A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A informação é para o cotidiano do SUS... Contando da experiência do Otics. Rio de Janeiro, 14 de julho de 2011. Prof. Dr. Alcindo Antônio Ferla.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A informação é para o cotidiano do SUS... Contando da experiência do Otics. Rio de Janeiro, 14 de julho de 2011. Prof. Dr. Alcindo Antônio Ferla."— Transcrição da apresentação:

1 A informação é para o cotidiano do SUS... Contando da experiência do Otics. Rio de Janeiro, 14 de julho de Prof. Dr. Alcindo Antônio Ferla.

2 Pontos de partida … A experiência da informação no cotidiano da gestão: Os avanços e a tradição brasileira nos sistemas de informação em saúde: potencialidade e ponto crítico, Os sistemas e as lógicas de especialização do conhecimento, da atenção e da gestão fragmentando o pensamento e seqüestrando a ação; A complexidade da saúde versus a pretensa universalidade e isenção dos indicadores. A construção da Política Nacional de Informação e Informática em Saúde Para o SUS; O Edital CNPq/Decit nº 23/2006.

3 Pontos de partida …

4 Um conceito para o Observatório: Um conjunto de tecnologias (soluções de informática, processos de trabalho, saberes sistematizados) capazes de captar, tratar e disseminar informações e conhecimentos para suporte à tomada de decisão em uma rede de atores definidos e envolvidos com processos de gestão e de educação no sistema de saúde. O Observatório inclui a pesquisa (produção de conhecimentos no cotidiano), o desenvolvimento (sistematização de novas tecnologias), a atuação em rede científica e a cooperação horizontal (hibridização de saberes em redes implicadas).

5 Ciclo informação/inteligência coletiva: Informação: Comportamento epidemiológico; Comportamento demográfico; Comportamento gerencial; Determinantes sociais. Conhecimento: Redes explicativas; Redes de intervenção; Participação; Comportamento natural. Inteligência coletiva: Redes de conversação (diferentes atores); Interpretar o que acontece; Realizar ações específicas (informAÇÃO). Tem potência para descrever uma situação Tem potência para organizar a análise de uma situação Tem potência para a produção de sentidos para a intervenção

6 Educação Permanente: A Educação Permanente em Saúde apóia-se no ensino- aprendizagem embasado na produção de conhecimentos que respondam a perguntas que pertencem ao universo de experiências e vivências de quem aprende e que gerem novas perguntas sobre o ser e o atuar no mundo. Para isso, propõe por em análise o trabalho, as práticas cotidianas, as articulações formação + gestão + atenção + participação (quadrilátero/mandala). Nesse contexto, articula a educação dos diferentes atores que protagonizam o cotidiano do SUS, nos mais diversos locais, inclusive os profissionais em formação.

7 Estações de Observação: Uma Estação de Observação é uma unidade do Observatório que se ocupa de um tema específico que é significativo para um território delimitado e para uma comunidade de sujeitos. Exemplos: Estação Otics-Rio, parceria SMSDC RJ/ICICT/UFRGS tem como abrangência a atenção primária e promoção da saúde no município do Rio de Janeiro; Estação Produtos e Serviços Hospitalares, parceria GHC/Anvisa/UFRGS, tem como escopo a gestão da atenção especializada no contexto hospitalar Cada Estação se especializa em função de demandas, potencialidades, particularidades e núcleos de interesse locais.

8 Núcleos de Observação: É uma unidade das Estações do Otics, constituída por um ambiente híbrido que reúne soluções e conhecimentos para a educação permanente e apoio à gestão em saúde, com atuação descentralizada num território conceitual ou geográfico específico. Os núcleos constituem comunidades de práticas do Otics. Ex.: Serviço de Órteses e Próteses da Estação GHC, Clínicas da Família no Otics Rio etc. É a inserção da Estação de Observação em campo, tanto em Unidades de Saúde como em Unidades Especializadas de Observação. Dá capilaridade à gestão e à educação em saúde, constituindo o olhar do cotidiano local ao tema da Estação de Observação.

9 Otics: página inicial

10

11 Otics-Rio: página inicial

12 Objetivos da Estação Otics-Rio Prover soluções e conhecimentos para a educação permanente e continuada em saúde; Disponibilizar metodologias e tecnologias de informação úteis à gestão e tomada de decisão; Promover a construção compartilhada de conhecimento entre profissionais de saúde, pesquisadores, gestores e sociedade civil; Ampliar a inteligência institucional ao refletir sobre experiências da prática dos profissionais da APS, vigilância e promoção da saúde; Apoiar iniciativas locais de comunicação e informação em saúde.

13 Arquitetura da Informação da Estação Otics-Rio Apresentação Destaques Publicações Placar da Saúde Educação Permanente Agenda de Implementação das CSF Academias Cariocas de Saúde Detalhamento de cada CSF

14 Arquitetura da Informação das Unidades Locais: Institucional (apresentação, horários e gestor) Notícias locais Placar da Saúde da Unidade Perguntas Freqüentes Composição das equipes e contato Registro da famílias atendidas Comunicação das equipes com as famílias Comunidades de Prática (internas da Unidade e abertas)

15 Clínicas de Saúde da Família

16 Outras Estações Especializadas de Observação: Produtos e serviços hospitalares (GHC/Anvisa); Gestão do Trabalho (GHC/DRH-MS); Saúde Suplementar (Rede de Centros Colaboradores ANS); Integração ensino e sistema de saúde (UFRGS); Gestão estadual (PA);

17 + Com informação oportuna e significativa no cotidiano

18 Obrigado! Dr. Alcindo Antônio Ferla Coordenador Geral do Otics, Professor Adjunto do Curso de Bacharelado em Saúde Coletiva da UFRGS. Bacharelado em Saúde Coletiva


Carregar ppt "A informação é para o cotidiano do SUS... Contando da experiência do Otics. Rio de Janeiro, 14 de julho de 2011. Prof. Dr. Alcindo Antônio Ferla."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google