A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 www.codevasf.gov.br PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Oportunidade de Investimento na Produção e Beneficiamento de Tilápias no Vale do São Francisco.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 www.codevasf.gov.br PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Oportunidade de Investimento na Produção e Beneficiamento de Tilápias no Vale do São Francisco."— Transcrição da apresentação:

1 1 PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Oportunidade de Investimento na Produção e Beneficiamento de Tilápias no Vale do São Francisco

2 2 Equipe do Projeto PRESIDENTE DA REPÚBLICA MINISTRO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Luiz Inácio Lula da Silva Geddel Vieira Lima DIRETORIA CODEVASF Presidente: Orlando Cezar da Costa Castro Chefe de Gabinete: Manoel Geraldo Dayrell Diretor da Área de Desenvolvimento Integrado e Infra-Estrutura: Clementino Souza Coelho Secretário Executivo: José Eduardo Borella Diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação: Raimundo Deusdará Filho Secretário Executivo: Frederico Calazans Machado Diretor da Área de Revitalização das Bacias Hidrográficas: Jonas Paulo de Oliveira Neres Secretário Executivo: Silas Macedo Gerente Executivo de Gestão Estratégica: Alexandre Isaac Freire Secretário Executivo de Gestão Administrativa e Suporte Logístico: João Honório Carvalho Ramos

3 3 Estrutura do Documento Introdução ; Escopo do Projeto; Mercado de Tilápias; Função dos agentes envolvidos; Premissas da Produção Aqüícola e do Beneficiamento; Comparativo de Custos e Investimentos; Fluxo de Caixa do Projeto; Benefícios ao Desenvolvimento da Região; Análises de Sensibilidade; Por que investir na região;

4 4 Introdução O que é o Projeto PINS? Iniciativa governamental que visa a atração de investimentos em agricultura e pecuária para o vale do São Francisco, por meio do PENSA e da CODEVASF. (acesse: PENSA Centro de pesquisa responsável pela análise de viabilidade econômica e mercadológica do projeto de investimento e pelo contato com investidores de uma empresa âncora, auxiliando-os nas análises necessárias para efetivação dos investimentos. (acesse: CODEVASF Autarquia do governo federal que tem por objetivo desenvolver econômica e socialmente o Vale do São Francisco, por meio dos projetos de irrigação voltados para a agricultura. (acesse :

5 5 Escopo do Projeto Beneficiamento do Pescado Produção Aqüícola de Tilápias Estudo de Mercado (Produção Aqüícola e Mercado de Tilápias) Maquinário Construções Civis Canais de Distribuição Linha de Produtos Netuno; Frigopeixe; Tilápia do Brasil Custo de Produção Produtividade Formas de Manejo Alevinagem Insumos Consultoria Técnica CERAQUA Bahia Pesca Centros de pesquisa em piscicultura: UNESP e UNEB Principais Países Produtores Principais Importadores Consumo Nacional POF - IBGE FAO Eurofish Definições Principais Fontes Consultadas Fonte: Elaborado pelo PENSA

6 6 A Tilápia Crescimento no consumo mundial de peixes; Prioridade para peixes vindos da piscicultura; Estados Unidos e Ásia são os principais importadores; Dentre os peixes que podem ser criados em cativeiro a tilápia possui maior viabilidade mercadológica; A tilápia apresenta rusticidade superior, fácil adaptação aos climas tropical, equatorial e semi-árido; Produto final padronizado facilita a comercialização.

7 7 Mercado de Tilápias Os Estados Unidos são responsáveis por 93% da tilápia comercializada no mundo. Fonte: Elaborado pelo PENSA com base em Eurofish, 2008 Distribuição dos tipos de tilápias importadas pelos Estados Unidos 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% Inteira congeladaFilés congeladosFilés frescos

8 8 Mercado de Tilápias A tilápia já é o segundo peixe de água doce mais consumido no Brasil. Fonte: Elaborado pelo PENSA com base em POF - IBGE, 2003 Consumo anual total de tilápias, tambaquis e surubins por região em Surubim fresco Tambaqui fresco Tilápia fresca BRASILNORTENORDESTESUDESTESUL CENTRO- OESTE

