A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Distócia PARTO ANÔMALO DE TRANSCORRÊNCIA PATOLÓGICA COM ALTERAÇÃO DA DINÂMICA PARTO MECANICAMENTE EMBRAÇADO E DE INTERCORRÊNCIA IMPREVÍSIVEL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Distócia PARTO ANÔMALO DE TRANSCORRÊNCIA PATOLÓGICA COM ALTERAÇÃO DA DINÂMICA PARTO MECANICAMENTE EMBRAÇADO E DE INTERCORRÊNCIA IMPREVÍSIVEL."— Transcrição da apresentação:

1 Distócia PARTO ANÔMALO DE TRANSCORRÊNCIA PATOLÓGICA COM ALTERAÇÃO DA DINÂMICA PARTO MECANICAMENTE EMBRAÇADO E DE INTERCORRÊNCIA IMPREVÍSIVEL

2 Distócia Complicações x Acidente a) VÍCIOS PÉLVICOS desproporção feto ou céfalopélvica b) ANOMALIAS DO TRAJETO MOLE Tumores pélvicos: uterinos, ovarianos. c) DISTÚRBIOS DA DINÂMICA UTERINA Discinesias ou distócias do motor d) ROTURAS DO ÚTERO e)PROCIDÊNCIAS E PROLAPSOS Cordão Umbilical, Membros f) TOCOTRAUMATISMOS MATERNOS Lesão do colo, períneo, vagina, vestíbulo, vulva, lesões a órgãos circunfluentes à genitália : Bexiga, Reto e até fraturas dos ossos pélvicos. SÍNDROMES HEMORRÁGICAS E EMBOLIA AMNIÓTICA

3 FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS Do grego, PINÇA: instrumento próprio para apreender a cabeça do feto e extraí-la através do canal PELVEGENITAL. Instrumento usado por volta de 3500 anos para extrair fetos mortos. HIPÓCRATES, AVICENA, ALBUCASIS ( ROMA. Séculos II e III D.C, descrevem instrumento assemelhado ao fórceps utilizado para o parto com fetos vivos).

4 A verdadeira história do fórceps para a extração dos fetos vivos data do começo do século XVII. PETTER CHAMBERLLEN SENIOR teria construído o primeiro modelo ( 1560 a 1631). O segredo permaneceu com os Chamberllen até 1693 quando vendido ao holandês ROENHUYSEN e daí generalizando-se. PALFYN (1723) torna públicas suas MÃOS DE FERRO, dois ramos não cruzados, sem fenestrações, paralelos, com curvatura uma tanto acentuada.Daí em diante uma imensa variedade de modelos surgiu em todo o mundo. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

5 LEVRET (1747) curvatura pélvica SMELLE & WALKER (1751) articulação inglesa, protótipo de todos os fórceps atuais. HUGH (1753) curvatura perineal HERMAN (Suíça 1840) HUBERT (Bélgica 1860) TARNIER E SIMPSON (1877 e 1880) princípio da tração axial OUTRAS MODIFICAÇÕES: DEMELIN (1899) tração por laços; FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

6 KJELLAND (1915) aplicações altas; BARTON (1915) paradas em transversas. MULDER (1794) 44 tipos MARTIUS (1835) 135 A 200 TIPOS MAGALHÃES (1900) 300 a 400 tipos KEDARNATH (1929) mais de 550 tipos BERUTI (1933) milhares de tipos. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

7 O TOCÓLOGO; O FÓRCEPS; A CESARIANA; SEM VALOR ALTOS E MÉDIOS; SIMPSON E PIPER (alívio e cabeça derradeira). FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

8 O INSTRUMENTO 02 ramos, cada ramo com 03 partes= colher, articulação e cabo. COLHER = curvatura cefálica ou fetal e curvatura pélvica. A cefálica tem dupla concavidade para dupla convexidade da cabeça do feto; A pélvica tem convexidade da borda inferior e concavidade da borda superior para adaptar-se a curvatura da pelve. O PIPER tem uma 3ª curvatura perineal de concavidade inferior entre o cabo e a colher. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

9 JANELAS, JUMÉLIOS OU HASTES: janelas ou fenestrações diminuem o peso e permitem melhor adaptação ao tegumento ; as hastes limitam as janelas. ARTICULAÇÃO se faz de duas maneiras ou tipos: fixa ou por deslizamento. FIXA: com parafuso ( articulação francesa TARNIER); com encaixe (articulação inglesa SIMPSOM, TARNIER, DE LEE etc.) CABOS retos sulcados ou não. Expansão lateral para apoio dos dedos (asa). FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

10 CLASSIFICAÇÃO: 1 - DIVERGENTE CRUZADO O ovóide tende a derrapar direção do bico das colheres = TARNIER, IMPSOM, NAGELE etc. 2 - DIVERGENTE NÃO CRUZADO THENANCE 3 – PARALELOS POULET 4 - CONVERGENTES O ovóide tende a derrapar na direção dos cabos= DEMELIN FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

