A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Economia Internacional CEAV Parte 6 Prof. Antonio Carlos Assumpção.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Economia Internacional CEAV Parte 6 Prof. Antonio Carlos Assumpção."— Transcrição da apresentação:

1 Economia Internacional CEAV Parte 6 Prof. Antonio Carlos Assumpção

2  Objetivos da Política Macroeconômica em uma Economia Aberta  Política Macroeconômica Internacional sob o Padrão Ouro,  Os Anos Entre Guerras,  Sistema Bretton Woods e o Fundo Monetário Internacional  Câmbio fixo x Flexível  A experiência Brasileira

3  A interdependência inerente entre as economias nacionais abertas tem deixado mais difícil, para os governos, atingir o pleno emprego e a estabilidade do nível de preços. ◦ Os canais de interdependência variam conforme os arranjos monetários e cambiais que os países adotam.  Examinaremos a evolução do sistema monetário internacional e sua influência na política macroeconômica.

4  Nas economias abertas, os formuladores de políticas são motivados por dois objetivos: ◦ Equilíbrio interno  Ponto em que os recursos do país estão plenamente empregados e o nível de preços local está estável. ◦ Equilíbrio externo  É alcançado quando as transações correntes do país não estão em um déficit tão profundo que o país não possa pagar sua dívida externa no futuro, nem com um superávit tão grande que sejam os estrangeiros os prováveis inadimplentes.

5  Equilíbrio Interno: Pleno Emprego e Estabilidade do Nível de Preços ◦ Tanto o subemprego quanto o sobre emprego também fazem com que os movimentos no nível geral de preços reduzam a eficiência da economia. ◦ Para evitar a instabilidade do nível de preços, o governo precisa:  Evitar movimentos substanciais na demanda agregada em relação ao seu nível de pleno emprego.  Assegurar que a oferta de moeda doméstica não cresça muito rápida ou lentamente.

6  Equilíbrio Externo: Nível Ótimo das Transações Correntes ◦ O equilíbrio externo não tem o pleno emprego ou preços estáveis para aplicar às transações externas de uma economia. ◦ O comércio de uma economia pode apresentar problemas macroeconômicos, dependendo de vários fatores:  Circunstâncias particulares da economia  Condições no mundo exterior  Arranjos institucionais que governam suas relações econômicas com países estrangeiros

7 ◦ Problemas com Déficits Excessivos em Transações Correntes:  Às vezes, representam um consumo temporariamente alto, resultante de políticas do governo mal conduzidas.  Podem minar a confiança dos investidores e contribuir para uma crise de crédito.

8 ◦ Problemas com Superávits Excessivos em Transações Correntes:  Implicam menos investimento em fábricas e equipamentos domésticos.  Pode haver inconvenientes por razões políticas.

9  Origens do Padrão Ouro ◦ O padrão ouro teve sua origem no uso de moedas de ouro como meio de troca, unidade de conta e reserva de valor. ◦ A Resumption Act (Lei da Retomada) de 1819 marca a primeira adoção de um verdadeiro padrão ouro.  A lei ao mesmo tempo superou antigas restrições sobre as exportações de moedas e lingotes de ouro britânicos. ◦ A U.S. Gold Standard Act (Lei do Padrão Ouro dos Estados) de 1900 institucionalizou a relação dólar-ouro.

10  Equilíbrio Externo sob o Padrão Ouro ◦ Bancos centrais  Sua responsabilidade principal era preservar a paridade oficial entre sua moeda e o ouro.  Adotaram políticas que levaram o componente do superávit (ou déficit) da conta financeira exclusive reservas a se comportar no mesmo ritmo do déficit (ou superávit) total das transações correntes e da conta capital.

11  O equilíbrio do balanço de pagamentos de um país ocorre quando a soma de suas transações correntes, de sua conta capital e de sua conta financeira exclusive reservas é igual a zero.  Muitos governos adotaram a atitude do laissez-faire em relação às transações correntes.

12  Mecanismo de Fluxo Preço-Espécie (David Hume) ◦ Mecanismo automático poderoso que contribui para que todos os países alcancem, simultaneamente, o equilíbrio do balanço de pagamentos.  Como a oferta monetária de cada Nação consistia em ouro (ou papel moeda lastreado em ouro) a mesma se reduziria na nação deficitária e se tornaria mais elevada na nação superavitária (TQM). Com isso, as exportações da Nação deficitária seriam estimuladas e as importações desestimuladas, até que o balanço de pagamentos retornasse ao equilíbrio.

