A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Workshop on Inventing a Better Future: A Strategy for Building Regional Capacities in Science and Technology Brasília, Brazil July 21-23, 2010 Hernán Chaimovich.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Workshop on Inventing a Better Future: A Strategy for Building Regional Capacities in Science and Technology Brasília, Brazil July 21-23, 2010 Hernán Chaimovich."— Transcrição da apresentação:

1 Workshop on Inventing a Better Future: A Strategy for Building Regional Capacities in Science and Technology Brasília, Brazil July 21-23, 2010 Hernán Chaimovich Professor of Biochemistry USP(1984) Co-Chair of IANAS Vice-President of the Brazilian Academy of Sciences General Superintendent Butantan Foundation (September 2009)

2 e da Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (atual CAPES) Linha do tempo

3 ftp://ftp.abc.org.br/Politica_de_Estado_CTI.pdf 2003

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Investir e inovar para sustentar o crescimento

15 Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para Metas 2010 O PLANO Centros Vocacionais Tecnológicos incubadoras de empresas de tecnologias sociais novos telecentros OBMEP: 24 milhões de alunos e bolsas 1,5 % PIB em P,D&I (1,02% em 2006) Investimento em P,D&I Inovação nas empresas 0,65 % dos Investimento em P,D&I feitos pelo setor privado (0,51% em 2006) Formação de recursos humanos bolsas CNPq em 2006, foco nas engenharias e áreas relacionadas à PITCE, da CAPES C&T para o desenvolvimento social prioriza a consolidação do sistema nacional de C,T&I e a ampliação da inovação nas empresas contém atividades distribuídas em 4 prioridades estratégicas, que abrigam 21 linhas de ação, e a abrangência necessária para incorporar a extensa gama de atividades em C,T&I no Brasil Ampla articulação com: CASA CIVIL, MPOG, MF MEC, CAPES MDIC, BNDES/ABDI MME, PETROBRAS/CEPEL MS,FIOCRUZ MAPA, EMBRAPA

16 Dispêndio nacional em ciência e tecnologia (C&T) em relação ao produto interno bruto (PIB) por setor,

17 Dispêndio nacional em ciência e tecnologia (C&T) em valores deflacionados, total e por setor,

18 Dispêndio nacional em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em relação ao produto interno bruto (PIB) por setor,

19 Dispêndio nacional em pesquisa e desenvolvimento (P&D) por setor, em paridade de poder de compra (PPC)

20 Primeira Premissa Existe uma forte correlação entre o grau de desenvolvimento de um país e seu esforço em C,T&I, expresso pelos investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e pela dimensão de sua comunidade de pesquisa Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Premissas Básicas

21 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Segunda Premissa Os países com economias desenvolvidas têm forte atividade de pesquisa, desenvolvimento e inovação (P&D&I) nas empresas, financiadas por elas próprias e pelo governo Premissas Básicas

22 Terceira Premissa Alguns países mudaram drasticamente seu padrão de desenvolvimento econômico através de políticas industriais articuladas com as políticas de C,T&I Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Premissas Básicas

23 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Quarta Premissa Existe no Brasil massa crítica para uma gradual aproximação aos níveis tecnológicos das economias desenvolvidas: somos um país intermediário, no mundo, em termos de capacidade produtiva e acadêmica, capazes, portanto, de superar nosso atraso relativo e de atingir um patamar que se aproxime ao dos países desenvolvidos. Premissas Básicas

24 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Principais atores institucionais Empresas Universidades Institutos Tecnológicos Centros de P&D $ $ $ Inovação P&D produtos novos, patentes Formação de RH Pesquisa básica e aplicada publicações conhecimento Política Financiamento Pesquisa & Serviço Governo Política de Estado

