A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministério da Ciência e Tecnologia A inovação tecnológica em tempos de crise Luiz Antonio Elias Secretário Executivo Curitiba, 2 de abril de 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministério da Ciência e Tecnologia A inovação tecnológica em tempos de crise Luiz Antonio Elias Secretário Executivo Curitiba, 2 de abril de 2009."— Transcrição da apresentação:

1 Ministério da Ciência e Tecnologia A inovação tecnológica em tempos de crise Luiz Antonio Elias Secretário Executivo Curitiba, 2 de abril de 2009

2 Humpty-Dumpty sentou no muro, Humpty-Dumpty sofreu uma grande queda; Nem todos os cavalos do rei e nem todos os homens do rei Conseguem juntar Humpty-Dumpty de novo. Pai! Sim, filho! Você ia ler Humpty-Dumpty para mim! É, eu ia... Mas você ficou lendo um relatório sobre o estado da economia global... Mesma coisa, filho, mesma coisa... OECD Observer, dez 2008/jan 2009

3 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Em resposta à atual crise mundial, a maioria dos governos tem tomado medidas de curto prazo para: socorrer os bancos e aumentar a liquidez diminuição da carga tributária - indústria apoiar setores industriais específicos (principalmente o automobilístico e o da construção civil incentivar o consumo doméstico e reduzir a exposição da população à crise Os pacotes econômicos dos países da OCDE para enfrentamento da crise, para 2009 e 2010, variam de US$ 500 milhões a US$ 790 bilhões (0,3% a 8% do PIB) em um total de US$ 1,5 trilhão e, dos países não membros da OCDE, o que investirá mais é a China, com US$ 580 bilhões (13% PIB)

4 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional As medidas de curto prazo, entretanto, somente levarão a uma recuperação sustentável se forem acompanhadas de medidas complementares que propiciem uma base sólida para fatores de crescimento a longo prazo. Respostas a questionário, aplicado pelo Comitê de Política Científica e Tecnológica (CSTP) em janeiro de 2009 e respondido por 21 países da OCDE, mostram que as políticas voltadas à restauração das condições favoráveis à inovação e ao crescimento de longo prazo se dividem em: melhoria da infraestrutura (incluindo rodovias, transporte de massa e TI) apoio a P&D e à inovação investimento em recursos humanos, educação e treinamento promoção da adoção de e investimento em tecnologias verdes e de inovação para melhoria da eficiência energética e para o desenvolvimento sustentável apoio à inovação e ao empreendedorismo (incluindo apoio à inovação e investimento e micro, pequenas e médias empresas, venture capital etc.)

5 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Investimentos em inovação vão sofrer com a crise pois dados demonstram que há forte correlação entre PIB, atividade de P&D na indústria, número de patentes registradas na Europa e de marcas registradas nos EUA

6 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Efeitos iniciais da crise nos gastos relacionados à inovação: queda acentuada no investimento de venture capital nos EUA, iniciando no 4º trimestre de 2008 queda acentuada nos gastos de P&D de grandes empresas públicas relatados no 4º trimestre de 2008 anúncio de redução de gastos em P&D de algumas empresas grandes para 2009 orçamentos governamentais estão sob pressão... P&D permanecerá como prioridade? fonte: OCDE

7 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Aporte financeiro (% PIB) de medidas selecionadas de pacotes de enfrentamento da crise econômica mundial (dados provisórios 01/2009) infraestrutura P&D educação tecnologias verdes

8 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Portanto, uma política de inovação continua a ser muito importante no atual momento: promoção da colaboração e do intercâmbio de conhecimento (empresas e seus parceiros/fornecedores/clientes e universidades) fortalecimento das plataformas para a atividade inovadora (TICs, apoio governamental à pesquisa básica) conexão com o sistema global e aproveitamento das forças locais preparação dos cidadãos para participação na economia da inovação (habilidades para gerenciar, liderar, comercializar, empreender, comandar um negócio, colaborar e trabalhar em equipe) promoção do empreendedorismo facilitação da cooperação internacional e da transferência de tecnologia aumento da eficiência das políticas promoção da inovação no setor público criação e manutenção das condições e ambiente para a inovação boa governança e forte liderança

9 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Algumas oportunidades : promoção da destruição criadora (criação de novos negócios e realocação de recursos destinados a atividades em declínio, facilitação de mudanças estruturais) inovação na educação (novos setores, novas modalidades de organização do trabalho, novas habilidades, formação dos cientistas e empreendedores do futuro) políticas de inovação verde, como parte dos requisitos de pacotes anticrise É importante continuar inovando...

