A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU/SC NA IMPLANTAÇÃO DO COMPLEXO REGULADOR ALESSANDRA MAASS GERENTE DE REGULAÇÃO SEMUS - BLUMENAU.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU/SC NA IMPLANTAÇÃO DO COMPLEXO REGULADOR ALESSANDRA MAASS GERENTE DE REGULAÇÃO SEMUS - BLUMENAU."— Transcrição da apresentação:

1 EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU/SC NA IMPLANTAÇÃO DO COMPLEXO REGULADOR ALESSANDRA MAASS GERENTE DE REGULAÇÃO SEMUS - BLUMENAU

2 No ano de 2006, a Implantação Complexo Regulador foi condicionada à integração de diversas áreas da gestão, atuando de forma efetiva no âmbito ambulatorial, dominando as agendas, tetos e cotas, controlando ativamente a PPI, subsidiando ações de controle, avaliação, auditoria, planejamento e programação... I N T R O D U Ç Ã O

3 ...qualificando a informação, agregando o processamento da produção, as autorizações pré e pós-fato, a qualificação das bases e das rotinas cadastrais, incorporando protocolos, integrando-se à atenção as urgências, qualificando a comunicação com o usuário, provendo princípios básicos de eqüidade e integralidade, além de viabilizar a real e efetiva hierarquização da rede de serviços de saúde.

4 CARACTERIZAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO Blumenau assumiu a gestão plena mediante portaria GM/MS 3.260, de , e é sede regional para o Vale do Itajaí, abrangendo 57 municípios. Historicamente, o Município contava com boa estrutura de gestão nas áreas de Controle, Avaliação e Auditoria, e teve nessa integração o grande pilar da sua estrutura de Regulação.

5 INÍCIO DAS ATIVIDADES DA REGULAÇÃO O Complexo Regulador de Blumenau foi inaugurado em novembro de 2006 atuando na regulação da Tomografia Computadorizada e da Ressonância Magnética. Atualmente regulamos todas as consulta, exames e procedimentos, no âmbito ambulatorial, desde Unidades Básicas de Saúde (ESF) com agendamento local, até a Alta Complexidade, passando também pelo serviços odontológicos. Em outubro/2011 iniciaremos a regulação das cirurgias eletivas, ou seja, processo regulatório na internação hospitalar, sendo que todas as filas de espera encontram-se na Gerência de Regulação passando pelo processo de higienização.

6 A PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO COMPLEXO REGULADOR MUNICIPAL, DEU-SE MEDIANTE DETALHAMENTO DE: Decisão da Gestão (D) Apoio do Conselho Municipal de Saúde (D) Escolha da ferramenta (D) Criar ou fortalecer o setor de regulação no município (G) Conhecer a estrutura atual tecnológica (rede de internet, suporte, etc) (D) Equipe de manutenção para equipamentos de informática da rede (D) Plano de ação (determinar a inclusão dos procedimentos) respeitando a capacidade da regulação e dos solicitantes (I) Convencimento das unidades executantes (I)

7 RECURSOS HUMANOS INICIAL 1 MÉDICO REGULADOR 1 MÉDICO REGULADOR 1 COORDENADOR ADMINISTRATIVO 1 COORDENADOR ADMINISTRATIVO

8 Equipe de Apoio Inicial 7 enfermeiros (Supervisores das Unidades de Saúde por região) 7 enfermeiros (Supervisores das Unidades de Saúde por região) 1 médico (Integração entre a Regulação e as Unidades de Saúde e articulação dos protocolos) 1 médico (Integração entre a Regulação e as Unidades de Saúde e articulação dos protocolos) 5 funcionários (informática) 5 funcionários (informática) 2 funcionários (PPI) 2 funcionários (PPI)

9 RECURSOS HUMANOS ATUAL Equipe de Reguladores = 14 médicos Equipe de Reguladores = 14 médicos Alberto Pereira de Carvalho - Ginecologia, Obstetrícia - CRM 2246 Alberto Pereira de Carvalho - Ginecologia, Obstetrícia - CRM 2246 Alexandre Ernani da Silva - Urologia - CRM 9252 Alexandre Ernani da Silva - Urologia - CRM 9252 Carlos Ivan Beduschi - Ginecologia, Obstetrícia - CRM 4628 Carlos Ivan Beduschi - Ginecologia, Obstetrícia - CRM 4628 Carmo Aparecido de Souza - Oftalmologia - CRM 8894 Carmo Aparecido de Souza - Oftalmologia - CRM 8894 Elizabete Ternes Pereira - Pediatria (medicina do Adolescente) - CRM 2431 Elizabete Ternes Pereira - Pediatria (medicina do Adolescente) - CRM 2431 Fábio Siquineli - Neurologia, Clínica Médica - CRM Fábio Siquineli - Neurologia, Clínica Médica - CRM 10871

