A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

29 de Fevereiro de 2011. Introdução Possibilidade de agrupamento dos sistemas jurídicos em função das suas características comuns. Famílias de direitos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "29 de Fevereiro de 2011. Introdução Possibilidade de agrupamento dos sistemas jurídicos em função das suas características comuns. Famílias de direitos."— Transcrição da apresentação:

1 29 de Fevereiro de 2011

2 Introdução Possibilidade de agrupamento dos sistemas jurídicos em função das suas características comuns. Famílias de direitos. Funções: pedagógicas; indicações úteis para a abordagem aos sistemas.

3 Primeiras classificações Classificação em função da influência do direito romano. Critérios genéticos: raça / evolução histórica.

4 Classificações mais recentes Segunda Guerra Mundial como marco importante. Compreensão entre os povos. Evitar novas guerras.

5 René David – 1950 Ponto de vista ideológico e ponto de vista técnico Sistemas ocidentais; Sistemas socialistas; Sistemas de direito islâmico; Sistemas de direito hindu; Sistemas de direito chinês.

6 Inocêncio Galvão Telles (1999) Duplo critério: ideológico e técnico. Sistema romanista; Sistema anglo-americano; Sistema muçulmano; Sistema hindu; Sistema chinês.

7 Oliveira Ascensão (1997) Distingue entre direitos primitivos e direitos civilizados. Dentro destes: Sistema ocidental Subsistema romanístico; Subsistema anglo-americano; Direitos dos países da África subsaariana. Sistema socialista (soviético, chinês) Sistema muçulmano

8 Arminjon, Nolde e Wolff – 1950 Critério da substância Família francesa; Família germânica; Família escandinava; Família inglesa; Família de direitos islâmicos; Família do direito hindu; Família russo-soviética.

9 René David – 1964 Abandono do ponto de vista ideológico. Postura pragmática – Critério dos elementos variáveis e constantes do direito. Família romano-germânica; Família anglo-americana; Família dos direitos socialistas; Grupo de outros sistemas: direitos muçulmano, hindu e judaico, a par de outros em que o papel do direito é desvalorizado.

10 Zweigert e Kötz – 1971 Teoria do estilo (tal como na arquitectura). Factores que definem o estilo de um sistema jurídico. Origem e desenvolvimento histórico; Modo predominante e característico de pensar o direito; Instituições especialmente distintivas; Fontes de direito; Ideologia.

11 Zweigert e Kötz – 1971 Famílias Direitos romanistas; Direitos germânicos; Direitos nórdicos; Direitos dos países de common law; Direitos da família socialista (desaparece em edições mais recentes) Direitos asiáticos; Direito islâmico; Direito hindu.

12 Críticas a Zweigert e Kötz Constantinesco critica a teoria destes autores: Limita-se ao direito privado; Sobrevalorização do elemento histórico; Autonomia dos direitos nórdicos; Alterações no que respeita às instituições especialmente distintivas (direitos romanísticos: filiação ilegítima; direitos socialistas: contrato planificado)

13 Constantinesco Dificuldades da macrocomparação Impossibilidade da comparação de todos os elementos; Necessidade de englobar todos os sistemas jurídicos. Elementos determinantes: Concepção e tipo do direito; Ideologia e o seu papel; Constituição económica e organização social; Liberdades e direitos fundamentais; Fontes de direito; Posição e papel dos juízes; Interpretação e modo de pensar.

14 Michael Bogdan – 1994 Integração de ordenamentos jurídicos em famílias serve essencialmente para efeitos pedagógicos. Rápida panorâmica da diversidade de sistemas jurídicos.

15 Rodolfo Sacco e Antonio Gambaro Crítica do eurocentrismo das classificações anteriores. Pluralismo jurídico: coexistência da influência europeia e dos modelos tradicionais numa mesma sociedade. Distinção: Direito condicionado pelo pensamento religioso; Direito condicionado pelo poder de um partido político; Direito evolui de forma autónoma, submetendo governados e governantes.