9 9 Desenho da Rede de Negócios Distribuidores (Importadores) Produtor Integrado Cooperativa de Produtores Produção Própria Empresa Âncora Aqüícola Mercado Interno Mercado Europeu Mercado Americano Varejistas Mercado Institucional Praças de Alimentação Distribuidores Nacionais Distribuidores Nacionais 25% 75% No modelo proposto, a Empresa Âncora será responsável por 25% da produção aqüícola. Os 75% restantes são adquiridos de uma Cooperativa formada por produtores da região. Desta forma, a relação de compras para a âncora é facilitada, por tratar diretamente com um único agente, e os produtores conseguem abater custos e aperfeiçoar a gestão. Fonte: Elaborado pelo PENSA CONSUMIDORCONSUMIDOR

10 10 Fluxograma do Processo Captura Depuração Abate Evisceração Lavagem Pescado Limpo Decapitação Esfola Filetagem Lavagem Embalagem Fonte: Elaborado pelo PENSA com base SBRT – Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas, 2006

11 11 Função dos agentes envolvidos ProdutoresCooperativaEmpresa Âncora Utilização adequada da ração indicada e dos alevinos comercializados pela âncora; Adoção do manejo indicado pela âncora e entrega total da produção; Vender a parte acordada para a âncora. Auxiliar o acesso ao financiamento para os produtores; Centralização coletiva da compra de ração; Intermediação do relacionamento entre produtores e empresa âncora; Capacitação e transferência de tecnologia aos produtores cooperados; Seleção dos produtores para o projeto; Planejamento da produção da área integrada; Organização do escalonamento da produção; Gestão da entrega diária de peixe vivo; Controle dos indicadores de qualidade estabelecidos em conjunto com a âncora. Compra e transporte da produção acordada; Disponibilizar alevinos de qualidade que a cooperativa possa adquirir; Práticas de preços justos pagos pelo quilo do peixe; Auxílio na promoção de treinamento, capacitação e transferência de capacitação. Fonte: Elaborado pelo PENSA

12 12 Premissas da Produção Aqüícola Área considerada de lotes para instalações: 4 hectares para âncora e 10 hectares área cooperativa; 20 anos de projeto; Período de cultivo: Produção escalonada para o ano todo; Período do ciclo: 7 meses; Sistema de Tanques-rede; Quantidade de Tanques-rede: Intensificação da produção, aproveitamento de recursos ociosos; Produtividade: 160kg/m³/ano; Conversão alimentar: 1,69 (Peso final de 1Kg); Custo da ração: 82%; Custo de Produção Total: R$ 1,86/kg;

13 13 Premissas da Produção Aqüícola Preço Pago ao Produtor Integrado: R$ 2,40; Remuneração do produtor: R$ ,00 ao ano; Remuneração fixa: possibilidade de remuneração mínima para o integrado em R$ 0,50/kg; Investimentos: R$ 1,3 milhões empresa âncora e R$ 32,4 mil produtor integrado; Financiamento: Produção integrada 100% financiado, taxa de juros 5% a.a., 1 ano de carência, 8 parcelas fixas de R$ Produção própria 100% fundo perdido; Regime de tributação: Lucro presumido; Impostos e alíquotas considerados: FUNRURAL (2,85%), IRPJ (1,20% faturamento até a.a. e 2,00% o que exceder), CPMF (Isento), CSLL (1,08%), PIS (0,65%), COFINS (3,00%);

14 14 Capacidade de processamento de pescado: 20 ton peixe vivo ao dia; 260 dias de operação ao ano; Rendimentos sobre peso vivo: 36% filé e 31% subprodutos: 15% polpa, 12% cabeça, 4% pele); Salário mínimo: R$ 420,00; Taxa de câmbio considerada: 1US$ = R$ 1,85; 1 = R$ 2,58; Transporte: Caminhões refrigerados para vendas regionais. Exportações e vendas para outras regiões utilizam também transporte aéreo em containeres; Destino das vendas: 100% mercado interno; Premissas da Indústria de Beneficiamento

