A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SÉRIE ARTE/REFLEXÃO Criar ambiente para a meditação. Arte da Imagem; Arte Musical e Arte do Pensamento LEI DE DEUS E PROVIDÊNCIA DIVINA MÚSICA: Beethoven.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SÉRIE ARTE/REFLEXÃO Criar ambiente para a meditação. Arte da Imagem; Arte Musical e Arte do Pensamento LEI DE DEUS E PROVIDÊNCIA DIVINA MÚSICA: Beethoven."— Transcrição da apresentação:

1

2 SÉRIE ARTE/REFLEXÃO Criar ambiente para a meditação. Arte da Imagem; Arte Musical e Arte do Pensamento LEI DE DEUS E PROVIDÊNCIA DIVINA MÚSICA: Beethoven TEXTO: Pietro Ubaldi (de A Grande Síntese)

3 A harmonia, a beleza e a inteligência que emanam do Cosmo e da Natureza, estão a nos mostrar a todo instante a existência de DEUS. A evolução leva-nos cada vez mais a sentir a Sua presença, não apenas transcendente, mas também imanente, até que o indivíduo, espiritualizado, sinta a presença Dele não somente em si, mas em torno de si. Acaso não existe! Existem LEIS Admiremos as imagens e meditemos sobre textos de PIETRO UBALDI..

4 DEUS é a grande alma que está no centro do Universo, do qual Ele é o centro de irradiação e atração. Dele tudo parte e atrai, voltando para Ele.

5 Ele é o Principio e o Fim. Ele é o Tudo. Está em todas as coisas e todas as coisas estão Nele. Nada pode existir fora Dele. Daí ser o Princípio e suas Manifestações, ou seja, é o Começo e o Fim, é o Alfa e o Ômega, ou o Primeiro e o Último.

6 Esta Idéia de Deus é a mais ampla, mais de acordo, com nossa Evolução. Fomos politeistas no passado, depois monoteistas e hoje somos monistas, i.é, Deus É. Ele é a essência e a razão de ser de tudo que existe.

7 DEUS é nosso Pai, Criador de Tudo. Tudo o que Ele criou, continua Nele e Ele continua em Tudo. Nada pode existir e nem existe fora Dele. Ele é Um conosco e nós somos Um com Ele. Este conceito nos irmana de modo inquebrantável e inexorável.

8 Esta definição de DEUS não derroga nenhuma das aceitas e difundidas pelas religiões, e muito menos a de Leon Denis, que diz: Deus é a Inteligencia Suprema do Universo e a Causa Primeira de Todas as Coisas.

9 Deste conceito decorre a Sua Presença em todo o Universo (onipresença) e, a Perfeição em tudo (onisciência e onipotência), com a inerente Ordem, Harmonia, Beleza, Disciplina e Lei, que tudo rege.

10 A Lei constitui a Idéia Central do Universo. É o sopro divino que O anima, governa e O movimenta, como a alma humana governa o corpo. O universo de matéria que nos cerca é o corpo desse princípio que reside no seu âmago.

11 Ele se defende não se mostrando, até que o homem evolua e aprenda a não fazer mau uso do saber e ser mais digno de olhar frente a frente, as coisas santas.

12 A ciência dos homens também tem suas leis, obtidas por observação da natureza dos fenômenos, daí deduzindo uma hipótese, que depois passa à teoria e torna-se lei. Porém, tem sido até aqui apenas farrapos mal remendados da grande Lei.

13 A verdadeira Ciência é religião e prece, devendo Ser também fé de apóstolo e heroísmo de mártir.

14 O conceito principal é: A Lei é Deus, e Deus é a Lei que tudo rege. A relação entre ambos é bi-unívoca ou de reciprocidade, i.é, um pressupôe o outro, ou seja, quando se fala em Deus, se pensa em Lei e vice-versa.

15 Afirmamos ser Ele, o Princípio e Suas Manifestações, o Começo e o Fim. Tendo o Pai criado tudo Dele mesmo, as criaturas criadas por Ele, permaneceram Nele, logo continuando a ser uma partícula divina, contendo em si uma parte do Criador. Passamos a ser Seus Filhos, Divinos pela origem. Eis o que somos, em realidade!

16 Somos, em verdade, filhos decaídos, necessitados de reabilitação, em razão de equívocos praticados no passado..

17 Fomos desrespeitosos e desobedientes para com a Sua Lei, o que nos levou a ser afastados do Sistema Divino.

18 Caímos no Anti-Sistema, onde agora estamos, obrigados ao refazimento da Perfeição perdida.

19 Com a desobediência, caímos no relativo, onde tudo é medido, pesado, contado e comparado. Caímos na inconsciência, onde tudo começa por ser simples e ignorante, num continuo vir- a-ser, em oposição ao Absoluto, onde tudo é, desde sempre.