25 Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para PACTI

26 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 1- EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE C,T&I: Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2- PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS: Intensificar as ações de fomento para a criação de um ambiente favorável à inovação nas empresas e o fortalecimento da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior 3- P,D&I EM ÁREAS ESTRATÉGICAS: Fortalecer as atividades de pesquisa e inovação em áreas estratégicas para a soberania do País 4- C&T PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Promover a popularização e o aperfeiçoamento do ensino de ciências nas popularização e o aperfeiçoamento do ensino de ciências nas escolas, bem como a difusão de tecnologias para a inclusão e o escolas, bem como a difusão de tecnologias para a inclusão e o desenvolvimento social desenvolvimento social Prioridades Estratégicas

27 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 1- Consolidação Institucional do Sistema Nacional de C,T&I 2- Formação de Recursos Humanos para C,T&I 3- Infra-estrutura e Fomento da Pesquisa Científica e Tecnológica Principais linhas de ação em I- Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I I- Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Meta prioritária I Aumentar o número de doutores titulados por ano, incrementando o número total de bolsas para as engenharias e para as áreas relacionadas à PITCE e aos objetivos estratégicos nacionais

28 PRODUÇÃO CIENTÍFICA INDEXADA

29 Number of doctorates granted yearly in Brazil (Source: CAPES, Plano Nacional de Pós-graduação, 2005).

30 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 4- Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas 5- Tecnologia para a Inovação nas Empresas 6- Incentivos à Criação e Consolidação de Empresas Intensivas em Tecnologia II- Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Meta prioritária II Ampliar a razão entre gastos em P,D&I privado e PIB de 0,51% para 0,65% até 2010, por meio do sistema integrado de financiamento a investimentos em inovação tecnológica e de forte ampliação de recursos para financiamento e para capital de risco

31 Instrumentos FINEP MODERNIT, COOPERA, PROGEX, etc Instrumentos BNDES FUNTEC Instrumentos CNPq bolsas RHAE e DTI Instrumentos CAPES bolsas de pós-doutorado 5.1- Apoio tecnológico para o desenvolvimento industrial Estruturar o Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC), formado por institutos de pesquisa tecnológica e centros universitários de competência industrial, em todo o território nacional e organizados em redes setoriais, temáticas e estratégicas, para apoiar o desenvolvimento de empresas industriais, através da prestação de serviços tecnológicos (metrologia, TIB), atividades de P&D e inovação, extensionismo, assistência e transferência de tecnologia (NIT). Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional II- Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas

32 PATENTS

33 Percentual de pessoas envolvidas em pesquisa e desenvolvimento (P&D), por setor institucional, 2008

34 PERCENTAGEM DE PESQUISADORES NAS EMPRESAS

35 7. Áreas portadoras de futuro: Biotecnologia e Nanotecnologia 8. Tecnologias da Informação e Comunicação 9. Insumos para a Saúde 10. Biocombustíveis 11. Energia elétrica, hidrogênio e energias renováveis 12. Petróleo, gás e carvão mineral 13. Agronegócio 14. Biodiversidade e recursos naturais 15. Amazônia e Semi-Árido 16. Meteorologia e mudanças climáticas 17. Programa Espacial 18. Programa Nuclear 19. Defesa Nacional e Segurança Pública Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional III- P,D&I em Á reas Estrat é gicas

36 9.1. Fármacos e Medicamentos 9.3. Kits Diagnósticos 9.2. Produtos Médicos e Biomateriais 9.4. Hemoderivados9.5. Vacinas Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 9 - Insumos para a Saúde Subvenção Econômica - Capital de Risco Estimular a criação de Laboratórios Institucionais Multidisciplinares Ampliar a capacidade de diferenciação de produtos e de inovação de processos Criar Centros de Desenvolvimento Tecnológico de produtos médicos e biomateriais Incentivar a produção nacional de Kits Diagnósticos Induzir a criação de novas empresas brasileiras para a produção de equipamentos automatizados para os ensaisos e a utilização dos kits diagnósticos Implementar a fábrica HEMOBRAS Investir na produção de vacinas e imunobiológicos priorizados pelo INOVACINA

