A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O mundo em que nossos filhos viverão está mudando quatro vezes mais rápido do que nossas escolas. Willard Gagget.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O mundo em que nossos filhos viverão está mudando quatro vezes mais rápido do que nossas escolas. Willard Gagget."— Transcrição da apresentação:

1 O mundo em que nossos filhos viverão está mudando quatro vezes mais rápido do que nossas escolas. Willard Gagget

2 PROF. MOREIRA COSTA

3 A FORMAÇÃO ATUAL DOS DIRETORES DE ESCOLA entulho autoritário A formação dos atuais diretores é feita em cursos de pedagogia, licenciatura plena e habilitação em administração escolar. Os cursos de pedagogia foram estruturados em 1969 pela resolução n 02/69, do antigo Conselho Federal de Educação (CFE), que regulamentou a lei Federal n 5.540/1968, considerada pela mídia e nos meios políticos um entulho autoritário

4 A formação e a atuação dos diretores de escola mostram um descompasso enorme com a administração moderna, devido ao fato de os cursos de pedagogia terem se mantido resistentes à mudança, repetindo a formação do passado, quando a educação não havia ainda ganho o destaque que assume hoje no contexto das atividades sociais, exigindo repensar o ato de educar e um processo de formação totalmente diverso. As mudanças que vem acontecendo no campo da administração empresarial não podem ser ignoradas, tendo em vista a precariedade de estudos e pesquisas na área educacional.

5 Não são poucas as dificuldades enfrentadas pelos diretores e administradores escolares de qualquer nível. Com sua formação precária, não sabem a quem recorrer para orientá-los no desempenho de suas funções, hoje bastante ampliadas. A maioria dos diretores de escola busca orientações e soluções para seus problemas administrativos ou técnicos com colegas mais experientes ou aguardaordens da Diretoria de Ensino, em vez de buscar soluções próprias, o que exige maior conhecimento dos fatores envolvidos. Todas essas questões exigem um estudo aprofundado da formação dos diretores, não apenas em termos teóricos, mas também, e sobretudo, de uma administração eficaz, tendo em conta os limites e contradições da legislação vigente

6 A nova escola requer gestores mais dinâmicos, criativos e capazes de interprtar as exigências de cada momento e de instaurar condições mais adequadas de trabalho. Quando assumiu a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, em 1989, Paulo Freire incentivou os profissionais da educação a encarar a mudança como algo necessáio e inadiável, para mudar a cara da escola, torná-la mais democrática, mais eficaz, preocupada com o bem estar do aluno e do professor. A escola é a cara do direto, afirma-se nos meios educacionais No Admirável mundo novoda administração, ser dirigente é como reger uma orquestra, em que as partituras mudam a cada instante e os músicos têm liberdade para marcar seu próprio compasso.

7 Não existem receitas ou teorias infalíveis para administrar uma instituição, pois, hoje, com a velocidade da mudança, aquilo que se estabeleceu num dado momento logo pode mostrar-se inadequado O gestor deve saber olhar para o futuro e perceber as tendências de mudança, aprender a investigar, analisar e interpretar os novos desafios, enfrentando o novo, o desconhecido, com alguma margem de segurança.

8 Uma nova proposta de gestão deve levar em conta duas questões: 1) Aquelas decorrentes da época atual e dos desafios que se colocam à educação, exigindo revisões constantes na formulação dos objetivos educacionais; 2) As mudanças profundas na sociedade e na organização do trabalho em geral, alterando substancialmente o conceito de gestão educacional e as bases em que ela deva se assentar ( Alonso, 1995:15)

9 Um dilema, até o momento, me parece insolúvel. As atribuições legais, embora exijam do diretor de escola maior ênfase no trabalho pedagógico (atividades-fim), acabam dando margem à predominância do administrativo-burocrático (atividades-meio), por força das tarefas rotineiras: registro das vida escolar do aluno, prontuário de professores e funcionários, relatórios de medidas e ações propostas pela Secretaria da Educação e levantamentos estatísticos. E, para tantas tarefas, na maioria das escolas, a infra estrutura material e de pessoal é bastante precária. A resposta exige estudo crítico da situação da escola, de suas responsabilidades na sociedade atual e a revisão do papel do diretor.