13  As ‘Regras do Jogo’ do Padrão Ouro: Mito e Realidade ◦ Para que o mecanismo funcionasse, as Nações não poderiam esterilizar os efeitos de um déficit ou superávit no balanço de pagamentos sobre a oferta monetária.  A eficiência dos processos de ajuste automático inerente ao padrão ouro aumentou com essas regras.  Na prática, houve pouco incentivo para os países com reservas de ouro em expansão seguirem essas regras.  Os países freqüentemente revertiam as regras e esterilizavam os fluxos de ouro.

14  Durante a Primeira Guerra Mundial (1914), o padrão ouro foi suspenso. ◦ Os anos entre guerras foram marcados por severa instabilidade econômica. ◦ Os gastos para a reconstrução levaram a episódios de hiperinflação na Europa.  A Hiperinflação Alemã ◦ O índice de preços da Alemanha aumentou de 262, em janeiro de 1919, para em dezembro de 1923 (um fator de 481,5 bilhões).

15  O Retorno Transitório ao Ouro ◦ 1919  Os Estados Unidos voltaram para o padrão ouro ◦ 1922  Um grupo de nações (Grã-Bretanha, França, Itália e Japão) firmou um acordo que incluía o retorno geral ao padrão ouro e a cooperação entre os bancos centrais visando a objetivos internos e externos.

16 ◦ 1925  A Grã-Bretanha voltou ao padrão ouro ◦ 1929  A Grande Depressão foi acompanhada por falências de bancos em todo o mundo. ◦ 1931  A Grã-Bretanha foi forçada a entregar seu ouro quando os detentores de libras perderam a confiança no compromisso britânico de manter o valor de sua moeda.

17  Desintegração Econômica Internacional ◦ Muitos países sofreram durante a Grande Depressão. ◦ A maior parte do prejuízo econômico deveu-se às restrições ao comércio e aos pagamentos internacionais. ◦ Políticas do tipo empobreça-seu-vizinho provocaram a retaliação estrangeira e levaram à desintegração da economia mundial. ◦ A situação de todos os países poderia ter sido melhorada através da cooperação internacional  Acordo Bretton Woods

18  Fundo Monetário Internacional (FMI) ◦ Em julho de 1944, representantes de 44 países se reuniram em Bretton Woods, New Hampshire, para planejar um sistema monetário internacional.  Todas as moedas tinham taxas de câmbio fixas em relação ao dólar americano e um preço do ouro em dólar invariável (US$ 35 por onça). ◦ A intenção era fornecer empréstimos aos países com déficits em suas transações correntes. ◦ Era necessária a conversibilidade da moeda.

19  Objetivos e Estrutura do FMI ◦ O acordo do FMI procurou ser flexível o suficiente para permitir aos países alcançar o equilíbrio externo sem sacrificar seus objetivos internos ou as taxas de câmbio fixas. ◦ Duas características principais dos Artigos do Acordo do FMI ajudaram a promover essa flexibilidade no ajuste externo:  As facilidades de crédito do FMI  Condicionalidade do FMI é o nome dado à supervisão feita sobre as políticas dos países membros que são grandes tomadores de empréstimos do Fundo.  Paridades ajustáveis

20  Conversibilidade ◦ Moeda conversível  Moeda que pode ser livremente trocada por moedas estrangeiras.  Exemplo: Os dólares norte-americanos e canadenses tornaram-se conversíveis em Um canadense que adquirisse dólares norte-americanos poderia usá-los para fazer compras nos Estados Unidos ou poderia vendê-los ao Bank of Canada. ◦ Os artigos do FMI exigiam a conversibilidade apenas dos itens das transações correntes.

21  A Mudança de Significado do Equilíbrio Externo ◦ O período de “escassez de dólares” (primeira década do sistema Bretton Woods)  O principal problema externo era conseguir dólares suficientes para financiar as compras necessárias dos Estados Unidos. ◦ Plano Marshall (1948)  Programa de doação de dólares dos EUA aos países europeus.  O plano ajudou a limitar a severidade da escassez do dólar.

22  Fluxos de Capitais Especulativos e Crises ◦ Sob as novas condições de mobilidade do capital privado, os déficits e superávits em transações correntes tiveram um significado a mais.  Um país com um déficit grande e persistente nas transações correntes poderia ser suspeito de estar em “desequilíbrio fundamental”, nos termos dos Artigos do Acordo do FMI.  Países com superávits grandes nas transações correntes poderiam ser vistos pelo mercado como candidatos à valorização.

