A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PEDOLOGIA II Luiza Barreira Profa. Ma. em Geografia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PEDOLOGIA II Luiza Barreira Profa. Ma. em Geografia."— Transcrição da apresentação:

1 PEDOLOGIA II Luiza Barreira Profa. Ma. em Geografia

2

3 Base para classificação dos solos Os principais tipos de solos brasileiros em relação à extensão geográfica e importância socioeconômica. Para classificar um solo primeiramente é necessário definir o horizonte diagnóstico em relação ao perfil daquele solo. Esse horizonte deve representar um equilíbrio entre os fatores de formação do solo e suas características específicas irão definir a qualidade e o tipo de solo. Na maioria dos casos, o horizonte B é utilizado como diagnóstico que irá definir o tipo de solo (em alguns poucos casos o horizonte C é usado). Isso se deve ao fato de: o intermediário o ter muito do material original, mas que já foi modificado por fatores do intemperismo. o Descarta-se o horizonte A, pois nesse ambiente já houve excessiva interferência do homem o horizonte C (embora em alguns casos seja usado) pela dificuldade do acesso e pelo fato de ser muito influenciado pelo material de origem (parental), dessa forma não representa a influencia de fatores como o clima.

4 Levantamento dos solos (três etapas) - mapeamento pré-campo (analisar mapas e informações já existentes sobre o local alvo) - mapeamento de campo (análise de perfis de solo, coleta de amostras) - análises de laboratório (determinar as propriedades físicas, químicas e mineralógicas dos solos, determinar as propriedades mecânicas se preciso, etc) Os mapas produzidos depois de uma análise dos solos podem ser classificados em: Naturais ou Técnicos. Sendo o primeiro uma etapa preliminar para o segundo. Na classificação natural será enfatizado os tipos de solos semelhantes (as classes de solo). Já no técnico será produzido em relação a característica técnica que se quer atingir (ex: susceptibilidade de erosão, capacidade de uso da terra, disponibilidade hídrica, etc) Obs: em ambos os casos o maior e menor detalhamento depende da escala utilizada.

5 Classificação dos principais solos encontrados no Brasil A classificação dos solos pode ser feita segundo diferentes critérios (genéticos, morfológicos ou morfogenéticos). varia de país para país (diferentes classificações pedológicas) O Brasil situa-se quase inteiramente no domínio tropical úmido (exceto a região Sul e o Nordeste semi-árido). Esta situação, aliada a estabilidade estrutural de seu embasamento, que desde o final do Cretáceo não sofreu movimentações de grande porte, leva a predominância de uma cobertura pedológica que reflete, de maneira acentuada, o fator climático como preponderante na sua formação. Nessa escala de análise, rocha original e condições topográficas locais tem importância secundária.

6 Os solos brasileiros são bem estudados, existindo um serviço cartográfico da EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) que vem realizando, desde a década de 1960, levantamentos cartográficos sistemáticos do território brasileiro. Esses trabalhos permitiram o desenvolvimento de uma classificação própria, publicada em 1999, subdividindo os solos em classes, com seis diferentes níveis hierárquicos. O primeiro nível comporta 14 classes e nós iremos enfatizar os mais predominantes em relação à extensão territorial. As três classes mais freqüentes em relação a representação geográfica no Brasil são: o latossolo, o argissolo e o cambissolo.

7 A classificação dos solos do sistema brasileiro, até o presente, contempla os níveis de ordem, sub ordem, grande grupo e sub grupo.

8 - Os latossolos (solo bem evoluído, laterizado, rico em argilominerais e oxi-hidróxidos de ferro e alumínio) - Os Argissolos (solo bem evoluído, argiloso, apresentando mobilização de argila da parte mais superficial) - Os Cambissolos (solo pouco desenvolvido, com horizonte B incipiente)

9 Latossolos (síntese) São formados pelo processo denominado latolização que consiste basicamente na remoção da sílica e das bases do perfil (Ca2+, Mg2+, K+ etc), após transformação dos minerais primários constituintes. Os latossolos apresentam tendência a formar crostas superficiais, possivelmente, devido à floculação das argilas que passam a comportar-se funcionalmente como silte e areia fina. A fração silte desempenha papel importante no encrostamento, o que pode ser evitado, mantendo-se o terreno com cobertura vegetal a maior parte do tempo, em especial, em áreas com pastagens. Essas pastagens, quando manejadas de maneira inadequada, como: uso de fogo, pisoteio excessivo de animais, deixam o solo exposto e sujeito ao ressecamento.