20 Nascer e morrer tem sido nossa existência até aqui, e assim será enquanto permanecermos alheios a existência da Lei que tudo rege, a qual nos cumpre obedecer e não mais se equivocar.

21 E mais, obedecer a Lei e seus ditames, com cons- ciência, com conhecimento, procurando saber quem somos, conhecer-nos uns aos outros, por sermos parte do todo, pois, um mínimo pensamento de um repercute no outro e em todos. Cumpre conhecer o todo que nos cerca, para que saibamos nos mover nesse Universo.

22 Amando-nos, certamente, a repercussão de um no outro será de Paz e, então, seremos felizes, se é que queremos ser felizes.

23 Recordando: Lei é sempre Lei, exata nas cconseqüên- cias de qualquer ato, férrea nas conclusões e sanções, poderosa, imensa, matematicamente precisa em sua manifestação. Perfeição em tudo, talvez fosse melhor dizer.

24 Vamos agora estudar a Providência Divina. VAMOS ESTUDAR AGORA A PROVIDÊNCIA DIVINA

25 São as seguintes as condições indispensáveis para o funcionamento da Providência Divina:

26 1ª. Merecer a ajuda. 2ª. Haver, antes de qualquer coisa, esgotado as possibilidades de suas forças. 3ª. Estar, de acordo com suas condições, em estado de necessidade absoluta. 4ª. Pedir o necessário, e nada mais. 5ª. Pedir humildemente, com submissão e fé.

27 Quando essas condições são preenchidas, a Divina Provi- dência, está em condições de funcionar a favor de todos que recorrem a Ela. Do contrário, o fenômeno pode não se verificar e, certamente, não se verificará. NÃO EXISTE MILAGRE! EXISTE LEI

28 Além de obedecer aos itens formulados, devemos também crer e confiar (com fé), de que Deus é uma realidade estupenda e, não sintamos que estamos abandonados e só. Existe o Pai nos céus, velando por nós e provendo- nos do necessário.

29 Importa considerar que somos acalentados por uma Ordem justa que nos quer bem e nos protege. A Divina Providência participa dela.

30 Trata-se de forças inteligentes e amorosas, prontas a nos socorrer; basta apenas que saibamos preencher os requisitos essenciais, para que a Divina Providência funcione.

31 Para o homem evoluido, encarnado na Terra, a Divina Providência funciona como método quase exclusivo, com que a Lei provê, com absoluta segurança, apenas o necessário ao homem espiritual que não pode mais se preocupar com os problemas materiais.

32 Devemos ter em mente que o Universo é um organismo de forças que obedecem a mãos habilidosas e sábias. Essas mãos, porém, cobrindo-se de trevas, se recusam a obedecer a mãos inábeis e rebeldes.

33 A Providência Divina repre- senta esta força maior, a justiça em ação, não só para levantar como abater. Sabe, por lei espontânea de equi- líbrio, dosar as provas para que não ultrapassem as for- ças do indivíduo; vê-La-emos levantar-se, gigantesca, para proteger o humilde indefeso e honesto que a opressão humana busca arruinar. Vemo-La dar a quem merece e tirar de quem abusa premi- ando e punindo, distribuindo além das partilhas humanas.

34 Assim, que os fracos não acreditem que a Divina Providência seja inércia ou fatalismo e, ainda, amiga dos opressores. Não esperemos, também, que esta força nos afaste do sagrado esforço da evolução. Essas forças significam, sim, repousos merecidos e necessários, e não ócios perenes e gratuitos como os homens quereriam.

35 Nada mais falso, pois, que identificarmos a Divina Providência com um estado de inércia e expectativa passiva. Isto é invenção de indolentes iludidos, é exploração dos Princípios Divinos.

36 A Providência Divina está presente para reerguer o homem que, na luta, perde suas forças, como também está ao abater o rebelde, mesmo que gigante. Ela está ativa, sobretudo, para o justo que quer o Bem e com seu esforço o impõe.

37 Do infinito procedem as forças mais altas da vida para amparar o inerme, exânime, sem apoio, sem meios. Se ele parece abandonado e derrotado, uma voz lhe grita: não estás sozinho! E ele então, pode dizer a grande palavra que ecoa pelo Universo afora: falo-vos em nome de Deus! Sursum corda = elevai os corações.

38 IMAGENS: da internet SELEÇÃO DOS TEXTOS: Ferdinando Ruzzante FORMATAÇÃO: J. Meirelles ( MÚSICA: Sonata ao Luar de Beethoven


Carregar ppt "SÉRIE ARTE/REFLEXÃO Criar ambiente para a meditação. Arte da Imagem; Arte Musical e Arte do Pensamento LEI DE DEUS E PROVIDÊNCIA DIVINA MÚSICA: Beethoven."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google