15 15 Investimento na Indústria: R$ 10 milhões; Investimento laboratório alevinagem: R$ 1,5 milhões; Investimento total âncora (beneficiamento, laboratório e área própria): R$ 12,8 milhões; Financiamento: 100% capital próprio; Impostos e alíquotas: Regime de lucro presumido, IRPJ (1,20% faturamento até a.a. e 2,00% o que exceder), CPMF (Isento), CSLL (1,08%), PIS (0,0%), COFINS (0,00%). Considerou-se a isenção do PIS e COFINS por se tratar de uma agroindústria; Número de funcionários: 220; Custo total do filé comercializado: R$ 12,55/Kg; Premissas da Indústria de Beneficiamento

16 16 Produção Aqüícola Inputs PROJETO PINS - CADEIA DE PISCICULTURA ANÁLISE DE VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO NO VALE SÃO FRANCISCO Processamento RESUMO DA CADEIA INVESTIMENOS Cadeia GRÁFICOS INPUTS-RESUMO PREMISSAS TÉCNICAS INVESTIMENTOS INTEGRADO INVESTIMENTOS EM ÁREA PRÓPRIA FLUXO DE CAIXAINVESTIMENTOSFLUXO DE CAIXA RESUMO DOS TRIBUTOS FLUXO DE CAIXA DA CADEIA

17 17 Comparativo do Custo da Produção Aqüícola R$ 0,09 R$ 1,52 R$ 1,62 R$ 0,24 R$ 0,01 R$ 0,00 R$ 0,50 R$ 1,00 R$ 1,50 R$ 2,00 R$ 2,50 VSFSP Outros custos (R$/Kg) Custo com mão-de-obra (R$/Kg) Custo com ração (R$/Kg) Custo com alevinos (R$/Kg) R$ 1,85 Investimento Total R$ 1,95 Fonte: Elaborado pelo PENSA

18 18 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ 0,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ Equipamentos e acessórios Veículos Aquisição de terra Construção Civil Investimento em TR ou TE Investimento Área Própria VSF SP Comparativo do Valor do Investimento na Área Própria Aqüícola R$ Fonte: Elaborado pelo PENSA

19 19 Distribuição dos Custos na Cadeia Produtiva

20 20 Fluxo de Caixa da Atividade Aqüícola para o Produtor Integrado Ano do Projeto Fonte: Elaborado pelo PENSA

21 21 Fluxo de Caixa da Atividade Aqüícola da Atividade Integrada Ano do Projeto Fonte: Elaborado pelo PENSA

22 22 Fluxo de Caixa da Atividade Aqüícola Total Ano do Projeto Fonte: Elaborado pelo PENSA

23 23 Fluxo de Caixa da Empresa Âncora Ano do Projeto Fonte: Elaborado pelo PENSA

24 24 Fluxo de Caixa da Cadeia Produtiva Ano do Projeto Fonte: Elaborado pelo PENSA

25 25 Indicadores Financeiros IndicadorCadeia Produtiva TIR26,80% VPLR$ IndicadorAtividade Aqüícola TotalIntegradaPrópria TIR29,95 %30,57%29,44% VPLR$ R$ R$ IndicadorAtividade de Beneficiamento TIR25,60 % VPLR$ Fonte: Elaborado pelo PENSA

26 26 Benefícios ao desenvolvimento da região Arrecadação de impostos e contribuições por ano: Total: R$ Produção Aqüícola: R$ Beneficiamento do Pescado: R$ Valor movimentado com insumos: R$ 8,9 milhões/ano; Desenvolvimento da Produção Integrada: 98 produtores integrados; Geração de Emprego na Cadeia: 331; –Aqüícultura: 111 empregos e produtores integrados. –Indústria: 220 empregos.

27 27 Análise de Sensibilidade TIR Beneficiamento Dólar 1,71,751,81,851,91,952 Preço da Ração (R$/kg) 0,76,68%7,73%8,75%9,74%10,71%11,66%12,60% 0,755,42%6,50%7,55%8,58%9,57%10,55%11,50% 0,84,10%5,23%6,32%7,38%8,41%9,41%10,38% 0,852,71%3,90%5,04%6,14%7,20%8,23%9,24% 0,91,25%2,50%3,70%4,85%5,95%7,02%8,06% 0,95-0,32%1,02%2,29%3,50%4,66%5,77%6,84% 1-2,02%-0,56%0,80%2,08%3,30%4,46%5,58% 1,05-3,88%-2,27%-0,80%0,58%1,87%3,10%4,27% 1,1#NÚM!-4,17%-2,54%-1,04%0,35%1,66%2,89% 1,15#NÚM! -2,80%-1,29%0,12%1,44% 1,2#DIV/0! #NÚM! -3,07%-1,54%-0,11% Fonte: Elaborado pelo PENSA