10 RECURSOS HUMANOS ATUAL Equipe de Reguladores = 14 MÉDICOS Equipe de Reguladores = 14 MÉDICOS Gustavo Henrique Conceição Elias – Med. de Família e Com. - CRM Gustavo Henrique Conceição Elias – Med. de Família e Com. - CRM José Lino Gonçalves - Cirurgia Torácica - CRM 9732 José Lino Gonçalves - Cirurgia Torácica - CRM 9732 Leonardo Vassali Rigo- Cirurgião Dentista - CRO SC-CD-3833 Leonardo Vassali Rigo- Cirurgião Dentista - CRO SC-CD-3833 Luciana Pantozzi de Souza Marchetti - Nefrologia, Clínica Médica - CRM Luciana Pantozzi de Souza Marchetti - Nefrologia, Clínica Médica - CRM Melissa Horvath de Lima - Psiquiatria - CRM Melissa Horvath de Lima - Psiquiatria - CRM Rodrigo Aurélio Monari - Ortopedia e Traumatologia - CRM Rodrigo Aurélio Monari - Ortopedia e Traumatologia - CRM Sandro Laércio Reichow - Cancerologia - CRM 6382 Sandro Laércio Reichow - Cancerologia - CRM 6382

11 RECURSOS HUMANOS ATUAL Equipe de Administrativa = 16 colaboradores Equipe de Administrativa = 16 colaboradores Dr Marcelo Lanzarim – Secretário Municipal de Saude (apoio) Dr Marcelo Lanzarim – Secretário Municipal de Saude (apoio) Alexandre Ernani da Silva - Diretor de Assistência à Saúde Alexandre Ernani da Silva - Diretor de Assistência à Saúde Alessandra Maass - Gerente de Regulação Alessandra Maass - Gerente de Regulação Andrea Ritter - Responsável / Oftalmologia Andrea Ritter - Responsável / Oftalmologia Arlene Miranda - Responsável / Odontologia Arlene Miranda - Responsável / Odontologia Cintia Casagranda de Oliveira – Responsável Cirurgias Eletivas Cintia Casagranda de Oliveira – Responsável Cirurgias Eletivas Cleci Fatima da Silva – Responsável Cirurgias Eletivas Cleci Fatima da Silva – Responsável Cirurgias Eletivas Eliziane De Souza Pereira - Responsável / Amb. Furb Eliziane De Souza Pereira - Responsável / Amb. Furb

12 RECURSOS HUMANOS ATUAL Gabriela Dalri - Estagiária Gabriela Dalri - Estagiária Jose Carlos Soares Junior - Responsável / Oncologia Jose Carlos Soares Junior - Responsável / Oncologia Juçara de Souza Gomes David - Responsável / Atenção Básica Juçara de Souza Gomes David - Responsável / Atenção Básica Jucimara Regina Pamplona Waldrich - Responsável / odontologia Jucimara Regina Pamplona Waldrich - Responsável / odontologia Nilce Ribeiro Dos Santos - Responsável / Média Complexidade Nilce Ribeiro Dos Santos - Responsável / Média Complexidade Ricardo César Weise - Responsável / Atenção Básica Ricardo César Weise - Responsável / Atenção Básica Sergio Friese - Responsável / Exames de Alta Complexidade Sergio Friese - Responsável / Exames de Alta Complexidade Uiara Rautenberg - Responsável / Policlínica Uiara Rautenberg - Responsável / Policlínica Vanuza Vieira Muniz - Responsável / PPI Vanuza Vieira Muniz - Responsável / PPI

13 UNIDADES INTERLIGADAS AO REGULAÇÃO TODAS TRABALHAM COM O SISREG UNIDADE EXECUTANTE = 24 UNIDADE EXEC/SOLICT. = 80 UNIDADES SOLICITANTES= 35 MUNICÍPIOS PPI= 57 TOTAL = 196 OBS = TODOS OS MUNICÍPIOS TREINADOS POR BLUMENAU