10 PACTI : principais resultados 10 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional IV. C,T&I para o Desenvolvimento Social Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação II. Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Leis de inovação estaduais, Lei do Bem: incentivos fiscais, Lei de Inovação: subvenção econômica para P, D e I Operações de crédito da FINEP, projetos cooperativos SIBRATEC I. Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Articulação com os estados, cooperação internacional Bolsas CNPq e CAPES, Institutos Nacionais, Pronex, Proinfra, RNP III. P,D&I em Áreas Estratégicas Biotecnologia, Nanotecnologia Tecnologias da Informação e de Comunicação, Biodiversidade e Recursos Naturais, Amazônia Meteorologia e Mudanças Climáticas Programa Nuclear, Defesa

11 PACTI : principais resultados 11 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional I. Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Articulação com os estados, cooperação internacional Bolsas CNPq e CAPES, Institutos Nacionais, Pronex, Proinfra, RNP 1. Consolidação Institucional do Sistema Nacional de C,T&I 2. Formação de Recursos Humanos para C,T&I 3. Infra-estrutura e Fomento da Pesquisa Científica e Tecnológica

12 % pesquisadores Percentual de distribuição dos pesquisadores, em equivalência de tempo integral, por setor institucional, 2005 fonte: Main Science and Technology Indicators - OECD /1 e para o Brasil, MCT universidades setor empresarial governo Nota (1) 2004 Os pesquisadores brasileiros se encontram, na maioria, nas instituições de ensino superior

13 Percentual de distribuição dos pesquisadores, em equivalência de tempo integral, por setor institucional fonte: MCT Os pesquisadores brasileiros se encontram, na maioria, nas instituições de ensino superior, mas a proporção vem se alterando... Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional

14 14 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 1.Consolidação Institucional do Sistema Nacional de C,T&I Empresas Universidades Institutos Tecnológicos Centros de P&D $ $ $ Maior Interlocução MCT Governo Federal Secretarias p/ C,T&I e FAP Governo Estadual MCT CONFAP CNPq CONSECTI FINEP Comitê Executivo

15 MCT CONFAP CNPq CONSECTI FINEP Comitê Executivo Comitê Executivo CONSECTI-CONFAP Criado com o objetivo de fortalecer e integrar a política de CTI com as ações e políticas locais dos Estados Portaria MCT nº 731 de , decorrente de termo de cooperação firmado entre MCT, CONSECTI e CONFAP em dezembro de 2006 Avanços instituído o Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas e aos Parques Tecnológicos (PNI), pela Portaria nº 139, de , e estabelecido Comitê Consultivo (definição de metas e cronograma com participação do CONSECTI); renovados Acordos de Cooperação Técnica com 27 unidades da federação, por meio de suas secretarias para assuntos de C,T&I; LOA 2009: recursos de R$ 1,1 milhão (a serem ampliados pelas FAPs e emendas parlamentares – RR, AC, CO, PE) alocados para apoio à criação e desenvolvimento de museus; indicadores de CTI: apoio do MCT ao projeto SIFAPs e inserção nas metas institucionais de 2009 o estabelecimento de plataforma de coleta de dados sobre investimentos de CTI nos estados; Conferência Nacional de C,T&I 2010 contará com intensa participação dos estados. Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional

16 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional detalhados mais adiante PAPPE/Subvenção – Editais locais pelas FAPs e outras entidades Editais estaduais para seleção de projetos de empresas em APLs (Arranjos Produtivos Locais) com recursos do FNDCT e dos parceiros Prime – Programa Primeira Empresa Inovadora Apoio a empresas nascentes inovadoras via 18 incubadoras-âncora, responsáveis pela seleção dos empreendimentos nos estados e repasse direto da verba estatal INCT – Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Apoio a atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação por meio de organização em rede de grupos de P&D SIBRATEC – Sistema Brasileiro de Tecnologia Instrumento de apoio tecnológico para o desenvolvimento industrial: promoção de atividades de P,D%I de processos e produtos, de serviços tecnológicos e de extensão tecnológica PRONEX – Programa de Apoio a Núcleos de Excelência Programa em parceria com estados para apoio a núcleos de pesquisa, sediados nesses estados e formados por grupos de reconhecida excelência Forte articulação com os Estados resultou em parceria para vários programas

