A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para organizações Ralph Arcanjo Chelotti ABRH-Nacional Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para organizações Ralph Arcanjo Chelotti ABRH-Nacional Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para."— Transcrição da apresentação:

1 Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para organizações Ralph Arcanjo Chelotti ABRH-Nacional Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para organizações Ralph Arcanjo Chelotti ABRH-Nacional Salvador, 27 de março de 2009

2 Slide 2 Qualidade de vida Programa de Qualidade de Vida na empresa Isso efetivamente valida o bem-estar das pessoas nas organizações. Será mesmo ?

3 Slide 3 Programa de Qualidade de Vida AUMENTO DA PRODUTIVIDADE PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA CONSEQUÊNCIAS Ambiente psicologicamente saudável BEM-ESTAR COLETIVO Melhor desempenho das pessoas GESTÃO DE CLIMA ORGANIZACIONAL

4 Slide 4 Diagnóstico corporativo - Perfil Biomédico Características avaliação anual de todos os empregados = check-up periódico Performance Agregação de valor pessoal influência Profissional, Valorização Capital Humano Baixa produtividade Custo alto para a organização! GRAU 0123 BOM Manutenção Risco Baixo Ressalvas Risco Médio Melhorias (algumas taxas fora da faixa) RISCO ALTO Mudança Imediato

5 Slide 5 Executivos devem ser sensibilizados Promoção é melhor que prevenção e correção Sensibilidade

6 Slide 6 Programa de Qualidade de Vida PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA BEM VIVER EMPRESA SAUDÁVEL AMBIENTE AGRADÁVEL PESSOAS FELIZES

7 Slide 7 70 anos de estresse 1.Organizações enxutas; 2.Informações cada vez mais velozes = evolução da tecnologia; 3.Nível de exigência e qualificação cada vez maior; 4.Carreira – Você S/A; 5.Pouca valorização do capital humano.

8 Slide 8 JORNADA DE TRABALHO - FÉRIAS - EQUILIBRIO Pesquisa com 100 pessoas, com idade entre 30 e 45 anos, em cargo de gerência, diretoria, vice-presidência ou presidência, de empresas de médio e grande portes de todo o Brasil - Nove entre dez profissionais nunca tiram 30 dias de férias corridos; - 59% tira 20 dias de férias durante o ano, sendo que metade não consegue ficar tanto tempo fora da empresa e divide esse período em dois intervalos de dez dias; - 8% dos profissionais são mais radicais e se ausentam por apenas dez dias a cada ano; - 5% não tiram férias. Pesquisa da empresa H2R Pesquisas Avançadas, realizada com exclusividade para VOCÊ S/A

9 Slide 9 Fobia de férias Insegurança quanto às mudanças que podem ocorrer na organização durante as férias: profissionais entrevistados, de 25 a 55 anos, de Porto Alegre e São Paulo. - 38% têm medo de tirar férias; - 46% têm medo que decisões importantes possam ser tomadas na empresa enquanto não se está lá; - 32% temem que haja remanejamento de cargo ou de responsabilidade devido a fusões e enxugamentos. - 19% têm medo de demissão; - 3% têm medo de que ninguém na empresa sinta a falta deles. Pesquisa: ISMA Brasil

10 Slide 10 Programa de Qualidade de Vida Sucesso dos programas depende de: - Comprometimento com escolhas de hábitos saudáveis; - Atitudes de enfrentamento à adversidade; - A empresa fornecer as condições necessárias para que as boas escolhas aconteçam.

11 Slide 11 Programa de Qualidade de Vida Três pilares: Bem-estar Saúde ocupacional Assistência ao empregado 40% do turnover, nos Estados Unidos, é devido ao estresse

12 Slide 12 Programa de Qualidade de Vida Pesquisa de Qualidade de Vida no Trabalho desenvolvida por LIMONGI-FRANÇA (2001) 96,3% dos respondentes concordam que toda empresa deve ter um Programa de Qualidade de Vida no Trabalho; 50,2% acreditam que os programas devem ser alinhados às principais estratégias do negócio; 89,5% concordam que os programas de Qualidade de Vida no Trabalho contribuem positivamente em 92,8% da produtividade do negócio; Fonte: Profa. Ana Cristina Limongi-França

13 Slide 13 Programa de Qualidade de Vida Pesquisa de Qualidade de Vida no Trabalho desenvolvida por LIMONGI-FRANÇA (2001) 76,5% são unânimes am afirmar que existem pressões externas para implantação de Programas de QVT, exercidos principalmente pelos sindicatos e outras empresas que se mostram mais competitivas; 36,9% acredita que o pessoal de operações são os que mais precisam das ações de QVT; 71,9% sabem que empresas no Brasil possuem programas abrangentes de QVT; 97,2% acredita em melhorias de produtividade, oriundas das ações de QVT. Fonte: Profa. Ana Cristina Limongi-França

14 Slide 14 E quando os programas não emplacam? Possíveis motivos: 1.Qualidade dos programas; 2.Credibilidade da alta gerência e da diretoria; 3. As pessoas – empregados; 4. Cultura da organização; 5. Valorização do capital humano.

