A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ONDAS SÍSMICAS ABNERANDRÉEUFRÁSIOGILBERTOISRAELVALDIR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ONDAS SÍSMICAS ABNERANDRÉEUFRÁSIOGILBERTOISRAELVALDIR."— Transcrição da apresentação:

1 ONDAS SÍSMICAS ABNERANDRÉEUFRÁSIOGILBERTOISRAELVALDIR

2 Planeta Terra – um sistema dinâmico. Tempo geológico em escala diferente da humana. Tectônica de placas Movimento da crosta. Sismos: liberação de energia em forma de ondas mecânicas.

3 Terremoto no JapãoTerremoto no Japão Março de 2011Março de ,9 graus Escala M w8,9 graus Escala M w 9,0 graus Escala Richter9,0 graus Escala Richter TsunamiTsunami VÍDEO 2VÍDEO 2VÍDEO 2VÍDEO 2 VIDEO 3 (CÃOZINHO)VIDEO 3 (CÃOZINHO)VIDEO 3 (CÃOZINHO)VIDEO 3 (CÃOZINHO) Terremoto no ChileTerremoto no Chile Março de 2012Março de ,2 graus M w7,2 graus M w 8.0 graus Escala Richter8.0 graus Escala Richter VÍDEO 1VÍDEO 1VÍDEO 1VÍDEO 1 Sismos Recentes

4 Camadas terrestres: crosta, manto e núcleo (interno e externo.

5 Tipos de Ondas e Ruptura da Rocha As ondas sísmicas são dividas em quatro tipos, sendo duas que se propagam abaixo da superfície e duas de superfície. As ondas que propagam internamente à crosta chamam-se primária (onda P) e secundária (onda S), enquanto que as ondas de superfície se chamam Love (onda L) e Rayleigh (onda R).

6 Composição do interior da Terra

7 Ondas Primárias (P) Ondas primárias (longitudinais): ondas em que ocorre a compressão e distensão do material (crosta), parecida com as ondas sonoras. Essas ondas se propagam em meios líquidos (núcleo externo da Terra) e sólidos. São as primeiras a ser sentidas.

8 Ondas Secundárias (S) Fazem parte do conjunto principal de ondas sísmicas (P, S, Rayleigh, Love). São ditas ondas internas por se formarem na origem da perturbação no meio. Propagam-se em meios sólidos transversalmente, ou seja, perpendicularmente ao sentido de propagação.

9 Augustus Edward Hough Love Augustus Edward Hough Love conhecido pelo seu nome abreviado A..E. H. Love, foi um matemático e geofísico britânico, destacou-se pela seu trabalho teoria da elasticidade e propagação de onda. Suas investigações sobre a estrutura da terra, propõem as camadas são concêntricas e que diferem em densidade, esse trabalho lhe rendeu o Prêmio Adams, pelo seu desenvolvimento de um modelo matemático de ondas superficiais conhecidas como ondas de Love.

10 São ondas sísmicas superficiais de grande amplitude que se deslocam unicamente nas camadas superficiais da crosta terrestre. As ondas superficiais são complexas e as ondas de Love correspondem a uma parte da agitação do solo. Elas são de baixa frequência e têm um comprimento de onda elevado. Ondas de Love Ondas de Superfície São semelhantes às ondas que se observam à superfície de um corpo de água e propagam-se imediatamente acima da superfície terrestre. Deslocam-se mais lentamente que as ondas de corpo. Devido à sua baixa frequência, longa duração e grande amplitude, podem ser das ondas sísmicas mais destrutivas. Existem dois tipos de ondas de superfície: ondas de Rayleigh e ondas de Love..

