPETÊNCIAS FUNDAMENTAIS. OBJECTIVO GERAL DESTA ACTIVIDADE

6 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA SER CAPAZ DE VALORIZAR E SELECCIONAR COM ESPÍRITO CRÍTICO A INFORMAÇÃO ADEQUADA, ATRAVÉS DA LEITURA E NO CAMPO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. INTERIORIZAR, COM RACIONALIDADE, A INFORMAÇÃO TAMBÉM AQUELA RELACIONADA COM O CURRÍCULO OFICIAL, AQUIRINDO GRADUALMENTE AUTONOMIA E CAPACIDADE DE AUTO GESTÃO DA PRÓPRIA APRENDIZAGEM. PRIVILEGIAR A AQUISIÇÃO DOS CONCEITOS INERENTES À SUA FORMAÇÃO PESSOAL FOMENTAR A FACULDADE DE ELEGER LIVREMENTE O SISTEMA DE VALORES CÍVICOS, ÉTICOS E/OU ESPIRITUAIS DE MODO A PODER ARTICULÁ–LOS COM LIBERDADE INTERIOR E COM ASSERTIVIDADE NO CAMPO DAS RELAÇÕES HUMANAS DE NATUREZA CADA VEZ MAIS DIVERSIFICADA,TENDO EMCONTA AS CARATERÍSTICAS DA GLOBALIZAÇÃO. COMPETÊNCIAS FUNDAMENTAIS DO ALUNO

7 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA ESTABELECER PONTESDE COMUNICAÇÃO EFICAZ EVITANDO TODO E QUALQUER GAP, OU BARREIRA DE COMUNICAÇÃO. ACOLHER AFECTUOSAMENTE E MOTIVAR OS EDUCANDOS! FAZE-LOS DESCOBRIR A ESPECIFICIDADE DO SER PESSOA E O DESAFIO E DIREITO DE MARCAR A DIFERENÇA.(A CRIATIVIDADE NÃO É MASSIFICADORA) CATIVÁ-LOS PARA TUDO O QUE A VIDA OFERECE DE POSITIVO! CONHECÊ - LOS BEM, INTERESSANDO -SE POR TUDO O QUE LHES DIZ RESPEITO (SAÚDE MENTAL E FÍSICA), GOSTOS, HOBBIES, MÚSICAS PREFERIDAS, NOVELAS,ETC.) E PARTILHAR TUDO ISTO COM ELES ( INCULCANDO ESPONTÂNEAMENTE UMA POSITIVIDADE CRÍTICA). FUNÇÕES DO TUTOR

8 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA REALIZAR UM COMPROMISSO DE CONFIANÇA MÚTUA COM SALVAGUARDA DE TODA A INFORMAÇÃO PRIVADA DO EDUCANDO (NEM AOS PAIS MENCIONAR INFORMAÇÃO SE ASSIM O PREFERIR O ALUNO) O TUTOR NÃO É QUEIXINHAS!.. REALIZAR ENTREVISTAS INDIVIDUAIS PERIÓDICAS COM OS EDUCANDOS (CONHECIMENTO MÚTUO/ AFERIÇÃO CONTÍNUA DE PROBLEMÁTICAS/ SOLUÇÕES) REALIZAR ENTREVISTAS COM OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO RESPECTIVOS.(EM CONSONÂNCIA COM O D. TURMA). FACULTAR INFORMAÇÃO AO EDUCANDO: SOBRE PROJECTOS PESSOAIS, ASSESORANDO - O NA REALIZAÇÃO DESSES PROJECTOS. (EX: FREQUENTAR O CLUBE OU UMA COMPANHIA DE DE TEATRO/ INSTITUTO DE INFORMÁTICA ETC./ ARRANJAR PART –TIME NOS FINS DE SEMANA OU FÉRIAS) ORIENTAR EM TODAS AS ÁREAS RELEVANTES PARA A FORMAÇÃO PESSOAL E ACADÉMICA. APOIAR O EDUCANDO A DESCOBRIR, ORGANIZAR E ENFRENTAR-SE INTELIGENTEMENTE COM TODO O TIPO DE PROBLEMÁTICAS. FUNÇÕES DO TUTOR