10 Os latossolos são passíveis de utilização com culturas anuais, perenes, pastagens e reflorestamento. Normalmente, estão situados em relevo plano a suave-ondulado, com declividade que raramente ultrapassa 7%, o que facilita a mecanização. São profundos, porosos, bem drenados, bem permeáveis mesmo quando muito argilosos, friáveis e de fácil preparo. Apesar do alto potencial para agropecuária, parte de sua área deve ser mantida com reserva para proteção da biodiversidade desses ambientes. Um fator limitante é a baixa fertilidade desses solos. Contudo, com aplicações adequadas de corretivos e fertilizantes, aliadas à época propícia de plantio de cultivares adaptadas, obtêm-se boas produções. No Cerrado, os latossolos ocupam praticamente todas as áreas planas a suave-onduladas, sejam chapadas ou vales. Ocupam ainda as posições de topo até o terço médio das encostas suave-onduladas, típicas das áreas de derrames basálticos e de influência dos arenitos.

11 Latossolos vermelho ferríco Latossolos vermelho não-ferríco Capinopólis (MG) Silvânia (GO)

12 Latossolo vermelho e vermelho amarelo Silvânia (GO)

13 Argissolos São solos minerais, não-hidromórficos, com nítida diferença entre os horizontes. Apresentam horizonte B de cor avermelhada até amarelada Têm profundidade variadas e ampla variabilidade de classes texturais. Nesses solos, constata-se grande diversidade nas propriedades de interesse para a fertilidade e uso agrícola (teor variável de nutrientes, textura, profundidade, presença ou ausência de cascalhos, pedras o concreções, ocorrência em diferentes posições na paisagem, entre outras). Dessa forma, torna-se difícil generalizar suas qualidades. Problemas sérios de erosão são verificados naqueles solos em que há grande diferença de textura entre os horizontes A e B, sendo tanto maior o problema quanto maior for a declividade do terreno.

14 Quando a fertilidade natural é elevada e não há pedregosidade, sua aptidão é boa para agricultura. São particularmente indicados para situações em que não é possível grandes aplicações de capital para o melhoramento e a conservação do solo e das lavouras, o que é mais comum em áreas de agricultura familiar. Apesar de não ocorrerem em grandes áreas contínuas no Cerrado, sua presença é freqüente. Ocupam, na paisagem, a porção inferior das encostas onde o relevo apresenta-se ondulado (8% a 20% de declive) ou forte-ondulado (20% a 45% de declive).

15 Argissolos Uberlândia (Minas Gerais)

16 Cambissolo (síntese) O Cambissolo é um solo pouco desenvolvido, com horizonte B incipiente. Uma das principais características dos Cambissolos é serem pouco profundos e, muitas vezes, cascalhentos. Estes são solos "jovens" que possuem minerais primários e altos teores de silte atê mesmo nos horizontes superficiais (os latossolos, por exemplo, podem ter muita areia ou argila, mas nunca têm teores altos de silte). O alto teor de silte e a pouca profundidade fazem com que estes solos tenham permeabilidade muito baixa. O maior problema, no entanto, é o risco de erosão. Devido à baixa permeabilidade, sulcos são facilmente formados nestes solos pela enxurrada, mesmo quando eles são usados com pastagensl. Contudo, existem cambissolos muito férteis no Brasil (com exceção do Cerrado).

17 Cambissolo Silvânia (GO)

18 Neossolo Quartzarênicos Buritizeiro (MG)

19 Bibliografia TEIXEIRA, Wilson; MOTTA, Cristina; FAIRCHILD, Thomas; TAIOLI, Fabio, Decifrando a Terra editora USP e oficina de textos

20 Exercício I - Solos 1. Explique sucintamente como os solos são formados, destacando a ação do clima. 2. Quais são as etapas do desgaste de solos provocado pelo processo erosivo? Como combatê-lo? 3. Como se formam as voçorocas? Quais são seus impactos no meio ambiente? 4. Por que ocorrem movimentos de massa em encostas? Aponte de que forma a ação humana agrava esse processo e suas consequências para a sociedade.

21 Vimos que o processo de formação de solos ocorre lentamente e está associada a alguns fatores, principalmente ao clima e às condições de relevo. Em média, cada centímetro de solo leva cerca de 100 anos Observe a ilustração a seguir e escreva um texto destacando a importância da conservação dos solos para a agricultura e o meio ambiente, na busca do desenvolvimento sustentável. Atividade - I

22 Atividade 1 Cite as providências que devem ser feitas nas áreas urbanas para que haja conservação dos solos e não ocorra desastres, principalmente em áreas de risco. 2 – Descreva o processo de recuperação de uma voçoroca. 3 – Em Goiânia onde se localizam as áreas de risco? Que tipos de desastres (em realação ao uso e ocupação inadequados do solo) podem ocorrer?


Carregar ppt "PEDOLOGIA II Luiza Barreira Profa. Ma. em Geografia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google