A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Rui Assis 1 Automação Máquinas a vapor há 2 séculos; Controlo manual; Automação = Controlo autónomo dos processos através de computadores ou autómatos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Rui Assis 1 Automação Máquinas a vapor há 2 séculos; Controlo manual; Automação = Controlo autónomo dos processos através de computadores ou autómatos."— Transcrição da apresentação:

1 Rui Assis 1 Automação Máquinas a vapor há 2 séculos; Controlo manual; Automação = Controlo autónomo dos processos através de computadores ou autómatos programáveis; Intervenção humana.

2 Rui Assis 2 Exemplo de um processo Fabricação de café

3 Rui Assis 3 Exemplo de um processo automatizado Portas mágicas de um templo Portas Fogueira AltarDepósito de ar selado Balde Depósito de água selado Contrapesos

4 Rui Assis 4 Componentes de um sistema automatizado Distribuição Máquinas Accionadores Tratamento de dados Aquisição de dados Comando de potência Diálogo homem-máquina Rede eléctrica, pneumática, hidráulica, etc. Processos tecnológicos Contactores, variadores de velocidade, etc. Interruptores, teclados, etc. Motores eléctricos, cilindros, etc. Sensores de temperatura, pressão, proximidade, etc. Computadores e autómatos programáveis

5 Rui Assis 5 Níveis de um sistema automatizado Nível 1 – Máquinas e dispositivos de comando; Nível 2 – Controlo dos dispositivos (computadores e autómatos programáveis); Nível 3 – Gestão da produção (recolha e tratamento de dados); Nível 4 – Gestão global (produção, armazéns, distribuição, etc.).

6 Rui Assis 6 Grupos de automação Dispositivos de comando e potência; Contactores e disjuntores; Relés; Temporizadores; Arrancadores; Variadores de velocidade; Programadores electrónicos. Actuadores; Eléctricos; Pneumáticos; Hidráulicos.

7 Rui Assis 7 Grupos de automação Sistemas de tratamento de dados; Autómatos programáveis; Redes de comunicação. Interfaces homem-máquina; Unidades de comando e de sinalização; Botoneiras; Teclados e terminais. Dispositivos de aquisição de dados; Processos contínuos: Sensores de fluxo, temperatura, pressão, velocidade, aceleração; Processos discretos: Nível, composição, peso, volume, tensão, compressão, posição, presença, visão.

8 Rui Assis 8 Grupos de automação Inputs Outputs Controlador Motor Servo-motor Solenóide Embraiagem Relé Visor Impressora Interruptor Luz Temperatura Caudal Pressão Teclado Interface Operador-controlador

9 Rui Assis 9 Exemplo de um circuito eléctrico com lâmpada Tensão (220 V; 24 V) Lâmpada Interruptor

10 Rui Assis 10 Tensão (220 V; 24 V) Lâmpada Interruptor Exemplo de um circuito eléctrico com lâmpada

11 Rui Assis 11 Tensão (220 V; 24 V) Resistência Interruptor Exemplo de um circuito eléctrico com resistência

12 Rui Assis 12 Tensão (220 V; 24 V) Interruptor Resistência Exemplo de um circuito eléctrico com resistência

13 Rui Assis 13 Exemplo de um circuito eléctrico com bobina Tensão (220 V; 24 V) Bobina Interruptor

14 Rui Assis 14 Tensão (220 V; 24 V) Interruptor Bobina Exemplo de um circuito eléctrico com bobina

15 Rui Assis 15 Exemplo de um circuito eléctrico com bobina O interruptor pode ser comandado mecanicamente por um termostato, pressostato, temporizador, etc. Tensão (220 V; 24 V) Bobina Interruptor

16 Rui Assis 16 Exemplo de um encravamento Tensão (24 V; 12 V) Botão STOP Botão START Electroíman Bobina Núcleo

17 Rui Assis 17 Exemplo de um encravamento Tensão (24 V; 12 V) Botão STOP Botão START Electroíman Bobina Núcleo

18 Rui Assis 18 Exemplo de um encravamento Tensão (24 V; 12 V) Botão STOP Botão START Electroíman Bobina Núcleo

19 Rui Assis 19 Exemplo de um encravamento Tensão (24 V; 12 V) Botão STOP Botão START Electroíman Bobina Núcleo

20 Rui Assis 20 Exemplo de um encravamento Tensão (24 V; 12 V) Botão STOP Botão START Electroíman Bobina Núcleo

21 Rui Assis 21 Exemplo de comando e protecção de um motor eléctrico M 3 ~ (T) Térmicos – protecção contra sobrecargas; (F) Fusíveis (ou disjuntor) – protecção contra sobreintensidades T F