11 AÇÕES: ESTÍMULO À CONTRAÇÃO UTERINA= ação dinâmica ou ocitócica. Inútil ou impossível. Antigamente sem anestesia corpo estranho, prensa abdominal. COMPRESSÃO OU REDUÇÃO = Fórceps redutor, altos, Pressão igual a 100 kg-FRATURAS, AFUNDAMENTOS, LESÕES DE ELEMENTOS NOBRES. Era também usado em bacias com vícios relativos com redução da cabeça para insinuação e descida. 3-ALVANCA 4 - PREENÇÃO 5-ROTAÇÃO 6 - TRAÇÃO 3-ALVANCA 4 - PREENÇÃO 5-ROTAÇÃO 6 - TRAÇÃO FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

12 APREENÇÃO – nas apresentações cefálicas flexionadas (vértice),o fórceps pode apreender nos sentidos: TRANSVERSOS, ANTEROPOSTERIOR, OBLÍQUO. TRANSVERSAS OU BIAURICULARES: o eixo longitudinal das colheres segue o diâmetro OCCIPTOMENTONIANO da cabeça do feto, jumelos posteriores ou convexos em relação à face. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

13 PEGADA IDEAL, BIPARIETOMALOMENTONIANA= pólo cefálico baixo OP preensão clássica em todas as occiptoanteriores. OS, esta pega deve ser evitada, é quase impossível – as orelhas dentro das janelas, bicos juntos a fronte e mandíbula. ANTEROPOSTERIORES: Colher na face e occipital= lesões graves, paralisia do XII par (hipoglosso)etc. OBLÍGUAS OU FRONTOMASTOÍDEAS: andar superior da bacia (em desuso completo). ROTAÇÃO: não parece ser um bom agente de rotação FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

14 TRAÇÃO: uma vez apreendida será tracionada e extraída. Esta é a principal função do fórceps. Conservá-la no eixo eqüidistante das paredes, diminuindo o atrito e tocotraumatismos graves; Empreender o mínimo de força na apreensão e tração ; No andar inferior da bacia, junto à vulva,qualquer fórcipe serve para tal objetivo ; FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

15 Acompanhar o eixo da parte preensora das colheres; Respeitar a mobilidade cefálica assegurada pela articulação OCCIPITALOIDIANA Tração nunca acima de 25 kg; Reproduzir o ritmo da parturição normal= intensidade de tração decrescente com intervalos (repousos) jamais ininterrupta. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

16 CLASSIFICAÇÃO DAS APLICAÇÕES: 1ª ALTA acima do estreito superior, cabeça sentida acima do Plano das espinhas isquiáticas; 2ª MÉDIADBP abaixo do estreito superior, cabeça sentida ao toque ao nível das espinhas isquiáticas; FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

17 3ª MÉDIA-BAIXA DBP abaixo das espinhas isquiáticas no intervalo das contrações a cabeça a um dedo transverso do períneo ; 4ª BAIXADBP abaixo das espinhas isquiáticas, cabeça sobre o períneo visível no intervalo das contrações. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

18 INDICAÇÕES: 1ª Prolongamento ou impossibilidade de terminação espontânea do segundo período = hipocinesia secundária; rotação incompleta (occipto-traversa e occipto- posterior); apresentações anômalas (de face) 2ª Sofrimento fetal; 3ª Indicações para poupar a paciente dos esforços do período impulsivo(cardiopatias, enfisemas, hemorragia cerebral, descolamento de retina etc.) 4ª desprendimento da CABEÇA DERRADEIRA não conseguida pelas manobras habituais. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

19 CONDIÇÕES DE APLICABILIDADE: A – PERMEABILIDADE O colo deverá estar completamente dilatado, sem edema, sem espasmo ou rigidez(permeabilidade mole); deve existir proporcionalidade (céfalopélvica) (permeabilidade dura); As membranas devem estar rotas (permeabilidade do ovo). FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

20 B-ACESSIBILIDADE A cabeça deverá estar insinuada (acessibilidade do pólo ao instrumento), diagnóstico correto da APRESENTAÇÃO, POSIÇÃO E ALTURA DA CABEÇA. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

21 TÉCNICA INTRODUÇÃO DOS RAMOS, ADAPTAÇÃO DAS COLHERES, ARTICULAÇÃO, COMPROVAÇÃO A PEGADA, EXTRAÇÃO, DESARTICULAÇÃO E RETIRADA DOS RAMOS. FÓRCEPS, FÓRCEPES, FÓRCEPIS

22


Carregar ppt "Distócia PARTO ANÔMALO DE TRANSCORRÊNCIA PATOLÓGICA COM ALTERAÇÃO DA DINÂMICA PARTO MECANICAMENTE EMBRAÇADO E DE INTERCORRÊNCIA IMPREVÍSIVEL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google