23  Para descrever o problema que um país qualquer (exceto os Estados Unidos) enfrentava em busca de seu equilíbrio interno e externo sob o sistema Bretton Woods de taxas de câmbio fixas, pressuponha que: i= i*

24  Os Estados Unidos eram responsáveis por manter o preço do ouro em dólar a US$ 35 a onça e garantir que os bancos centrais estrangeiros pudessem converter seus saldos em dólar em ouro àquele preço. ◦ Os bancos centrais estrangeiros pretendiam reter os dólares que haviam acumulado, uma vez que estes rendiam juros e representavam uma moeda internacional, por excelência.

25  O problema da confiança ◦ Os saldos estrangeiros em dólares cresceriam até que excedessem os estoques de ouro norte- americano, e os Estados Unidos não poderiam resgatá-los.  Direito Especial de Saque (DES) ◦ Um ativo artificial de reserva ◦ Os DES são usados em transações entre os bancos centrais, mas sua criação teve relativamente pouco impacto sobre o funcionamento do sistema monetário internacional.

26  A disparada da inflação norte-americana no final da década de 1960 foi um fenômeno mundial. ◦ A inflação também havia disparado nas economias européias.  Quando o país da moeda reserva acelera seu crescimento monetário, um dos efeitos é um aumento automático das taxas de crescimento da moeda e da inflação nos outros países.  As políticas macroeconômicas dos Estados Unidos, no final da década de 1960, contribuíram para o colapso do sistema Bretton Woods no início de A Inflação Mundial e a Transição para as Taxas Flutuantes

27 A Inflação Mundial e a Transição para as Taxas Flutuantes

28 A expectativa, em 1970 e início de 1971, de que os EUA, devido aos seus elevados déficits no BP não tardariam a desvalorizar o dólar levou a uma maciça fuga de capitais dos EUA, induzindo o Presidente Nixon a suspender a conversibilidade do dólar em ouro em 15 de agosto de Ainda foi tentado um acordo com a desvalorização do dólar em 9% (ouro US$ 35 para US$ 38), mas com um novo grande déficit no BP americanoem1972,concluiu-se que o acordo já não fazia sentido. A partir de então, cada país escolheu seu arranjo cambial.

29  CâmbioFlexível  O Banco Central não compra nem vende moeda estrangeira, sendo a demanda exercida pelos importadores e pelos que remetem capitais ao exterior, enquanto a oferta é suprida pelos exportadores e pelos que recebem capitais.  O balanço de pagamentos se equilibra automaticamente, via variações na taxa de câmbio, não havendo a necessidade do Banco Central possuir reservas internacionais.

30  Isola a política monetária das transações com o exterior.  Absorção pela taxa de câmbio dos choques externos, evitando movimentos bruscos da taxa de juros.  Exige disciplina fiscal, pois de outra forma, teríamos uma elevada taxa de juros e uma taxa de câmbio valorizada; ambos os fatores deteriorando as condições de crescimento econômico e o último deteriorando as contas externas.

31  Câmbio Fixo  O Banco Central compra e vende divisas a uma taxa predeterminada. Portanto fica obrigado a possuir um elevado nível de reservas internacionais.  Garante maior estabilidade da taxa de câmbio no curto prazo incrementando o comércio.  Funciona como âncora nominal (PPC).  O Banco Central banca o risco dos especuladores.  Existe a necessidade de uma taxa de inflação compatível com a de seus parceiros comerciais, para evitar a sobrevalorização cambial. 

32  Juntamente com uma perfeita mobilidade de capitais torna a oferta monetária endógena, pressionando os preços domésticos e valorizando ainda mais a taxa de câmbio se não existirem controles de capitais e intervenções esterilizadoras por parte do Banco Central, com o país em questão perdendo a política monetária como instrumento para alterar os níveis de renda e emprego, sendo possível a ela alterar somente o nível de reservas internacionais.  Torna o país em questão incapaz de importar ciclos econômicos que ocorrem em outros países e vulnerável a ataques especulativos.

33  Quanto mais das seis características seguintes um país possuir, mais vantajosas serão as taxas de câmbio fixas: ◦ má reputação no controle da inflação; ◦ níveis significativos de comércio com um país cuja taxa de câmbio está sendo tomada como meta; ◦ choques econômicos similares aos do país cuja taxa de câmbio é tomada como meta; ◦ envolvimento relativamente pequeno nos mercados globais de capital; ◦ mercados de trabalho flexíveis; ◦ altos níveis de reservas de moeda estrangeira.

34

35

36  Observamos um comportamento similar entre o prêmio de risco e a taxa de juros doméstica. Tal comportamento se deve ao fato do governo precisar respeitar a paridade descoberta de juros para controlar a taxa de câmbio.

