A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Disciplina: Medicina de Saúde da Família Naianne Leão Rafaela Roschel Thiciana Bassitt 04 de novembro de 2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Disciplina: Medicina de Saúde da Família Naianne Leão Rafaela Roschel Thiciana Bassitt 04 de novembro de 2013."— Transcrição da apresentação:

1 Disciplina: Medicina de Saúde da Família Naianne Leão Rafaela Roschel Thiciana Bassitt 04 de novembro de 2013

2

3 Doença infecto-contagiosa; Causada pelo Mycobacterium tuberculosis (BAAR); Transmissão através de aerossóis.

4 90% dos casos ocorre em países subdesenvolvidos; Aproximadamente 80% dos casos ocorre na população economicamente ativa (entre 15 e 59 anos); O Brasil é o único país da América Latina incluído entre as vinte e duas nações responsáveis por 80% do total de casos de TB no mundo; Estima-se que um, em cada quatro brasileiros, esteja infectado pelo bacilo de Koch.

5 anualmente, cerca de novos casos da doença são notificados ao MS. Pouco mais da metade dos casos (53%) encontra-se relacionado à forma pulmonar bacilífera. As regiões Norte, Nordeste e Sudeste são aquelas que apresentam as maiores taxas de incidência da doença; A mortalidade por TB tem mostrado tendência de redução. Entretanto, a cada ano é observada a ocorrência de mortes, sendo a principal causa de óbito entre pessoas que vivem com a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS); Essas tendências epidemiológicas estão fortemente associadas às desigualdades sociais: os negros, por exemplo, têm apresentado um risco de morrer 2,5 vezes maior do que os brancos;

6 Cor negra; Extremos de idade; Alcoolismo; Desnutrição; Más condições de moradia; Algumas ocupações profissionais; Pacientes imunodeprimidos.

7 Prevenção primária com a investigação de contatos e atividades educativas; Do diagnóstico precoce da TB, através da identificação e investigação de SR; Tratamento com esquema básico Descentralizado; Acompanhamento dos portadores da TB e seus contactantes; Coordenação do cuidado (promover uma interação com outros serviços / níveis de atenção.

8 Caso suspeito é definido como todo individuo com sintomatologia clinica sugestiva ou seja tosse com expectoração por 3 semanas ou mais e/ou febre, perda de peso, diminuição do apetite somada a imagem radiológica.

9 Escarro; Lavado Gástrico; Cultura; Radiografia.

10 Teste tuberculínico ( Reação de Mantoux) : 0 a 4 mm – não reator: indivíduo não infectado pelo M. tuberculosis ou com sensibilidade reduzida; 5 a 9 mm – reator fraco: indivíduo vacinado com BCG ou infectado pelo M. tuberculosis ou por outras micobactérias; 10 ou mais mm – reator forte: indivíduo infectado pelo M. tuberculosis, que pode estar doente ou não, e indivíduos vacinados com BCG nos últimos dois anos.

11 Um resultado entre 10 e 15 mm é duvidoso no período de até 10 anos depois da última BCG, mas sempre deverá se considerar a possibilidade de infecção pelo M. tuberculosis nas seguintes situações: Se a prova tuberculínica é maior que 15 mm, mesmo que o paciente tenha recebido BCG nos últimos 10 anos; Se a prova tuberculínica é maior que 10 mm e a última BCG foi aplicada há mais de 10 anos; Se o indivíduo esteve em contato com um caso de TB ou existe história familiar de TB (independentemente da vacinação de BCG);

12 TB Pulmonar Bacilífera: Pacientes com 2 baciloscopias diretas 1 baciloscopia (+) e cultura (+) 1 baciloscopia (+) e imagem radiológica sugestiva

13 TB pulmonar escarro-negativa: Pacientes com 2 baciloscopias (-) Mais imagem radiológica sugestiva Achados clínicos Ou outros exames complementares

14 TB extrapulmonar: Evidências clínicas Achados laboratoriais Achados histopatológico Cultura (+) de material extrapulmonar

