A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO Rinaldo Campos Soares.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO Rinaldo Campos Soares."— Transcrição da apresentação:

1 O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO Rinaldo Campos Soares Presidente da Usiminas Vice-Presidente da ABM

2 EXPANSÃO DA ECONOMIA FATORES FAVORÁVEIS AO CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA FATORES FAVORÁVEIS AO CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA ATRATIVIDADE ENTRE OS EMERGENTES Risco em queda. Segundo maior em investimentos diretos. MACROALIANÇAS REGIONAIS Reconstrução do Mercosul em bases ampliadas. Negociação da ALCA. DEMANDAS REPRIMIDAS Infra-estrutura econômica. Infra-estrutura social. Bens de capital e de consumo. PROPÓSITO ESTRATÉGICO DO GOVERNO Geração de empregos. Inclusão social. POTENCIAL DE CRESCIMENTO Dimensões do mercado. Ocorrência e diversidade de recursos.

3 ... as restrições... são todas elas, removíveis no âmbito da gestão macroeconômica e na firme negociação de mudanças institucionais.... as restrições... são todas elas, removíveis no âmbito da gestão macroeconômica e na firme negociação de mudanças institucionais.

4 CONDIÇÕES RESTRITIVAS CONDIÇÕES RESTRITIVAS AO CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA CONDIÇÕES RESTRITIVAS AO CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA DESPOUPANÇA DO SETOR PÚBLICO Serviço da dívida. Disfunções previdenciárias. VULNERABILIDADE EXTERNA Déficit em transações correntes. Risco país e juros da dívida. POLÍTICA MONETÁRIA E DE CRÉDITO Constrangimento do setor público. Dependência de capitais externos.

5 Nas duas últimas décadas, essas três restrições pesaram mais que os fatores favoráveis à expansão da economia.

6 BRASIL, : CRESCIMENTO SUPERIOR AO MUNDIAL NOS ANOS 60 E 70. INFERIOR, NOS ANOS 80 E % 4.7% 6.5% 4.7% 8.6% 3.8% 3.4% 1.4% 3.8% 2.4% 1960/2000 Anos 60 Anos 70 Anos 90 Anos 80

7 CRESCIMENTO ECONÔMICO MUNDIAL E DO BRASIL: A década de 60 Variação do PIB Anos MundialBrasil 19603,59, ,18, ,66, ,00, ,33, ,62, ,66, ,34, ,89, ,79, ,910,4 ACUMULADO65,21%99,71% MÉDIA ANUAL4,67%6,49%

8 3.9% 4.7% 6.5% 4.7% 8.6% 3.8% 3.4% 1.4% 3.8% 2.4% 1960/2000 Anos 60 Anos 70 Anos 90 Anos 80 BRASIL, : CRESCIMENTO SUPERIOR AO MUNDIAL NOS ANOS 60 E 70. INFERIOR, NOS ANOS 80 E 90.

9 CRESCIMENTO ECONÔMICO MUNDIAL E DO BRASIL: A década de 70 Variação do PIB Anos Mundial Brasil ,7 11, ,7 11, ,9 13, ,3 8, ,3 5, ,3 10, ,4 4, ,1 5, ,0 6, ,6 9,2 ACUMULADO45,48%128,8% MÉDIA ANUAL3,82%8,63%

10 CRESCIMENTO ECONÔMICO MUNDIAL E DO BRASIL: A década de 80 CRESCIMENTO ECONÔMICO MUNDIAL E DO BRASIL: A década de 80 Variação do PIB Anos MundialBrasil 19812,0-4, ,60, ,8-2, ,15, ,47, ,67, ,93, ,6-0, ,63, ,2-5,1 ACUMULADO39,30%15,14% MÉDIA ANUAL3,37%1,42%

11 3.9% 4.7% 6.5% 4.7% 8.6% 3.8% 3.4% 1.4% 3.8% 2.4% 1960/2000 Anos 60 Anos 70 Anos 90 Anos 80 BRASIL, : CRESCIMENTO SUPERIOR AO MUNDIAL NOS ANOS 60 E 70. INFERIOR, NOS ANOS 80 E 90.

12 CRESCIMENTO ECONÔMICO MUNDIAL E DO BRASIL: A década de % 4.7% 6.5% 4.7% 8.6% 3.8% 3.4% 1.4% 3.8% 2.4% 1960/2000 Anos 60 Anos 70 Anos 90 Anos 80

13 HIERARQUIA NACIONAIS OBJETIVO PRIVILEGIADO OBJETIVOS SACRIFICADOS DOS OBJETIVOS UMA SÍNTESE HISTÓRICA DA POLÍTICA ECONÔMICA BRASILEIRA ANOS 80ANOS 90 EQUILÍBRIO EXTERNO ESTABILIDADE DOS PREÇOS ANOS 60 E 70 CRESCIMENTO EQUILÍBRIO EXTERNO ESTABILIDADE DOS PREÇOS CRESCIMENTO ESTABILIDADE DOS PREÇOS CONTAS EXTERNAS CRESCIMENTO

14 Na ABM... não podemos nos furtar ao papel de contribuir na definição de visões e na execução de missões estratégicas. Na ABM... não podemos nos furtar ao papel de contribuir na definição de visões e na execução de missões estratégicas.

