A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 CET-PR Estado do Paraná Secretaria de Estado da Saúde do Paraná – SESA Superintendência de Gestão de Sistemas de Saúde – SGS Central Estadual de Transplantes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 CET-PR Estado do Paraná Secretaria de Estado da Saúde do Paraná – SESA Superintendência de Gestão de Sistemas de Saúde – SGS Central Estadual de Transplantes."— Transcrição da apresentação:

1 1 CET-PR Estado do Paraná Secretaria de Estado da Saúde do Paraná – SESA Superintendência de Gestão de Sistemas de Saúde – SGS Central Estadual de Transplantes do Paraná – CET-PR Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes

2 CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES Curitiba (41) Londrina (43) Maringá (44) Cascavel (45)

3 33 Histórico dos 1ºs Transplantes no Paraná Na década de 50 já se realizavam transplantes em nosso Estado Córnea- H.O/Ctba Córnea- H.O/Ctba Rim(DV)/ Ldna Rim(DV)/ Ldna Medula Óssea-HC/UFPR Medula Óssea-HC/UFPR Coração-HE/Ctba Coração-HE/Ctba Fígado-HC/UFPR Fígado-HC/UFPR Rim/Pan-H.Ang.Caron Rim/Pan-H.Ang.Caron

4 4 Objetivos Objetivos Assegurar a justiça na distribuição de órgãos e tecidos; Assegurar a justiça na distribuição de órgãos e tecidos; Regulamentar e incentivar a procura e a distribuição de órgãos e tecidos para transplantes no Paraná; Regulamentar e incentivar a procura e a distribuição de órgãos e tecidos para transplantes no Paraná; Gerenciar as atividades de transplantes no Estado. Gerenciar as atividades de transplantes no Estado.

5 5 Politica Estadual de Transplantes Esta fundamentada na Legislação (Lei nº 9.434/1997 e Lei nº /2001) Tendo como diretrizes: a gratuidade da doação; incentivo a procura e a distribuição de órgãos e tecidos para fins de transplantes; assegurar a justiça na distribuição de órgãos e tecidos.

6 6 Quem pode assinar o termo de doação Lei /01 Ate 2º grau, Conjuge, ou Tutor, Com duas testemunhas

7 Da morte para vida Da morte para vida - Medico da UTI identifica um potencial doador - Realizar 1º exame clínico e teste de apnéia - Comunica a CIDOTT que notifica a CET - Colhe sangue para tipagem HLA e testes sorológicos - Determina a ME através de exames complementares (doppler,arterio,eletro) - Preenchero Termo de Determinação ME - A CIHDOTT, contata familiares e solicita doação. - Se for autorizada, preenche o termo de autorização - Seleciona receptor - Comunica a equipe de transplante - Iniciar a retirada

8 8 Órgãos e Tecidos que podem ser doados e tempos máximos pós retirada Órgão / Tecido Parada cardiaca Preservação Córneas Córneas 6 horas pós 6 horas pós 7 dias 7 dias Coração e Coração e Pulmões Pulmões Antes Antes 4 horas 4 horas Rins Rins Antes Antes Até 36 horas Até 36 horas Fígado e Fígado e Pâncreas Pâncreas Antes Antes 12 a 24 horas 12 a 24 horas Ossos e valvas 6 horas pós 6 horas pós Até 5 anos Até 5 anos

9 9 Critérios gerais de distribuição Idade; Idade; ABO para órgãos; ABO para órgãos; Data de inscrição. Data de inscrição.

10 10 Critérios específicos de distribuição ÓrgãoCritériosUrgência Rim/pânCrossmath neg. RimComp.HLA Crossmath neg. Falta de acesso vascular CoraçãopesoRetransplante em 48 h, necessidade de UTI e medicação vasopressora FígadopesoRetransplante agudo e hepatite fulminante CórneasFalência do enxerto, perfuração, úlcera sem resposta ao tratamento, menor de 7 anos com opacidade corneana bilateral.