15 Todo paciente SR deve ser encaminhado a uma UBS para investigação e tratamento; Cabe ao profissional de saúde notificar o caso ao Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN); Tratar como prioridade os pacientes que possuem baciloscopia (+); As UBS devem ter parceria com um laboratório que realiza a pesquisa do bacilo no escarro; Antes de iniciar o tratamento verificar fatores que dificultem a adesão;

16 A fonte de contagio é um paciente bacílifero ainda não tratado ou em tratamento a menos de 2 semanas

17 Paracoccidioidomicose; Histoplasmose; Aspergilose; Pneumonias.

18 RegimeFármacosFaixa de pesoUnidades/doseMeses 2RHZE Fase intensiva RHZE* 150/75/400/275 Comprimido em dose fixa combinada 20 a 35 Kg2 comprimidos 4 36 a 50 Kg3 comprimidos >50 kg4 comprimidos 4RH Fase de manutenção RH 300/200 ou 150/100 Cápsula 20 a 35 Kg1 cápsula 300/ a 50 Kg1 cáp 300/ cáp 150/100 >50 kg2 cápsulas 300/200 As siglas utilizadas significam: R= Rifampicina, H= Isoniazida, Z= Pirazinamida e E= Etambutol

19 Vacina BCG ao nascer Contra indicação: Imunodeficiência congênita ou adquirida, RN com menos de 2kg e crianças com lesões dermatológicas no local.

20 RN co-habitantes de foco tuberculoso ativo; Crianças contatos de casos baciliferos não vacinadas com BCG ou vacinadas há mais de 2 anos, com PPD igual ou superior a 5mm; Crianças contatos de casos baciliferos vacinadas com BCG há menos de 2 anos, com PPD igual ou superior a 10mm; Pessoa HIV + e que co-habita com indivíduo com TB pulmonar (BAAR +), quando afastada qualquer tipo de TB ativa; Pessoas HIV +, descartada TB ativa, com resultado de teste tuberculínico (PPD) superior à 5mm;

21 Pessoas imunocompetentes com reação tuberculínica recente (até 12 meses), isto é, que tiveram um aumento na resposta tuberculínica de, no mínimo, 10mm, visto que há maior risco de adoecimento nas pessoas recém infectadas;

22

23 No mundo: Ocorre de forma endêmica nos países com condições precárias socioeconômicas. Estima-se cerca de pessoas acometidas pela doença. No Brasil: Estima – se que haja cerca de doentes. Tem apresentado redução significativa de sua prevalência ( de 16,4 por habitantes em 1985 para 1,71 m 2004), aproximando-se da meta proposta pela OMS de eliminação da doença como problema de saúde pública, com a redução de sua prevalência para 1 caso por habitantes no ano de 2005

24

25

26 É uma doença infecciosa, transmitida da pessoa doente para a sadia, através da bactéria Mycobacterium leprae, conhecido como bacilo de Hansen. Sua evolução é prolongada e ataca pele e nervos periféricos

27 A transmissão acontece no contato íntimo e prolongado com o doente, através das vias aéreas (respiração, espirro, tosse e fala). Pode também ser transmitida através do contato direto com feridas abertas do doente. Importante: Assim que a pessoa começa o tratamento deixa de transmitir a doença. A pessoa com hanseníase não precisa ser afastada do trabalho, nem do convívio familiar.

28

29 Em média de 2 a 5 anos.

30 Manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo com perda ou alteração de sensibilidade; Área de pele seca e com falta de suor; com queda de pêlos, especialmente nas sobrancelhas; com perda ou ausência de sensibilidade; Sensação de formigamento (Parestesias) ou diminuição da sensibilidade ao calor, à dor e ao tato. A pessoa se queima ou machuca sem perceber. Dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas, inchaço de mãos e pés. Diminuição da força dos músculos das mãos, pés e face devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos.

