A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sessão ICS 16 de Maio de 2007. Projecto Intervir Problemas do Mundo Actual Realizar sonhos… Construir Sorrisos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sessão ICS 16 de Maio de 2007. Projecto Intervir Problemas do Mundo Actual Realizar sonhos… Construir Sorrisos."— Transcrição da apresentação:

1 Sessão ICS 16 de Maio de 2007

2 Projecto Intervir Problemas do Mundo Actual Realizar sonhos… Construir Sorrisos

3 Objectivos finais Conhecer a importância do voluntariado para o funcionamento de Casas de Acolhimento de crianças.Conhecer a importância do voluntariado para o funcionamento de Casas de Acolhimento de crianças. Conhecer o impacto do voluntariado na vida dos voluntários;Conhecer o impacto do voluntariado na vida dos voluntários; Desenvolver actividades junto das crianças institucionalizadas.Desenvolver actividades junto das crianças institucionalizadas.

4 Metodologia de investigação Definição do problema Definição do problema Estudo exploratório Estudo exploratório Definição de hipóteses de trabalho Definição de hipóteses de trabalho Selecção e aplicação dos instrumentos de observação Selecção e aplicação dos instrumentos de observação Recolha de Informação Recolha de Informação Análise e tratamento da informação recolhida Análise e tratamento da informação recolhida Conclusões Conclusões

5 Recursos que tínhamos à partida… Locais de pesquisa: Centro de recursos da EscolaCentro de recursos da Escola Bibliotecas do concelhoBibliotecas do concelho InternetInternet Livros e JornaisLivros e Jornais Locais para promover o nosso trabalho: Escola Camilo Castelo BrancoEscola Camilo Castelo Branco Câmara Municipal de OeirasCâmara Municipal de Oeiras Espaço Jovem Linda-a-VelhaEspaço Jovem Linda-a-Velha Espaço Jovem CarnaxideEspaço Jovem Carnaxide Centro Paroquial de QueijasCentro Paroquial de Queijas SiteSite Juntas de Freguesia: Linda-a-VelhaLinda-a-Velha CarnaxideCarnaxide QueijasQueijas Ribeira do FárrioRibeira do Fárrio Materiais a utilizar: Máquina fotográfica Máquina de filmar Gravador Computador portátil Agenda

6 Maria Adelaide Resende – Gabinete de Voluntariado Hospital D. EstefâniaMaria Adelaide Resende – Gabinete de Voluntariado Hospital D. Estefânia Continente de Alfragide (Leopoldina) – Continente de Alfragide (Leopoldina) – Área de Marketing Leopoldina – Área de Marketing Leopoldina – Associação Pro-Atlântico (Nuno Chaves) Associação Pro-Atlântico (Nuno Chaves) Câmara Municipal de Oeiras – mail: Municipal de Oeiras – mail: Espaço Jovem Linda-a-Velha – mail: oeiras.ptEspaço Jovem Linda-a-Velha – mail: oeiras.pt Espaço Jovem Carnaxide – mail: Jovem Carnaxide – mail: Fundação Infantil Ronald McDonald – mail: ; Infantil Ronald McDonald – mail: ; CrescerSer- Associação Portuguesa para o Direito dos Menores e da Família -CrescerSer- Associação Portuguesa para o Direito dos Menores e da Família - Tel: , Fax: Contactos:

7 Recursos essenciais… * Dr.ª Ana Faustino (Casa do Parque) * Dr.ª Teresa (Casa do Parque) * Dr. António Santinha (Casa da Fonte) * Drª. Joana Cambeiro (ProAltantico) * Dr. Nuno Chaves (ProAltantico) * Prof. Eugenia Antunes (Escola C.C.B) * Prof. Paula Craveiro (Escola C.C.B) * Dr.ªAna Nunes de Almeida (ICS) * Dr.ª Alexandra Raimundo (ICS) * Seminários do ICS

8 Avaliação Portfolio (3 volumes) –Relatórios individuais – Grelhas de auto e hetero-avaliação

9 Conclusões do Voluntariado em Portugal Quem é o Voluntário? É o indivíduo que de forma livre, desinteressada e responsável se compromete, de acordo com as suas aptidões próprias e no seu tempo livre, a realizar acções de voluntariado no âmbito de uma organização promotora.É o indivíduo que de forma livre, desinteressada e responsável se compromete, de acordo com as suas aptidões próprias e no seu tempo livre, a realizar acções de voluntariado no âmbito de uma organização promotora. Art. 3º, Lei n.º 71/98de 3 de Novembro Art. 3º, Lei n.º 71/98de 3 de Novembro Princípios do Voluntariado… Solidariedade Responsabilidade de todos os cidadãos na realização dos fins do voluntariado. Responsabilidade de todos os cidadãos na realização dos fins do voluntariado. Participação Participação Intervenção de voluntários e de entidades promotoras em áreas de interesse social. Intervenção de voluntários e de entidades promotoras em áreas de interesse social.

10 Cooperação Concertação de esforços e de projectos de entidades promotoras de voluntariado. Complementaridade O Voluntário não deve substituir os recursos humanos das entidades promotoras. Gratuitidade O Voluntário não é remunerado pelo exercício do seu voluntariado Responsabilidade O Voluntário é responsável pelo exercício da actividade que se comprometeu realizar, dadas as expectativas criadas aos destinatários desse trabalho voluntário. Convergência Harmonização da actuação do voluntário com a cultura e objectivos da entidade promotora.

