A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 1 Cap. 6 – Pressman – Eng. Sistemas O que é Engenharia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 1 Cap. 6 – Pressman – Eng. Sistemas O que é Engenharia."— Transcrição da apresentação:

1 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 1 Cap. 6 – Pressman – Eng. Sistemas O que é Engenharia de Sistemas? Antes de fabricar o software precisamos entender o “sistema” no qual ele será inserido. Para isto precisamos: Determinar o objetivo do sistema. Definir o papel do hardware, software, pessoal, base de dados e procedimentos. Os requisitos operacionais devem ser obtidos, analisados, especificados, modelados, validados e gerenciados (Gestão de configuração e mudanças). Esta é a base da Engenharia de Sistemas.

2 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 2 Panorama da Engenharia de Sistemas Quem faz? Um Engenheiro de Sistemas (normalmente um consultor) em conjunto com o cliente e os usuários. Por que é importante? Não dá para conhecer a floresta à partir das árvores. É preciso usar abordagem top-down. O software é construído para atender o sistema. Passos:Objetivos  Requisitos operacionais. Produto:Modelo do sistema. Check:Clareza, completude e consistência.

3 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 3 Hierarquia da Engenharia de Sistemas Visão de mundo: domínio do negócio. Visão do domínio: elementos do sistema. Visão do elemento: detalhes. Visão do detalhe:especificações. Fatores restritivos da Modelagem de Sistemas: Pressupostos:Reduzem a quantidade de variáveis. Simplificações:Quebra de complexidade para dar tempo. Limitações:Ajudam na delimitação do sistema. Restrições:Abordagem, prazo, recursos, etc. Preferências:Arquiteturais ou estruturais fecham o foco.

4 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 4 Simulação de Sistemas Uma vez criado o modelo ele pode ser submetido à simulações, com dados históricos, para validar o comportamento. Objetivo: Além do comportamento, os envolvidos ver como será o funcionamento, operações e respostas do sistema. Ferramentas: CSIM, Simics, SLX (Wolverine), etc. Lista:

5 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 5 Engenharia de Processos de Negócio BPE = Business Process Engineering É formada por 3 visões arquiteturais: Arquitetura de Dados: Modelo de dados fundamental ao negócio. Arquitetura de Aplicações: Elementos do sistema que transformam dados em finalidades de negócio (software e até pessoas). Infra-estrutura Tecnológica: Elementos que sustentarão a arquitetura de dados e de aplicações.

6 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 6 Hierarquia da Eng. Proc. Negócios Visão de mundo:Empresa Planejamento estratégico Visão de domínio:Área de negócio Análise da área de negócio Visão de elemento:Sistema de negócio Projeto do sistema de negócio Visão detalhada:Função de negócio Construção e integração Consultor Eng. Software

7 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 7 Engenharia de Produto Meta: Traduzir as necessidades do sistema em produto, derivando a arquitetura e a infra-estrutura (tecnologia necessária). Componentes da arquitetura: Software, hardware, dados e pessoal. Visão de mundo:Eng. de Requisitos. Visão de domínio:Eng. de Componentes. Visão de elemento:Análise e Projeto. Visão detalhada:Construção e Integração. Eng. de Software

8 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 8 Modelagem de Sistemas Usa-se uma série de modelos UML para representar o sistema, desde a visão de topo (mundo) até os níveis de detalhes. A linguagem UML tanto pode ser utilizada para modelar o sistema quanto o software. Exemplos para um Sistema de Classificação por Esteira Rolante (CLSS): Diagramas: Contexto, Hardware, Atividades, Classes e Casos de Uso.

9 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 9 CLSS – Diagrama de Contexto Processamento da interface do usuário Processamento da interface do usuário Operador da estação de classificação Leitor de Código de barras Esteira rolante Processamento da entrada Processamento da saída Operador da estação de classificação Manutenção e autoteste Sistema de Classificação Por Esteira Rolante Mecanismo de Classificação Computador Central SolicitaçãoConsultas Comandos de desvio Código de barras Indicador de velocidade da linha Dados de Diagnóstico

10 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 10 CLSS – Diagrama de Hardware e Classe Processador CLSS Subsistema de ordenação Tela do operador Subsistema de aquisição de dados do sensor Controlador de desvio Tacômetro de pulso da esteira rolante Leitor de código de barras Atuador de desvio

11 Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 11 Diagrama de Atividades e Casos de Uso


Carregar ppt "Sistemas de Informações EmpresariaisMárcio MoreiraCapítulo 6 Pressman – Engenharia de Sistemas – Slide 1 Cap. 6 – Pressman – Eng. Sistemas O que é Engenharia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google