9 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA CONHECER O CARÁCTER DO ALUNO TRAÇOS DA SUA PERSONALIDADE APTIDÕES INTELECTUAIS NATUREZA DAS CAPACIDADES VOLITIVAS E AFECTIVAS (CARACTERIZAÇÃO CARACTERIOLÓGICA) ORIENTAR O ALUNO NA GESTÃO DO SEU TEMPO DE ACORDO COM O TIPO DE ORGÂNICA FAMILIAR CRIAR HÁBITOS DE ESTUDO E TRABALHO TIPO DE PARTICIPAÇÃO NA VIDA FAMILIAR ( TAREFAS DOMÉSTICAS/ OUTRAS) CONHECER O MODO COMO INTERIORIZOU A EDUCAÇÃO PARA A CIDANIA CONHECER O SEU APREÇO POR VALORES COMO A AMIZADE, O AMOR, AS RELA ÇÕES PROFISSIONAIS DE CAMARADAGEM INTERESSES CULTURAIS ( TV / PASSEIOS / BANDA DE MÚSICA...) COMPETÊNCIAS DO TUTOR NA ORIENTAÇÃO ESPECÍFICA

10 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA COMPETÊNCIAS DO TUTOR NA ORIENTAÇÃO ESPECÍFICA ADQUIRIR INFORMAÇÃO OBJECTIVA SOBRE: INFLUÊNCIAS FAMILIARES NO EDUCANDO INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS (MODAS, COSTUMES,ETC.) FEED - BACK ( TIPO DE INFLUÊNCIA) DO ALUNO EM RELAÇÃO Á ESCOLA EM QUE SE INTEGRA (OU NÃO ) NATUREZA DO IMPACTO QUE RECEBE DOS AMIGOS INFLUÊNCIAS CULTURAIS VEÍCULADAS ATRAVÉS DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NA SUA MUNDIVIDÊNCIA

11 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA CONHECER AS PROBLEMÁTICAS DA ADOLESCÊNCIA (PRECOCE / TARDIA) APRENDER A ASSESSORAR O PROJECTO DE VIDA E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL FUTURA DO EDUCANDO ESTAR INFORMADO SOBRE A CULTURA (OBJECTIVA E SUBJECTIVA) E SUA IMPORTÂNCIA PARA A VIDA PROFISSIONAL DO ALUNO. CONHECER A A UNIVERSIDADE E A EMPRESA - RECURSOS ACADÉMICOS DE CONTINUIDADE DE ESTUDOS (INTERACÇÃO COM O GABINETE PSICOLOGIA / OUTRAS ENTIDADES) FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO TUTOR

12 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA CRENÇA E EMPENHO SEMPRE RENOVADOS DO TUTOR RELATIVAMENTE À MELHORIA DO EDUCANDO A TODOS OS NÍVEIS. REFORÇO CONTÍNUO DO EDUCADOR RELATIVAMENTE Á AFIRMAÇÃO DO AUTO-CONCEITO E AUTO -ESTIMA DO EDUCANDO (CIDADÃO DO UNIVERSO COOPERANTE, COM INTELIGÊNCIA CRÍTICA E COM VALOR HUMANISTA, NO PROGRESSO PESSOAL E SOCIAL. FOMENTO DA RELAÇÃO DE AFECTO E DE TOTAL CONFIANÇA ( CRIAR LAÇOS) ENTRE TUTOR E EDUCANDO. MANUTENÇÃO ABSOLUTA DA CONFIDENCIALIDADE DO EDUCADOR RELATIVAMENTE À INTIMIDADE DO EDUCANDO. 12 FACTORES DE EFICÁCIA DA ACTIVIDADE TUTORIAL