14 MUNICIPIOS DA REGIÃO QUE UTILIZAM O SISREG BRUSQUE = BNU - TREINAMENTO DO MÓDULO ADM ATÉ OS OPERADORES GASPAR = BNU - AUXILIO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO E CONFIGURAÇÃO ITAJAI = BNU – COLABORADOR NA DECISÃO DA UTILIZAÇÃO DO E SISREG 15 SDR = SOLICITOU TREINAMENTO PARA BLUMENAU, MAS MEDIANTE AS CHEIAS DO RIO ITAJAI-AÇU ADIAMOS O TREINAMENTO ESTADO SC = TRABALHAMOS PARA QUE SE ADOTE O SISREG COMO FERRAMENTE DE REGULAÇÃO JOINVILLE = BNU - TREINAMENTO DO MODULO ADM E POSSÍVEL TREINAMENTO DOS OPERADORES

15 Após detalhamento, dividimos as ações em três grandes partes: 1ª AÇÃO = Levantamos informações essenciais para a ação prática da regulação assistencial, qualificando o processo de planejamento e direcionando prioridades nas ações de estruturação dos fluxos que norteiam a ação reguladora; 2ª AÇÃO = Diagnosticamos as ações já executadas no âmbito autorizativo, abrangendo todo o processo assistencial; 3ª AÇÃO = Focamos na captação dos recursos financeiros disponibilizados pelo Ministério da Saúde por meio da Portaria GM/MS 1.571, de , fazendo a indicação da sua alocação e finalidade.

16 ORGANIZAÇÃO BÁSICA INICIAL APROPRIAÇÃO DAS AGENDAS A PARTIR DOS CONTRATOS ESTABELECIDOS; APROPRIAÇÃO DAS AGENDAS A PARTIR DOS CONTRATOS ESTABELECIDOS; ESTRUTURAÇÃO DOS FLUXOS DE AUTORIZAÇÃO; ESTRUTURAÇÃO DOS FLUXOS DE AUTORIZAÇÃO; TRIAGEM DAS FILAS DE ESPERA; TRIAGEM DAS FILAS DE ESPERA; IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLOS DE FLUXOS ; IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLOS DE FLUXOS ; QUALIFICAÇÃO DA COMUNICAÇÃO COM OS USUÁRIOS; QUALIFICAÇÃO DA COMUNICAÇÃO COM OS USUÁRIOS; CAPACITAÇÃO PERMANENTE DOS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA CAPACITAÇÃO PERMANENTE DOS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA

17 PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO Treinamento da equipe municipal de Coordenadores pelo MS Treinamento da equipe municipal de Coordenadores pelo MS Treinamento dos executantes pelo MS Treinamento dos executantes pelo MS Configuração do sistema a partir do escopo inicial, com apoio do MS; Configuração do sistema a partir do escopo inicial, com apoio do MS;

18 PROCESSO DE AMPLIAÇÃO TREINAMENTO DOS OPERADORES MUNICIPAIS PELA GERÊNCIA DE REGULAÇÃO TREINAMENTO DOS OPERADORES MUNICIPAIS PELA GERÊNCIA DE REGULAÇÃO TREINAMENTO DOS OPERADORES DOS MUNICÍPIOS COM PACTUAÇÃO EM BLUMENAU PELA GERÊNCIA DE REGULAÇÃO TREINAMENTO DOS OPERADORES DOS MUNICÍPIOS COM PACTUAÇÃO EM BLUMENAU PELA GERÊNCIA DE REGULAÇÃO OBS = INSTITUÍMOS A ROTINA DE TREINAMENTOS OCORRE BIMESTRALMENTE; ESPAÇO QUE DISCUTIMOS PROTOCOLOS, DIFICULDADES, PARA REALIZARMOS AJUSTES OBS = INSTITUÍMOS A ROTINA DE TREINAMENTOS OCORRE BIMESTRALMENTE; ESPAÇO QUE DISCUTIMOS PROTOCOLOS, DIFICULDADES, PARA REALIZARMOS AJUSTES ATUALMENTE TEMOS EM MÉDIA 550 OPERADORES ATUALMENTE TEMOS EM MÉDIA 550 OPERADORES

19 Qualificação do acesso baseado em protocolos e critérios de priorização; Qualificação do acesso baseado em protocolos e critérios de priorização; Tratamento e/ou eliminação das filas de espera; Tratamento e/ou eliminação das filas de espera; Redução do tempo de espera; Redução do tempo de espera; Tratamento do absenteísmo; Tratamento do absenteísmo; Controle dos limites físicos e financeiros; Controle dos limites físicos e financeiros; Subsídio para reavaliação de contratos; Subsídio para reavaliação de contratos; Apoio às ações de controle, avaliação e auditoria. Apoio às ações de controle, avaliação e auditoria. Pagamento dos procedimentos vinculados à confirmação no Sistema. Pagamento dos procedimentos vinculados à confirmação no Sistema. AVANÇOS IMEDIATOS