11 Dados globais, revelam que quase metade das instituições acolhem entre 6 a 20 voluntários; Dados globais, revelam que quase metade das instituições acolhem entre 6 a 20 voluntários; A região Norte é aquela que detém um numero médio de voluntários mais elevado; A região Norte é aquela que detém um numero médio de voluntários mais elevado; Os mecanismos de selecção dos voluntários, varia segundo o tipo de instituição. Os mecanismos de selecção dos voluntários, varia segundo o tipo de instituição. Os mecanismos mais utilizados são a Ficha de Inscrição, a Entrevista, a Entrega do CV e o Estágio. Os mecanismos mais utilizados são a Ficha de Inscrição, a Entrevista, a Entrega do CV e o Estágio. Conclusões do estudo exploratório

12 Os benefícios mais frequentes são: a gratificação pessoal, a felicidade e alegria interior, o bem-estar e o crescimento pessoal;Os benefícios mais frequentes são: a gratificação pessoal, a felicidade e alegria interior, o bem-estar e o crescimento pessoal; 1/5 é incapaz de nomear qualquer custo ou dificuldade do trabalho voluntário;1/5 é incapaz de nomear qualquer custo ou dificuldade do trabalho voluntário; tornar-se útil pode entender-se como um desejo tanto altruísta de utilidade para com os outros e com a sociedade, como de ocupação e rentabilização de tempo e capacidades desperdiçadas dos voluntários. tornar-se útil pode entender-se como um desejo tanto altruísta de utilidade para com os outros e com a sociedade, como de ocupação e rentabilização de tempo e capacidades desperdiçadas dos voluntários. Alguns voluntários têm um discurso de índole religiosa, acreditando que os actos de generosidade praticados servem para compensar pecados ou ganhar indulgências.Alguns voluntários têm um discurso de índole religiosa, acreditando que os actos de generosidade praticados servem para compensar pecados ou ganhar indulgências.

13 Conclusões – Tratamento dos dados recolhidos

14

15

16

17

18 As Intervenções Locais de intervenção: Casa da Fonte – Oeiras – Casa de acolhimento de emergência (4-5meses).Casa da Fonte – Oeiras – Casa de acolhimento de emergência (4-5meses). Associação de Solidariedade Subud, Projecto Educativo Roda-viva – Projecto onde funciona um Jardim-de- infância, ATL e Grupo de Jovens, onde recebem crianças de bairros problemáticos.Associação de Solidariedade Subud, Projecto Educativo Roda-viva – Projecto onde funciona um Jardim-de- infância, ATL e Grupo de Jovens, onde recebem crianças de bairros problemáticos. Orfanato do concelho de Ourém – Centro de Acolhimento de crianças ate aos 5 anos.Orfanato do concelho de Ourém – Centro de Acolhimento de crianças ate aos 5 anos. Hospital da Estefânia (Pediatria)Hospital da Estefânia (Pediatria) Continente (Leopoldina)Continente (Leopoldina) Fundação Mc Donalds – Construção de uma casa de acolhimento para crianças e famílias carenciadasFundação Mc Donalds – Construção de uma casa de acolhimento para crianças e famílias carenciadas Casa do Parque (Outurela) – Centro de acolhimento temporário de crianças em risco(retiradas pelo tribunal das suas famílias)Casa do Parque (Outurela) – Centro de acolhimento temporário de crianças em risco(retiradas pelo tribunal das suas famílias) Associação Pro-Atlântico – Associação que esta ligada a diversas instituições de crianças, jovens, idosos e pessoas com deficiências.Associação Pro-Atlântico – Associação que esta ligada a diversas instituições de crianças, jovens, idosos e pessoas com deficiências.

19 Casa da Fonte

20

21

22 Casa do Parque

23 ProAtlântico 5º Aniversário da Associação

24 Debate sobre a Cidadania Europeia e o Voluntariado dinamizado pela Joana Cambeiro (ProAltantico) no dia 13 de Março do 2007

25 Comemoração de datas festivas com crianças…

26

27 Divulgação da festa

28 Festa na Casa da Fonte…

29 Festa dos Coelhinhos * Elaboração de enfeites para decorar a pediatria do Hospital D. Estefânia. * Participação nas aulas de artes decorativas na ESCCB * Colaboração da Professora Maria Eugénia e da turma do 9ºano do Curso de Acompanhamento às Crianças

30 Campanha Campanha O dia dos miminhos

31 Divulgação do Trabalho SiteSite

32 Balanço Final O que mais gostámos… - Estar com as crianças e ser mini voluntário - Estar em contacto com as crianças e poder dar- lhes um contributo mesmo sendo pequeno - Gostei de tornar o dia das crianças em momentos de alegria, gostei também da realização de todo o processo de investigação - Ver um enorme sorriso em cada simples gesto que fazia, sentindo-me útil e crescendo um pouco a nível pessoal.

33 As nossas dificuldades… * O envolvimento pessoal durante o trabalho * A falta de disponibilidade em passar mais tempo com as crianças como nós gostaríamos * Distanciamento por parte de algumas crianças num primeiro contacto * Estudar a vida das crianças * Divergência de opiniões entre os contactos que obtivemos * Dificuldade em obter atempadamente a colaboração que precisávamos.


Carregar ppt "Sessão ICS 16 de Maio de 2007. Projecto Intervir Problemas do Mundo Actual Realizar sonhos… Construir Sorrisos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google