11 Onda L (Love)

12 Onda R (Rayleigh) ANIMAÇÃO DOS EFEITOS DAS ONDAS RAYLEIGH

13 Sismógrafo Sismoscópio de Chang Heng ( China, 132 d.C.) Sismógrado moderno: Criado por John Milne (geólogo e engenheiro inglês) em 1880 (sismógrado de pêndulo horizontal). Usado para o registro (gráfico e de dados) de ondas sísmicas – a intensidade de abalos sísmicos. Organizado em rede, permite determinar a posição do foco (hipocentro) das ondas e o ponto em que chegam a superfície terrestre (epicentro). Ao registro gráfico gerado pelo sismógrafo dá-se o nome de sismograma.

14 Sismógrafo (funcionamento básico) Uma considerável massa é colocada de tal modo que consegue permanecer inerte de modo quase absoluto quando há movimentação no solo. Acoplado à massa há um sistema de alavancas muito leves, que, por intermédio de uma ponta entintada ou outro dispositivo adequado, efetua o registro. O sismograma (sucessão dos registros em um papel) é portanto uma representação amplificada do movimento relativo entre a massa e o solo.

15 Sismógrafo e oscilações Qualquer sismógrafo é semelhante a um pêndulo, que se pode pôr em oscilação mediante um impulso.

16 Escalas – Considerações sobre a energia envolvida em um abalo sísmico

17 ESCALA RICHTER Escala de Magnitude Local (M L )Também conhecida como Escala de Magnitude Local (M L ). Desenvolvida em 1935, pelos sismólogos Charles F. Richter e Beno Gutemberg, ambos do Caltech. Tem um limite de magnitude 9. É uma escala logarítmica : as magnitudes de Richter correspondem ao logaritmo da medida da amplitude das ondas sísmicas de tipo P e S a 100 km do epicentro. A fórmula utilizada é, em que A = amplitude máxima medida no sismógrafo e A 0 = uma amplitude de referência. Um sismo com magnitude 6 tem uma amplitude 10 vezes maior que um sismo de magnitude 5. O que aumenta é a amplitude das ondas sismográficas e não a energia liberada. Em termos gerais a energia de um terremoto aumenta aproximadamente 31,6 vezes para cada grau de magnitude, ou aproximadamente 1000 vezes a cada duas unidades. Escala de Magnitude Momentânea (M w )Atualmente foi substituida pela Escala de Magnitude Momentânea (M w ), ilimitada, que pode, inclusive, apresentar valores negativos. O limite prático da escala, devido às forças naturais, da escala M w é 10.

18 A energia é apresentada pela relação: ou E 0 = 10 4,4 J ~ J Com E 0 = 10 4,4 J ~ J, um valor de referência. É equivalente a um automóvel popular a 25 km/h! ESCALA RICHTER

19

20

21

22

23 A Escala Mercalli Criada em 1902 pelo geólogo italiano Giuseppe Mercalli. A escala Richter e a M w não permitem avaliar a intensidade sísmica em um local determinado e em particular em zonas urbanas, já que elas medem a intensidade absoluta do terremoto. A Escala de Mercalli não se baseia em registros sismográficos mas nos efeitos ou danos produzidos nas estruturas e percebidos pelas pessoas nas imediações do abalo.

24 Escala Mercalli – Efeitos observáveis

25 Usando sismogramas para determinar a localização do Epicentro rohan.sdsu.edu/~rmellors/applet/SeismoApplet.htmlhttp://www- rohan.sdsu.edu/~rmellors/applet/SeismoApplet.html

26 Sismos induzidos Barragens Explosões Extrações Injeções de fluidos Alívio em minas

27 MUITO OBRIGADO! BOA NOITE!

28 =time-desc&limit=1000&maxlat=-0.014&minlat= &maxlon= &minlon= &sbl=1&pbl=1&name=Central%20South%20America =time-desc&limit=1000&maxlat=-0.014&minlat= &maxlon= &minlon= &sbl=1&pbl=1&name=Central%20South%20America


Carregar ppt "ONDAS SÍSMICAS ABNERANDRÉEUFRÁSIOGILBERTOISRAELVALDIR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google