A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROCESSO DE ACABAMENTO E REVESTIMENTO DE CONDUTORES.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROCESSO DE ACABAMENTO E REVESTIMENTO DE CONDUTORES."— Transcrição da apresentação:

1 PROCESSO DE ACABAMENTO E REVESTIMENTO DE CONDUTORES

2 PARTICIPANTES ANDRESA MAGALHÃES MARCOS GIOVANNI PAULO PASCOAL WANDER OLIVEIRA

3 CONDUTORES HISTÓRICO: Os primeiros cabos isolados surgiram em 1795 utilizados em uma linha telegráfica na Espanha. No início, o condutor era isolado com papel. Tempos depois, o material foi substituído por uma planta nativa da Índia, chamada "Guta Percha", e a evolução tecnológica criou novos materiais para isolamento: papel impregnado em óleo, borracha natural, borracha sintética e PVC, estes dois últimos após a Segunda Guerra Mundial. O cobre e o alumínio são os materiais mais utilizados desde os primórdios da indústria de fabricação de fios e cabos elétricos, devido as suas propriedades elétricas, térmicas, mecânicas e ao baixo custo. A instalação de cabos de potência em BT no Brasil é regulamentada pela norma de Instalações Elétricas de Baixa Tensão (NBR 5410).

4 CONDUTORES Os fios e cabos são condutores elétricos, ou seja, designados como um corpo formado de material condutor e destinado primordialmente à condução de corrente elétrica. O cobre e o alumínio são os dois metais mais usados na fabricação dos condutores elétricos. Ao longo dos anos, o cobre tem sido o mais utilizado, sobretudo em condutores isolados, devido, principalmente, a suas propriedades elétricas e mecânicas. O cobre para condutores é o cobre eletrolítico, com pureza de até 99,99%. Obtido em lingotes, é transformado em vergalhões, que são produtos maciços, semi acabados, de forma geralmente cilíndrica e de comprimento muito maior do que a maior dimensão da seção transversal, e fabricados por laminação ou extrusão a quente. Os dois tratamentos principais do cobre na fabricação de condutores são o estiramento a frio, que dá o cobre duro, e o recozimento, que dá o cobre mole (ou recozido); intermediário entre esses dois tipos, tem-se o cobre meio-duro. O cobre recozido é o mais utilizado na fabricação dos condutores elétricos.

5 CONSTRUÇÃO DOS CONDUTORES Nenhum projeto funciona bem se não tiver um bom condutor elétrico.Os cabos elétricos de potência em baixa tensão (BT) são os responsáveis pela transmissão de energia em circuitos de até 1Kv. Seus principais componentes são o condutor, que fica na parte interna do cabo; a isolação, que cobre o condutor; e a cobertura, que reveste o cabo. Os cabos que possuem as três camadas são chamados unipolares ou multipolares, dependendo do número de condutores. Os que possuem condutor e isolação são chamados de condutores isolados.

6 TREFILAÇÃO A trefilação é o primeiro processo produtivo na fabricação de condutores elétricos. Nessa fase, o cobre (que é recebido em vergalhão de 8mm de diâmetro) é rebaixado para o diâmetro definido por norma.Para isso, o material passa por uma série de fieiras que reduz seu diâmetro esticando o cobre. O processo não desgasta o material, por isso não há perda significativa de cobre.

7 TREFILAÇÃO Controlando essas fieiras, os 8mm iniciais são transformados em valores menores que, dependendo do número de passagens por essa fase, pode chegar a 0,2mm de diâmetro. Outra característica nesse processo é a têmpera do produto, processo no qual é aplicada uma corrente elétrica ao fio de cobre. Quanto mais corrente elétrica, mais mole fica o fio. Tudo isso é controlado por operadores e inspetores.

8 MÁQUINA DE TREFILAÇÃO

9 ENCORDOAMENTO É nessa fase que se dá forma ao condutor elétrico. O fio sólido não passa por essa fase. Nela são agrupadas quantidades de fios trefilados (sempre com o mesmo diâmetro) de maneira controlada, obtendo um formato cilíndrico e, dependendo do numero de fios e seus diâmetros, se obtém uma seção do cabo, chamada também de BITOLA.

10 ENCORDOAMENTO Nessa fase é controlada, além do número de fios e dos diâmetros, talvez a mais importante característica de um condutor: a sua RESISTÊNCIA ELÉTRICA. O valor da resistência elétrica é definido nas normas e indica qual é a seção elétrica do cabo. Assim, quando nos referimos a um cabo como sendo de "10mm²", estamos nos referindo a sua seção elétrica e não geométrica. É nessa fase que é definida a classe de encordoamento que determina a flexibilidade do cabo. Quanto maior a classe de encordoamento, mais flexível é o cabo.

11 EXTRUSÃO Nessa fase é realizada a cobertura do condutor elétrico com um material isolante. A cobertura mais comum é a de PVC, aplicada através de uma maquina que aquece o material isolante transformando numa pasta, com a temperatura rigorosamente controlada para que suas propriedades sejam mantidas. Esta pasta é forçada através de pressão e diâmetros controlados, a fluir sobre o produto sendo resfriada em água logo em seguida, formando uma capa homogênea sobre ele. A espessura da parede formada é o que garante a resistência do isolamento às tensões aplicadas, também definidas por normas e controladas. Outra característica importante desta etapa é o material usado nessa isolação, que determina a temperatura de operação do condutor. No caso do PVC, esta temperatura é de 70°C.

12 MEDIÇÃO Nessa fase, separam-se os materiais nos lances que o cliente necessita, o que pode ser feito em rolos (geralmente com 100m.) ou em bobinas de madeira. Nesta etapa, todos os produtos passam por um teste elétrico que garante a integridade do isolamento. Um equipamento chamado SPARK TEST mantém o condutor sob efeito de um campo elétrico da ordem de 15Kv. Ao detectar um defeito no isolamento que possa causar um curto-circuito, o equipamento dispara um alarme, e aquele lance é então cortado, retirando-se o produto com defeito.

13 INSPEÇÃO FINAL Quando os materiais estão medidos e pré- testados, são encaminhados ao laboratório de ensaios para a realização dos testes finais da produção. Neste laboratório, os testes que ainda não foram feitos durante a produção são realizados, e os testes já feitos são repetidos para garantir a qualidade. São realizados testes elétricos e físicos exigidos em normas.

14 CONCLUSÃO Concluímos através deste trabalho que apesar de a maioria da população não ter ou saber muito a respeito de condutores elétricos e sua funcionalidade, ele esta presente e faz parte de nossas necessidades. Desde sua construção até sua aplicação nos é muito necessário, por isso devemos ter informações necessárias pois em nosso curso, ele é o principal elemento de trabalho e deve ser plenamente conhecido para que não haja falhas em sua aplicação.

15 MENSAGEM SE NÃO PUDER SE DESTACAR PELO TALENTO VENÇA PELO ESFORÇO. DAVE WEINBAUM


Carregar ppt "PROCESSO DE ACABAMENTO E REVESTIMENTO DE CONDUTORES."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google