A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IDADE MÉDIA (parte 1) Santo Sudário – Turím Itália; Prepúcio de Jesus Extrema Unção dos Enfermos; Juramento de Investidura de Feudo; Juramento de fidelidade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IDADE MÉDIA (parte 1) Santo Sudário – Turím Itália; Prepúcio de Jesus Extrema Unção dos Enfermos; Juramento de Investidura de Feudo; Juramento de fidelidade."— Transcrição da apresentação:

1

2 IDADE MÉDIA (parte 1) Santo Sudário – Turím Itália; Prepúcio de Jesus Extrema Unção dos Enfermos; Juramento de Investidura de Feudo; Juramento de fidelidade Sobre evangelho e relíquias Arca com relíquias – Cinzas de santos;

3 ORIENTE ALTA (séc.V a X) invasões bárbaras descentralização política ruralização da sociedade Francos: Merovíngios & Carolíngios; formação do feudalismo consolidação da Igreja Normandos (Sacro Império Romano Germânico) BAIXA (séc.X a XV) Cruzadas renascimento comercial ressurgimento urbano crise do feudalismo surgimento da burguesia CIVILIZAÇÃO ÁRABE (séc.VII: Imp Islâmico) IDADE MÉDIA ANTIGA Queda de Roma 476 dC MODERNA Queda de Constantinopla 1453

4

5 OS POVOS BÁRBAROS: Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana). Germânicos – principais grupos (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões, normandos...). Economia agropastoril. Quase total ausência de comércio e moeda. Ausência de escrita. Politeístas. Inicialmente sem propriedade privada. Poder político = casta de guerreiros. Direito Consuetudinário (tradição). COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).

6 REINO CRISTÃO DOS FRANCOS Dinastia MEROVÍNGIA; Clóvis ( ), convertido ao cristianismo – venceu os visigodos – considerados hereges pois defendiam o arianismo (só acreditavam na parte humana de Jesus, negando seus feitos divinos) e ele defendia o trinitarismo (acreditava na trindade – pai –filho e espírito santo); Mas, o arianismo, doutrina de Ário (sacerdote de Alexandria), já havia sido condenado desde Constantino 325 – no Concílio de Nicéia (reunião de bispos); Após a morte de Clóvis o poder de fato passou para os Mordomos do Paço ou do Palácio (espécies de prefeitos ou primeiro ministro). Pois, a nobreza (senhores feudais) acabam assumindo maior poder. O Mordomo Carlos Martel (732) – Bloqueou aos árabes na França (Batalha de Poitiers).

7 Dinastia Carolíngea – Pepino, o Breve (751 – 768): Quando Pepino vence os Lombardos e os expulsa da Itália; Doação para a Igreja (Patrimônio de São Pedro) em 756; Recebe apoio da Igreja. – Carlos Magno (768 – 814): Auge. Guerras de conquista. Restaura o poder do papa Leão III no trono de São Pedro e é sagrado por ele como imperador dos romanos; Magno estabelece uma espécie decesaropapismo na medida em que é ele que nomeia bispos e abades no seu reino;

8 Apoio da Igreja (expansão do cristianismo). Tentativa de reconstruir o Império Romano do Ocidente. Divisão imperial em 200 partes (condados, ducados e marcas). Missi Dominici – funcionários imperiais (burocracia). Capitulares – leis imperiais que eram ORAIS e agora passam a ser ESCRITAS; CARLOS MAGNO Ocorre nesta época um fortalecimento do poder do Rei Estado sobre a Igreja – podemos assim comparar o governo de Carlos Magno com o governo de Justiniano – e o cesaropapismo;

9 – Depois da morte de Carlos Magno assume Luis o piedoso depois da morte de Luis, o piedoso, filho de Carlos Magno ocorre: Tratado de Verdum (843): Divisão do Império. OCIDENTE – Carlos, o Calvo (atual França); CENTRO – Lotário (atuais Itália e Suíça); ORIENTE – Luís, o Germânico (atual Alemanha).

10 SACRO IMPÉRIO ROMANO GERMÂNICO: Primeiro rei – Henrique I – da Saxônia; Sucedido pelo seu filho Oto I – 955 – venceu os húngaros; Assim como o pai protegia a Igreja e tinha o apoio político do Papa – Inclusive Oto foi Sagrado imperador pelo papa João XII – em 962 – nascia ali o SACRO IMPERIO ROMANO GERMÂNICO;

11 Idade Média: modo de produção feudal feudo: propriedade & privilégio relações de dependência pessoal CONCEITO síntese de instituições romanas e bárbaras ORIGENS ROMANAS: villa: feudo villa: feudo colonato: servidão colonato: servidão cristianismo cristianismoGERMÂNICAS: comitatus: lealdade comitatus: lealdade beneficium:recompensa beneficium:recompensa direito consuetudinário direito consuetudinário + FEUDALISMO

12 O FEUDALISMO Economia: agrícola, autossuficiente (subsistência), sem comércio e moeda. Unidade econômica básica: FEUDO. – MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras. – MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências). – MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum) Política: descentralização;

