A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Historia de Minha Cuiabá... Cidade Verde... Fundada em 8 de abril de 1719 pelos bandeirantes Pascoal Moreira Cabral e Miguel Sutil, às margens do córrego.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Historia de Minha Cuiabá... Cidade Verde... Fundada em 8 de abril de 1719 pelos bandeirantes Pascoal Moreira Cabral e Miguel Sutil, às margens do córrego."— Transcrição da apresentação:

1

2

3 Historia de Minha Cuiabá... Cidade Verde... Fundada em 8 de abril de 1719 pelos bandeirantes Pascoal Moreira Cabral e Miguel Sutil, às margens do córrego da Prainha, devido a descoberta de ouro, mais tarde denominadas Lavras do Sutil, a maior fonte de ouro que se teria achado no Brasil até então, Cuiabá só foi elevada a cidade em 17 de setembro de 1818, através de carta régia assinada por D. João VI. Só em agosto de 1835 se tornou Capital da província com a Lei nº 19, assinada por Antonio Pedro de Alencastro, à época, com cerca de 7 mil habitantes. Foi em 1909 que Cuiabá teve seu reconhecimento como Centro Geodésico da América do Sul. Em meados do Século XIX, já estando unidas a parte principal e a portuária da cidade, a população já atingia quase 10 mil habitantes. Na segunda metade do século XIX, com o fim da Guerra do Paraguai e a livre negociação, a cidade ganha força com obras de infra-estrutura e equipamentos urbanos. Como polo avançado no interior brasileiro, centraliza uma região que passa a ter expressiva produção agroindustrial acuçareira e intensa produção extrativa, em especial de poaia e de seringa. No século XX, a ligação rodoviária com São Paulo e Goiás e a aviação comercial, a partir de 1940, trouxeram o desenvolvimento da Capital. O grande marco de crescimento, no entanto, têm início na década de 70, quando o Governo Federal inicia um programa de povoamento do interior do País, oferecendo vantagens para os interessados. Em cinco anos, de 1970 a 1975, a população passou de 83 mil para 127 mil pessoas. Hoje, de acordo com o censo do IBGE, publicado em 2004, a Capital de Mato Grosso tem 524 mil habitantes. Localizada a uma altitude de 165 metros, a Capital possui uma área de 3.984,9 km2, com um clima tropical umido no verão (dezembro a fevereiro) e seco no inverno (junho a agosto). A temperatura máxima, nos dias mais quentes, fica em torno de 45ºC. A mínima varia entre 12 e 14ºC. O município divide águas das Bacias Amazônica e Platina. Entre os principais rios dessas redes hidrográficas estão o Cuiabá e o das Mortes. O rio Cuiabá, que corta a cidade, divide dois municípios: Cuiabá e Várzea Grande. A Capital mato-grossense limita- se ao Norte com Rosário Oeste, a Noroeste com Acorizal, a Sodoeste com Várzea Grande, ao Sul com Santo Antonio do Leverger, a Leste com Campo Verde e a Noroeste com Chapada dos Guimarães. A economia da Capital hoje está centralizada no comércio e na indústria. No comércio, a representatividade é varejista, constituída por casas de gêneros alimentícios, vestuário, eletrodomésticos, de objetos e artigos diversos. O setor industrial é representado, basicamente, pela agroindústria, com um distrito industrial que dispõe de infra-estrutura necessária, a Capital vem atraindo empresários de várias regiões do País. Com 288 anos, Cuiabá se prepara para viver outro grande surto de crescimento, com a implantação de vários mega- projetos, entre eles, a ligação ferroviária com o Porto de Santos, a conclusão e pavimentação da rodovia Cuiabá- Santarém, a BR-163, a saída rodoviária para o Oceano Pacífico, a hidrovia do Paraguai, a Usina de Manso, a Termoelétrica e o Gasoduto.

4 Culinária Mato-Grossense A cozinha mato-grossense tem influências da culinária africana, portuguesa, italiana, síria e com a migração dos últimos anos também adquirimos o uso de pratos típicos de outras regiões brasileiras. Pratos considerados bem mato-grossense, são: Maria Isabel (carne seca com arroz ) o Pacú assado com farofa de couve, a carne seca com banana-da- terra verde, farofa de banana-da-terra madura. O peixe em Mato Grosso é uma alimento farto, considerado como o principal nas áreas ribeirinhas. Ele pode ser comido frito, assado, ou ensopado, recheado com farinha de mandioca ou servido com pedaços de mandioca. Os peixes de mais prestígio nas mesas locais, são o Pacú, a piraputanga, o bagre, o dourado, a cachara, a geripoca, o pacupeva, o pintado, etc..

5 O povo mato-grossense também aprecia o arroz com pequi, picadinho de carne com quiabo e a carne assada. Não podemos nos esquecer do Guaraná de ralar usado principalmente pelos mais velhos, cujo costume é de tomar pela manhã. Ainda podemos destacar a variedades de doces e licores apreciados pelos mato-grossenses. Temos como os mais famosos o Furrundu ( doce feito de mamão e rapadura de cana), ( doce feito de mamão e rapadura de cana), o doce de caju em calda, e outros. Como aperitivo temo o Licor de Pequi, Licor de caju, Licor de mangaba, e outros. Para o café da manhã, vale ainda destacar o Bolo de Arroz e o Bolo de Queijo.

