A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CRITÉRIOS PARA DETERMINAÇAO DE PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL Patrícia Lopes Rosado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CRITÉRIOS PARA DETERMINAÇAO DE PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL Patrícia Lopes Rosado."— Transcrição da apresentação:

1 CRITÉRIOS PARA DETERMINAÇAO DE PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL Patrícia Lopes Rosado

2 Introdução Importância dos estudos de comportamento de preços. Importância dos estudos de comportamento de preços. Estudo de formação de preços seringueira. Estudo de formação de preços seringueira..

3 Contextualização o Brasil é deficitário na produção ocupando a sexta posição no ranking dos países importadores. O que promove saldo negativo na balança comercial do país. Os gastos com a importação do produto em foi em torno de US$ milhões (ocupa a segunda posição dos produtos mais importados do Brasil ficando atrás apenas do Trigo). o Brasil é deficitário na produção ocupando a sexta posição no ranking dos países importadores. O que promove saldo negativo na balança comercial do país. Os gastos com a importação do produto em foi em torno de US$ milhões (ocupa a segunda posição dos produtos mais importados do Brasil ficando atrás apenas do Trigo). mercados supridores do Brasil: Tailândia, Indonésia e Malásia. mercados supridores do Brasil: Tailândia, Indonésia e Malásia.

4

5 O setor produtivo de borracha natural é responsável por 80 mil empregos no Brasil. (BORRACHA NATURAL, 2007). O setor produtivo de borracha natural é responsável por 80 mil empregos no Brasil. (BORRACHA NATURAL, 2007).

6 Analisar os mecanismos de formação dos preços pagos aos usineiros e heiveicultores do país pode contribuir na elaboração de políticas públicas que reduzam o secular déficit de oferta, na compreensão da competitividade e da fragilidade do setor produtor nacional frente a um contexto mundial. Analisar os mecanismos de formação dos preços pagos aos usineiros e heiveicultores do país pode contribuir na elaboração de políticas públicas que reduzam o secular déficit de oferta, na compreensão da competitividade e da fragilidade do setor produtor nacional frente a um contexto mundial.

7 Objetivos Identificar os impactos de variações nas variáveis: preço externo, taxa de câmbio e despesas líquidas com importação, sobre os preços recebidos pelos produtores e usinas de beneficiamento de borracha natural no Brasil, janeiro de 1998 a junho de Especificamente: - analisa-se o comportamento dos preços no mercado internacional e interno; - verificar como são estabelecidas as relações entre as variáveis analisadas; -Avaliar como os choques não antecipados nos preços internacionais, na taxa de câmbio e no custo de internalização são transmitidos para os preços recebidos pelos produtores e usineiros no Brasil.

8 Procedimentos metodológicos Os elementos teóricos balizadores deste trabalho envolvem estruturas de mercados ( concorrência perfeita e oligopsônio) e relações de preços internos e externos, considerando-se a Lei do Preço Único (LPU). Os elementos teóricos balizadores deste trabalho envolvem estruturas de mercados ( concorrência perfeita e oligopsônio) e relações de preços internos e externos, considerando-se a Lei do Preço Único (LPU).

9 Como são formados os preços nos diversos mercados

10 Mercados Não-Competitivos As empresas possuem poder, mesmo que transitório, de fixar seus preços. As empresas possuem poder, mesmo que transitório, de fixar seus preços. Nesta estrutura as empresas determinam que preço vão cobrar a partir de seus custos de produção (mark up). Nesta estrutura as empresas determinam que preço vão cobrar a partir de seus custos de produção (mark up). –não estão sujeitas às variações de mercado, –têm poder sobre ele, que é maior quanto mais essencial e concentrado for o mercado.

11 Matematicamente a LPU pode ser expressa por: PDt = PEt x Et PDt = PEt x Et em que, PDt = preço doméstico do produto i, no período t; PDt = preço externo do produto i, no período t; e Et= taxa de câmbio nominal, no período t. em que, PDt = preço doméstico do produto i, no período t; PDt = preço externo do produto i, no período t; e Et= taxa de câmbio nominal, no período t.

12 Expansão da LPU

13 LPU ampliada PDt = (PEt + CIt ) x Et PDt = (PEt + CIt ) x Et CIt = Frt + St + TECt + Rt + DPt + FRt CIt = Frt + St + TECt + Rt + DPt + FRt CIt =custo de internalização do produto CIt =custo de internalização do produto Frt = despesa com frete marítimo, Frt = despesa com frete marítimo, S representa o seguro, S representa o seguro, TEC =tarifa externa comum, TEC =tarifa externa comum, R = taxa de renovação da marinha mercante, R = taxa de renovação da marinha mercante, DP = despesa portuária,e DP = despesa portuária,e FR = frete rodoviário. FR = frete rodoviário.

14 Modelo VAR Elasticidade impulso Elasticidade impulso Decomposição da variância de erros de previsão k períodos à frente em percentagens Decomposição da variância de erros de previsão k períodos à frente em percentagens

15 Fonte de dados Associação Paulista dos Produtores e Beneficiadores de Borracha (APABOR), Associação Paulista dos Produtores e Beneficiadores de Borracha (APABOR), Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP). Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP). Associação Nacional das Indústrias de Pneumáticos (ANIP). Associação Nacional das Indústrias de Pneumáticos (ANIP). Os preços foram deflacionados pelo Índice Geral de Preço, Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getúlio Vargas, adotando-se junho de 2007 como o mês base. Os preços foram deflacionados pelo Índice Geral de Preço, Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getúlio Vargas, adotando-se junho de 2007 como o mês base.

