A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SEGUNDO REINADO ( 1840 – 1889) ROSA MÁRCIA SIMONÁGIO GRANA HISTÓRIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SEGUNDO REINADO ( 1840 – 1889) ROSA MÁRCIA SIMONÁGIO GRANA HISTÓRIA."— Transcrição da apresentação:

1 SEGUNDO REINADO ( 1840 – 1889) ROSA MÁRCIA SIMONÁGIO GRANA HISTÓRIA

2 PACIFICAÇÃO DOIS ALIADOS: -Recursos advindos do café -Presteza do exército, sob comando de Luís Alves de Lima e Silva, sufocou os movimentos da Balaiada e da Farroupilha PRIMEIRA FASE

3

4 POLÍTICA - Parlamentarismo Cargo de Presidente do Conselho de Ministros Rodízio no poder entre liberais e conservadores Parlamentarismo às avessas – o imperador escolhia o presidente do gabinete e, se a Câmara fosse de outro partido, ele poderia dissolvê – la e marcar nossas eleições Não existiu participação popular, consolidou o poder dos grandes proprietários rurais.

5

6 REVOLUÇÃO PRAIEIRA Pernambuco - Em 1848 o Senado brasileiro ela dominado por senadores do Partido Conservador. Os senadores conservadores vetaram a indicação, para uma cadeira do Senado, do liberal pernambucano Antônio Chinchorro da Gama. Este veto provocou uma revolta em determinado grupo de políticos liberais de Pernambuco, também estavam insatisfeitos com a falta de autonomia política das províncias e concentração de poder nas mãos da monarquia.

7 Em 1 de janeiro de 1849, divulgam o Manifesto ao Mundo. Neste documento, os praieiros reivindicavam: - Independência dos poderes e fim do poder Moderador (exclusivo do monarca); - Voto livre e Universal; - Nacionalização do comércio de varejo; - Liberdade de imprensa; - Reforma do Poder Judiciário; - Federalismo; A rebelião foi derrotada pelas forças oficiais no começo de Muitos revoltosos foram mortos. Os líderes e demais participantes foram presos e julgados, embora tenham sido anistiados no ano seguinte.

8 ECONOMIA - Expansão do café

9 OESTE PAULISTA - Terra roxa - Cafeicultor – Empresário - Técnicas mais modernas - Estrutura própria para comercialização - Vida urbana - Novos tipos de relação de produção

10 Industrialização - Século XIX - surto industrial – Tarifa Alves Branco ( elevação dos impostos de produtos importados para 30% e 60%) – preencher o déficit do Estado – Lei Eusébio de Queirós (fim do tráfico) –disponibilidade de capital - Grande destaque – Visconde de Mauá ( Irineu Evangelista de Sousa)

11 Principais realizações - Empreendeu a construção da primeira ferrovia brasileira. Construída no Estado do Rio de Janeiro ganhou o nome de Estrada de Ferro Mauá. - Fundação da Companhia de Iluminação a Gás do Rio de Janeiro. - Fundação da Companhia de Navegação a Vapor do Amazonas. - Deputado Federal pela província do Rio Grande do Sul com mandato entre os anos de 1856 e Frase - "O melhor programa econômico de governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem"

12

13 Transição do trabalho escravo para o livre Pressão Inglesa – Revolução Industrial e manutenção da mão – de – obra na África – Parlamento inglês aprovou Lei Bill Aberdeen ( apreender navios negreiros em qualquer lugar, inclusive em águas brasileiras) Lei Eusébio de Queirós – Fim do Tráfico Apoio para o fim da escravidão: ingleses, classe média urbana, intelectuais, jornalistas, cafeicultores paulistas e sempre a resistência e luta dos negros TRABALHO

14 Governo e elite escravocrata – resistência – leis para inglês ver - Lei Visconde de Rio Branco ( Lei do Ventre Livre) – 1871 – Livres todos os negros nascidos a partir dessa data. - Lei Saraiva Cotegipe ( Lei do Sexagenário) – liberdade para os negros com mais de 60 anos. - Lei João Alfredo ( Lei Áurea) – Assinada pela Princesa Isabel – Aboliu a escravidão – só 5% da população ainda eram escravos - Década de 80 do século XIX, jangadeiros no nordeste se recusaram a embarcar ou desembarcar cativos – províncias do Ceará e do Amazonas, em 1884, libertaram seus escravos.

15

16

17 A lei nº 601 de 1850, a famosa Lei das Terras, possibilitou a legitimação da posse das terras por parte de quem as ocupava e decretava a devolução ao poder público de todas as terras que haviam sido doadas em Sesmarias e que não tivessem sido cultivadas (daí o termo devolutas), passaram a pertencer ao patrimônio público. Muitos fazendeiros, depois de 1850, tentaram legitimar a posse de suas terras apresentado documentos que, além de falsos, propunham limites desencontrados de demarcação.

18

19 Imigração

20 Expansão do Café – necessidade de mão de obra Inicialmente comércio de escravos com outras províncias – foi insuficiente O primeiro a empregar a mão de obra assalariada dos europeus foi o senador e fazendeiro Nicolau de Campos Vergueiro. Entre os anos de 1847 e 1857, ele trouxe várias famílias de origem portuguesa, alemã, suíça e belga para trabalharem em sistema de parceira. Nesse tipo de acordo, o proprietário de terras pagava todas as despesas com a viagem e a acomodação dos empregados. Ao chegar aqui, o colono estrangeiro trabalhava até saldar suas dívidas e participava nos lucros obtidos na plantação.

21 ROCCO, Antonio. Os imigrantes, Acervo Pinacoteca do Estado de São Paulo. Imigração subvencionada - o Estado pagava as despesas da viagem do imigrante para o Brasil, garantia-lhe um salário fixo e participação na colheita. Branqueamento da população

22

23 Os imigrantes viajavam como passageiros de terceira classe, em vapores, que levavam semanas para chegar ao seu destino. Após a chegada ao Brasil e depois de passar pela inspetoria de imigração, os recém-chegados iam para as hospedarias de imigrantes, existentes no Rio de Janeiro, Juiz de Fora e São Paulo, de onde partiam para as fazendas de café ou para as áreas de colonização no Sul do país.

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36


Carregar ppt "SEGUNDO REINADO ( 1840 – 1889) ROSA MÁRCIA SIMONÁGIO GRANA HISTÓRIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google