6 O artesanato mato-grossense reflete, em suas obras, o modo de vida do artesão, respeitando sua singularidade e mantendo viva a cultura do nosso povo. Em cada obra, vemos representado o dia-a-dia e os costumes da sociedade em que vive o artesão, o que faz com que cada obra seja única e de expressões próprias. O trabalho começou com a necessidade de suprir a falta de determinados objetos de difícil aquisição. A criatividade dos artesãos fez, desta necessidade, o surgimento do artesanato. Verdadeiras obras de arte enriquecem nossa cultura e transformam o cotidiano num encanto de belezas. São objetos de barro, madeira, fibra vegetal, linhas de algodão e sementes. Cultura Mato-Grossense

7 Siriri - O siriri é uma dança das mais populares do folclore mato-grossense, praticada especialmente nas cidades e na zona rural da baixada cuiabana, fazendo parte das festas de batizados, casamentos e festejos religiosos. É uma dança que lembra os divertimentos indígenas. Segundo a pesquisadora Julieta de Andrade - "siriri é uma suite de danças de expressão hispano-lusitana, fortemente cultuada no ritmo e no andamento, com expressão africana". e compara o siriri com o fandango do litoral brasileiro. É o siriri dançado por homens, mulheres e até crianças, numa coreografia bastante variada e sem uma interpretação definida, sendo praticada em sala de casa ou mesmo em terreiros. A música é simples e bastante alegre, falando de coisas da vida. Os tocadores são também os cantadores, em solo ou em côro com os participantes da dança. Os instrumentos musicais usados no acompanhamento da dança são basicamente a viola de côcho, o ganzá e o mocho ou tamboril Siriri - O siriri é uma dança das mais populares do folclore mato-grossense, praticada especialmente nas cidades e na zona rural da baixada cuiabana, fazendo parte das festas de batizados, casamentos e festejos religiosos. É uma dança que lembra os divertimentos indígenas. Segundo a pesquisadora Julieta de Andrade - "siriri é uma suite de danças de expressão hispano-lusitana, fortemente cultuada no ritmo e no andamento, com expressão africana". e compara o siriri com o fandango do litoral brasileiro. É o siriri dançado por homens, mulheres e até crianças, numa coreografia bastante variada e sem uma interpretação definida, sendo praticada em sala de casa ou mesmo em terreiros. A música é simples e bastante alegre, falando de coisas da vida. Os tocadores são também os cantadores, em solo ou em côro com os participantes da dança. Os instrumentos musicais usados no acompanhamento da dança são basicamente a viola de côcho, o ganzá e o mocho ou tamboril Dança, Ritmos de Mato Grosso Em período fértil no terreno cultural, Mato Grosso cria novos passos e ritmos, com novos grupos de folclore assimilando culturas e confirmando a fama de ser o mais brasileiro de todos os Estados da Nação. O Siriri (à cima) é uma das danças de maior tradição do Estado de Mato Grosso Em período fértil no terreno cultural, Mato Grosso cria novos passos e ritmos, com novos grupos de folclore assimilando culturas e confirmando a fama de ser o mais brasileiro de todos os Estados da Nação. O Siriri (à cima) é uma das danças de maior tradição do Estado de Mato Grosso

8 Cururu - O Cururu é importante componente do folclore mato-grossense. A dança do cururu se classifica em sacra e profana. A sacra, também chamada de função, geralmente acontece as orações aos santos de devoção popular e tem o objetivo de louvar ou homenagear aquele determinado Santo. A profana é aquela dança acompanhada pelos desafios e versos dos repentistas, por trovas de amor e uma variada coreografia. "...o cururu, na cuiabania, é dança de roda, só para homens, ao som de desafios cantado, com acompanhamento instrumental; é função de cururu. Cururu - O Cururu é importante componente do folclore mato-grossense. A dança do cururu se classifica em sacra e profana. A sacra, também chamada de função, geralmente acontece as orações aos santos de devoção popular e tem o objetivo de louvar ou homenagear aquele determinado Santo. A profana é aquela dança acompanhada pelos desafios e versos dos repentistas, por trovas de amor e uma variada coreografia. "...o cururu, na cuiabania, é dança de roda, só para homens, ao som de desafios cantado, com acompanhamento instrumental; é função de cururu. Congadas - Outra dança característica do folclore mato-grossense, é a Dança de Congos, também chamada Congadas. É de origem autenticamente africana. Esta dança geralmente fazia parte das comemorações festivas de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito. A Dança de Congos é de característica dramática e a indumentária colorida associada ao uso de espadas, simboliza a luta entre dois potentes africanos, um representando a nação do Rei de Portugal, o dominador e o outro representando a nação do Rei Congo (ou seja, a África negra dominada). A dança constitui-se de duas partes bem distintas, a cantiga e a embaixada. Além da baixada cuiabana, as Congadas são tradicionalmente cultuada na primeira capital mato-grossense, a cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade.

9 Religiosidade Mato-Grossense CATEDRAL METROPOLITANA Inaugurada em 1973, a atual catedral foi construída sobre os escombros da antiga, uma jóia do período colonial que foi demolida num episódio até hoje não esclarecido De qualquer forma, sua arquitetura moderna tem admiradores. É a sede da tradicional festa do Senhor Divino, que acontece de maio a junho. IGREJA DO BOM DESPACHO A " Notre Dame Cuiabana " é, ao menos externamente, a mais bela igreja da cidade. Seu estilo gótico, inédito em boa parte do país, foi definido por um arquiteto francês que teve toda a liberdade para ousar. Inaugurada em 1919, a igreja ainda está inacabada. IGREJA DO ROSÁRIO E CAPELA DE SÃO BENEDITO Esta é a única igreja barroca de Cuiabá. Foi fundada por escravos em É local da tradicional festa de São Benedito que acontece sempre no mês de julho.

10


Carregar ppt "Historia de Minha Cuiabá... Cidade Verde... Fundada em 8 de abril de 1719 pelos bandeirantes Pascoal Moreira Cabral e Miguel Sutil, às margens do córrego."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google