37 LM A BP=0 Y0 IS LM1 Y1 B BP1=0

38  O aumento do grau de risco levou o governo a elevar a taxa de juros para evitar o abandono do regime cambial. O custo de tal política é representado pelo desaquecimento da economia e pelo aumento da relação dívida/PIB.

39

40  Observe como a relação dívida/PIB aumenta consideravelmente no primeiro mês após a desvalorização cambial e depois se estabiliza.

41

42  A maior expectativa de desvalorização obrigou o governo a aumentar a participação de títulos indexados ao câmbio na dívida pública, aumentando o custo da desvalorização.

43  Até agora trabalhamos com a hipótese de que a expectativa de desvalorização cambial é constante. Entretanto, a desvalorização cambial tende a reduzir a expectativa de desvalorização cambial, dada uma taxa de câmbio esperada.  Trabalharemos agora com esta hipótese, para explicarmos, no contexto do modelo IS- LM-BP, o motivo da redução da taxa de juros no Brasil após a desvalorização cambial de jneiro de 1999.

44 LM IS BP=0 Y0 A LM1 BP1=0 Y1 IS1 C

45  A flexibilização do regime cambial, com a consequente desvalorização, permite a redução da taxa de juros, pois reduzem-se o risco e a expectativa de desvalorização cambial. Com isso, consumo, investimento e exportações líquidas (IS-IS1) aumentam.

46  UNIÃO EUROPÉIA  A União Européia ( UE ) foi oficializada no ano de 1992, através do Tratado de Maastricht. Este bloco é formado pelos seguintes países: ◦ Alemanha, França, Reino Unido, Irlanda, Holanda (Países Baixos), Bélgica, Dinamarca, Itália, Espanha, Portugal,Luxemburgo,Grécia, Áustria, Finlândia e Suécia. ◦ Este bloco possui uma moeda única (exceção – Reino Unido) que é o EURO, um sistema financeiro e bancário comum. Os cidadãos dos países membros são também cidadãos da União Européia e, portanto, podem circular e estabelecer residência livremente pelos países da União Européia 

47 ◦ A União Européia também possui políticas trabalhistas, de defesa, de combate ao crime e de imigração em comum. A UE possui os seguintes órgãos : Comissão Européia, Parlamento Europeu e Conselho de Ministros.

48  NAFTA ◦ Fazem parte do NAFTA ( Tratado Norte-Americano de Livre Comércio ) os seguintes países: Estados Unidos, México e Canadá. Começou a funcionar no início de 1994 e oferece aos países membros vantagens no acesso aos mercados dos países. Estabeleceu o fim das barreiras alfandegárias, regras comerciais em comum, proteção comercial e padrões e leis financeiras. Não é uma zona livre de comércio, porém reduziu tarifas de aproximadamente 20 mil produtos.

49  MERCOSUL ◦ O Mercosul ( Mercado Comum do Sul ) foi oficialmente estabelecido em março de É formado pelos seguintes países da América do Sul : Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina. Futuramente, estuda-se a entrada de novos membros, como o Chile e a Bolívia. O objetivo principal do Mercosul é eliminar as barreiras comerciais entre os países, aumentando o comércio entre eles. Outro objetivo é estabelecer tarifa zero entre os países e num futuro próximo, uma moeda única.

50  PACTO ANDINO ◦ Outro bloco econômico da América do Sul é formado por: Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. Foi criado no ano de 1969 para integrar economicamente os países membros. As relações comerciais entre os países membros chegam a valores importantes, embora os Estados Unidos sejam o principal parceiro econômico do bloco.

51  APEC ◦ A APEC (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico) foi criada em 1993 na Conferência de Seattle (Estados Unidos da América). Integram este bloco econômicos os seguintes países: Estados Unidos da América, Japão, China, Taiwan, Coréia do Sul, Hong Kong (região administrativa especial da China), Cingapura, Malásia, Tailândia, Indonésia, Brunei, Filipinas, Austrália, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Canadá, México, Rússia, Peru, Vietnã e Chile. Somadas as produções industriais de todos os países, chega-se a metade de toda produção mundial (previsão para 2020:será o maior bloco econômico do mundo)

52  Organização das Nações Unidas (ONU)  A ONU foi criada pelos vencedores da Segunda Guerra Mundial e tem como principal objetivo manter a paz e a segurança internacional.  Esta organização foi criada por uma acordo, ou seja, a Carta de São Francisco, em 1945 e proíbe o uso unilateral da força, prevendo contudo sua utilização individual ou coletiva destinada ao interesse comum da organização.