22 Rui Assis 22 Exemplo de comando e protecção de um motor eléctrico M 3 ~

23 Rui Assis 23 Exemplo de comando e protecção de um motor eléctrico M 3 ~

24 Rui Assis 24 Exemplo de comando e protecção de um motor eléctrico M 3 ~

25 Rui Assis 25 Medição de peso Piezo-resistências traccionada comprimida Sinal Ponte de Wheatstone

26 Rui Assis 26 Medição de temperatura Termopar Sinal Ponte de Wheatstone

27 Rui Assis 27 Detecção de temperatura Tensão (220 V; 24 V) Bobina Termostato tº

28 Rui Assis 28 Detecção de pressão Tensão (220 V; 24 V) Bobina Pressostato

29 Rui Assis 29 Detecção de proximidade ER RE Detectores de fim de curso; Detectores ópticos: Interrupção do feixe; Detectores indutivos; Detectores ultrasónicos. Reflexão do feixe.

30 Rui Assis 30 Retroacção ou feed-back Input: Peso pretendido Contentor cheio Válvula de controlo Processo de enchimento Sensor de peso Diagrama de blocos + - Cinta de saída Cinta de entrada Esquema do processo Válvula Balança

31 Rui Assis 31 Retroacção ou feed-back Actuador (controlador) Processo Sensor + - Output Input – output requerido

32 Rui Assis 32 Actuadores Válvulas de solenóide; Relés; Cilindros; Motores eléctricos: Servomotores de c.c. (controlo preciso de posição, velocidades variáveis elevadas e grandes binários); Motores síncronos de c.a. (mono, bi ou trifásico) (velocidade constante e função da frequência, + pequeno, + leve que um motor equivalente de c.c.); Motores de c.c.; Motores passo a passo ( tensão variável, binário e velocidade inversamente proporcionais, controlo preciso de posição);

33 Rui Assis 33 Posição atrás Cilindro comandado manualmente

34 Rui Assis 34 Cilindro comandado manualmente Posição à frente

35 Rui Assis 35 Cilindro comandado manualmente e por rolete Posição atrás

36 Rui Assis 36 Cilindro comandado manualmente e por rolete Posição atrás

37 Rui Assis 37 Cilindro comandado manualmente e por rolete Posição à frente

38 Rui Assis 38 Cilindro comandado manualmente e por rolete Posição atrás

39 Rui Assis 39 Cilindro comandado por válvulas de solenóide

40 Rui Assis 40 Transmissão de movimento Rodas de atrito; Engrenagens: cilíndricas (eixos paralelos) ; cónicas (eixos concorrentes) ; Torsas (eixos não complanares) ; Cremalheira ; Correias; planas; trapezóidais; dentadas. Correntes ; Cabos.

41 Rui Assis 41 Transmissão de movimento - Embraiagem Bobina START STOP Mola de tracção Pratos com ferodo no intervalo Quando passa corrente na bobina, a embraiagem fecha. Quando a corrente é interrompida, a embraiagem abre devido à mola de tracção.

42 Rui Assis 42 Transmissão de movimento - Embraiagem Bobina START STOP Mola de tracção Pratos com ferodo no intervalo Quando passa corrente na bobina, a embraiagem fecha. Quando a corrente é interrompida, a embraiagem abre devido à mola de tracção.

43 Rui Assis 43 Interrupção de movimento - Embraiagem Mola de tracção Pratos com ferodo no intervalo Quando o binário resistente do veio mandado ultrapassa o binário de atrito, verifica-se escorregamento, o qual é detectado pelo sensor que desliga o motor Sensor


Carregar ppt "Rui Assis 1 Automação Máquinas a vapor há 2 séculos; Controlo manual; Automação = Controlo autónomo dos processos através de computadores ou autómatos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google