A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Programação da Produção I ENG 09010 Planejamento e controle de estoques – cap. 12 continuação PROFa. Giovana Savitri Pasa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Programação da Produção I ENG 09010 Planejamento e controle de estoques – cap. 12 continuação PROFa. Giovana Savitri Pasa."— Transcrição da apresentação:

1 1 Programação da Produção I ENG Planejamento e controle de estoques – cap. 12 continuação PROFa. Giovana Savitri Pasa

2 Revisando: A decisão de estoques Sabendo que em um mês vamos consumir 100 créditos de celular, precisamos decidir QUANDO comprar e QUANTO comprar por vez (tamanho do lote de compra Q) A cada vez que vamos à loja para comprarmos créditos, gastamos R$ 3,00 com deslocamento; A cada crédito que temos, estamos deixando de ganhar i=30% Cada crédito custa R$ 1,00 Logo, o custo de guarda Ch= i.C = R$ 0,30 por crédito 2

3 QUANTO comprar por vez: tamanho do lote de compra Q D=100 créditos/mês Co= R$ 3,00 por pedido Ch= i.C= R$ 0,3 3 Descobrimos que a melhor opção é comprarmos 44,7 créditos por vez; ou seja, a cada (Q/D=0,447) 0,447 mês realizaremos uma compra. Passando para dias, 0,447*30=13,4 dias.

4 QUANTO comprar por vez: tamanho do lote de compra Q Custo para fazer um pedido: Co= R$ 3,00 por pedido Custo para guardar uma unidade: Ch= i.C= R$ 0,3/unidade 4 Descobrimos que a melhor opção é comprarmos 45 créditos por vez Custo total mensal Q LEC=44,7 créditos Custos totais com pedidos Custos totais com guarda R$ 13,42

5 Verificando a sensibilidade do Custo em relação ao tamanho do lote Q: Custos de pedido: Co= R$ 3,00 por pedido Custos de guarda: Ch= i.C= R$ 0,3/unidade 5 Descobrimos que a melhor opção é comprarmos 45 créditos por vez, com um custo mensal de R$ 13,42. O que acontece se resolvemos comprar Q=50 créditos? Custo total mensal Q 50 créditos Custos com pedidos Custos com guardaR$ 13,50

6 6 Termos usados em estoques Demanda: As decisões de estoques sempre são tomadas em relação à demanda. A demanda é a taxa de uso de um produto. A taxa de demanda é a quantidade demandada por unidade de tempo. É expressa em unidades/período. Por exemplo, peças/ano. A demanda pode ser determinística ou probabilística.

7 7 Lead time de reposição (l) e taxa de reposição Lead time de reposição é o intervalo de tempo entre o instante em que um pedido é feito e o instante em que ele começa a ser recebido ou reposto. A taxa de reposição é a taxa na qual o inventário cresce Quando há produção e consumo simultâneos, a taxa de reposição é dada por: (taxa de produção- taxa de demanda) Quando não há consumo simultâneo à produção, a taxa de reposição é a própria taxa de produção É expressa em unidades/período. Ex.: peças/ano

8 graficamente 8 8 Ponto de reposição p Tempo Lead time de reposição demanda disparar o pedido de Q unidades reposição Q

9 Graficamente para reposição com taxa finita e estoque de segurança 9 9 Ponto de reposição Tempo, T I max = Q Lead time Estoque de Segurança incl. P incl. D

10 10 Nível de pedido, Ponto de pedido ou ponto de reposição (r) É o nível de estoque no qual devemos fazer os pedidos de compra ou as solicitações de produção para que o início da reposição do estoque ocorra no momento desejado. Quando não usamos estoque de segurança e não admitimos falta, o início da reposição deve começar no instante imediatamente anterior a zerarmos o estoque. Quando usamos estoque de segurança, o início da reposição deve começar no instante imediatamente anterior a entrarmos no estoque de segurança. Quando admitimos falta, o início da reposição deve ocorrer no instante em que chegamos à falta máxima admitida. O ponto de pedido (r) é estabelecido em função da demanda que ocorre durante o lead time de reposição. Ao aplicar a fórmula, manter a coerência nas unidades de tempo da taxa de demanda e do lead time de reposição. Expresso em unidades. Ex.: peças r =D x lead time reposição

11 QUANDO precisamos comprar créditos (ponto de pedido r), se não queremos ficar sem créditos e sabemos que a operadora leva 2 dias para habilitar os créditos comprados? D=100 créditos/mês D=100 créditos/30 dias D=3,33 créditos por dia Lead time de reposição=2 dias 11 r =D x lead time reposição=3,33 créd./dia x 2 dias = 6,66 créditos Para evitarmos a falta, compraremos quando tivermos r = 7 créditos

12 12 Estoque de segurança (s) É o inventário que é mantido para prevenir uma falta quando há incerteza na demanda ou no fornecimento.

13 13 Faltas nem sempre são admitidas Ocorrem quando o cliente solicita o produto e este não está disponível. Então, uma quantidade negativa de produto é registrada. Funciona como uma lista de espera a ser atendida tão logo cheguem produtos. Ou seja, primeiro serão atendidos os clientes que estavam em espera (devido à falta no momento em que desejaram comprar), para somente depois iniciar a colocação das peças no armazém. No gráfico, é representada uma quantidade negativa de peças no estoque, ou seja, abaixo do zero no eixo y.