53  A ONU tem como objetivo número um manter a segurança internacional e esta intervém não só para restaurar a paz, mas também para prevenir possíveis conflitos que lhe imponham uma ruptura.  Além disto, a referida organização salienta as relações amistosas entre Estados-membros e a cooperação internacional.

54  Organização Internacional do Trabalho (OIT)  A Organização Internacional do Trabalho, como organização especializada da ONU, foi a primeira de caráter universal.  Dentre os princípios da organização estão pleno emprego, remuneração digna, formação profissional, aumento do nível de vida, possibilidade de negociação coletiva de contratos de trabalho e de elaboração de medidas sócio-econômicas, proteção da infância e da maternidade, sistema de saúde, entre vários outros propósitos.

55  A OIT busca proteção internacional dos trabalhadores, de forma a estabelecer níveis comuns de proteção laboral.

56  Organização Mundial da Saúde (OMS)  A Organização Mundial da Saúde surgiu após a Segunda Grande Guerra e foi formalizada em  A OMS tem como objetivo principal o alcance do mais alto grau possível de saúde por todos os povos, para isto, elabora estudos acerca do combate de epidemias, além de normas internacionais para produtos alimentícios e farmacêuticos, coordena questões sanitárias internacionais, tente conseguir avanços nas áreas de nutrição, higiene, habitação, saneamento básico, etc.

57  Organização das Nações Unidas para educação, ciência e cultura (UNESCO)  A Organização das Nações Unidas para educação, ciência e cultura foi criada em 1945 pela Conferência de Londres e tem como objetivo contribuir para a paz através da educação, ciência e cultura, fazendo com que uma colaboração internacional faça respeitar a justiça, a lei, os direitos humanos e as liberdades fundamentais.

58  A UNESCO visa, com sua atuação, eliminar o analfabetismo, melhorar o ensino básico, além de promover publicações de livros, revistas e participar de debates científicos.  Desde 1960, começou atuar também na preservação e restauração de sítios de valor cultural e histórico.

59  Fundo Monetário Internacional (FMI)  O Fundo Monetário Internacional foi criada em 1944 com os acordos de Bretton Woods e tem com objetivo conceder empréstimos de recursos financeiros aos países membros sob determinadas condições.  O FMI presta auxílio financeiro aos países membros visando reduzir desequilíbrios na balança de pagamentos do tomador, propiciando maior estabilidade ao sistema monetário.

60  Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD)  O Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento foi criado ao mesmo tempo que o FMI, em 1944, com os acordos de Bretton Woods e tem basicamente o mesmo objetivo do FMI, ou seja, conceder empréstimos de recursos financeiros aos países membros.  O BIRD, também conhecido como Banco Mundial, financia projetos de retorno a médio e longo prazo com a finalidade de reconstrução e desenvolvimento, onde se diferencia da primeira que tem um caráter mais emergencial.

61  Organização Mundial do Comércio (OMC)  A Organização Mundial do Comércio foi criada bem mais recente que as demais organizações, em 1994, no final da Rodada Uruguai, e foi formalizada pelo acordo de Marrakesch.  A OMC foi a primeira organização internacional pós Guerra Fria, de vocação universal.

62  Esta organização tem como precursor o Acordo geral sobre Tarifas e Comércio (GATT), um acordo comercial que se caracterizava pela multilateralidade e pelo dinamismo, onde países buscavam impulsionar a liberalização comercial e combater práticas protecionistas, criando assim um fórum de negociações tarifárias.  A OMC tem como objetivo desenvolver a produção e o comércio de bens e serviços entre países membros, além de aumentar o nível de vida nos Estados-membros.

63  Banco de Compensações Internacionais (BIS)  organização internacional responsável pela supervisão bancária. Ele visa "promover a cooperação entre os bancos centrais e outras agências na busca de estabilidade monetária e financeira". Sediado em Basiléia, na Suíça, reúne 55 bancos centrais de todo o mundo.

64  O BIS organiza reuniões periódicas entre os altos funcionários de seus membros, para discussões sobre a economia global, política monetária e o sistema financeiro. Além disso, há encontros freqüentes entre técnicos onde são tratadas questões mais operacionais, como questões judiciais, gestão de reservas, TI, auditoria interna e cooperação técnica.  O BIS é responsável por publicar estatísticas e relatórios sobre os bancos centrais e o sistema financeiro global. Em sua sede, estão abrigadas várias secretarias de comitês como o Comitê dos Mercados, o Comitê do Sistema Financeiro Global e o Comitê da Basiléia, fundados pelo G-10, em 1962, 1971 e 1974, respectivamente.


Carregar ppt "Economia Internacional CEAV Parte 6 Prof. Antonio Carlos Assumpção."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google