A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA 6 Professora Lana Rego BEM-VINDO À DISCIPLINA LÍNGUA PORTUGUESA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA 6 Professora Lana Rego BEM-VINDO À DISCIPLINA LÍNGUA PORTUGUESA."— Transcrição da apresentação:

1 AULA 6 Professora Lana Rego BEM-VINDO À DISCIPLINA LÍNGUA PORTUGUESA

2 AULA 6 O ESTILO NA ESCRITA

3 AULA 6 O que é o estilo na escrita? Questão básica:

4 AULA 6 Todo e qualquer gênero textual possui estilo; em alguns deles, há condições mais favoráveis (gêneros literários), em outros, menos favoráveis (documentos oficiais, notas fiscais), para a manifestação do estilo individual. (Koch & Elias, 2007: 113)

5 AULA 6 O ESTILO: acrescenta ornamentos para melhor transmitir uma mensagem na elaboração; é um processo de criação de sentido; é a expressão individual nos mais diversos atos humanos.

6 AULA 6 O ESTILO caracteriza o modo de vestir de uma pessoa, a maneira de andar, a habilidade dos lances nas competições esportivas, etc. (Souza et al: 2005) Pode-se entender ESTILO como uma arte.

7 AULA 6 Para realizar a sua obra, o autor escolhe os seus elementos. O autor expressa o seu pensamento por meio da linguagem. O estilo transmite o conteúdo artístico do autor. O ESTILO COMO A SOMA DE OPÇÕES INDIVIDUAIS

8 AULA 6 Texto I: trecho do discurso do Rui Barbosa AULASenhores: Não quis Deus que os meus cinquenta anos de consagração ao direito viessem receber no templo do seu ensino em São Paulo o selo de uma grande bênção, associando-se hoje com a vossa admissão ao nosso sacerdócio, na solenidade imponente dos votos em que o ides esposar. Em verdade vos digo, jovens amigos meus, que o coincidir desta existência declinante com essas carreiras nascentes agora, o seu coincidir num ponto de interseção tão magnificamente celebrado, era mais do que eu merecia; e, negando- me a divina bondade um momento de tamanha ventura, não me negou senão o a que eu não devia ter tido a inconsciência de aspirar. Mas, recusando-me o privilégio de um dia tão grande, ainda me consentiu o encanto de vos falar, de conversar convosco, presente entre vós em espírito; o que é, também, estar presente em verdade. Assim que não me ides ouvir de longe, como a quem se sente arredado por centenas de quilômetros, mas ao pé, de em meio a vós, como a quem está debaixo do mesmo teto, e à beira do mesmo lar, em colóquio de irmãos, ou junto dos mesmos altares, sob os mesmos campanários, elevando ao Criador as mesmas orações, e professando o mesmo credo. (Oração aos moços / Rui Barbosa)

9 AULA 6 O texto é um trecho do famoso discurso de Rui Barbosa, intitulado Oração aos Moços, para os formandos de Direito em 1920, em São Paulo. Sua intenção é transmitir suas ideias, reflexões e conselhos àqueles que estavam iniciando a prática jurídica. Busca traçar uma intimidade a quem se dirige. Há um teor emotivo e expressivo. O autor faz questão de estar próximo dos jovens formandos por meio do seu discurso: Em verdade vos digo, jovens amigos meus..., sendo um exemplo claro do caráter individual do estilo.

10 AULA 6 Por que o título do texto é Oração aos moços? Além de outras características, a presença de expressões como Em verdade vos digo, Não quis Deus indicam intertextualidade com textos de clamor religioso. A estrutura das frases, a ordem das palavras nas orações, bem como a seleção vocabular indicam o estilo único de Rui Barbosa, importante jurista brasileiro.

11 AULA 6 O traço estilístico pode ser um desvio ocasional de norma gramatical vigente, mas se impõe pela sua intenção estético-expressiva. O erro gramatical é o desvio sem intenção estética. Bechara (2001: 518) ESTILO X ERRO

12 AULA 6 Se um autor escreve: A procissão saiu. Andaram por todas as ruas da cidade. O verbo andaram não concorda com o termo procissão, mas sim com a ideia nele contida. EXEMPLO

13 AULA 6 Texto II: fragmento do poema do Drummond Ao Deus Kom Unik Assão Carlos Drummond de Andrade Eis-me prostado a vossos peses que sendo tantos todo plural é pouco. Deglutindo gratamente vossas fezes vai se tornando são quem era louco. Nem precisa cabeça pois a boca nasce diretamente do pescoço e em vosso esplendor de auriquilate faz sol o que era osso [...]

14 AULA 6 O título causa um estranhamento, Ao Deus Kom Unik Assão. O poeta Drummond teria errado? Certamente, não. Mas, qual foi seu propósito? Chegamos ao traço estilístico, que é intencional e expressivo. Drummond propõe em seu poema uma crítica à sociedade de consumo, que age e pensa pelo poder econômico, que tem como influência os canais de comunicação. A expressão Kom Unik Assão refere-se aos canais de comunicação que, para o eu poético, promove a alienação e a falta de razão.