10 O CURSO DE PEDAGOGIA: AS HABILITAÇÕES E OS ESPECIALISTAS EM EDUCAÇÃO Refletir sobre o curso de Pedagogia no contexto da educação superior não é algo novo no Brasil. Apesar de algumas definições, redefinições, de incontáveis encontros, seminários, congressos, simpósios etc, sobre educação, em que se buscaram e ainda se buscam os rumos do curso, esse continua, agora mais do que nunca, um tema controverso, suscitando a cada dia mais discussões.

11 Desde 1931 havia, por parte do governo federal, a preocupação de formar docentes para o magistério, especialmente para a educação básica, conforme o Decreto n , de 18/4/1931. Porém, somente oito anos mais tarde a intenção começa a se concretizar, com a criação da faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, por meio do Decreto n 1190, de 4/4/1939, e a instituição do curso de Pedagogia, que adotou o esquema de formação conhecido como 3+1, isto é, três anos para o bacharelado e um para a licenciatura. HISTÓRICO

12 A formação de professores para o ensino de segundo grau, de disciplinas gerais ou técnicas, bem como o preparo de especialistas destinados ao trabalho de planejamento, supervisão, administração, inspeção e orientação, no âmbito de escolas e sistemas escolares, far- se-á em nível superior. A formação de professores para o ensino normal e de especialistas para as atividades de orientação, administração, supervisão e inspeção, no âmbito das escolas e sistemas escolares, ser[a feito no curso de graduação em Pedagogia, de que resultará o grau de licenciado com modalidades diversas de habilitação. A atual LDB, Lei n 9.394/96, trata dos profissionais da educação no Título VI, Artigos 61 a 67. Para o nosso objetivo, destacaremos os Artigos 62,63 e 64

13 Vimos que a denominação especialistas da educação surgiu com as leis n 5540/68 e 5692/71, e as habilitações para formá-los, com a Resolução CFE n 02/69. Ambas as leis foram expressamente revogadas pela Lei n 9.394/96, a nova LDB, cujo artigo 92 dispõe: As habilitações em pedagogia e os especialistas em educação Revogam-se as disposições das leis 4024/61, 5540/68, (...), e ainda, as leis 5692/71 e 7044/82 e as demais leis e decretos-lei que as modificaram e quaisquer outras disposições em contrário.

14 Entendemos, salvo melhor juízo, que, se as leis foram revogadas, suas normas regulamentadoras, no caso pareceres e resoluções do antigo CFE, perderam sua eficácia, mesmo porque a nova LDB não contempla as nomenclaturas especialistas da educação e habilitações. Sobre o curso de pedagogia, a LDB só se refere a ele uma vez, no artigo 64: A formação de profissionais para a administração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional, para a educação básica, será feitas em cursos de graduação em pedagogia ou em nível de pós graduação, a critério da instituição de ensino, garantida, nesta formação, a base comum nacional.

15 A Comissão de Especialistas de Ensino de Pedagogia do MEC manifestou se da seguinte maneira: Efetivamente, em vários estados já não é mais exigida a habilitação de especialistas para a ocupação do cargo. As diretrizes curriculares para o curso de pedagogia estão sendo elaboradas. É provável que as habilitações sejam suprimidas, o que não implica o desaparecimento dos cargos ou funções relacionadas a estas habilitações. Significa que a habilitação em Pedagogia ( e outras exigências que poderão ser acrescentadas) seja exigência básica. A tendência nacional é a de que estas antigas habilitações sejam remetidas a cursos de especialização, mesmo sem constituir-se em habilitações. O curso de Pedagogia, no entanto, poderá oferecer disciplinas referidas à supervisão/ gestão de sistemas escolares.

16 A Secretaria de Estado e Educação de São Paulo, ao instituir o plano de Carreira do Magistério Estadual, lei Complementar n 836/97, criou a Classe de Suporte Pedagógico, em substituição à antiga Classe de Especialistas da Educação, com os seguintes cargos: diretor de escola, supervisor de ensino e dirigente regional de ensino. Para ao provimento desses cargos foram estabelecidos os seguintes requisitos: a) Diretor de escola: licenciatura plena em Pedagogia ou pós graduação na área de educação e oito anos, no mínimo, de efetivo exercício no magistério.

