A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Profa. Esp. Lucilene Aparecida Soares.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Profa. Esp. Lucilene Aparecida Soares."— Transcrição da apresentação:

1 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Profa. Esp. Lucilene Aparecida Soares

2 Estrutura Social CAPITALISTA CLASSE MACHISTA GÊNERO/DIVERSIDADE SEXUAL RACISTA RAÇA/ETNIA PatrãoHomemBranco TrabalhadorHomemBranco TrabalhadorHomemNegro TrabalhadoraMulherBranca TrabalhadoraMulherNegra Tratamento Destinado Fonte: SOARES, Lucilene Aparecida. Construir a diversidade brincando: como os jogos podem contribuir no debate étnico-racial no espaço escolar. Monografia. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2009.

3 Construção de Representações Para Chartier, a representação do mundo está ligada à posição social dos indivíduos, sendo portanto histórica, posto que construídas ao longo do tempo. Ademais, a representação funciona na prática como uma estratégia de classe, que media as relações entre ela e as demais classes sociais. O resultado é que temos, num mesmo período, uma verdadeira arena de representações sociais: cada classe elabora o real a seu modo. Neste contexto, a construção das identidades sociais seria o resultado de uma relação de força entre as representações impostas por aqueles que têm poder de classificar e de nomear e a definição, submetida ou resistente, que cada comunidade produz de si mesma. Fonte:CHARTIER, Roger. O Mundo Como Representação

4

5 CONCEITOS Racismo – "a ideologia que postula a existência de hierarquia entre grupos humanos"; Preconceito - um julgamento prévio negativo que se faz de pessoas estigmatizadas por estereótipos"; Estereótipo - "atributos dirigidos a pessoas e grupos, formando um julgamento a priori, um carimbo. Uma vez carimbados os membros de determinado grupo como possuidores deste ou daquele atributo, as pessoas deixaram de avaliar os membros desses grupos pelas suas reais qualidades e passam a julgá-las pelo carimbo"; Discriminação – "é o nome que se dá para a conduta (ação ou omissão) que viola direitos das pessoas com base em critérios injustificados e injustos, tais como: a raça, o sexo, a idade, a opção religiosa e outros". SOARES, Lucilene Aparecida. Construir a diversidade brincando: como os jogos podem contribuir no debate étnico-racial no espaço escolar. Monografia. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2009.

6 CONCEITOS Desigualdade: Quando falamos em desigualdade, estamos tratando de um fenômeno social que produz uma hierarquização entre indivíduos e/ou grupos não permitindo um tratamento igualitário (em termos de oportunidades, acesso a bens e recursos etc.) a todos/as. Fonte: Gênero e Diversidade na Escola Formação de Professores em Gênero, Diversidade Sexual e Relações Étnico-Raciais

7 Por que entender a desigualdade Toda discriminação tem por conseqüência a negativa ampla e também formal dos direitos civis e políticos. Na maioria das vezes a discriminação não se enquadra num estatuto legal ou formal, do tipo apartheid. Neste caso é mais difícil enquadrá-las como abuso de direitos humanos. Por isso, é importante compreender como se articulam e operam os mecanismos de desigualdade racial e de gênero. Fonte: Gênero e Diversidade na Escola Formação de Professores em Gênero, Diversidade Sexual e Relações Étnico-Raciais

8 Por que entender a desigualdade O sociólogo David Grusky trata da importância das variáveis sexo e raça. Segundo ele, essas variáveis influenciam na posição social dos indivíduos, uma vez que o sistema de estratificação repousa em processos adscritos que, em geral, são indesejáveis e discriminatórios na sociedade moderna. Características como cor da pele ou raça, sexualidade e sexo funcionam como mecanismos de segregação e estratificação social, deixando de lado todas as características objetivas que deveriam informar uma sociedade de princípios igualitários. Fonte: Gênero e Diversidade na Escola Formação de Professores em Gênero, Diversidade Sexual e Relações Étnico-Raciais

9 Por que entender a desigualdade As desigualdades não são conjunturais, mas estruturais, da mesma forma que a discriminação não é somente individual, mas institucional. Fonte: Gênero e Diversidade na Escola Formação de Professores em Gênero, Diversidade Sexual e Relações Étnico-Raciais

10 Racismo: individual X institucional Diferenciação: racismo individual e o racismo institucional (Pettigrew, 1982). racismo individual O racismo individual inclui atitudes preconceituosas e comportamentos discriminatórios, ou seja é o racismo ordinário presente nas relações interpessoais. racismoinstitucional O racismo institucional engendra um conjunto de arranjos institucionais que restringem a participação de um determinado grupo racial, como por exemplo, o grupo de negros no Brasil. Esse tipo de racismo está ligado à estrutura da sociedade e não aos seus indivíduos. Apud SOARES, Lucilene Aparecida. Construir a diversidade brincando: como os jogos podem contribuir no debate étnico-racial no espaço escolar. Monografia. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2009.