16 Tendências recentes Crítica das classificações dos sistemas jurídicos em famílias Multiplicidade de normas aplicáveis em cada ordenamento jurídico. Falta de neutralidade política

17 Ugo Mattei – 1997 Normas que afectam o comportamento dos indivíduos provêm de três fontes: política, direito e religião (ou tradição filosófica). Três modelos jurídicos: Direitos profissionais (direitos ocidentais) Direitos políticos (antigos Estados socialistas da Europa e Estados menos desenvolvidos da África e da América Central e do Sul) Direitos tradicionais (países islâmicos, de Direito hindu e outras concepções de direito asiáticas ou confucianas).

18 Husa Distinção entre esferas culturais: Esfera cultural ocidental; Esfera cultural não-ocidental; Híbrida. Qualidades neutrais de fortalecimento e enfraquecimento em cada esfera cultural.

19 Rui Pinto Duarte Dificuldades e limites das classificações: Impossibilidade de abranger todos os sistemas jurídicos (perda de interesse) Não abranger todas as áreas do Direito. Diferença na família entre diferentes áreas do Direito (exemplo: Direito privado e Direito Constitucional). Agrupamento deve ser o resultado da aplicação da grelha comparativa. Dentro do chamado mundo ocidental deve considerar-se apenas duas famílias: romano-germânica e de common law.

20 Carlos Ferreira de Almeida Síntese dos critérios que têm sido propostos: Critérios simples Genéticos – baseados em preconceitos ou de limitada aplicação; Tipológicos (critério da civilização) – dependente da aceitação da dicotomia entre civilizado e primitivo. Critérios complexos Cumulativos (exemplo: ideologia e técnica); Estruturais – semelhança entre elementos característicos: Elementos determinantes (Constantinesco) Estilo (Zweigert)

21 Dário Moura Vicente Síntese dos critérios que têm sido propostos: Características técnico-jurídicas Filição cultural e ideológica Combinação dos critérios referidos – critério compósito Família jurídica: um conjunto de sistemas jurídicos dotados de afinidade técnico-jurídica, ideológica e cultural, representativo de determinado conceito de direito

22 Critério adoptado O mesmo que é usado no método macrocomparativo, integrando os elementos componentes da grelha comparativa: Elementos internos Elementos externos Elementos históricos

23 Elementos internos Concepção do direito; Estrutura das regras jurídicas; Instituições constitucionais; Fontes de direito; Organização judiciária; Profissões jurídicas; Formação dos juristas.

24 Elementos externos Relação entre o direito e a religião; Valores fundamentais; Organização económica e social; Elementos culturais.

25 Grandes famílias jurídicas Atitude relativista e humilde face ao escasso conhecimento de ordens jurídicas mais longínquas. O critério complexo de classificação adoptado só pode ser aplicado, com realismo e rigor, aos direitos europeus e àqueles que mais profundamente receberam a sua influência (Carlos Ferreira de Almeida) Duas famílias dentro dos direitos de raiz europeia Família romano-germânica; Família de common law.

26 Família jurídica romano-germânica Sistemas jurídicos de matriz francesa Sistemas jurídicos de matriz germânica Sistemas dos países nórdicos ou escandinavos Direito português

27 Sistemas jurídicos híbridos Escócia – recepção do direito romano / união política com a Inglaterra. Luisiana (EUA) e Québec (Canadá) – colonização francesa / influência posterior dos Estados federados. África do Sul – influência do direito romano / common law. Israel – common law / influência romano-germânica após a criação do Estado (1948) / Direito judaico (casamento e divórcio)

28 Famílias e sistemas seleccionados Família de direitos romano-germânicos: Direito francês Direito alemão Direito português Família de direitos de common law: Direito inglês Direito norte-americano Família de direitos islâmicos


Carregar ppt "29 de Fevereiro de 2011. Introdução Possibilidade de agrupamento dos sistemas jurídicos em função das suas características comuns. Famílias de direitos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google