A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução à Nomenclatura Naval Apresentação I do Projeto UFRGS-GUARITA-FINEP Desenvolvido por: Letícia Fleck Fadel Miguel Revisado por: Juan Pablo Quintas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução à Nomenclatura Naval Apresentação I do Projeto UFRGS-GUARITA-FINEP Desenvolvido por: Letícia Fleck Fadel Miguel Revisado por: Juan Pablo Quintas."— Transcrição da apresentação:

1 Introdução à Nomenclatura Naval Apresentação I do Projeto UFRGS-GUARITA-FINEP Desenvolvido por: Letícia Fleck Fadel Miguel Revisado por: Juan Pablo Quintas Crissiane Ancines

2 Introdução à Nomenclatura Naval Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução -Terminologia básica; -Conceitos gerais: -Superestruturas; -Ossada e chapeamento; -Vigas e chapas longitudinais; -Vigas e chapas transversais; -Chapeamento; -Glossário naval em inglês.

3 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval Objetivos: -Apresentar as formas e os termos básicos utilizados na área naval;

4 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval TERMINOLOGIA BÁSICA : Embarcação: é uma construção feita de madeira, concreto, ferro, aço ou uma combinação desses e outros materiais, a qual flutua e é destinada a transportar pela água pessoas ou cargas. : Barco: possui o mesmo significado de embarcação, porém é pouco usado. : Navio: designa embarcações de grande porte.

5 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval TERMINOLOGIA BÁSICA Casco: É o corpo do navio sem mastreação (sem os mastros), ou aparelhos acessórios ou qualquer outro arranjo. Não possui forma geométrica definida. A forma pode variar de uma embarcação para outra. Possui um plano de simetria que passa pelo eixo da quilha (peça estrutural básica do casco de uma embarcação, disposta na parte mais baixa do seu plano diametral, em quase todo o seu comprimento, e sobre a qual repousa toda a estrutura).

6 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval TERMINOLOGIA BÁSICA Proa: É a parte anterior (dianteira, frente) da embarcação.

7 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval TERMINOLOGIA BÁSICA Popa: É a parte posterior (traseira) da embarcação.

8 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval TERMINOLOGIA BÁSICA Bordos: Boreste (BE): parte à direita. Bombordo (BB): parte à esquerda.

9 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval TERMINOLOGIA BÁSICA Meia-Nau: É a parte interna (do meio) da embarcação, entre a proa e a popa.

10 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Bico de Proa: parte extrema da proa da embarcação. Avante e a Ré: diz-se que qualquer coisa é de vante ou está avante (AV) quando está na proa. Diz-se que é de ré ou está a ré (AR) quando está na popa. Obras Vivas (OV): parte do casco abaixo do plano de flutuação em plena carga. Obras Mortas (OM): parte do casco acima do plano de flutuação em plena carga.

11 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Carena: invólucro do casco nas obras vivas. Costado: invólucro do casco acima da linha dágua. Linha dÁgua: faixa pintada com tinta especial no casco dos navios.

12 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Bojo: parte da carena formada pelo contorno de transição entre sua parte quase horizontal (ou fundo do navio) e sua parte quase vertical. Fundo: parte inferior do casco, desde a quilha até o bojo.

13 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Forro Exterior: revestimento exterior do casco. Bochechas: partes curvas do costado de um e de outro bordo. Amuras: o mesmo que bochecha.

14 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Borda: é o limite superior do costado (termina na altura do convés). Borda-falsa: parapeito do navio no convés. Amurada: parte interna dos costados.

15 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Alhetas: partes curvas do costado de um e de outro bordo junto à popa. Painel de Popa: parte do costado na popa entre as alhetas.

16 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Grinalda: parte superior do painel de popa. Almeida: parte curva do costado, na popa, logo abaixo do painel, e que forma com ele um ângulo obtuso ou uma curvatura.

17 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Delgados: partes da carena mais afiladas avante e a ré, de um e de outro bordo.

18 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Cinta, cintura ou cintado: interseção do convés resistente com o costado. A fiada de chapas na altura da cinta também recebe o nome de cinta, cintura ou cintado e é sempre contínua de proa à popa. Resbordo: primeira fiada de chapas do forro exterior do fundo, de ambos os lados da quilha.

