A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEMA: FORMAÇÃO CONTINUADA E INTERNACIONALIZAÇÃO XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA - COBENGE 2011, Blumenau/SC. MOHAMED AMAL, BLUMENAU.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEMA: FORMAÇÃO CONTINUADA E INTERNACIONALIZAÇÃO XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA - COBENGE 2011, Blumenau/SC. MOHAMED AMAL, BLUMENAU."— Transcrição da apresentação:

1 TEMA: FORMAÇÃO CONTINUADA E INTERNACIONALIZAÇÃO XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA - COBENGE 2011, Blumenau/SC. MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

2 Internacionalização do Ensino de Engenharia Mohamed Amal Coordenador da Assessoria de Relações Internacionais

3 Agenda O objetivo da minha intervenção é discutir a internacionalização do ensino e Instituições de Ensino Superior; Algumas implicações para a internacionalização do ensino no Brasil. MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

4 Comentários preliminares O Cenário Brasileiro de Educação Superior: A inserção internacional da economia brasileira: um marco dos 1990s; A internacionalização de Universidades no Brasil é uma Resposta à desafios econômicos da globalização? Ou é uma forma de inserir as Universidades num cenário global de reflexão sobre ensino e Pesquisa?

5 INTRODUÇÃO MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

6 Delimitação do Conceito Knight (1993) define a internacionalização da educação superior como o processo de integração da dimensão internacional/intercultural no ensino, pesquisa e extensão. Alguns resultados importantes: –A internacionalização é um processo dinâmico e não o conjunto de ações ou atividades isoladas; –A internacionalização se refere, portanto, as três funções universais de Universidades: ensino, pesquisa e extensão.

7 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Três elementos importantes a considerar: –A mobilidade estudantil internacional é considerada uma fonte importante de recursos para diversas instituições no mundo (EUA, Austrália, Ásia e relativamente Europa); –A mobilidade estudantil internacional é do interesse nacional dos países desenvolvidos e em desenvolvimento; –Incorporação das inovações tecnológicas nos sistemas de educação superior. Resultado: A Educação Superior não pode ser discutido sem considerar os aspectos de integração e cooperação internacional entre Universidades.

8 FATOS ESTILIZADOS SOBRE INTERNACIONALIZAÇÃO DE IES MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

9 Tendências na internacionalização das instituições de educação superior: Survey de 2003 International Association of Universities: Internationalization of Higher Education. Practices and Priorities: 2003 e 2005 IAU Survey Report (Jane Knight, 2003 e 2005).

10 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

11 Nr. De alunos e alunos internacionais PaísTotal em MilhõesInternacionais em Mil EUA14,59564,7 Reino Unido2,31344,3 Alemanha1,96246,3 França2,16237,6 Austrália0,86167,9 China23141,1 Japão4,03117,9 Canadá1,0175,2

12 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

13 Benefits of Internationalization- Level of Importance. Survey 2005: IAU, (p-9). 1, 2 or 3, being 1 the highest Student, staff and teacher development Teaching and learning ResearchCompetitivenes s NetworksCultural Awareness Standards and Quality Africa213 Asia132 Europe321 Latin America 213 Middle East 321 North America 123

14 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Percentage of HEIs Attributing High Level of Importance to Top Five Aspects (p-16) Student mobility Research Cultural Identity Faculty Mobility CurriculumDevelopment Projects Africa33%60%47%33%47% Asia50%53%38% 28% Europe63%52%36% 29% Latin America54% 46% Middle East42% 33%25%42% North America67%42%24%33%42%

15 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Prioridades de destino por região RegiãoPrioridade 1Prioridade 2Prioridade 3 África Ásia, EuropaAmérica do Norte Ásia EuropaAmérica do Norte Europa América do NorteÁsia América Latina América do NorteEuropa Ásia, América Latina Oriente MédioEuropaAmérica do NorteOriente Médio América do NorteÁsia, EuropaOriente MédioAmérica Latina

16 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Most internationalized Disciplines (p-17) Health Science s Social Science s Business Administration Info Tech Natural Sciences EnginneringArts and Humanities Africa1132 Asia 12 3 Europe Latin America 1 3 Middle East1 323 North America 3 1 2

17 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Geographical Priorities (p-19) Priority 1Priority 2Priority 3 Africa Asia, EuropeNorth America Asia EuropeNorth America Europe North AmericaAsia Latin AmericaNorth AmericaEuropeAsia, Latin America Middle EastEuropeNorth AmericaMiddle East North AmericaAsia, EuropeMiddle EastLatin America

18 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Priority areas for new developments in internationalization (p-22) Distance Education Internationa l Students Importance of Internationalizati on Recognized MobilityNetworksRegional Programs and Bologna Process ResearchCurriculu m Africa Asia 123 Europe 32 1 Latin Americ a 1 2 Middle East 2 1 North Americ a 1 2

19 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Benefits of Internationalization- Level of Importance (IAU, 2003, p-18): Tendências de crescimento por região. MobilityResear ch Recruit internation al students Use of ICT Agree ments Programs in English Language Foreign Languag e Africa 21 Asia132 Europe1 2 3 Latin America 12 Middle East North America 1 3 2

20 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Issues for International Attention Region Most frequently mentioned topics for discussion at UNESCO World Conference on Higher Education 2003 AfricaDevelopment Cooperation, Linkages, Curriculum AsiaResearch, Funding, Development cooperation Europe Quality assurance and accreditation, Bologna Process, Joint Programs and Degrees Latin AmericaFunding, Development Cooperation. Middle EastAcademic Mobility, Accreditation North America Quality Assurance, Research.

