A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Luciana Tolstenko Nogueira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Luciana Tolstenko Nogueira."— Transcrição da apresentação:

1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Luciana Tolstenko Nogueira

2 Definição: Informação A informação é importante nas sociedades, pois é primordial para as relações de poder e geração de saber. Quem detém a propriedade dos estoques de informação determina a sua distribuição e condiciona, potencialmente, a produção do conhecimento.

3 Definição: Informação A importância que a informação vem assumindo na sociedade moderna transformou-a em recurso estratégico de poder em todas as áreas do saber. O valor da informação está intimamente relacionado à capacidade que a mesma tem de alterar o estado do conhecimento.

4 Informação O conhecimento é construído a partir da acumulação de informações, consolidando-se através de permanente atualização, confrontando antigas e novas informações, adquiridas a todo momento

5 Abrangência da Informação em Saúde As informações em saúde devem abranger as relações envolvendo o processo saúde-doença e as ações de caráter administrativo, todas essenciais ao processo de tomada de decisão no setor.

6 Finalidades da Informação em Saúde Identificar problemas individuais e coletivos do quadro sanitário de uma população; Propiciar elementos para análise da situação de saúde encontrada;

7 Finalidades da Informação em Saúde Subsidiar a busca de possíveis alternativas de resolução de problemas verificados. Servir como um elemento estratégico para a gestão.

8 Finalidades da Informação em Saúde As informações também orientam a implantação dos modelos: de atenção; de promoção da saúde; das ações de prevenção e controle; permitem estabelecer prioridades.

9 Finalidades da Informação em Saúde As informações também estabelecem: Alocação de recursos de forma direcionada para a modificação positiva das condições de saúde da população.

10 PAPEL DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE Decisão Planejamento Execução Avaliação

11 SISTEMA

12 Definição: Sistema Sistema é um conjunto integrado de partes que se articulam para uma finalidade comum (MEDRONHO, 2003).

13 Definição: Sistema Sistemas de informação são vários elementos ligados à: - captação; - processamento; - difusão de dados.

14 Dados do Sistema de Informação O dado é o componente básico do processo de produção de informação. É o elemento quantitativo ou qualitativo, em forma bruta, que por si só não conduz à compreensão de determinado fato ou situação.

15 Dados Dado é a matéria–prima, sobre a qual trabalhamos juntando-os, contrapondo- os, para produzir informações que traduzam um conhecimento.

16 Dados Quando processamos os dados, relacionando os fatos por eles descritos e encontramos significado naquilo que se observa, obtemos então a informação A informação é o produto obtido a partir de determinada combinação e interpretação de dados.

17 Dados Informação é o dado útil – produto da análise dos dados obtidos, registrados, classificados, organizados, relacionados dentro de um contexto. É um importante recurso para subsidiar o processo de tomada de decisão, de planejamento, de execução e de avaliação das ações desencadeadas

18 Dados Difusão de dados Utiliza materiais de registro como: prontuários fichas de vacinação tabelas e gráficos de resumo (MEDRONHO, 2003).

19 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE (SIS)

20 Características do SIS Possui capacidade de coligir um número amplo de registros. Armazenamento de dados Recuperação de dados

21 Características do SIS O SIS pode ser entendido como instrumento para: adquirir; organizar e analisar dados necessários para a definição de problemas e riscos à saúde.

22 Situação da Saúde Avaliação DadosInformação Conhecimento Decisão Ação

23 PRODUTOS GERADOS POR UM SIS Informações que satisfaçam as seguintes questões: Como está a situação de saúde? Que objetivos serão assumidos? Com quais recursos?

24 Quais e quantas ações? Que resultados? Quais os resultados em relação aos objetivos

25 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NO BRASIL

26 Sistemas Nacionais de Informação em Saúde O SUS conta com sistemas de informação sobre: Mortalidade (SIM) Nascidos vivos (SINASC) Agravos de notificação compulsória (SINAN)

27 Sistemas Nacionais de Informação em Saúde O SUS conta com sistemas de informação sobre: Sistema de informações hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS) Produção de serviços e atendimentos ambulatoriais (SAI-SUS)

28 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE (SIM)

29 SIM O SIM proporciona a produção de estatísticas de mortalidade e a construção dos principais indicadores de saúde, permitindo estudos não apenas do ponto de vista estatístico epidemiológico, mas também do sócio- demográfico.

30 SIM Utiliza como instrumento de coleta de dados a Declaração de Óbito (DO). Com a DO pode ser observada a causa básica de óbito. As DOs são impressas em três vias pré-numeradas (Sec. Estadual de saúde, Sec. Municipal, Cartório do Registro Civil).

31 Luciana Tolstenko Nogueira

32

33 SIM Existência de codificadores treinados no uso da Classificação Internacional de Doenças e Problemas relacionados à Saúde – CID 10ª Revisão.