17 fonte: Capes/MEC Mestres e doutores titulados anualmente 9,9 mil doutores formados em ,9 mil mestres formados em 2007 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 17

18 O número de publicações aumentou 103% entre 2000 e 2007 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Artigos científicos do Brasil, indexados no ISI (Institute for Scientific Information) número de artigos % em relação à produção mundial O Brasil responde, atualmente, por 2% da produção científica mundial 18

19 bolsas-ano implementadas Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Meta 2010 para bolsas: CNPq e CAPES em – 2010: previsão Formação, capacitação e fixação de recursos humanos Número de bolsas de todas as modalidades

20 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 2.Formação, capacitação e fixação de recursos humanos 20 Recursos investidos em bolsas (R$ milhões) proposta de recomposição do orçamento do CNPq para bolsas

21 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 21 Recursos (R$ milhões) investidos em bolsas de pós-graduação no país e no exterior (mestrado e doutorado plenos e sanduíche e pós-doutorado) R$ milhões CNPqCAPES 2. Formação, capacitação e fixação de recursos humanos

22 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 2. Formação, capacitação e fixação de recursos humanos 22 Número de bolsas-ano de pós-graduação no país e no exterior (mestrado e doutorado plenos e sanduíche e pós-doutorado) CNPqCAPES

23 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 23 Aperfeiçoamento e ampliação do fomento à pesquisa científica e tecnológica INCT – Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Apoio a atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação por meio de organização em rede de grupos de P&D Pronex – Programa de Apoio a Núcleos de Excelência Apoio a núcleos de pesquisa, sediados nos estados parceiros e formados por grupos de pesquisa de reconhecida excelência, mediante o suporte financeiro à execução de projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação Edital Universal, Jovens Pesquisadores, Primeiros Projetos Apoio à demanda espontânea de pesquisadores e à fixação de recursos humanos em atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação Novos Campi Apoio a projetos de implantação de infraestrutura de pesquisa nas novas universidades federais e campi fora da sede das universidades federais Proinfra – Programa de Apoio a Infraestrutura de Pesquisa Apoio a projetos institucionais de implantação de infraestrutura de pesquisa RNP – Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Programa de internet avançada para educação e pesquisa 3. Infra-estrutura e Fomento da Pesquisa Cient í fica e Tecnol ó gica

24 Sistema de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Instrumentos de Financiamento Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Redes de Pesquisa Institutos Nacionais de C&T Incentivos Fiscais SIBRATEC Empresas Universidades e Centros de P&D ExtensionismoInovação Serviços Tecnológicos $ $ $ $ $ $ Crédito $ Subvenção Econômica $ $ Compras Governamentais $ Proinfra Editais para Projetos $ 24

25 Sistema Nacional de CT&I - Executores Entidades Assoc. Redes Núcleos de P,D&I Universidades Redes Temáticas Grupos de Pesquisa Institutos Nacionais de C&T Agências de Fomento FINEP CNPq BNDES CAPES MS Petrobras FAPs FINEP CNPq BNDES CAPES MS Petrobras FAPs $ $ $ $ $ Laboratório ou grupo de pesquisas Organização ou Instituição aplicado - estruturado acadêmico - independente Núcleos de Excelência-PRONEX ( Programa c/ Estados ) IPTs SIBRATEC Empresas Instit. Fed. de C&T Institutos do MCT 25

26 Editais (recursos em R$ milhões) R$ milhões Jovens Pesquisadores Casadinho Primeiros Projetos Universal - FNDCT Universal - CNPq 10 nº de projetos Edital Universal Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 26 Apoio à pesquisa em todas as áreas do conhecimento

27 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Atividades Pesquisa em temas de fronteira e/ou estratégicos Formação de recursos humanos Transferência de tecnologia Educação e divulgação de ciência Academia Órgãos públicos R$ 2,1 a 7,2 milhões em 3 anos por INCT Financiamento Parceria INCT – Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia 27 Apoio a instituições-âncora de pesquisa científica, tecnológica e de inovação e a suas associadas em rede temática Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Saúde Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério de Minas e Energia Ministério da Educação