13 Sociedade: –Estamental (posição social definida pelo nascimento). –Poder vinculado à posse e extensão da terra. –Laços de dependência pessoal: SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres); SENHOR e SERVOS. CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação) NOBREZA: terra + poder político (defesa) SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão de Pedro, dízimo, mão-morta, capitação, formariage...) e VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações

14 SUSERANOS E VASSALOS Havia uma relação de dependência entre os nobres, com a doação do benefício, ou feudo, que quase sempre era a concessão de uma propriedade, mas também podia ser o direito de explorar rendas ou cobrar pedágios em estradas. Etapas do contrato: Homenagem – o vassalo, ajoelhado e sem armas, declarava a vontade de entrar para a clientela do senhor. era o juramento de manter-se fiel ao suserano. fidelidade – era o juramento de manter-se fiel ao suserano. – entregava-se ao vassalo um objeto que simbolizava o feudo. Investidura – entregava-se ao vassalo um objeto que simbolizava o feudo.

15 Junta tudo Colonato Romano Comitatus Germânico

16 Elementos feudais: ROMANOSGERMÂNICOS Clientela (dependência entre servos e senhores) Comitatus (dependência entre nobres – base da suserania e vassalagem) Colonato (fixação na terra – origem da servidão) Subsistência (ausência de comércio e moeda) Vilas (grandes propriedades rurais – origem dos feudos) Economia agropastoril IgrejaDireito consuetudinário (tradição oral)

17 Deveres dos Vassalos Corvéia Trabalho gratuito de 3 a 5 dias por Semana no Manso Senhorial. Talha Dar parte da produção (3/4) ao Suserano. Banalidades Pagamento, em espécie, pela utilização de instrumentos do Feudo (moinho, forno...) Tostão De Pedro Dar 10 por cento da produção feudal para a Igreja Católica. Formariage Noite de núpcias do vassalo é, na verdade, do Suserano.

18 ECONOMIA DE SUBSISTÊNCIA No início da Idade Média (século V) a tecnologia utilizada era muito precária – arados de madeira e sem rodízio de plantação no solo; Depois do século X para evitar o rápido esgotamento da terra, fonte de sobrevivência dos feudos, adotou-se o sistema de rotação das culturas. Surge também nova tecnologia – Charrua – arado de ferro – ferradura para cavalos...

19 CLERO REGULAR Vive em isolamento em relação aos fiéis. Monges – em Mosteiros. Faziam voto de pobreza, caridade e obediência CLERO SECULAR Vive em contato mundano com os fiéis. Saeculum – o mundo material (latim) Bispos, padres; Teocentrismo IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores) Maior proprietária de terras da Idade Média; Celibatários - (Bispos, Arcebispos, padres e freiras não podem casar); Exerciam controle sobre os corpos, as mentes e as almas (sacramentos); Batismo Crisma Eucaristia Penitência Unção dos enfermos Ordem Matrimônio

20 A organização do clero ARCEBISPO BISPO DIOCESE (BISPADO) VÁRIAS IGREJAS VÁRIAS DIOCESES (PROVÍNCIA ECLESIÁSTICA) PARÓQUIAS VIGÁRIO

21 A principal figura do movimento monástico foi SÃO BENTO Que em 529 criou um mosteiro no norte da Itália – surgindo então a ordem BENEDITINA ; Além dos votos de pobreza, caridade e obediência os BENEDITINOS deveriam dedicar o tempo a ORAÇÃO e ao TRABALHO – sendo que os mosteiros viraram polos culturais da Europa – com vastas bibliotecas onde os monges copistas recuperavam obras clássicas ( greco-romanas);

22 OS SUCESSORES DE OTO aumentaram o controle do Estado sobre a Igreja (pois ela possuía muitas terras, exército e contribuía com muitos impostos) e isto trouxe consequências negativas para a Igreja: Abades e bispos passam a levar uma vida mundana; Este relaxamento dos costumes do clero ficou conhecido como NICOLAÍSMO;

23 Diante deste Nicolaísmo é que surge o famoso mosteiro de CLUNY na França, procurando Reagir a este relaxamento nos costumes! Os MONGES DE CLUNY faziam voto de pobreza e sua única obrigação era rezar; o slogan de cluny era LABORARE E ORARE – contudo, o trabalho nos campos era realizado pelos SERVOS – que alimentavam os MONGES; Porém, a ORDEM DE CISTER – em Portugal foram Famosos - conseguia ser mais severa onde os monges Trabalhava e rezavam com mais e maior afinco!

24 INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO - século XIII – 1209 tribunal do santo ofício Forquilha do Herege A Pera

25 Garrote

26 Serrote

27 Cadeira Inquisitorial

28 Roda do Despedaçamento


Carregar ppt "IDADE MÉDIA (parte 1) Santo Sudário – Turím Itália; Prepúcio de Jesus Extrema Unção dos Enfermos; Juramento de Investidura de Feudo; Juramento de fidelidade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google