A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Longevidade e Medicina Hospitalista Evandro Tinoco Mesquita Diretor Médico Hospital Pró-Cardíaco Coordenador do Projeto Melhores Práticas Assistenciais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Longevidade e Medicina Hospitalista Evandro Tinoco Mesquita Diretor Médico Hospital Pró-Cardíaco Coordenador do Projeto Melhores Práticas Assistenciais."— Transcrição da apresentação:

1 Longevidade e Medicina Hospitalista Evandro Tinoco Mesquita Diretor Médico Hospital Pró-Cardíaco Coordenador do Projeto Melhores Práticas Assistenciais da ANAHP

2 LANCET BRASIL AS MELHORIAS NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE, TAIS COMO RIQUEZA, ACESSO À SAÚDE E REDUÇÃO DE DESIGUALDADE, TEM SIDO OS PRINCIPAIS IMPULSIONADORES DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E EXPECTATIVA DE VIDA PROF. CÉSAR VICTORA (SÉRIE LANCET BRASIL

3 INTRODUÇÃO O Brasil é um país grande e complexo ( 200 milhões de habitantes) que vem passando por diversas transformações econômicas, sociais e ambientais; Diferenças regionais marcantes : regiões ricas (sul e sudeste) e regiões pobres (norte, nordeste e centro-oeste); Melhoria da saúde dos brasileiros nos últimos 40 anos;

4

5 A ÚNICA MANEIRA DE CONTROLAR OS CUSTOS É COLOCANDO O CONSUMIDOR NO COMANDO QUEM É O PERSONAGEM MAIS IMPORTANTE NO SISTEMA DE SAÚDE? QUEM REALIZA OS SERVIÇOS? – O MÉDICO CLARAMENTE, O BRASIL É O FUTURO Prof.ª Regina Herzlinger (Harvard Business School) Entrevista Revista Diagnóstico – Gestão em Saúde

6 43 HOSPITAIS ASSOCIADOS 10% DAS INTERNAÇÕES - HOSPITAIS PRIVADOS DO BRASIL LEITOS FOCO ALTA COMPLEXIDADE TODOS OS HOSPITAIS ACREDITADOS FATURAMENTO DE R$ 7,5 BILHÕES – 14% DAS DESPESAS EM SAÚDE SUPLEMENTAR COMPROMISSOS: QUALIDADE / SEGURANÇA ASSISTENCIAL / EXCELÊNCIA E RESULTADOS ANAHP – 10 anos

7 Escopo Projeto Melhores Práticas Assistenciais Incentivar, apoiar e disseminar a excelência da prática clínica nos hospitais associados e no mercado de saúde

8

9

10 Envelhecimento da demanda Os grupos etários acima de 45 anos tem crescido de forma importante –Variação 2010 x a 89 anos (42%) >90 anos (68%) Aumento da mediana de idade dos hospitais de 5% no período Maior proporção de casos de Neoplasias, D. Ap. Circulatório e Pneumonia acima de 60 anos Taxa de pacientes residentes cresceu – impacto na oferta

11

12 CUIDAR DO IDOSO FALTA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA PARA MEDIDAS DE ALTA COMPLEXIDADE. CONFLITOS HUMANOS – FAMÍLIA / CUIDADOR / MÉDICO ASSISTENTE / EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DO HOSPITAL. CONFLITOS SOCIOECONÔMICOS NO CONTEXTO FAMILIAR. PRESSÕES DE SEGURADORAS PARA REDUZIR O TEMPO DE INTERNAÇÃO. SERVIÇOS DE PSICOLOGIA, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE CUIDADOS PALIATIVOS POUCO ESTRUTURADOS.

13 LONGEVIDADE E HOSPITAIS MUDANÇA AMBIENTAL APROXIMAÇÃO DA FAMÍLIA CUIDADO CENTRADO NO PACIENTE PACIENTES COM MÚLTIPLAS COMORBIDADES TEMPO PROLONGADO DE INTERNAÇÃO

14 MEDICINA BASEADA EM NARRATIVAS POETISA 91 ANOS DEU ENTRADA NA EMERGÊNCIA COM SÍNCOPE E TCE. EXAMES LABORATORIAIS NORMAIS E AVALIAÇÃO CLÍNICA NORMAL. MÉDICO ASSISTENTE SOLICITA 24H DE OBSERVAÇÃO LUCIDA, EVOLUIU COM GASTROENTERITE, CHOQUE SÉPTICO E INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA NECESSITANDO DIÁLISE. DECISÃO COM A FAMÍLIA – O QUE FAZER?

15 TRAJETÓRIA 1 REALIZADA HEMODIÁLISE – MELHOROU QUADRO INFECCIOSO E TEVE ALTA APÓS 10 DIAS, SEM SEQUELAS

16 TRAJETÓRIA 2 REALIZADA HEMODIÁLISE - EVOLUIU COM INSUFICIENCIA RESPIRATÓRIA E PERMANECEU 100 DIAS NO CTI. ALTA HOSPITALAR: DIÁLISE PERITONEAL / TRAQUEOSTOMIZADA / GASTROSTOMIA PERDA COGNITIVA ACENTUADA. APÓS 3 MESES DE INTERNAÇÃO A FAMÍLIA ACEITOU HOME- CARE.

17 APÓS UMA SEMANA, O PACIENTE RETORNA AO HOSPITAL COM MEDIDA JUDICIAL. A FILHA RELATA – OS ESTRANHOS INVADIRAM A MINHA CASA E MINHA VIDA VIROU UM INFERNO.

18 PROTOCOLOS DE SEGURANÇA DO PACIENTE - HOSPITAIS ANAHP PREVENÇÃO DE QUEDA PREVENÇÃO DE DELIRIUM PREVENÇÃO DE ESCARAS DE DECÚBITO RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA ANALGESIA / AVALIAÇÃO DA DOR

19 CAPACITAÇÃO DOS HOSPITAIS EM CONCEITOS DE GERIATRIA E CUIDADOS PALIATIVOS. EQUIPES MULTIDISCIPLINARES FOCADAS EM CUIDADOS PALIATIVOS. ÁREAS HOSPITALARES DESTINADAS AOS DOENTES EM SUPORTE ORGÂNICO CRÔNICO (EX. VENTILAÇÃO CRÔNICA). ELABORAÇÃO DE DIRETRIZES NACIONAIS (ANS / CFM) FOCADAS EM CUIDADOS PALIATIVOS / TERMINALIDADE. ESTÍMULO GOVERNAMENTAL PARA CONSTRUÇÃO DE HOSPITAIS DE CRÔNICOS (HOSPICES). MEDIDAS DE INCENTIVO PARA PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO. CONCLUSÕES

20 ESTUDOS DE EFETIVIDADE CLÍNICA COMPARATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ALTO CUSTO E ALTA COMPLEXIDADE NOS IDOSOS E MUITO IDOSOS (>80 ANOS). ENVOLVER A POPULAÇÃO E MÉDICOS NO ENTENDIMENTO DO PROBLEMA DO IDOSO E NA COMPLEXIDADE DA TOMADA DE DECISÃO.

21 OBSERVATÓRIO ANAHP


Carregar ppt "Longevidade e Medicina Hospitalista Evandro Tinoco Mesquita Diretor Médico Hospital Pró-Cardíaco Coordenador do Projeto Melhores Práticas Assistenciais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google