11 Indígenas Europeus Africanos Mito da Democracia Racial Fonte: SOARES, Lucilene Aparecida. Construir a diversidade brincando: como os jogos podem contribuir no debate étnico-racial no espaço escolar. Monografia. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2009.

12 Mito das Três Raças Foi o antropólogo Roberto DaMatta que o registrou pela primeira vez, ao identificar que haveria um racismo à brasileira, isto é, um sistema de pensamento que postula a existência de três raças formadoras do Brasil. Nesse sistema, o brasileiro seria o produto moral e biológico da mistura do índio, com a sua preguiça, do negro, com a sua melancolia, e do branco português, com a sua cobiça e o seu instinto miscigenador. Estas seriam as razões tanto de nossa originalidade quanto de nosso atraso socioeconômico e, até pouco tempo atrás, de nossa necessidade de autoritarismo.

13 Mito das Três Raças Mito que permite naturalizar as desigualdades, remetendo-as às diferenças raciais e produzindo uma imagem da sociedade brasileira que é mestiça mas, justamente por isso, fortemente hierarquizada, em que cada coisa tem um lugar natural.

14 Ao contrário do que a própria denominação sugere, a democracia racial pode ser compreendida como uma modalidade de racismo, que envolta na ilusória aura de liberal e democrática, alcança sucesso justamente pela dissimulação do fenômeno racista. Historicamente quem inaugura esta classificação é Baptisde, já que Freyre referia-se a democracia étnica, somente em 1961 Freyre, por pressão do Movimento Social Negro, trata de democracia racial. Tanto Freyre quanto Bapstide se fundamentam na obra Casa Grande e Senzala, na qual Freyre defende um escravismo ameno, em que senhores e escravos convivem harmoniosamente. Nesta perspectiva a essência do conceito de democracia racial está na idéia da harmonia gerada pela miscigenação, um processo que igualaria a população. Para Florestan: nossa realidade étnica, ao contrário do que se diz, não iguala pela miscigenação, mas, pelo contrário, diferencia, hierarquiza e inferioriza socialmente de tal maneira que esses não-brancos procuram criar uma realidade simbólica onde se refugiam, tentando escapar da inferiorização que a sua cor expressa nesse tipo de sociedade. DEMOCRACIA RACIAL Apud SOARES, Lucilene Aparecida. Construir a diversidade brincando: como os jogos podem contribuir no debate étnico-racial no espaço escolar. Monografia. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2009.

15 Fonte: Eliane Cavalleiro, 2005 Elementos estruturais na organização da escola I – Currículo Escolar II – Formação docente III – Material didático/pedagógico IV – Minimização do problema racial V – Universo semântico VI – Distribuição desigual de afeto e estímulo VII – Negação da diversidade racial na composição da equipe de profissionais da escola

16 Adaptado de Eliane Cavalleiro, 2005 Totalidade das relações estabelecidas na escola

17 Adaptado de Eliane Cavalleiro, 2005 Totalidade das relações estabelecidas na escola

18 Adaptado de Eliane Cavalleiro, 2005 Totalidade das relações estabelecidas na escola

19 Adaptado de Eliane Cavalleiro, 2005 Totalidade das relações estabelecidas na escola

20 IDH de Brancos e Negros O economista brasileiro Marcelo Paixão produziu um estudo em que separou a população brasileira segundo a cor para avaliar suas diferenças acerca do desenvolvimento humano. A evolução do IDH de brancos/s e negros/as aferida entre os anos de 1991 e 2000 revela que, apesar das melhorias verificadas em ambos os grupos raciais, ocorreu o distanciamento das posições ocupadas entre o Brasil negro e o Brasil branco no ranking mundial da qualidade de vida.

21 IDH de Brancos e Negros Em 1991, o Brasil branco ocupava a 65ª ou 66ª posição entre as nações mais desenvolvidas quanto ao aspecto social; em 2000, chegou à 44ª posição. Já o Brasil negro, que em 1991 estava na 101ª ou na 102ª posição, caiu em 2000 para a 104ª ou 105ª. A diferença entre os dois países passou de 36 para 60 posições no ranking do IDH em apenas 10 anos. Vejam as diferenças entre brancos/as, pretos/as e pardos/as em termos de apropriação da renda nacional, segundo os dados da Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliar do ano de 2001: Entre os 10% mais pobres do país, 59,5% são pardos/as, 7,8% são pretos/as e 32,7% são brancos/as. Entre o 1% mais ricos, 11,0% são pardos/as, 1,8% são pretos/as e 87,2% são brancos/as. Se levarmos em conta que a composição racial da população brasileira é de 53,4% de brancos/s, 5,6% de pretos/as e 40,4% de pardos/as, as desigualdades são muito significativas, ou seja, a pobreza é mais democrática que a riqueza.


Carregar ppt "EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Profa. Esp. Lucilene Aparecida Soares."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google