16 Mercado brasileiro e política de preço Extinção dos órgãos que cuidavam da política da borracha natural. Extinção dos órgãos que cuidavam da política da borracha natural. Abertura da economia. Abertura da economia. Expansão da demanda pelas industrias de pneumáticos agravou o déficit de oferta. Expansão da demanda pelas industrias de pneumáticos agravou o déficit de oferta.

17 Mercado brasileiro e política de preço Necessidade de importação de borracha natural. Necessidade de importação de borracha natural. Setor desestruturado e custos de produção maior do que nos paises asiáticos. Setor desestruturado e custos de produção maior do que nos paises asiáticos. Grave crise do setor; Grave crise do setor;

18 Mercado brasileiro e política de preço Nova dinâmica da atividade. Nova dinâmica da atividade. Em 1997, A Lei 9.479/97 e o Decreto 2.348/97 criado para igualar o preço de comercialização do produto nacional e com o similar importado. Em 1997, A Lei 9.479/97 e o Decreto 2.348/97 criado para igualar o preço de comercialização do produto nacional e com o similar importado.

19 Mercado brasileiro e política de preço Em termos operacionais o pagamento se dava da seguinte maneira: Em termos operacionais o pagamento se dava da seguinte maneira: Preço teto (ou Gatilho da subvenção): R$2,58 Preço teto (ou Gatilho da subvenção): R$2,58 Subsidio (SB): R$0,90 Subsidio (SB): R$0,90 SB = GS – PR SB = GS – PR SB = R$2,58 – PR SB = R$2,58 – PR PUB = PR + SB PUB = PR + SB

20 Mercado brasileiro e política de preço Conjuntura macroeconômica internacional desfavorável e a pouca efetividade da política nacional Conjuntura macroeconômica internacional desfavorável e a pouca efetividade da política nacional

21 Mercado brasileiro e política de preço Até 2001, não havia publicação do valor de referência pelo Ministério da agricultura, que foi acontecer somente em Até 2001, não havia publicação do valor de referência pelo Ministério da agricultura, que foi acontecer somente em 2001.

22 Procedimento metodológico do cálculo do Preço de referência

23 Exemplo do cálculo do preço de referencia para o GEB-1 em julho de 2006

24 Mercado brasileiro e política de preço Fim do subsídio em 2002, inserido em um cenário de forte desvalorização do cambio e mudança no seu regime de livre flutuação. Fim do subsídio em 2002, inserido em um cenário de forte desvalorização do cambio e mudança no seu regime de livre flutuação.

25 Comportamento dos preços

26 Comportamento do preço médio da borracha natural em US$/kg do SMR-10, bolsa da Malásia

27 Comportamento dos preços recebidos pelas usinas de beneficiamento da borracha natural (PUB) e o preço de referência (PR) para o GEB-1

28 Evolução do preço recebido pelas usinas de beneficiamento de borracha natural (PUB), Taxa de câmbio (E) e o preço de externo (PE) para o GEB-1

29 Evolução da participação do preço do PP no PUB

30 Análise dos efeitos preço externo, taxa de câmbio e custo de internalização

31 Resposta do PUB frente a choques não antecipados no PE

32 Resposta do PP frente a choques não antecipados no PE

33 Resposta do PUB frente a choques não antecipados na E

34 Resposta do PP frente a choques não antecipados na E

35 Resposta do PP frente a choques não antecipados no PUB

36 Decomposição da variância de previsão do PUB

37 Decomposição da variância de previsão do PP

38 CONSIDERAÇÕES FINAIS forte poder de monopólio exercido pelas indústrias de pneumáticos sobre os produtores e usinas de beneficiamento no Brasil. forte poder de monopólio exercido pelas indústrias de pneumáticos sobre os produtores e usinas de beneficiamento no Brasil. os produtores sofrem pressão das usinas de beneficiamento quanto ao preço. os produtores sofrem pressão das usinas de beneficiamento quanto ao preço.

39 Os movimentos ascendentes de preço tendem a ter um período de resposta da produção relativamente longo. Os movimentos ascendentes de preço tendem a ter um período de resposta da produção relativamente longo.

40 Possíveis soluções para alavancar o setor Linhas de financiamentos Linhas de financiamentos Maior integração entre os elos da cadeia e os mercados nacionais. Maior integração entre os elos da cadeia e os mercados nacionais. Acompanhamento de preços em outros estados Acompanhamento de preços em outros estados Crédito de carbono como receita adicional para o produtor Crédito de carbono como receita adicional para o produtor

41 Instituições mais relevantes: Instituições mais relevantes: Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e sua filiada Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP); Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e sua filiada Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP); Sociedade Rural Brasileira (SRB) e a Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (APABOR), por parte dos produtores; e Sociedade Rural Brasileira (SRB) e a Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (APABOR), por parte dos produtores; e a Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP) e a Associação Brasileira da Indústria de Artefatos de Borracha (ABIARB), pelo lado da indústria de transformação. a Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP) e a Associação Brasileira da Indústria de Artefatos de Borracha (ABIARB), pelo lado da indústria de transformação.


Carregar ppt "CRITÉRIOS PARA DETERMINAÇAO DE PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL Patrícia Lopes Rosado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google