28 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 28 INCT – Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia 123 FNDCT R$ 190 milhões FAPs R$ 212 milhões CAPES R$ 30 milhões CNPq R$ 110 milhões MS R$ 19 milhões BNDES R$ 24 milhões Petrobras R$ 21 milhões R$ 606 milhões

29 Áreas do Conhecimento ou de Tecnologia Saúde 39 Agronegócio 9 Engenharias, Física Matemática 14 Biotecnologia/ Nanotecnologia 11 Amazônia 7 TICs 7 Biodiversidade Meio Ambiente 7 Energia 7 Antártica e Mar 3 Nuclear 2 Outras 7 Ciências Sociais 10 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional

30 Instituto Nacional de C&T para Mudanças Climáticas SEDE Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia INPE UNB FIOCRUZ Fundação Universidade Federal do Rio Grande do Sul Ceará Universidade Federal de Viçosa Minas Gerais Espírito Santo Goiás Mato Grosso Pará Paraíba Rio Grande do Norte Santa Catarina Sergipe Acre Mato Grosso do Sul Paraná Universidade Federal de Pernambuco Rondônia CTA USP Diretoria de Hidrografia e Navegação UNICAMP UFRJ Laboratório Nacional de Computação Científica 30 Exemplo

31 Instituto Nacional de C&T de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (CENBAM) SEDE Universidade Federal de Roraima/ UFRR Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) Universidade Federal do Acre/ UFAC Universidade Federal do Mato Grosso/ UFMT, campus Sinop Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá/IEPA Universidade Federal de Rondônia/ UNIR 31 Exemplo

32 CNPq Estados FNDCT Pronex 1996 – 2010 Valores (R$ milhões) Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 32 Pronex – Programa de Apoio a Núcleos de Excelência Programa em parceria com estados para apoio a núcleos de pesquisa, sediados nesses estados e formados por grupos de reconhecida excelência

33 Pronex 2008 Valores em R$ milhões FAPs: 80,88 CNPq: 149,64 Total: 230,52 F 0,54 C 1,62 F 2,0 C 4,0 F 5,0 C 10,0 F 3,5 C 7,0 F 10,0 C 20,0 F 2,0 C 4,0 F 1,0 C 2,0 F 0,3 C 0,9 F 5,0 C 7,5 F 3,0 C 6,0 F 3,5 C 7,0 F 1,5 C 3,0 F 5,0 C 10,0 F 0,5 C 1,5 F 2,0 C 4,0 F 16,0 C 24,0 F 0,8 C 2,4 F 0,24 C 0,74 F 12,0 C 18,0 F 5,0 C 10,0 F 0,5 C 1,5 F 1,5 C 4,5 10,2% 24,1% CO 25,4% 22,1% 18,1% NE SE S N F: FAP C: CNPq Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 33 Pronex – Programa de Apoio a Núcleos de Excelência

34 Total investido pelo CT-Infra em : R$ 728,2 milhões Total para editais em 2008: R$ 420 milhões Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 34 Programas de Apoio à Implantação de Infraestrutura de Pesquisa

35 SE (46%) S (19%) NE (20%) N (6%) CO (9%) 35% Pro-Infra 2007: demanda e resultado Distribuição regional dos recursos aprovados submetidas 158 propostas, 423 sub-projetos aprovadas 138 propostas, 398 sub-projetos R$ 504,9 milhões solicitados R$ 159,5 milhões aprovados Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Proinfra – Programa de Apoio a Infraestrutura de Pesquisa 35

36 36 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional II. Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Leis de inovação estaduais, Lei do Bem: incentivos fiscais, Lei de Inovação: subvenção econômica para P, D e I Operações de crédito da FINEP, projetos cooperativos SIBRATEC 4. Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas 5. Tecnologia para a Inovação nas Empresas 6. Incentivos à Criação e Consolidação de Empresas Intensivas em Tecnologia Meta prioritária II Ampliar a razão entre gastos em P,D&I privado e PIB de 0,51% para 0,65% até 2010, por meio do sistema integrado de financiamento a investimentos em inovação tecnológica e de forte ampliação de recursos para financiamento e para capital de risco