20 PRINCIPAIS AVANÇOS NA ESTRUTURA MUNICIPAL DE SAÚDE AMPLIAÇÃO DA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 2006 = COBERTURA DE 37% 2011 = COBERTURA DE 70% ACRESCIMO = 33%

21 PRINCIPAIS AVANÇOS NA ESTRUTURA MUNICIPAL DE SAÚDE AMPLIAÇÃO DA COBERTURA DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE 2006 = COBERTURA DE 38% 2011 = COBERTURA DE 90% ACRESCIMO = 63%

22 IMPORTANTE TRABALHAR COM A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Todo paciente encaminhado para o especialista permanece sob a responsabilidade do médico que o encaminhou (médico da unidade básica) e a ele deve retornar mediante contra-referência.

23 FLUXOS 1 – DETERMINAMOS OS FLUXO DA REDE BÁSICA PARA ESPECIALIZADA USUÁRIO TEM QUE PASSAR PELA REDE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO; TODOS OS ENCAMINHAMENTOS REALIZADOS PELA UNIDADE BÁSICA, SÃO DE RESPONSABILIDADE DA MESMA, DESDE A SOLICITAÇÃO ATÉ A ENTREGA E ORIENTAÇÃO DO USUÁRIO QUANTO AO PREPARO, QUANDO O USUÁRIO RECEBE A AUTORIZAÇÃO PARA ATENDIMENTO EM UNIDADES ESPECIALIZADAS, MEDIANTE CRITÉRIOS DOS PROTOCOLOS DE FLUXO, O MESMO É REFERENCIADO, SENDO CONTRA-REFERENCIADO APÓS A LIBERAÇÃO DO TRATAMENTO OU PROCEDIMENTO. ;

24 É DE RESPONSABILIDADE DA UNIDADE ESPECIALIZADA A SOLICITAÇÃO, DEVOLUÇÃO AUTORIZADA E ORIENTAÇÃO DO PREPARO AO USUÁRIO; RESUMINDO = A UNIDADE QUE ATENDE OU RECEBE O USUÁRIO É RESPONSÁVEL POR TODO FLUXO DE SEU ATENDIMENTO, SOLICITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO,(INCLUSIVE O RETORNO DURANTE 60 DIAS) ATÉ O MESMO SER CONTRA-REFERÊNCIADO PARA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE.

25 PRINCIPAIS RESULTADOS SATISFAÇÃO DO USUÁRIO; SATISFAÇÃO DAS UNIDADES PRESTADORAS DE SERVIÇO (EXECUTANTES) AUSÊNCIA DE FILA DE ESPERA EM TODOS OS EXAMES DE ALTA COMPLEXIDADE E 80% DA MÉDIA COMPLEXIDADE; DAS 42 ESPECIALIDADES OFERTADAS PELO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, HÁ FILA DE ESPERA, DE NO MÁXIMO 6 MESES, EM APENAS 9 DELAS. NAS RESTANTES A AUTORIZAÇÃO É REALIZADA DE 1 – 60 DIAS DEPENDENDO DA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E AVALIAÇÃO DO REGULADOR. AUTORIZAÇÃO DOS EXAMES MEDIANTE REALIZAÇÃO DE CONSULTA PELO MÉDICO SOLICITANTE. IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLOS DE FLUXO;

26 TRANSPARÊNCIA E CONTROLE EFETIVO DA PPI. APOIO (INFORMATIVO) AS GERÊNCIAS DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO E AUDITÓRIA, BEM COMO, A GESTÃO COMO UM TODO. EM BLUMENAU, HOJE, TRABALHAMOS COM TODAS AS AGENDAS MÉDICAS. ODONTOLOGICAS, ETC = COM ESCALONAMENTO DE 15 MINUTOS DE ATENDIMENTO POR CONSULTA, FAZENDO COM QUE OS PROFISSIONAIS PERMANEÇAM NO SEU HORÁRIO CONTRATUALIZADO.

27 FONE: 47 – –

28

29

30

31


Carregar ppt "EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU/SC NA IMPLANTAÇÃO DO COMPLEXO REGULADOR ALESSANDRA MAASS GERENTE DE REGULAÇÃO SEMUS - BLUMENAU."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google