37 10.1. Programa de desenvolvimento tecnológico para o biodiesel Apoio à P,D&I aplicados ao uso e à produção de biodiesel através da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel (RBTB) em seis linhas básicas: (1) agricultura: consolidar a EMBRAPA Agroenergia; (2) consolidar a infra-estrutura de serviços tecnológicos: rede de 37 laboratórios para análise da qualidade do biodiesel; (3) aproveitamento de resíduos e co-produtos; (4) estabilidade e armazenamento do biodiesel; (5) tecnologia para usinas de produção; (6) testes tecnológicos em motores e veículos (B5 em 2007; B20 em 2008); e (7) desenvolvimento de equipamentos adequados à agricultura familiar. Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 10 - Biocombustíveis Parceiros: MDS, MDA, MAPA, EMBRAPA, ANFAVEA, SINDEPEÇAS

38 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 20- Popularização da C&T e Melhoria do Ensino de Ciências 21- Tecnologias para o Desenvolvimento Social IV- C&T para o Desenvolvimento Social Principais linhas de ação em Metas prioritárias IV Realizar a inclusão digital por meio da implantação de telecentros até 2010, especialmente em municípios com o menor IDH e em comunidades tradicionais; e telecentros até 2010, especialmente em municípios com o menor IDH e em comunidades tradicionais; e Implantar CVTs (Centros Vocacionais Tecnológicos) e incubadoras de empresas de tecnologias sociais, incubadoras de empresas de tecnologias sociais, em articulação com o MEC

39 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 21. Tecnologias para o Desenvolvimento Social Implantação e modernização de centros vocacionais tecnológicos - CVT Programa nacional de inclusão digital Apoio à pesquisa, inovação e extensão tecnológica para o desenvolvimento social Programa comunitário de tecnologia e cidadania C&T para o desenvolvimento regional com enfoque em desenvolvimento local – APLs Apoio P&D aplicados à segurança alimentar e nutricional P&D agropecuário e agroindustrial para inserção social MF-MCT: recursos para investimentos estruturantes, com destaque para as tecnologias sociais, no âmbito da reforma tributária, com ênfase na política de desenvolvimento regional

40 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Recursos Instrumentos Poder de Compra Estatais (Petróleo & Gás, Espacial, Nuclear e Saúde) e Privados (Aeronáutico) Ministérios Setoriais, F.F.A.A. Apoio Técnico SIBRATEC - Sistema Brasileiro de Tecnologia Gestão da Inovação e da Propriedade Intelectual: INPI/MDIC Tecnologia Industrial Básica – MDIC (Inmetro) Recursos Humanos/Pós-graduação: Sistema FINEP/CNPq/CAPES Recursos Humanos/Técnico: Sistema S Promoção de exportações: APEX

41 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Conclusão O PLANO abrange toda a extensa gama de atividades de C&T&I no Brasil, apoiando a formação de recursos humanos, a pesquisa básica e aplicada prevê um vasto leque de instrumentos e iniciativas para incentivar a criação de empresas de tecnologia, a internalização de atividades de inovação nas empresas e forte ampliação dos institutos tecnológicos no apoio às empresas corresponde a um verdadeiro PAC da inovação nas empresas elege áreas estratégicas para P&D, notadamente tecnologias da informação e comunicação, biocombustíveis, agronegócio, insumos para a saúde e energia nuclear; dá a devida relevância à divulgação de C&T, à melhoria do ensino de ciências e a atividades para inclusão social; com ênfase no desenvolvimento regional.

42 Ministério da Ciência e Tecnologia Conclusões nos próximos anos, a Lei de Inovação e Lei do Bem deverão mudar o cenário da inovação no Brasil programas de governo aumentaram apoio: PNI, ICT-empresa, Juro Zero, BNDES subvenção econômica às atividades de P,D&I nas empresas (FNDCT) foi implementada há que se mobilizar o setor privado para ser mais dinâmico na promoção do desenvolvimento tecnológico

43 CONCLUSIONS Brazil has developed: a S&T&I SYSTEM; a competitive academic science base. The country must address important challenges to increase its industrial R&D sector. Important challenges exist for academia too.


Carregar ppt "Workshop on Inventing a Better Future: A Strategy for Building Regional Capacities in Science and Technology Brasília, Brazil July 21-23, 2010 Hernán Chaimovich."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google