34 Luciana Tolstenko Nogueira

35 Acidente Vascular CerebralAcidente Vascular Cerebral VasculopatiaVasculopatia Câncer de bocaCâncer de boca

36 DO Os profissionais responsáveis pelo preenchimento das DOs devem observar: - a importância do preenchimento completo e correto da DO; - localizar de modo preciso os sítios anatômicos específicos da causa básica de morte.

37 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE NASCIDOS VIVOS

38 SINASC Utiliza a declaração de nascido vivo (DN).

39 SINASC Contribui para obter informações sobre: natalidade; morbidade; mortalidade infantil e materna; características da atenção ao parto e ao recém-nascido.

40 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO

41 SINAN Tem como finalidade a Vigilância Epidemiológica de determinados agravos. O Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica criou a obrigatoriedade da notificação compulsória de algumas doenças.

42 SINAN Atualmente o SINAN congrega doenças de diferentes naturezas: crônicas trasmissíveis: AIDS, esquistossomose, hanseníase e tuberculose. não-transmissíveis: desnutrição grave, pneumoconiose.

43 SINAN Atualmente o SINAN congrega doenças de diferentes naturezas: agudas transmissíveis: cólera, dengue e doenças imunopreveníveis. não-transmissíveis: acidente por animais peçonhentos e intoxicação por agrotóxico.

44 SISTEMA DE INFORMAÇÕES AMBULATORIAIS (SIA-SUS)

45 SIA-SUS O SIA-SUS foi implantado em 1991, dentro de uma lógica predominantemente contábil de controle de gastos com a assistência ambulatorial. A unidade de registro de informações é o procedimento ambulatorial realizado.

46 SIA-SUS Foi implantado a partir de julho de 1994, para financiar os atendimentos ambulatoriais. Em 1996 foi largamente implantado nas Secretarias Municipais de Saúde – então chamadas de gestão semiplenas – pela NOB 96.

47 SIA-SUS A consulta ao SIA-SUS permite um acompanhamento da programação da produção ambulatorial. Permite contar o que foi produzido. Mas não quem e quantos foram atendidos.

48 SIA-SUS Oferece dados sobre controle orçamentário e produção de serviços ambulatoriais, capacidade física instalada e recursos financeiros orçados e repassados aos municípios.

49 SISTEMA DE INFORMAÇÕES HOSPITALARES DO SUS (SIH- SUS)

50 SIH-SUS Representa um tipo de banco de dados administrativos. Gerado em serviços de saúde como base para o reembolso de serviços prestados e avaliação.

51 SIH-SUS Trabalha dados referentes às internações hospitalares, particularmente aqueles que informam sobre os procedimentos realizados A partir destes dados é efetuado o pagamento aos hospitais conveniados ou contratados pelo SUS.

52 SIH-SUS Processa dados sobe causa de internação Quantidade de leitos por especialidade Tempo médio de permanência Documento-padrão – A.I.H. Facilita a atividade de controle e avaliação

53 Qualidades do SIH-SUS Abrange um número extenso de unidades de saúde pertencentes a diferentes redes. Pode contribuir para diferenças marcantes em relação à qualidade dos dados registrados pelas diferentes unidades de saúde, em função da maior ou menor disponibilidade de recursos físicos e humanos para o processamento dos formulários AIH

54 AIH Os arquivos de dados dos formulários AIH podem ser captados por acesso remoto às bases de dados do Ministério da Saúde no site DATASUS.

55 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE A ATENÇÃO BÁSICA – Siab Voltada para as ações referentes à atenção básica, em particular as ações do Pacs e PSF. Processa informações da população acompanhada e avaliação das atividades desenvolvidas como: Cadastramento das famílias Grupos de risco Atividades realizadas

56 SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES – SI-PNI Contribui para o controle, eliminação e/ou erradicação das doenças transmissíveis e imunopreveníveis, com a imunização sistemática da população. Garante a qualidade dos dados e a velocidade do fluxo de informações, otimizando o controle e gerenciamento das unidades de vacinação.

57 LEVANTAMENTO DECENAL DE DADOS POPULACIONAIS E INDICADORES SOCIAIS - CENSO Realizado pelo IBGE Tem por objetivo a contagem populacional e domicílios Não se caracteriza por sistema de informação Mas gera base de dados úteis para compor o denominador em um significativo número de indicadores

58 Referências MEDRONHO, R. A. Epidemiologia. 1. ed. São Paulo: Editora Atheneu; MORAES, I. H. S. Política, tecnologia e informação em saúde a utopia da emancipação. Salvador: Casa da Qualidade Editora; ROUQUAYROL, M. Z.; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e Saúde. 5. ed. Rio de Janeiro: MEDSI; Luciana Tolstenko Nogueira

59 Obrigada


Carregar ppt "SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Luciana Tolstenko Nogueira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google