15 AULA 6 Destacam-se, no poema, outras expressões: peses de pés, e o neologismo auriquilate, que pode ter o sentido relacionado com quilate (pureza do ouro), ou que late. Tais transgressões não se constituem erros gramaticais, mas desvios em relação à norma vigente, à norma padrão, com fins bastante específicos. No caso, fazer uma crítica contundente ao consumismo desenfreado, ao consumismo que cega e não deixa pensar.

16 AULA 6

17 QUALIDADES DE ESTILO: CONCISÃO, CLAREZA, HARMONIA E ORIGINALIDADE

18 AULA 6 Consiste em conseguir a maior eficiência na comunicação com o menor número possível de palavras. Problemas comuns: imprecisão nas ideias; uso de palavras desnecessárias, períodos muito longos, adjetivos em excesso; redundância das ideias. CONCISÃO

19 AULA 6 Com a aparência cansada, Luísa deitou-se para dormir. "Com a aparência de alguém que trabalhou demais, em um quarto cuja cama estava velha e com lençóis gastos como um trapo, Luísa, com as pernas cansadas por ter ficado por horas servindo os clientes no bar de seu carrancudo pai, deitou-se para sonhar com seu príncipe e dormir o sono dos justos. CONCISÃO

20 AULA 6 Muito da clareza de linguagem diz respeito ao leitor a que se destina o texto. A clareza combina com o vocabulário adequado com boa estruturação das sentenças ( = emprego de sentenças mais ou menos curtas). CLAREZA

21 AULA 6 Trecho do nosso belo Hino Nacional: Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retumbante Por que o verbo está no plural, OUVIRAM? CLAREZA

22 AULA 6 Pontuação é importante. Deve-se ter cuidado com cacofonias. HARMONIA

23 AULA 6 A cacofonia e o casamento - Mulher, eu quero amá-la! A mulher, sonolenta, respondeu ao marido sem abrir os olhos: - Está em cima do armário… Ele não desistiu. E sussurrou: - Mulher, hoje, vou amar-te. Aí a mulher acordou nervosa e gritou: - Vá para Marte, para Júpiter, Netuno, vá para qualquer lugar, mas me deixe dormir! HARMONIA

24 AULA 6 Consiste na criação de um estilo próprio e não na criação de algo inédito. Importância da organização das ideias. Produção de argumentos próprios. ORIGINALIDADE

25 AULA 6 Originalidade não é nada senão uma imitação prudente. Os mais originais escritores pegaram emprestado uns dos outros. Voltaire (Disponível em ORIGINALIDADE

26 AULA 6 Monte Castelo (Letra: Renato Russo - Adapt. "I Coríntios 13" e "Soneto 11" de Luís de Camões Música: Renato Russo) Ainda que eu falasse a língua do homens. E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria. É só o amor, é isso o amor. Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal. Não sente inveja ou se envaidece. O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente. É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer. Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. É um não querer mais que bem querer. É solitário andar por entre a gente. É um não contentar-se de contente. É cuidar que se ganha em se perder. (...) ORIGINALIDADE

27 AULA 6 Segundo Garcia (idem: 206), o parágrafo-padrão é composto por: a) Introdução ou tópico frasal. Um ou dois períodos curtos iniciais, em que se expressa de maneira sucinta a idéia-núcleo. b) Desenvolvimento. Explanação da ideia-núcleo. c) Conclusão. Mais rara, principalmente em parágrafos curtos. ESTRUTURA DO PARÁGRAFO

28 AULA 6 Parágrafo-padrão INTRODUÇÃO + DESENVOLVIMENTO + CONCLUSÃO

29 AULA 6 Embora existam políticos competentes e honestos, preocupados com as legítimas causas populares, os jornais noticiam, todos os dias, os casos de corrupção comprovada. Já faz parte do nosso cotidiano ler e ouvir sobre casos de autoridades em instituições públicas envolvidas em subornos, desvios de verba, impunidades, irresponsabilidades, entre outros. Entre todas, merece destaque o caso do Presidente da República, representante máximo da nação. Mas, apesar de tudo, não devemos esmorecer. Por isso, o país pede, a nação exige: em outubro, vote consciente, não deixe seu voto em branco, tampouco anule-o.

30 AULA 6 Unidade: deve existir apenas uma ideia predominante por parágrafo; Coerência: deve existir uma relação intrínseca entre a ideia principal e as ideias secundárias de um parágrafo; Ênfase: a ideia principal do texto deve ser apresentada no início do parágrafo (tópico frasal). CARACTERÍSTICAS PARA QUE UM PARÁGRAFO APRESENTE CLAREZA EM SUAS IDEIAS


Carregar ppt "AULA 6 Professora Lana Rego BEM-VINDO À DISCIPLINA LÍNGUA PORTUGUESA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google