37 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 4. Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas 37 AM lei estadual CE lei estadual MT lei estadual MG lei estadual SP lei estadual SC lei estadual RS minuta de lei PR minuta de lei PA minuta de lei MA minuta de lei PE minuta de lei SE minuta de lei BA lei estadual DF minuta de lei RJ minuta de lei 7 estados já promulgaram 8 estados elaboraram minuta de lei Leis Estaduais de Inovação

38 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 38 Pró-Inova: Programa Nacional de Sensibilização e Mobilização para a Inovação distribuição regional de eventos realizados em 2008 e de número de participantes 159 eventos realizados participantes em todas as unidades da federação S N NE SE CO nº de eventos nº de participantes Região Eventos realizados por: MCT, MBC, ANPEI, ANPROTEC, CNI, IEL, CGEE, ABDI, FINEP e SEBRAE Categorias de eventos: Abordagem Nacional: congressos, conferências e prêmios Recorte Regional: descentralização da ação de mobilização e tratamento de temas específicos da região Objetivos Específicos: eventos de capacitação

39 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas Lei do Bem: incentivos fiscais à inovação 449 empresas beneficiadas em 2006 e 2007 R$ 4,85 bilhões aplicados em P&D em 2007 R$ 0,52 bilhão com investimentos em bens de capital; e R$ 4,33 bilhões com despesas operacionais de custeio. 2006: 130 empresas2007: 319 empresas 290 EmpresasR$ 4,85 Bilhões 0,3% 2,5% 12%

40 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 12,4% saúde 19,8% biotecnologia 20,1% TICs desenvolvimento social 12,8% energia 15,0% temas estratégicos 19,8% Valor do Edital: R$ 450 milhões Demanda: projetos, R$ 14,1 bilhão Resultado: 800 propostas aprovadas, R$ 313,8 milhões Resultado Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Chamada Pública MCT/FINEP 2008 Distribuição percentual de recursos por temas

41 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional SIBRATEC – Sistema Brasileiro de Tecnologia Objetivo – apoiar o desenvolvimento tecnológico da empresa brasileira, por meio da articulação em rede de centros de P&D para atividades de: PD&I de processos e produtos; serviços tecnológicos; e extensão e assistência tecnológica 5. Tecnologia para a Inovação nas Empresas 41 Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Saúde Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério de Minas e Energia Ministério da Educação Secretaria de Assuntos Estratégicos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério das Comunicações Ampla articulação

42 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional SIBRATEC – Sistema Brasileiro de Tecnologia Organizado em 3 tipos de redes: Gerar e transformar conhecimentos científicos e tecnológicos em produtos, processos e protótipos com viabilidade comercial Serviços Tecnológicos Extensão Tecnológica Centros de Inovação Implantar e consolidar serviços de metrologia (calibração, ensaios e análises), normalização e avaliação da conformidade Promover extensão e assistência tecnológicas ao processo de inovação das MPME 42 Objetivo – apoiar o desenvolvimento tecnológico da empresa brasileira, por meio da articulação em rede de centros de P&D para atividades de: PD&I de processos e produtos; serviços tecnológicos; e extensão e assistência tecnológica 5. Tecnologia para a Inovação nas Empresas

43 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 43 SIBRATEC – Sistema Brasileiro de Tecnologia Extensão Tecnológica (8 redes estaduais) TECPAR ; FIEP; SEBRAE/PR; SETI/PR; Fundação Araucária SOCIESC ; SEBRAE/SC; FAPESC SCT ; IEL; CIENTEC; IBTEC; CEFET/Pelotas; PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS IPT ; FIPT; CTI; CEETEPS; FDTE; SD/SP CETEC ; RMI; SEBRAE/MG; IEL/MG; FAPEMIG; SEDE/MG; SECTES/MG INT ; REDETEC; SEBRAE/RJ; FAPERJ IEL ; UESC; CEPED; INT/NE; SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA NUTEC ; FCPC; UESC; UFC; CENTEC; INDI/CE; CEFET/CE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE

44 DF 44 SIBRATEC – Centros de Inovação (8 redes de competências temáticas) Equipamentos e componentes eletrônicos Microeletrônica Visualização (RBV) Tecnologias digitais para informação e comunicação (CTIC: 6 sub-redes temáticas) Manufatura mecânica e bens de capital Energia solar fotovoltaica Equipamentos medico-odontológicos Plástico e borracha Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional

