A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Jornada de atualização em doenças da soja Objetivos: - Valorização profissional; - Revisar e atualizar princípios básicos; - Diagnosticar corretamente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Jornada de atualização em doenças da soja Objetivos: - Valorização profissional; - Revisar e atualizar princípios básicos; - Diagnosticar corretamente."— Transcrição da apresentação:

1 Jornada de atualização em doenças da soja Objetivos: - Valorização profissional; - Revisar e atualizar princípios básicos; - Diagnosticar corretamente doenças da soja; e - Controlar minimizando danos e perdas. Instrutores: Erlei Melo Reis, Ph.D. Fitopatologista / UPF Ricardo Trezzi Casa, Dr. Fitopatologista / UDESC Marta M. Casa Blum, Doutoranda em Fitopatologia / URI

2 Programação: 8:30 - 9:40 - Ciclo relações Patógeno-Hospedeiro / Patometria 9:50-10:50 - Diagnose / Sintomatologia 11:00-12:00 - Aula prática 13:30-14:30 - Controle: Práticas culturais 14:40-15:30 - Controle: semente 15:40 -16:30 - Controle: químico nos órgãos aéreos 16:40 -17:30 - Fungicidas: translocação / persistência

3 CICLO DAS RELAÇÕES PATÓGENO-HOSPEDEIRO - fungos/bactéria patogênicos -

4 1. Introdução CONCEITO: FASES OU EVENTOS SUCESSIVOS QUE CONDUZEM À OCORRÊNCIA DA DOENÇA, OU FAZEM PARTE DO SEU DESENVOLVIMENTO, CONSTITUI UM CICLO NO QUAL CADA FASE APRESENTA CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS E TEM FUNÇÃO DEFINIDA

5 Doença: ocorrência e intensidade 1. Como surge uma doença? 2. Aonde está o inóculo; de onde vem? 3. Como é transportado? 4. Como encontra o hospedeiro? 5. Como penetram o hospedeiro? 6. Como invadem e extraem nutrientes do hospedeiro? 7. Como as doenças crescem? 8. Por que causam danos e perdas à agricultura? 9. Após a colheita para onde vão os patógenos? 10. Por quanto tempo e aonde sobrevivem ?

6 Esquema do ciclo das relações patógeno-hospedeiro: Pré-penetração hospedeirohospedeiro doençadoença Penetração – início relação Colonização (desenvolvimento) Sintomas (resultado) Reprodução (inóculo) Sobrevivência (patógeno) Fonte de inóculo Disseminação Inoculação Disseminação Fonte de inóculo Ciclo primário Ciclo secundário

7 Representação da cadeia de infecção: Como uma doença cresce ? Representação da cadeia de infecção: Como uma doença cresce ? Fonte: Bergamin Filho e Amorim, 1996

8 O crescimento da doença é função da: Intensidade: é o termo geral referente à quantidade de doença presente numa população. a) Incidência: é o número de unidades de plantas ou de órgãos amostrados que estão doentes, expressas em porcentagem e/ou proporção do número total de unidades avaliadas; = incidência em indivíduos ou em órgãos b) Severidade: é a área de uma unidade da amostra (superfície da planta ou de um órgão) afetada pela doença, expressa em porcentagem e/ou proporção da área total = número de lesões/folha, expansão da área da lesão

9 Intensidade de doença X dano e perda Dano: é qualquer redução na quantidade e/ou qualidade da produção Ex.: kg/ha, t/ha, sacos/ha Produção: produto mensurável de valor econômico de uma plantação Ex.: grãos, sementes Perda: redução em retorno financeiro por unidade de área devido a ação de organismos nocivos Ex.: R$/ha, US$/ha Fonte: Bergamin Filho & Amorim, 1996

10 Ciclo Primário Primeira geração de P em h. - Fonte de inóculo: não é o hospedeiro cultivado na estação normal de cultivo. Ciclo Secundário Segunda e demais gerações de P. - Fonte de inóculo: o próprio hospedeiro. - Determina o crescimento da doença.

11 Ciclo Primário X Ciclo Secundário Doenças de ciclo primário: - Germinação, emergência, morte de plântulas; - Podridões radiculares; - Mofo branco. Doenças de ciclo secundário: - Ferrugem, oídio, septoriose, cercosporioses, míldio, antracnose, fomopsis e cancro.

12 Fonte de Inóculo Inóculo: Inóculo: estrutura do patógeno potencialmente infectiva. De onde vem ? Aonde está ? Ex.: esporos de fungos, células bacterianas, partículas de vírus, estruturas de resistência (solo e/ou palhada); ovos, larvas, cistos e adultos de nematóides. Fonte:

13 Fontes de Inóculo Podem ser: a) estruturas de resistência - esclerócios: Sclerotinia - microesclerócios: Macrophomina - oosporos: Peronospora, Pythium, Phytophthora - clamidosporos: Fusarium - cisto: Heterodera

14 Podem ser: b) planta doente viva - safra normal, safrinha, planta voluntária* biotróficos - Phakopsora, Microsphaera, Peronospora Vírus necrotróficos - Colletotrichum, Septoria, Cercospora, Phomopsis, Rhizoctonia, Macrophomina, Fusarium, Sclerotinia, Sclerotium, Pseudomonas *PV = plantio direto X população plantas voluntárias Fontes de Inóculo

15 Podem ser: c) planta doente senescida = manchas foliares, podridões da haste e da raiz - necrotróficos d) parte da planta = semente - Colletotrichum, Septoria, Cercospora, Phomopsis, Rhizoctonia, Macrophomina, Fusarium, Sclerotinia, Pseudomonas A semente leva para a lavoura, o resto cultural mantém. Fontes de Inóculo

