A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL-COLÔNIA Colégio Cruz e Sousa Profª. Karen Neves Olivan.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL-COLÔNIA Colégio Cruz e Sousa Profª. Karen Neves Olivan."— Transcrição da apresentação:

1 A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL-COLÔNIA Colégio Cruz e Sousa Profª. Karen Neves Olivan

2 ERA COLONIAL ERA NACIONAL Arcadismo (Setecentismo) Barroco (Seiscentismo) Literatura de informação Pré-modernismo Romantismo Realismo-Naturalismo Parnasianismo Simbolismo 1ª geração modernista 2ª geração modernista3ª geração modernista Literatura contemporânea

3 A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL-COLÔNIA O Brasil foi colônia portuguesa por mais de três séculos: Século XVI Século XVI: a metrópole procurou garantir o domínio sobre a terra descoberta, organizando-a em capitanias hereditárias e enviando negros da África para povoá-la e jesuítas da Europa para catequizar os índios. Século XVII Século XVII: a cidade de Salvador, na Bahia, povoada por aventureiros portugueses, índios, negros e mulatos, tornou-se o centro das decisões políticas e do comércio do açúcar. Século XVIII: a região de Minas Gerais transformou-se no centro da exploração do ouro e das primeiras revoltas políticas contra a colonização portuguesa (Inconfidência Mineira – 1789).

4 ORIGENS DA LITERATURA BRASILEIRA E CONCEITOS BÁSICOS DE LITERATURA Achamento do Brasil. Brasil selvagem surge na literatura através da cosmovisão lusitana: a Carta de Pero Vaz de Caminha. O desvelar do Brasil selvagem afeta o conceito de mundo dos europeus. Mas... Por que a carta foi considerada uma obra da literatura? Gênero textual X Tipo textual

5 TEXTO LITERÁRIOTEXTO NÃO-LITERÁRIO Maior ênfase na expressão função estética Finalidade estética, artística, lúdica Natureza ficcional Predomínio da linguagem conotativa Linguagem mais pessoal, carregada de emoções e impressões de seu emissor A realidade pode ser traduzida, recriada ou relativizada pelo leitor Plurissignificativo Maior ênfase no conteúdo função utilitária Finalidade prática, funcional Predomínio da linguagem denotativa Linguagem mais impessoal, objetiva, visando à informação Normalmente, a realidade é apenas traduzida da intenção do emissor. Normalmente, com um significado

6 Nem crônicas, nem memórias, pois não resultavam de nenhuma intenção literária: os escritos dos cronistas e viajantes eram uma tentativa de descrever e catalogar a terra e o povo recém-descobertos. Entretanto, permeava-os a fantasia de seus autores, exploradores europeus que filtravam fatos e dados, acrescentando-lhes elementos mágicos e características muitas vezes fantásticas. (Carlos Vogt e José Augusto G. Lemos) Descobrimento do Brasil Portinari, 1954)

7 LITERATURA DE INFORMAÇÃO A feição deles é serem pardos, quase avermelhados, de rostos regulares e narizes bem feitos, andam nus sem nenhuma cobertura, nem se importam de cobrir nenhuma coisa, nem de mostrar suas vergonhas. E sobre isto são tão inocentes, como em mostrar o rosto. Ali andavam entre eles três ou quatro moças, tão altas e bem gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas, tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha. (CAMINHA, Pero Vaz. Carta. Brasil, 1500)

8 LITERATURA DE INFORMAÇÃO Atenção Atenção: Literatura de Informação, de Expansão, Quinhentismo; cultivada por Portugal na época das grandes navegações; cultivada por Portugal na época das grandes navegações; narrar e descrever as viagens e os primeiros contatos narrar e descrever as viagens e os primeiros contatos com a terra brasileira e seus nativos; com a terra brasileira e seus nativos; pouco valor literário, muito valor histórico; pouco valor literário, muito valor histórico; registram o choque das culturas. registram o choque das culturas.

9 LITERATURA DE INFORMAÇÃO Principais produções Principais produções: Carta, de Pero Vaz de Caminha (1500); Diário de navegação, de Pero Lopes de Sousa (1530); Duas viagens ao Brasil, de Hans Staden (1557); Viagem à terra do Brasil, de Jean de Léry (1578); Tratado da terra do Brasil e História da província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos de Brasil, de Pero de Magalhães Gândavo (1576); Tratado descritivo do Brasil, de Gabriel Soares de Sousa (1587); Diálogos das grandezas do Brasil, de Ambrósio Fernandes Brandão (1618).

10 A LITERATURA DE CATEQUESE: José de Anchieta Atenção Atenção: ; missão dos jesuítas catequisar; destaques: Manuel da Nóbrega, Fernão Cardim e José de Anchieta.

11 A LITERATURA DE CATEQUESE: José de Anchieta José de Anchieta ( ). Chegou no Brasil em 1553, junto com Manuel da Nóbrega. Fundou colégio no planalto de Piratininga, núcleo da futura São Paulo. Escreveu poemas, hinos, cartas, canções e autos (polilíngues), além de uma gramática da língua tupi. Com o teatro cumpriu sua missão catequética. Alvo índio, uniu festas, danças, músicas e representações.