45 S N NE SE 1 CO Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 282 laboratórios em 54 instituições, com 527 participações nas 18 redes temáticas 45 SIBRATEC – Sistema Brasileiro de Tecnologia Serviços Tecnológicos (18 redes temáticas) distribuição regional das participações laboratoriais

46 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 46 SIBRATEC – Sistema Brasileiro de Tecnologia Serviços Tecnológicos (18 redes temáticas) gravimetria, orientação magnética, compatibilidade eletromagnética 16 produtos para a saúde60 insumos farmacêuticos, medicamentos e cosméticos 16 sangue e hemoderivados 9 segurança sanitária e fitossanitária de produtos para alimentação 76 saneamento e abastecimento de água 40 radioproteção e dosimetria 24 equipamentos de proteção individual 15 produtos e dispositivos eletrônicos24 TIC aplicáveis às novas mídias 11 geração, transmissão e distribuição de energia 36 componentes/produtos da área de defesa e de segurança 12 biocombustíveis 27 produtos de manufatura mecânica 49 produtos de setores tradicionais: têxtil, couro, calçados, madeira e móveis 35 instalações prediais e iluminação pública 28 monitoramento ambiental 15 transformados plásticos 34 n - número de participações laboratoriais

47 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional PRIME – Programa Primeira Empresa Inovadora incubadora-âncora 47 Apoio a empresas inovadoras nascentes, por meio de incubadoras-âncora, responsáveis pela seleção dos empreendimentos e repasse dos recursos. Objetivo do PRIME Apoiar a estruturação de planos de negócio e o desenvolvimento de novos produtos e serviços de empresas nascentes (até 2 anos de vida). 17 editais regionais lançados em 05/03/ empresas serão selecionadas para receber R$ 120 mil cada na forma de subvenção econômica 6. Incentivos à Empresas Intensivas em Tecnologia Programa em parceria com entidades locais

48 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Evolução do orçamento de custeio e capital do MCT, por instrumento (R$ bilhões) proposta de recomposição do orçamento LOA + Crédito Previsão PPA (*) não inclui recursos sob a supervisão do FNDCT Outras Ações do MCT Institutos do MCT Programa Nuclear Programa Espacial CNPq FNDCT (*) 48

49 Macrometas Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 1,5 % do PIB em P&D (1,02% em 2006) Investimento em P&D 0,64% governo federal 0,21% governos estaduais Formação de recursos humanos Bolsas: CNPq e CAPES (2006: CNPq e CAPES) 49

50 Macrometas Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Popularização da ciência e tecnologias sociais Inovação nas empresas 0,65 % PIB – investimentos em P&D pelo setor privado (0,51% em 2006) 4. C,T&I para o Desenvolvimento Social OBMEP: 21 milhões de alunos e bolsas 400 Centros Vocacionais Tecnológicos 600 novos telecentros 50

51 Brasil estimativa 1,5 % do PIB em P&D em Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Dispêndio nacional em P&D como razão do PIB (%)

52 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Dispêndio nacional em P&D como razão do PIB (%) 0,64% PIB e 0,21% PIB dos governos federal e estaduais em Brasil

53 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Dispêndio nacional em P&D em R$ milhões 53 federal estadual 22 % 38 % 0,64% PIB e 0,21% PIB dos governos federal e estaduais em 2010

54 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 0,65 % PIB em P&D pelo setor privado Dispêndio nacional em P&D como razão do PIB (%) estimativa 54 Brasil amostra de empresas aumentou devido à inclusão do setor de serviços na PINTEC

55 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional 0,65 % PIB em P&D pelo setor privado Dispêndio nacional em P&D em R$ milhões público empresarial 27% 14% estimativa 55 amostra de empresas aumentou devido à inclusão do setor de serviços na PINTEC

56 2009 é o ano chinês do touro, um símbolo de paciência e trabalho duro, além de inspirador de confiança nos outros. A crise pode ter desequilibrado o mundo mas, como o touro, não sairemos do caminho. Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional

57 Ministério da Ciência e Tecnologia Obrigado ! Luiz Antonio Elias


Carregar ppt "Ministério da Ciência e Tecnologia A inovação tecnológica em tempos de crise Luiz Antonio Elias Secretário Executivo Curitiba, 2 de abril de 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google