A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Teoria Geral dos Sistemas 2 Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Disciplina: Planejamento e Gestão de Instituições.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Teoria Geral dos Sistemas 2 Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Disciplina: Planejamento e Gestão de Instituições."— Transcrição da apresentação:

1 Teoria Geral dos Sistemas 2 Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Disciplina: Planejamento e Gestão de Instituições Arquivísticas Profa. Lillian Alvares

2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 2

3 Entrada, Input Energia e insumos transformados pelo sistema: Matéria-primas Trabalho Informações Tempo Outros 3

4 Processamento O processo usado pelo sistema para converter os insumos retirados do ambiente, para obtenção de produtos para consumo do próprio sistema e para serem devolvidos ao ambiente: 4

5 Processamento Planejamento Tomada de decisão Comunicação Coordenação Armazenamento Transporte Distribuição física Outros 5

6 Saída, Output O produto ou serviço resultante do processo de transformação do sistema Bens materiais Bens imateriais Bens de consumo Serviços Ideias Outros 6

7 Retroalimentação, Feedback Informações sistemáticas sobre algum aspecto do sistema, que possam ser utilizadas para avaliá-lo e monitorá-lo, de modo a melhorar seu desempenho: 7

8 Retroalimentação, Feedback Quantidade produzida Qualidade do produto Relação entre: Quantidade produzida e os insumos gastos Esforço e resultado Prazo de execução de atividades Outros 8

9 Controle As atividades e processos usados para avaliar entradas, processamentos e saídas, de modo a permitir as ações corretivas : 9

10 Controle Sistemas de informação Testes de controle de qualidade Avaliação de desempenho Pesquisas Estudo de Usuários Outros 10

11 EntradaProcessamentoSaída Retroalimentação Controle

12 Produtos A quantidade de produtos gerados por um sistema deve ser suficiente para o funcionamento de todos os seus subsistemas 12

13 Sub-sistema Todo sistema é um sub-sistema de um sistema maior 13

14 Limites Talvez esse seja um dos pontos mais difíceis de ser definido. Qual a fronteira de um sistema ? Como delimitar o que está dentro ou fora do sistema ? A demarcação da fronteira permite a diferenciação entre o sistema ou subsistema e seu ambiente ou outros subsistemas 14

15 Interfaces A maneira como os subsistemas se relacionam através de entradas e saídas. 15

16 Pontos de Vista Todo sistema pode ser entendido ou observado de diferentes ângulos ou pontos de vista. A TGS considera que um sistema pode ser influenciado por pontos de vista. 16

17 Nível de Abordagem (abstração) Todo sistema tem um nível de detalhe. O importante é assegurar que o nível de detalhe utilizado é condizente com o propósito do sistema. 17

18 Hierarquia A idéia de dividir um problema grande ( sistema ) em problemas menores ( subsistemas ) é intrínseca a ideia de sistemas. 18

19 Objetivo O propósito geral da existência do sistema. Sua razão de ser. 19

20 Equifinalidade Objetivos semelhantes podem ser conseguidos com uma grande variedade de insumos e de diferentes formas. 20

21 Entropia A tendência dos sistemas de perderem sua energia, sua vitalidade e dissolver-se no caos, ao longo do tempo. 21

22 Entropia Associada ao grau de desordem de um sistema. Um sistema tende a esgotar-se, isto é, a tendência das estruturas diferenciadas é moverem-se para a dissolução, à medida que os elementos que as compõem se acomodam em desordem aleatória. Ocorre por causa da degradação da energia Porque os sistemas, ao passarem de um estado para outro, necessariamente consomem energia

23 Entropia Negativa A capacidade do sistema de desenvolver ou receber organização ao longo do tempo para manter-se em funcionamento 23

24 Entropia Negativa Um sistema aberto deve importar energia livre de fora, para poder dar prosseguimento ao sistema por meio de incrementos de ordem.

25 Entropia Negativa Resultado: A evolução contínua, na medida que o estado final do sistema é mais elaborado que o inicial.

26 LEIS DA TERMODINÂMICA As 4 leis da termodinâmica

27 Lei Zero da Termodinâmica: Princípio da Igualdade das trocas de calor: Quando dois corpos têm igualdade de temperatura com um terceiro corpo, eles têm igualdade de temperatura entre si. Primeira Lei da Termodinâmica: Princípio da conservação da energia: Em um sistema isolado a energia total permanece constante A Segunda Lei da Termodinâmica: Princípio da Degradação da Energia: Os processos ocorrem numa certa direção mas não podem ocorrer na direção oposta. É o sentido espontâneo dos processos. Surge o conceito de Entropia, grandeza física que mede o grau de desorganização de um sistema Terceira Lei da Termodinâmica: Princípio do Zero Absoluto: À medida que a temperatura de uma substância pura move-se em direção ao zero absoluto, sua entropia, ou o comportamento desordenado de suas moléculas, também se aproxima de zero 27

28 O DILEMA DE BLASE PASCAL 28

29 O Dilema de Blase Pascal "só posso compreender o todo se conheço as partes, mas só posso compreender as partes se conheço o todo

30 O Dilema de Blase Pascal Mas "posso compreender o todo e as partes a partir do conhecimento da interação dessas partes entre si, pelas funções desempenhadas por cada uma delas nessa interação reduzindo o dilema a um problema com uma única variável: a interação.


Carregar ppt "Teoria Geral dos Sistemas 2 Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Disciplina: Planejamento e Gestão de Instituições."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google