11 11 SERVIÇOS autorizados Estabelecimentos - Córnea: 26 - Tecidos Ósseos: 19 - Rim: 15 - Fígado: 06 - Coração: 06 - Medula Óssea: 06 - Rim/Pâncreas: 03 - Pele: 02 - Bancos de Tecidos: - Ósseos: 01 - Valvas: 01 - Córneas: 06

12 possíveis doadores : (70 pmp) potenciais doadores : (38 pmp) doadores efetivos : (9,9 pmp) não identificação: 47% notificação: 53% % dos possíveis doadores 22% dos potenciais doadores parada cardíaca: 24% não autorização familiar: 22% contra-indicação médica: 14% outras causas: 18% óbitos no ano:

13 Médicos de Unidades de Críticos Coordenador de Transplante

14 local UTI Emergência Sala de recuperação Unidade coronariana Onde procurar ?... nas unidades onde tenham Ventilador Mecânico

15 visita diária do coordenador à UTI e à emergência(mais eficaz) Forma de detecção de potenciais doadores

16 Fluxograma para Identificação de Pacientes em Provável Morte Encefálica (ME) Equipe UTI – CIHDOTT) Paciente com Diagnóstico de: Traumatismo Crânio Encefálico(TCE), Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVC H), Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVC I), Tumor Cerebral, Meningite e outras causas conhecidas. Sem sedação e glasgow de 3 Com sedaçãoInicia-se imediatamente a abertura do Protocolo para ME Após 12horas de suspensão de sedação exceto em uso de fenobarbital e tiopental (24 horas). Apresentando glasgow de 3 Comunica o coordenador da CIHDOTT e abre o protocolo para ME Sorologia reagente para critérios absolutos de exclusão a CIHDOTT fica responsável de comunicar a família e a CCIH para preenchimento da ficha notificação compulsória Sorologia reagente ou não dá-se continuidade ao processo se houver doação. Para sorologia reagente o processo continua para órgãos expandidos (ex. hepatite) O médico deve comunicar a família do diagnóstico Fica sob a Responsabilidade da Equipe da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) verificar pré-requisitos obrigatórios para abrir protocolo: 1.Paciente com identificação (ex RG, CPF....) 2.Causa neurológica diagnosticada com exame complementar, diagnóstico da causa base (ex: tomografia) 3.Não apresentar distúrbios hidroeletroliticos, se apresentar corrigir antes de iniciar o protocolo(ex:Glicemia < 250mg/dl,Na entre 135 a 150mmol/L,pH > 7,20) 4..Não apresentar hipotermia (T 32°C) Inicia a abertura do protocolo: 1)Realiza o 1° exame clínico e teste de apnéia Continua...

17 Fluxograma da CIHDOTT`s após Diagnóstico de Morte Encefálica (ME) Preenche o Termo de Autorização para Remoção de Órgãos e Tecidos juntamente com o familiar responsável (pai,mãe, filhos,irmãos e conjuge e duas testemunhas) em caso de menor de idade é necessário à autorização de ambos os pais. O médico desliga drogas e a ventilação mecânica, preenche a Documentação de Óbito, após PCR encaminha o corpo para o morgue. Doação SIMDoação NÃO Realizar a abordagem familiar pela equipe intra-hospitalar (CIHDOTT`s, serviço social, psicologia, enfermagem, entre outros). Comunicado a família (notícia dada pelo médico) Envia a CET via fax a documentação: RG e CPF do doador, do responsável pela doação, das testemunhas e do Termo de Autorização para Remoção de Órgãos e Tecidos Inicia o procedimento pela captação do coração (quando houver) Fígado/ Pâncreas e Rins e/ou valvas cardíacas Globo Ocular e Córneas Ossos Liberar corpo para os familiares e IML

18 Fluxograma para Identificação de Pacientes em Provável Morte Encefálica (ME) Equipe UTI – (CIHDOTT) 6 A 8 Hs. OBS: Para notificação é necessário os resultados dos exames laboratoriais do dia: CPK,CKMB,TGO/AST,TGP/ALT,Amilase, Fosfatase Alcalina, Glicemia, Uréia, Sódio, Creatinina, Potássio, Cálcio,Bilirrubinas totais e frações, gama GT, Hemograma completo, plaquetas, grupo ABO, Gasometria Arterial. 5.Não tem hipotermia? T 32°C Pré-requisitos ok 1)Realizar o 1° exame clínico e teste de apnéia 2)Realizar exame complementar disponível no hospital (ex Doppler transcraniano, Angiografia Cerebral, Eletroencefalograma...) 3)Realizar o 2° exame clinico após 6hs do primeiro 4) Fechar o protocolo....continuação O Médico deve comunicar a família do diagnóstico.

19 Protocolo de morte encefálica

20 20 Doação de órgãos deve ser discutida em vida AVISE A SUA FAMÍLIA SOBRE A SUA DECISÃO!

21 Fim... Ou Melhor... Recomeço... OBRIGADA por DOAR o seu TEMPO !


Carregar ppt "1 CET-PR Estado do Paraná Secretaria de Estado da Saúde do Paraná – SESA Superintendência de Gestão de Sistemas de Saúde – SGS Central Estadual de Transplantes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google