16 Podem ser: e) hospedeiro secundário - kudzu (Poeraria lobata) X ferrugem da soja - Leguminosas: Phakopsora - Oídio: cultivares de feijão e tremoço azul

17 Fontes de Inóculo Podem ser: f) fase saprofítica do patógeno - restos culturais (necrotróficos X PD) - fungos de solo (podridões raízes) Fungos sem habilidade de competição saprofítica Ex.: Colletrotrichum, Septoria, Phomopsis, Cercospora Fungos com habilidade de competição Ex.: Rhizoctonia, Macrophomina e Fusarium solani Obs.: difícil controle; vivem indefinidamente no solo

18 cancro da haste Fontes de inóculo Fontes de inóculo antracnose Restos culturais

19 Disseminação do inóculo Disseminação: transporte ou deslocamento a partir da fonte, ao acaso, em todas as direções. P: Como encontram o tecido suscetível de h ? R: Quantidade e período de produção - Inoculação = trajetória Sítio de infecção tecido suscetível (Grupos de McNew) - Sub-fases: remoção, transporte e deposição;

20 a) Disseminação ativa - zoosporos de Pythium b) Disseminação passiva: - passiva direta: com as sementes - passiva indireta: fungos: vento e respingos de chuva (distância ?) - Esporos secos Cercospora, Phakopsora, Peronospora, Microsphaera - Esporos molhados Colletotrichum, Phomopsis, Septoria bactéria: sementes e respingo chuva (Pseudomonas)

21 Germinação Esporos dos fungos - emissão tubo germinativo ou promicélio (núcleo); - fase delicada; dessecação e morte; Ambiente x germinação: Estímulos = água líquida x temperatura Período Crítico (PC) = hm x T°C - Doenças clima seco: oídio - Doenças de orvalho: oídio, ferrugem, míldio - Doenças chuva: manchas foliares (DFC), ferrugem, bacteriose Deposição nos sítios de infecção: - impacto pelo vento / água; ou sedimentação vento.

22 Penetração - Transferência do protoplasma do esporo do exterior para o interior de h. Por estômatos: Microsphaera e Pseudomonas Diretamente pela epiderme: Phakopsora Colletotrichum Cercospora Septoria Phomopsis Flores (estigma): ?

23 Uredosporo TG Apressório Epiderme TP Célula mãe de haustório Haustório Phakopsora pachyrhizi

24 Colonização Colonização - Invasão e extração de nutrientes do h(Parasitismo) - Parasitas heterotróficos dependentes da planta de soja Colonização biotrófica: Phakopsora (?), Microsphaera, (Não matam células) Peronospora e vírus Colonização necrotrófica: Colletotrichum, Cercospora, (Matam células e tecidos) Septoria, Phomopsis, Macrophomina, Rhizoctonia Sclerotinia, Pseudomonas = Mecanismos de colonização: enzimas e substratos = Surgimento e desenvolvimento dos sintomas

25 Reprodução do patógeno - lesão nasce, cresce e esporula (UR x T o C); - surgem ciclos secundários; - produção contínua de inóculo = manchas/lesões - remoção, transporte, deposição etc. Como as doenças crescem? = em função do número de ciclos secundários; - incidência em plantas; - incidência em órgãos; - número de lesões por órgão; - expansão da área da lesão. Conseqüência: Danos e perdas e necessidade de controle

26 Sobrevivência (=estratégias de controle) Princípio: Numa lavoura procuram não se separar do hospedeiro - semente - restos culturais - plantas voluntárias (safrinha, ponte-verde) - hospedeiro secundário Na ausência da planta de soja aonde se encontram ? Como sobrevivem ? De que mecanismos se utilizam ? = Manter a viabilidade sob condições adversas - Desidratação ? - Temperatura ?

27 Qual a maior ameaça à viabilidade ? R: desnutrição x competição Quando necessitam manter a viabilidade ? R: após a colheita (27 meses – Costamilan et al.) Por quanto tempo ? R: Seis a sete meses: colheita ao re-plantio, volta do substrato ou do tecido suscetível Mecanismos de sobrevivência: Biotróficos (ferrugem, oídio, míldio e vírus) Necrotróficos (manchas foliares, antracnoses, podridões radiculares, cancro)

28 Considerações Conhecimento detalhado do ciclo e uso de estratégias de controle; Sobrevivência e controle; Controle racional; Opções de controle diferentes da genética; e Manejo integrado de doenças.

29 DIAGNOSE DAS PRINCIPAIS DOENCAS - sintomas e sinais -

30 Como as doenças afetam a produção da soja ? Germinação de sementes, emergência de plântulas emergência de plântulas Podridões radiculares e da haste Podridões radiculares e da haste Doenças foliares Doenças foliares Diagnose Conhecer Manejo Controlar Manejo Controlar

31 Sintoma: exteriorização da doença evidenciada pela planta; modificações fisiológicas e morfológicas - Ex.: amarelecimento, cancro, galha, mancha, mosaico, murcha, podridão... Sinais: são as estruturas dos patógenos - Ex.: micélio e conídios corpos de frutificação: acérvulo, picnídio, peritécio, estrutura de repouso: esclerócios, oosporos, cisto


Carregar ppt "Jornada de atualização em doenças da soja Objetivos: - Valorização profissional; - Revisar e atualizar princípios básicos; - Diagnosticar corretamente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google