13 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA DISPONIBILIDADE DO TUTOR PARA ESCUTAR A HISTÓRIA QUE O ALUNO LHE QUEIRA CONTAR SOBRE A SUA VIDA.O MAIS IMPORTANTE NÃO É FAZER PERGUNTAS SOBRE O QUE ACONTECEU, MAS DEIXAR QUE O ALUNO SE REVELE E SE ASSUMA COMO PERSONAGEM DA SUA HISTÓRIA MAIS DO QUE OUVIR O QUE É DITO. É OUVIR O QUE ESTÁ OMISSO, LER O QUE OS OLHOS, OS GESTOS,O TOM DIZEM SEM PALAVRAS. O TUTOR LEVA O ALUNO, PELA MÃO COM RESPEITO E CARINHO A PROCURAR (NOVOS) LAÇOS COM A SUA VIDA. É MUITO SIMPLES: SÓ SE VÊ O BEM COM O CORAÇÃO. O ESSENCIAL É INVISÍVEL PARA OS OLHOS ST. EXUPÉRY, O PRINCIPEZINHO. OBSERVAÇÃO RIGOROSA DO DESEMPENHO DO EDUCANDO FACE AOS COMPROMISSOS ESTABELECIDOS COM O TUTOR. AFERIÇÃO SEMANAL, AMÁVEL MAS 100% FIRME DO TUTOR RELATIVAMENTE AO PROJECTO PESSOAL E ESCOLAR DO ALUNO 13 FACTORES DE EFICÁCIA DA ACTIVIDADE TUTORIAL

14 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA MELHORIA NA INTEGRAÇÃO / REINTEGRAÇÃO DO EDUCANDO NA TURMA EM QUE SE INSERE, A QUAL PODE NÃO ADEQUAR-SE AO SEU PERFIL. APRENDIZAGEM DO RESPEITO PELAS DIFERENÇA INTERAGINDO BEM COM TODOS. GRATIFICAÇÃO PESSOAL NA RECEPÇÃO DE MELHORES RESULTADOS ESCOLARES (TESTES/TRABALHOS) REFORÇADA PELO TUTOR / DIRECTOR DE TURMA / PROFESSORES,OS QUAIS SÃO CONTÍNUAMENTE INFORMADOS (COMUNICAÇÃO ESCRITA E VERBAL) DA PROGRESSÃO DO ALUNO ATRAVÉS DESTA ORIENTAÇÃO. A ALEGRIA PARTILHADA PELO TUTOR, RELATIVAMENTE AOS PEQUENOS SUCESSOS DO EDUCANDO. PRÉMIOS : RELATÓRIOS ELOGIOSOS LIDOS EM CONSELHO DE TURMA / CONTENTAMENTO DOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO / PASSEIOS / VISITAS DE ESTUDO (SOBRETUDO A NÍVEL DO 3º CICLO MAS TAMBÉM NO SECUNDÁRIO) FACTORES DE MOTIVAÇÃO DO ALUNO FACE À ACTIVIDADE

15 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA APOIO INTERACTIVO QUE PRESENCIA ENTRE OS VÁRIOS AGENTES EDUCATIVOS ( TUTOR / DIRECTOR DE TURMA / ENCARREGADO DE EDUCAÇÃO/ OUTROS COLEGAS DA TURMA / AMIGOS NA ESCOLA ETC) CRESCENTE CONSCIENCIALIZAÇÃO PESSOAL, DUMA MAIOR CAPACIDADE ORGANIZATIVA, EM RELAÇÃO À SUA GESTÃO DO TEMPO DIÁRIO, SEMANAL… NO CUMPRIMENTO DO PLANO DE ESTUDO EM CASA (REVISÕES) E NA ESCOLA. FACTORES DE MOTIVAÇÃO DO ALUNO FACE À ACTIVIDADE