19 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Calcanhar: parte saliente formada no fundo de alguns navios. Quina: qualquer mudança brusca de direção na superfície externa do casco, ou em qualquer peça da estrutura. Costura: interstício entre duas chapas contíguas de um chapeamento.

20 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Bosso do Eixo: saliência formada na carena de alguns navios em torno do eixo do hélice.

21 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Balanço de Proa: parte da proa por ante - a - vante da quilha.

22 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Balanço de Popa: parte da popa por ante - a - ré da quilha.

23 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Recesso: concavidade feita numa antepara a fim de alojar um aparelho no compartimento, ou para obter melhor arranjo. Recesso do Túnel: parte de um túnel ampliada em sua seção, tal como os recessos do túnel do eixo.

24 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS

25 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CONCEITOS GERAIS Talhamar: nos navios de madeira, é uma combinação de várias peças de madeira, formando um corpo que sobressai da parte superior da roda de proa e serve de apoio ao gurupés e dá um aspecto elegante à proa do navio. Nos navios de aço, o talhamar faz parte da roda de proa, da qual é um prolongamento. Possuem talhamar a maior parte dos veleiros e somente alguns navios de propulsão à hélice.

26 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval SUPERESTRUTURAS É a construção feita sobre o convés principal.

27 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval OSSADA E CHAPEAMENTO Estrutura do Casco: - Ossada ou esqueleto - Forro exterior (chapeamento)

28 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval OSSADA E CHAPEAMENTO Ossada é constituída:- Vigas longitudinais - Vigas transversais - Reforços locais

29 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS LONGITUDINAIS Contribuem para a resistência aos esforços longitudinais: - Vigas - Chapas longitudinais - Chapeamento exterior - Chapeamento do convés resistente Esforços longitudinais que se exercem quando o cavado ou a crista de uma onda passam pelo meio do navio.

30 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS LONGITUDINAIS Quilhas : Peça disposta em todo o comprimento do casco e na parte mais baixa do navio. Constitui a espinha dorsal e é a parte mais importante do navio.

31 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS LONGITUDINAIS Sobrequilha: Peça semelhante à quilha assentada sobre as cavernas.

32 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS LONGITUDINAIS Longarinas ou Longitudinais: Peças colocadas de proa a popa, na parte interna das cavernas, ligando-as entre si.

33 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS LONGITUDINAIS TRICANIZ: Fiada de chapa mais próxima aos costados, em cada convés, usualmente de maior espessura que as demais, e ligando os vaus entre si e as cavernas.

34 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS LONGITUDINAIS SICORDAS: Peças colocadas de proa a popa num convés ou numa coberta, ligando os vaus entre si.

35 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS Além de darem a forma exterior do casco, resistem, juntamente com as anteparas estruturais, à tendência à deformação do casco por ação dos esforços transversais. CAVERNAS: Peças curvas que se fixam na quilha em direção perpendicular a ela e que servem para dar forma ao casco e sustentar o chapeamento exterior.

36 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS

37 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS CAVERNAS ALTAS: São aquelas em que as hastilhas são mais altas que comumente, assemelhando-se a anteparas. São colocadas na proa e na popa, para reforço destas partes.

38 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS VAUS: Vigas colocadas de BB a BE em cada caverna, servindo para sustentar os chapeamentos dos conveses e das cobertas, e também para atracar entre si as balizas das cavernas. Os vaus tomam o nome do pavimento que sustentam.

39 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS

40 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS HASTILHA: Chapas colocadas verticalmente no fundo do navio, em cada caverna, aumentando a altura destas na parte que se estende da quilha ao bojo.

41 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval VIGAS E CHAPAS TRANSVERSAIS CAMBOTAS: São cavernas que armam a popa do navio, determinando a configuração da almeida.

42 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS Completam a estrutura, fazendo a ligação entre as demais peças ou servem de reforço a uma parte do casco. VAUS SECOS: São os vaus do porão, mais espaçados que os outros e que não recebem assoalho, servindo apenas para atracar as cavernas quando o porão é grande. LATAS: Vaus que não são contínuos de BB a BE, colocados na altura de uma enora, ou de uma escotilha, entre os vaus propriamente ditos. Ligam entre si os chaços das escotilhas e as cavernas.