12 INTERTEXTUALIDADE Conceito: relação entre texto. Formas de construção: Paráfrase reforçar as ideias originais. Paráfrase reforçar as ideias originais. Paródia perverter o sentido original por meio de críticas. Paródia perverter o sentido original por meio de críticas. Epígrafe citação inicial. Epígrafe citação inicial. Alusão referência a personagens, passagens de obras ou Alusão referência a personagens, passagens de obras ou históricas, mas sem referenciação. históricas, mas sem referenciação. Citação alusão com referenciação. Citação alusão com referenciação. Apropriação plágio Apropriação plágio Bricolagem / Carnavalização colagem de vários textos. Bricolagem / Carnavalização colagem de vários textos. Pastiche imitação grosseira e de sentido pejorativo. Pastiche imitação grosseira e de sentido pejorativo.

13 METALINGUAGEM Conceito: uso da língua para explicar a própria língua. Marginal é quem escreve à margem, Deixando branca a página Para que a paisagem passe E deixe tudo claro a sua passagem Marginal, escrever na entrelinha, Sem nunca saber direito Quem veio primeiro O ovo ou a galinha (Paulo Leminski)

14 EXERCÍCIOS 01. As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: a)Literatura informativa sobre o Brasil (crônica) e literatura didática, catequética (obra dos jesuítas). b) Romances e contos dos primeiros colonizadores. c) Poesia épica e prosa de ficção. d) Obras de estilo clássico, renascentista. e) Poemas românticos indianistas.

15 02. A literatura de informação corresponde às obras: a) barrocas; b) arcádicas; c) de jesuítas, cronistas e viajantes; d) do Período Colonial em geral; e) n.d.a. EXERCÍCIOS

16 03. Qual das afirmações não corresponde à Carta de Caminha? a) Observação do índio como um ser disposto à catequização. b) Deslumbramento diante da exuberância da natureza tropical. c) Mistura de ingenuidade e malícia na descrição dos índios e seus costumes. d) Composição sob forma de diário de bordo. e) Aproximações barrocas no tratamento literário e no lirismo das descrições. EXERCÍCIOS

17 EXERCÍCIOS 04. (UNISA) A literatura jesuíta, nos primórdios de nossa história: a) tem grande valor informativo; b) marca nossa maturação clássica; c) visa à catequese do índio, à instrução do colono e sua assistência religiosa e moral; d) está a serviço do poder real; e) tem fortes doses nacionalistas.

18 EXERCÍCIOS 05. A importância das obras realizadas pelos cronistas portugueses do século XVI e XVII é: a) determinada exclusivamente pelo seu caráter literário; b) sobretudo documental; c) caracterizar a influência dos autores renascentistas europeus; d) a de terem sido escritas no Brasil e para brasileiros; e) n.d.a.

19 EXERCÍCIOS 06. Anchieta só não escreveu: a) um dicionário ou gramática da língua tupi; b) sonetos clássicos, à maneira de Camões, seu contemporâneo; c) poesias em latim, português, espanhol e tupi; d) autos religiosos, à maneira do teatro medieval; e) cartas, sermões, fragmentos históricos e informações.

20 06. Anchieta só não escreveu: a) um dicionário ou gramática da língua tupi; b) sonetos clássicos, à maneira de Camões, seu contemporâneo; c) poesias em latim, portugueses, espanhol e tupi; d) autos religiosos, à maneira do teatro medieval; e) cartas, sermões, fragmentos históricos e informações. EXERCÍCIOS 07. São características da poesia do Padre José de Anchieta: a) a temática, visando a ensinar os jovens jesuítas chegados ao Brasil; b) linguagem cômica, visando a divertir os índios; expressão em versos decassílabos, como a dos poetas clássicos do século XVI; c) temas vários, desenvolvidos sem qualquer preocupação pedagógica ou catequética; d) função pedagógica; temática religiosa; expressão em redondilhas, o que permitia que fossem cantadas ou recitadas facilmente. e) n.d.a.

21 EXERCÍCIOS 08. (UNIV. FED. DE SANTA MARIA) Sobre a literatura produzida no primeiro século da vida colonial brasileira, é correto afirmar que: a) É formada principalmente de poemas narrativos e textos dramáticos que visavam à catequese. b) Inicia com Prosopopéia, de Bento Teixeira. c) É constituída por documentos que informam acerca da terra brasileira e pela literatura jesuítica. d) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação artística e pedagógica. e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o homem, ao relatar as condições encontradas no Novo Mundo.

22 EXERCÍCIOS 09. (UFV) Leia a estrofe abaixo e faça o que se pede: Dos vícios já desligados nos pajés não crendo mais, nem suas danças rituais, nem seus mágicos cuidados. (ANCHIETA, José de. O auto de São Lourenço [tradução e adaptação de Walmir Ayala] Rio de Janeiro: Ediouro[s.d.]p. 110) Assinale a afirmativa verdadeira, considerando a estrofe acima, pronunciada pelos meninos índios em procissão:

23 EXERCÍCIOS a) Os meninos índios representam o processo de aculturação em sua concretude mais visível, como produto final de todo um empreendimento do qual participaram com igual empenho a Coroa Portuguesa e a Companhia de Jesus. b) A presença dos meninos índios representa uma síntese perfeita e acabada daquilo que se convencionou chamar de literatura informativa. c) Os meninos índios estão afirmando os valores de sua própria cultura, ao mencionar as danças rituais e as magias praticadas pelos pajés. d) Os meninos índios são figuras alegóricas cuja construção como personagens atende a todos os requintes da dramaturgia renascentista. e) Os meninos índios representam a revolta dos nativos contra a catequese trazida pelos jesuítas, de quem querem libertar-se tão logo seja possível.

24 Colégio Cruz e Sousa Profª. Karen Neves Olivan A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL-COLÔNIA FIM


Carregar ppt "A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO BRASIL-COLÔNIA Colégio Cruz e Sousa Profª. Karen Neves Olivan."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google