28 28 Análise de Sensibilidade TIR Beneficiamento Preço do Filé (R$/kg) 1212,51313,51414,51515,5 Preço Pago ao Produtor (R$/Kg) 2,111,44%18,85%25,71%32,31%38,75%45,10%51,39%57,63% 2,159,43%17,06%24,03%30,68%37,15%43,52%49,82%56,08% 2,27,32%15,24%22,33%29,04%35,54%41,93%48,25%54,52% 2,255,08%13,37%20,60%27,38%33,93%40,35%46,68%52,95% 2,32,66%11,44%18,85%25,72%32,31%38,75%45,10%51,39% 2,35-0,01%9,43%17,07%24,04%30,68%37,15%43,52%49,82% 2,4-3,08%7,33%15,25%22,33%29,04%35,55%41,94%48,26% 2,45#DIV/0!5,09%13,38%20,61%27,39%33,94%40,35%46,68% 2,5#DIV/0!2,67%11,45%18,86%25,72%32,32%38,76%45,11% 2,55#DIV/0!0,00%9,44%17,08%24,04%30,69%37,16%43,53% 2,6#DIV/0!-3,07%7,33%15,25%22,34%29,05%35,55%41,94% 2,65#DIV/0!-6,78%5,10%13,38%20,62%27,39%33,94%40,36% 2,7#DIV/0! 2,68%11,45%18,86%25,73%32,32%38,76% Essa análise considera vendas 100% no mercado interno. Fonte: Elaborado pelo PENSA

29 29 Análise de Sensibilidade TIR Beneficiamento Dólar 1,71,751,81,851,91,9522,052,12,152,22,25 Venda Internacional 0%22,33% 10%14,84%15,20%15,56%15,91%16,26%16,61%16,96%17,30%17,65%17,99%18,34%18,68% 20%6,37%7,22%8,04%8,85%9,65%10,43%11,19%11,95%12,69%13,43%14,15%14,87% 30%#NÚM!-3,34%-1,48%0,21%1,78%3,25%4,64%5,97%7,25%8,48%9,68%10,84% 40%#DIV/0! #NÚM!-3,95%-1,44%0,79%2,81%4,68%6,44% 50%#DIV/0! #NÚM! -1,39%1,35% Fonte: Elaborado pelo PENSA

30 30 Por que investir na Produção na Produção e Beneficiamento de Tilápias no Vale do São Francisco? Viabilidade técnica superior: Recursos hídricos ociosos; Tempo de cultivo menor; Conversão alimentar melhor; Maior nº de ciclos por ano; Sanidade da produção; Viabilidade organizacional superior: Oportunidade de coordenação da compra por meio de cooperativas; População local com vocação para a atividade; Viabilidade econômica superior: Resultados financeiros superiores; Região de maior consumo nacional e mais próxima de mercados externos para exportação.

31 31 Equipe Responsável CODEVASF Diretor da Área de Desenvolvimento Integrado e Infra-Estrutura Clementino de Souza Coelho Assessor da Diretoria da Área de Desenvolvimento Integrado e Infra-Estrutura Alvane Ribeiro Soares Primeiro Secretário da Área de Desenvolvimento Integrado e Infra-Estrutura Guilherme Almeida Gonçalves de Oliveira PENSA Coordenador: Prof. Dr. Marcos Fava Neves Gestor Executivo do Projeto: Luciano Thomé e Castro Gestor Executivo do Projeto: Ricardo Messias Rossi Assistente Executivo do Projeto: Vinicius Mazza da Silva Assistente Executivo do Projeto: Marina Darahem Mafud Equipe Técnica Pesquisador Responsável: Rafael Oliveira do Amaral Colaborador: Vinicius Mazza da Silva

32 32 PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Contato: Av. Pres. Vargas, Conj. 143/144, Jardim América Ribeirão Preto - SP - CEP: Tel.: +55 (16)


Carregar ppt "1 www.codevasf.gov.br PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Oportunidade de Investimento na Produção e Beneficiamento de Tilápias no Vale do São Francisco."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google