31 Úlceras de pernas e pés. Nódulo no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos. Febre, edemas e dor nas juntas. Entupimento, sangramento, ferida e ressecamento do nariz; Ressecamento nos olhos; Mal estar geral, emagrecimento; Locais com maior predisposição para o surgimento das manchas: mãos, pés, face, costas, nádegas e pernas Importante: Em alguns casos, a hanseníase pode ocorrer sem manchas.

32

33 A hanseníase, para fins de tratamento, pode ser classificada em: Paucibacilar: de 1 a 5 lesões de pele (baixa carga de bacilos): Forma Indeterminada Forma tuberculóide Multibacilar: > de 5 lesões de pele (alta carga de bacilos). forma Dimorfa Forma Virchowiana

34 Cor mais clara Diminuição da sensibilidade

35

36 Benigna e localizada Lesões únicas Alterações no nervo

37 Lesões maiores Acomentimento dos nervos

38 Imunidade nula Bacilo se multiplica Quadro grave

39 Clínico – anamnese + exame físico criterioso Baciloscopia O diagnóstico deve ser feito e classificado como: Paucibacilares (PB): casos com 5 lesões de pele e ou apenas um tronco nervoso acometido; Multibacilares (MB): casos com > 5 lesões de pele e ou mais de um tronco nervoso acometido.

40 São reações do sistema imunológico do doente ao bacilo Mycobacterium leprae Principal causa de lesões dos nervos e de incapacidades provocadas pela Hanseníase. Os estados reacionais, ou reações hansênicas, podem ser de dois tipos: Reação tipo I, ou reação reversa: novas lesões dermatológicas (manchas ou placas) e alterações de cor e edema nas lesões antigas, bem como dor ou espessamento dos nervos (neurites). Reação tipo II, ou eritema nodoso hansênico (ENH): se caracteriza por apresentar nódulos vermelhos e dolorosos, febre, dores articulares, dor e espessamento nos nervos e mal-estar generalizado.

41 Ptiriase alba; Vitiligo; Nevos hipocrômicos; Doenças exantemáticas e reações alérgicas; Carcionama Basocelular; Xantomas tuberosos; Síndrome do túnel do carpo; Neuralgia parestésica.

42 Hanseníase tem cura!! O tratamento da pessoa com hanseníase é fundamental na estratégia de controle da doença, enquanto problema de saúde pública. A PQT combate o bacilo tornando-o inviável. PQT: Rifampicina, Dapsona e Clofazimina, com administração associada.

43 Rifampicina: dose mensal de 600mg (2 cápsulas de 300mg) com administração supervisionada; Dapsona: dose diária de 100mg auto- administrada. Duração do tratamento: 6 a 9 meses Critério de alta: 6 doses em até 9 meses

44 Rifampicina: dose mensal de 600mg (2 cápsulas de 300mg) com administração supervisionada; Clofazimina: dose mensal de 300mg (3 cápsulas de 100mg) com administração supervisionada e uma dose diária de 50mg auto-administrada; Dapsona: dose diária de 100mg auto- administrada. Duração do tratamento: 12 a 18 meses Critério de alta: 12 doses em até 18 meses

45 Hanseníase e gravidez Hanseníase e Tuberculose Hanseníase e AIDS

46 Estas atividades não devem ser dissociadas do tratamento PQT; Acompanhar a evolução do comprometimento neurológico; Orientar atitudes de auto-cuidado nariz, olhos, mãos, pés); Casos que necessitem de cuidados mais complexos devem ser encaminhados para os centros de referência;

47 As atividades de controle da hanseníase são: Descoberta precoce de todos os casos de hanseníase existentes na comunidade Busca ativa e passiva Investigação epidemiológica Tratamento adequado Notificação do caso

48 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle da hanseníase na atenção básica: guia prático para profissionais da equipe de saúde da família Brasília: Ministério da Saúde, p.: il. – (Série A. Normas e Manuais técnicos; n.111) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Atenção Básica ed. rev. - Brasília : Ministério da Saúde, p. : il. - (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 21).


Carregar ppt "Disciplina: Medicina de Saúde da Família Naianne Leão Rafaela Roschel Thiciana Bassitt 04 de novembro de 2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google