21 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Evolução dos estudantes brasileiros no exterior Número de alunos

22 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

23

24 MOTIVOS E ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

25 Motivos da internacionalização Fonte: International Association of Universities, Mobilidade de estudantes e professores. 2. Ensino e cooperação em pesquisa. 3. Poadrão acadêmico e qualidade. 4. Projetos de pesquisa. 5. Desenvolvimento de currículos. 6. Promoção institucional. 7. Acesso a estudantes internacionais. 8. Aspectos regionais de integração.

26 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Primeira Geração Abordagem focada no estudante: Estudo de línguas estrangeiras. Mobilidade estudantil. Matrícula de alunos estrangeiros. Acordos internacionais de cooperação.

27 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Segunda Geração Novo contexto internacional : Crescimento rápido de mobilidade estudantil. Mobilidade estudantil incentivada por países de língua inglesa. Discurso da diversidade. Harmonização das grades curriculares e busca de estratégias de dupla diplomação na Europa. Impacto da TIC. Políticas de estabelecimento de critérios objetivos de classificação das universidades. Iniciativas internacionais de excelência (China, França e Alemanha). (Cont.)

28 MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011 Consciência crescente pela importância dos aspectos internacionais na educação. Redes internacionais de pesquisa. Programas internacionais específicos (mestrados e doutorados em inglês, co- tutelação). Novos centros de estudos internacionais (cadeiras internacionais, por exemplo sobre um país: China). Segunda Geração

29 TENDÊNCIAS ATUAIS MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

30 The Report of the 3rd survey entitled Internationalization of Higher Education: Global Trends Regional Perspectives was published in September Os resultados do 3. Survey da International Association of Universities, aponta para os seguintes pontos: A Internacionalização passou a representar um item central no planejamento das universidades, os leaders universitários dão mais importância que no passado; As políticas de internacionalização das Universidades procuram proporcionar para os alunos um maior preparo para atuar num mercado de trabalho global; MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

31 Porque e como as universidades se internacionalizam diferem entre países e regiões: África e Oriente Médio estão procurando desenvolver suas capacidades de pesquisa e desenvolvimento; Enquanto que outras regiões (maioria) procuram focar no ensino; Existe um padrão de cooperação intra-regional nas atividades de internacionalização; Mobilidade internacional de alunos ainda é restrita a poucos no mundo; O impacto da crise sobre a internacionalização está relacionado a disponibilidade de recursos para financiar a mobilidade internacional. Houve retração, mas com poucos impactos sobre os programas de cooperação internacional. MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

32 CONSIDERAÇÕES FINAIS MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

33 Pontos negativos Internacionalização do ensino no Brasil ainda está limitada, por diversos motivos: Motivos linguísticos: poucas universidades oferecem programas em língua inglesa; Estruturas e programas pedagógicos relativamente rígidos; Poucas universidades com destaque internacional em pesquisa; Baixa experiência internacional dos docentes; Motivos de disponibilidade de recursos; MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

34 Mas, há pontos positivos Aumento crescente de interesse entre os alunos para participar de programas de intercâmbio na pós graduação e graduação; Fortalecimento de redes de cooperação entre pesquisadores; Experiências positivas de dupla diplomação (ainda restritas); Papel de Portugal e Espanha no desenvolvimento de culturas abertas ao intercâmbio, recebendo um número significativo de alunos brasileiros; Programas nacionais de financiamento da cooperação internacional (Capes e CNPQ) MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

35 Ainda Brasil no mundo? Mas, ainda persiste um vazio de reflexão conjunta entre as Universidades para os temas que ocupam a comunidade internacional: Mais esforços conjuntos para refletir sobre temas novos: sustentabilidade, governança global, modelos de democratização, novos players globais, etc. MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

36 E o Brasil? Existe alguma política pública de Internacionalização de universidades no Brasil? As Universidades brasileiras estão inserindo a internacionalização nos seus Programas Políticos Pedagógicos? Quais são as repercussões da Internacionalização de Universidades no Brasil? MOHAMED AMAL, BLUMENAU 2011

37 Muito Obrigado, PERGUNTAS.... CRI:


Carregar ppt "TEMA: FORMAÇÃO CONTINUADA E INTERNACIONALIZAÇÃO XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA - COBENGE 2011, Blumenau/SC. MOHAMED AMAL, BLUMENAU."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google