17 b) Supervisor de ensino: licenciatura plena em Pedagogia ou pós graduação na área de educação e oito anos, no mínimo, de efetivo exercício no magistério, dos quais dois anos em cargo ou função de suporte pedagógico. c) Dirigente regional de ensino: curso superior, licenciatura de graduação plena ou pós graduação na área de educação e oito anos, no mínimo, de efetivo exercício no magistério, dos quais dois anos em cargo ou função de suporte pedagógico.Diretor de escola: licenciatura plena em Pedagogia ou pós graduação na área de educação e oito anos, no mínimo, de efetivo exercício no magistério.

18 Em 18/03/2001, a Assessoria do Depes/Sesu, órgão do MEC, expediu, via Internet, Nota Informativa sobre dúvidas e questionamentos resultantes do dispositivo no Decreto n 3554/2000, que modificou o parágrafo 2 do artigo 3 do decreto 3276/00, substituindo a palavra exclusivamente por preferencialmente ao tratar da formação dos docentes para a educação infantil e quatro primeiras séries do ensino fundamental pelos Institutos Superiores de Educação, em seu Curso Normal Superior. A nota transcreve a conclusas do Parecer CNE/CES n 133/01, que estabeleceu os seguintes critérios: a) quando se tratar de universidades e de centros universitários, os cursos poderão ser oferecidos preferencialmente como Curso Normal Superior ou como curso com outra denominação, desde que observadas as respectivas diretrizes curriculares;

19 b) as instituições não universitárias terão de criar Institutos Superiores de educação, caso pretendam formar professores em nível superior, para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental, e essa formação deverá ser oferecida em Curso Normal Superior, obedecendo ao disposto na resolução CNE/CP n 1/1999.

20 O curso de pedagogia, mesmo sem as diretrizes curriculares especialmente definidas, tem sofrido algumas adaptações e mudanças para possibilitar a referida formação de docentes e de não docentes para a educação básica, seguindo orientações da Comissão de Especialistas do MEC. Tanto o MEC como o CNE tem-se manifestado, inúmeras vezes, sobre a necessidade premente de definir tais diretrizes. A portaria MEC n 12, de 4/1/2001, ao determinar a realização do Provão também no curso de Pedagogia, a partir de 2001, definiu nesse documento algumas diretrizes curriculares, as competências, as habilidades, o o perfil e os saberes do pedagogo, tendo também oficializado as orientações da Comissão de especialistas anteriormente referida.

21 O artigo 2 da Portaria dispõe que o referido curso tem como objetivos formar docentes para a educação infantil, para as primeiras séries do ensino fundamental regular de jovens e adultos e, também, para o serviço de planejamento, organização, avaliação e gestão nos sistemas de ensino, escolas e outros espaços educativos, que correspondem aos antigos especialistas de educação, hoje com a denominação alterada para suporte pedagógico.

22 Os cursos de pedagogia podem neste caso ter: 1)Normal Superior, para licenciatura de profissionais em educação infantil e de professores para os anos iniciais do ensino fundamental; 2) Cursos de Licenciatura, destinados à formação de docentes dos anos finais do ensino fundamental e médio; 3) Programas de formação continuada, destinados à atualização de profissionais da educação básica de diversos níveis;

23 4) Programas especiais de formação pedagógica, destinados a portadores de diploma de nível superior para ensinar nos anos finais do ensino fundamental e médio ( Resolução CNE n 02/97) 5) Formação pós graduação, de caráter profissional, voltada para a atuação na educação básica.

24 Ainda mais recentemente, o CNE aprovou Parecer n 21/01, de 6/8/2001, cujo projeto de Resolução anexa define a duração e a carga horária dos cursos de graduação plena de formação der professores da educação básica em nível superior: 400 horas de prática de ensino; 400 horas de estágio supervisionado; 1800 horas para os conteúdos curriculares de atividades acadêmico-científico-culturais em sala de aula; 200 horas para as outras formas de atividades acadêmico-científico-culturais. O total de 2800 horas deverá ser integralizado em três anos letivos, no mínimo, obedecidos os 200 dias letivos-ano dispostos na LDB.

25 Cumpre ser íntegro até a dureza nas coisas do espírito para poder suportar a sociedade da tarefa e a paixão que ela desperta Friedrich Nietzsche


Carregar ppt "O mundo em que nossos filhos viverão está mudando quatro vezes mais rápido do que nossas escolas. Willard Gagget."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google