15 Slide 15 Longas jornadas de trabalho Como outros países estão driblando (ou não) as longas jornadas de trabalho, para viabilizar a melhorida da qualidade de vida de seus profissionais. HOLANDA FRANÇA ITÁLIA SUÉCIA ESTADOS UNIDOS Fonte: Fonte: Reengenharia do Tempo, editora Rocco, em

16 Slide 16 O trabalho aterroriza a saúde? Cenário marcado por alta competitividade, redução da força de trabalho, contratos temporários e aumento da mão-de-obra terceirizada; Jornadas de dez, 12, 15 horas por dia somam-se ao acúmulo de funções, forte pressão por resultados, pouca estabilidade e hiperestimulação do cérebro; No Brasil, nada menos que 70% dos profissionais apresentam sintomas negativos do estresse; Nos Estados Unidos, são gastos anualmente 117 bilhões de dólares em custos diretos e indiretos do tratamento de doenças osteoarticulares e osteomusculares relacionadas ao trabalho (Dort); Síndrome do Burnout já atinge 30% dos profissionais que sofrem de estresse e representa o nível mais alto da doença. Trata-se de uma espécie de apagão emocional.

17 Slide 17 O trabalho aterroriza a saúde? Nada menos que 58% dos profissionais atribuem o estresse ao trabalho. Fonte: Pesquisa da Isma Brasil, com 752 profissionais de São Paulo, Belém e Porto Alegre SINTOMAS FISICOS 86% têm dores musculares (incluindo a cefaléia tensional) 69% têm cansaço crônico 35% têm insônia 23% têm distúrbios gastrointestinais SINTOMAS EMOCIONAIS 81% relatam ansiedade 78% relatam angústia 71% relatam irritação 52% relatam raiva SINTOMAS COMPORTAMENTAIS 46% relatam consumo exagerado de álcool e cigarros, e ainda praticam automedicação 43% ficam mais agressivos 28% têm distúrbios do apetite 21% sofrem de mudanças da libido

18 Slide 18 Cuidado: para onde vai o seu tempo Quando perguntados sobre o que interrompe a produção diária, os brasileiros responderam que são assuntos como apagar incêndio de alguma crise de última hora, além das conversas paralelas (o famoso vaivém da rádio-peão). Os brasileiros se vêem produtivos apenas 60% do tempo. Ou seja, dois dias da semana são perdidos por causa desses inimigos invisíveis Fonte: Pesquisa da Microsoft realizada entre setembro de 2004 e janeiro deste ano. No total, profissionais de 200 países responderam a um questionário com 18 perguntas que estavam no site da empresa, em No Brasil, quem trabalha dez horas por dia, cinco dias por semana, na verdade trabalha apenas três dias. O resto é perdido em reuniões inúteis, telefonemas desnecessários ou respondendo s (em % de horas trabalhadas).

19 Slide 19 Inimigo invisívelBrasilEUAEuropaMédia Apagar incêndio para resolver problemas com crises Conversas paralelas Falta de comunicação Falta de planejamento Telefonemas inúteis Cuidado: para onde vai o seu tempo

20 Slide 20 Os dez mandamentos da qualidade de vida 1. Ao acordar, não permita que algo que saiu errado ontem seja o primeiro tema do dia. No máximo, comente seus planos no sentido de tornar seu trabalho cada vez mais produtivo. 2. Ao entrar no prédio de sua empresa, cumprimente cada um que lhe dirigir o olhar, mesmo não sendo colega de sua área. 3. Seja metódico ao abrir seu armário, ligar seu terminal, disponibilizar os recursos ao redor. Comece relembrando as notícias de ontem. 4. Não se deixe envolver pela primeira informação de erro recebida de quem talvez não saiba de todos os detalhes. Junte mais dados que lhe permitam obter um parecer correto sobre o assunto.

21 Slide 21 Os dez mandamentos da qualidade de vida 5. Quando for abordado por alguém, tente adiar sua própria tarefa, pois quem veio lhe procurar deve estar precisando bastante de sua ajuda e confia em você. Ele ficará feliz pelo auxílio que você possa lhe dar. 6. Não deixe de alimentar-se na hora do almoço. Pode ser até um pequeno lanche, mas respeite suas necessidades humanas. Aquela tarefa urgente pode aguardar mais 30 minutos. Se você adoecer, dezenas de tarefas terão que aguardar a sua volta, menos aquelas que acabarão por sobrecarregar seu colega. 7. Dentro do possível, tente se agendar (tarefas comerciais e sociais) para os próximos 10 dias. Não fique trocando datas a todo momento, principalmente a minutos do evento. Lembre-se de que você afetará o horário de vários colegas.

22 Slide 22 Os dez mandamentos da qualidade de vida 8. Ao comparecer a estes eventos, leve tudo o que for preciso para a ocasião, principalmente suas idéias. E divulgue-as sem receio. O máximo que poderá ocorrer é alguém poderoso ou o grupo não aceitá-la. Talvez, mais tarde, em dois ou três meses, você tenha nova chance de mostrar que estava com a razão. Saiba esperar. 9. Não prometa o que está além do seu alcance só para impressionar quem lhe ouve. Se você ficar devendo um dia, vai arranhar o conceito que levou anos para construir. 10. Na saída do trabalho, esqueça-o. Pense como vai ser bom chegar em casa e rever a família ou os amigos que lhe dão segurança para desenvolver suas tarefas com equilíbrio.

23 Slide 23 Vídeo

24 Sejam Felizes. Obrigado! Ralph Arcanjo Chelotti Presidente da ABRH-Nacional Colaboração: Maíra Medeiros –Analista de Comunicação e Marketing – ABRH-Nacional


Carregar ppt "Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para organizações Ralph Arcanjo Chelotti ABRH-Nacional Programas de Qualidade de Vida: valor agregado para."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google