43 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS

44 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS BUÇARDAS: Peças horizontais que se colocam no bico da proa ou na popa, contornando-as por dentro, de BE a BB; servem para dar maior resistência a essas partes do navio.

45 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS PRUMOS: Ferros perfilados dispostos verticalmente nas anteparas, a fim de reforçá-las.

46 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS TRAVESSAS: Ferros perfilados dispostos horizontalmente nas anteparas, a fim de reforçá-las.

47 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS BORBOLETAS OU ESQUADROS: Pedaços de chapa, em forma de esquadro, que servem para ligação de dois perfis, duas peças quaisquer, ou duas superfícies que fazem ângulo entre si, a fim de manter invariável este ângulo.

48 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS TAPA-JUNTAS: Pedaço de chapa ou pedaço de cantoneira que serve para unir a topo duas chapas ou duas cantoneiras. CHAPA DE REFORÇO: Chapa colocada no contorno de uma abertura feita no costado ou em outro chapeamento resistente, a fim de compensar a perda de material neste lugar. Estas chapas tomam nome do local em que são colocadas. - Reforço da escotilha - Reforço da enora, etc.

49 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS CALÇOS: Chapas que se colocam para encher espaços vazios entre duas chapas ou peças quaisquer.

50 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS COLAR: Pedaço de cantoneira ou de chapa colocado em torno de um ferro perfilado, uma cantoneira ou tubo que atravessa um chapeamento, a fim de tornar estanque a junta, ou cobrir a abertura.

51 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval REFORÇOS LOCAIS CANTONEIRA DE CONTORNO: Cantoneira disposta em torno de um tubo, túnel, escotilha, antepara estanque, etc., com o fim de manter esta estanqueidade.

52 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO Conjunto de chapas que compõe um revestimento ou um subdivisão qualquer do casco dos navios metálicos. CHAPEAMENTO EXTERIOR DO CASCO: Sua função principal é constituir um revestimento externo impermeável à água. Também é uma parte importante da estrutura, contribuindo para a resistência aos esforços longitudinais.

53 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO

54 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO CHAPEAMENTO DO CONVÉS E DAS COBERTAS: Dividem o espaço interior do casco em certo número de pavimentos. Contribuem para a estrutura resistente do navio no sentido longitudinal.

55 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO CHAPEAMENTO INTERIOR DO FUNDO: Constitui o teto do duplo-fundo. É um revestimento estanque. Contribui para a resistência longitudinal do navio.

56 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO ANTEPARAS: São as separações verticais que subdividem em compartimentos o espaço interno do casco, em cada pavimento. As anteparas concorrem também para manter a forma e aumentar a resistência do casco.

57 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO ANTEPARA DE COLISÃO AV: É a primeira antepara transversal estanque, a contar de vante. É destinada a limitar a entrada de água em caso de abalroamento de proa. ANTEPARA TRANSVERSAL: Antepara contida num plano transversal do casco. ANTEPARA FRONTAL: Antepara transversal que limita a parte de ré do castelo, a parte de vante do tombadilho, ou a parte extrema de uma superestrutura.

58 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO ANTEPARA DIAMETRAL: Antepara situada no plano diametral (plano vertical longitudinal que passa pela quilha. ANTEPARA LONGITUDINAL OU ANTEPARA LATERAL: Antepara dirigida num plano vertical longitudinal que não seja o plano diametral. ANTEPARA PARCIAL: Antepara que se estende apenas em uma parte de um compartimento ou tanque.

59 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval CHAPEAMENTO ANTEPARA DA BUCHA: Antepara AR onde fica situada a bucha interna do eixo da hélice.

60 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval GLOSSÁRIO NAVAL EM INGLÊS

61 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval GLOSSÁRIO NAVAL EM INGLÊS

62 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval GLOSSÁRIO NAVAL EM INGLÊS

63 Introdução Objetivos Desenvolv. Conclusões Bibliografia Introdução à Nomenclatura Naval GLOSSÁRIO NAVAL EM INGLÊS


Carregar ppt "Introdução à Nomenclatura Naval Apresentação I do Projeto UFRGS-GUARITA-FINEP Desenvolvido por: Letícia Fleck Fadel Miguel Revisado por: Juan Pablo Quintas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google