16 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA PERFIL PEDAGÓGICO DE CADA ESCOLA - OBJECTIVO (OU NÃO) DE VALORIZAÇÃO E INVESTIMENTO DE RECURSOS HIUMANOS E MATERIAIS POR PARTE DO ORGÃO DE GESTÃO DA ESCOLA ADESÃO DOS CONCELHOS DE TURMA À ACTIVIDADE. PARA TAL SERÁ RECOMENDÁVEL: UMA INFORMAÇÃO SUMÁRIA DO TUTOR AOS PROFESSORES DA ESCOLA SOBRE OS OBJECTIVOS DA ACTIVIDADE, APROVEITANDO POR HIPÓTESE, A PRIMEIRA REUNIÃO DE DIRECTORES DE TURMA DO ANO LECTIVO ( 3º CICLO E SECUNDÁRIO). AFIXAÇÃO DE INFORMAÇÃO ( OBJECTIVOS / HORÁRIOS) SOBRE A ACTIVIDADE TUTORIAL FACTORES DE EFICÁCIA TUTORIAL A NÍVEL DA ESCOLA

17 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA SERÁ A ESCOLA FACILITADORA DAS APRENDIZAGENS?…) O GOSTO OU A REJEIÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À ESCOLA DEPENDE EM GRANDE PARTE DO CALOR DAS RELAÇÕES HUMANAS EM TODO O ESPAÇO ESCOLAR. PROFESSORES ENTRE SI COMUNIDADE ESCOLAR Enc. Educação COLEGAS O TUTOR DEVE ESTABELECER UMA RELAÇÃO SÓCIO- AFECTIVA ENTRE TODOS ESTES ELEMENTOS TUTOR IMPORTÂNCIA DO PESO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA BOA QUALIDADE PEDAGÓGICO-DIDÁCTICA DAS ESCOLAS

18 MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA IMPORTÂNCIA DO PESO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA BOA QUALIDADE PEDAGÓGICO-DIDÁCTICA DAS ESCOLAS PROMOVENDO DESTE MODO O DESENVOLVIMENTO DA AUTO -CONFIANÇA E DA AUTO - ESTIMA DOS ALUNOS. É UM FACTO CONSTATADO QUE O TRABALHO PEDAGÓGICO SE DESENVOLVE DE FORMA POSITIVA JUNTO DOS PROFESSORES QUE FACULTAM SITUAÇÕES DE DIÁLOGO E MOSTRAM UM CONTÍNUO INTERESSE PELO PROGRESSO DE CADA EDUCANDO. PARA TAL NÃO PARECEM CONTRIBUIR POSITIVAMENTE A IMPOSIÇÃO DO REGRESSO Á UTILIZAÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO DISTANCIADOS DOS INTERESSES, PREOCUPAÇÕES E NECESSIDADES DOS ALUNOS. ESTES ÚLTIMOS PENSAM MESMO QUE ESTA SITUAÇÃO CONTRIBUI BASTANTE PARA A FALTA DE SENTIDO QUE MUITOS PROFSSORES VÊEM NA SUA PROFISSÃO. ( HELENA MALIK).

19 ARROIO MALIK, LEONOR, (2003), SERÁ A ESCOLA FACILITADORA DE APRENDIZAGENS? FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN GARCIA HOZ, VÍCTOR, LA PRACTICA DE LA EDUCACION PERSONALIZADA, MADRID RIALP GONZALES SIMANCAS, J. L, (1992), EDUCÁCION, LIBERTAD Y COMPROMISSO, PAMPLONA,EUNSA BIBLIOGRAFIA MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA


Carregar ppt "MARIA LUÍSA DIAS PEREIRA. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 1. DEFINIÇÃO DE TUTORIA / TUTOR(A) 2. OBJECTIVO GERAL DESTA ACTIVIDADE 3. COMPETÊNCIAS DO ALUNO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google