14 Revisando os modelos: 1) Lote econômico de compra (LEC): 1) taxa de produção é infinita; logo, reposição instantânea 2) faltas não são admitidas 14 Tempo demanda reposição I max = Q ano I

15 15 2) Faltas não admitidas: 1) taxa de produção é finita 2) faltas não são admitidas 3) há estoque de segurança 4) I máx = Q + E segurança Ponto de reposição Tempo, T I max Lead time Estoque de Segurança incl. P incl. D

16 Caso em que faltas são admitidas: 1) taxa de produção é finita 2) faltas são admitidas 3) não há estoque de segurança 4) I máx não chega a alcançar o valor Q, pois há consumo simultâneo à reposição 16 guarda falta

17 17 Políticas de estoques Dizem respeito às regras usadas para o controle dos estoques: QUANDO pedir?

18 18 1) revisão contínua com quantidade fixa de pedido Q Ponto de reposição Tempo I max = Q+Es Lead time de reposição Estoque de Segurança r demanda disparar o pedido de Q unidades reposição Q

19 19 Estado ocioso, esperando demanda Demanda ocorre: unidade é retirada do estoque ou registra uma faltante Calcule status status=disponivel+em pedido-faltante Emitir pedido para Q unidades status < ponto de pedido r ? SIM NAO

20 20 Quais variáveis podem apresentar variabilidade? taxa de demanda D lead time de reposição l A ddp do uso durante o lead time deve ser conhecida, para que possamos calcular o Es. Essa ddp é uma combinação da ddp de duração do lead time com a ddp de demanda. (abordagem Slack)

21 21 revisão contínua com quantidade fixa de pedido Q variabilidade presente em D e l Ponto de reposição Tempo I max = Q+Es Lead time de reposição 1 Estoque de Segurança r demanda disparar o pedido de Q unidades reposição Q Lead time de reposição 2 Q Q Lead time de reposição 3

22 22 exemplo – abordagem Slack Uma empresa importa motores, porém nunca tem certeza de quanto tempo o pedido levará para chegar. Olhando os pedidos anteriores, observa que, em dez pedidos, um levou 1 semana, dois levaram 2 semanas, quatro levaram 3 semanas, dois levaram 4 semanas e 1 levou 5 semanas. A taxa de demanda semanal varia entre 110 e 140 motores. A probabilidade de haver um consumo de 110 motores é de 20%, de 120 motores é 30%, de 130 motores é 30% e de 140 motores é 20%. Desejamos calcular o nível de reposição para um nível de serviço de 99,87%.

23 23 exemplo – abordagem Slack – ddp do uso

24 24 exemplo – abordagem Slack – ddp do uso Pedindo quando o estoque chegar a r=800 motores, a probabilidade de não ocorrer falta é no mínimo de 99,87%.

25 25 Abordagem revisao continua Qfixo e variabilidade em D lead time de reposicao apresenta variaçoes despreziveis; aproximo de uma constante. A partir de dados históricos da demanda durante o lead time, vamos estimar a variabilidade da mesma. Dados: D média=250 eixos D desvio padrão=22 eixos Desejamos um nivel de serviço de 99,9%. O valor de z correspondente a uma probabilidade acumulada de 99,87% é 3. Pode ser obtido pela funcao do excel INV.NORMP (,9987) Es=z. desvio padrao = 3. 22= 66 eixos r=média+Es=250+66=316 eixos

26 26 Política de revisão periódica Os níveis de estoques são observados em iguais intervalos de tempo. T é o período da duração da revisão (T não varia)

27 27 Política de revisão periódica T I R T1 = T2 = T3 = T4 I1 I3 R-I3 Parâmetros a definir: R e T.

28 28 Política de revisão periódica Ao final de T i, uma ordem R- I i é colocada.

29 29 Política de revisão periódica Para iniciar a definição da política, podemos usar o Lote econômico de compra. Por exemplo, a demanda anual é D=1200 unid/ano. A partir da fórmula do LEC, calculo Q=100 unid. Lembrando:

30 30 Política de revisão periódica Uma vez que a demanda D=1200 unid/ano e Q=100 unid., é possível definir o número de vezes que serão feitos pedidos: nro pedidos=D/Q=12 pedidos num ano Logo: T=1/12 ano ou 1 mês conhecendo-se demanda media e desvio para um periodo x

31 2) revisão periódica I (unidades) I alvo Q3Q3 Q1Q1 lead time tempo Período I mín I1I1 I2I2 I3I3 Q2Q2 Instantes de revisão

32 32 Política de revisão periódica D media T+l = demanda durante intervalo de proteção. R (nível desejado)=D media T+l +Es Desvio-padrão da Demanda durante intervalo de proteção é: desvio D T+l =desvio x. Es=z. desvio D T+l

33 33 Estimando demanda no lead time a partir da demanda total Média e desvio da demanda no lead time são: ex: t = 1 semana, X N (18, 5) L=2 sem,


Carregar ppt "1 Programação da Produção I ENG 09010 Planejamento e controle de estoques – cap. 12 continuação PROFa. Giovana Savitri Pasa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google