15 Nos anos 90, os setores aqui reunidos responderam aos imperativos da modernização tecnológica e da melhoria dos índices de produtividade para enfrentarem os desafios da abertura de mercados, da inserção global do país e da necessária competitividade em termos mundiais. Nos anos 90, os setores aqui reunidos responderam aos imperativos da modernização tecnológica e da melhoria dos índices de produtividade para enfrentarem os desafios da abertura de mercados, da inserção global do país e da necessária competitividade em termos mundiais.

16 BRASIL, HORIZONTE 2010: O CRESCIMENTO, COM FORTE SALDO COMERCIAL EXIGE A REMOÇÃO DE GARGALOS CRESCIMENTO ECONÔMICO INTERNO FORTE EXPANSÃO DO SALDO COMERCIAL REMOÇÃO DE GARGALOS Infra-estrutura Suprimentos básicos REMOÇÃO DE GARGALOS Infra-estrutura Suprimentos básicos

17 Deveremos olhar atentamente para cada um dos elos das cadeias produtivas, identificando pontos de estrangulamento que, se não removidos poderão comprometer os esforços de expansão equilibrada da economia.

18 BRASIL, HORIZONTE 2010: O CRESCIMENTO É ESSENCIAL PARA OBJETIVOS DE EMPREGO E DE INCLUSÃO BRASIL, HORIZONTE 2010: O CRESCIMENTO É ESSENCIAL PARA OBJETIVOS DE EMPREGO E DE INCLUSÃO CRESCIMENTO ECONÔMICO INTERNO FORTE EXPANSÃO DO SALDO COMERCIAL SUPERÁVIT EM TRANSAÇÕES CORRENTES REDUÇÃO DO RISCO BRASIL REMOÇÃO DA VULNERABILIDADE EXTERNA REFORMAS RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE DE INVESTIMENTO DO GOVERNO EXPANSÃO DOS INVESTIMENTOS PRIVADOS REMOÇÃO DE GARGALOS INTERNOS

19 Se o Brasil crescer fortemente os próximos anos, buscando também a expansão de suas exportações, vários gargalos aparecerão, travando cadeias de suprimentos. E vários desses gargalos poderão estar nos setores de produção congregados na ABM.

20 O foco da ABM nos próximos anos deverá ser a análise das cadeias produtivas, a jusante e a montante, de cada um dos segmentos aqui associados

21 DEZ CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO DO BRASIL NO SETOR MÍNERO-METALÚRGICO 1. Abundância e qualidade de minério de ferro. Brasil, maior exportador mundial. 2. Controle preponderantemente privado e nacional. 3. Custos diretos de produção. 4. Atualização tecnológica das plantas em operação. 5. Diversidade e qualidade dos produtos.. 1. Abundância e qualidade de minério de ferro. Brasil, maior exportador mundial. 2. Controle preponderantemente privado e nacional. 3. Custos diretos de produção. 4. Atualização tecnológica das plantas em operação. 5. Diversidade e qualidade dos produtos..

22 6. RH: engenharia de minas e metalurgia e quadros 7. Mercado interno: dimensões e potencial de crescimento. 8. Balanço ambiental. 9. Certificações tipo ISO. 10. Capacidade de competição nos grandes mercados mundiais. DEZ CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO DO BRASIL NO SETOR MÍNERO-METALÚRGICO

23 Mais do que responder às oportunidades de negócios... O momento é de correspondermos à construção desse futuro. As cadeias produtivas internas que suprimos esperam por investimentos tecnicamente bem direcionados.

24 O momento é singular. … a coragem e a determinação para potencializarmos a competitividade internacional de nosso setor, fortalecendo as bases de sustentação do novo ciclo de crescimento do país.

25 BRASIL, HORIZONTE 2010: O CRESCIMENTO É ESSENCIAL PARA OBJETIVOS DE EMPREGO E DE INCLUSÃO BRASIL, HORIZONTE 2010: O CRESCIMENTO É ESSENCIAL PARA OBJETIVOS DE EMPREGO E DE INCLUSÃO EXPANSÃO SUSTENTADA DE EMPREGOS INCLUSÃO SOCIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO INTERNO FORTE EXPANSÃO DO SALDO COMERCIAL SUPERÁVIT EM TRANSAÇÕES CORRENTES REDUÇÃO DO RISCO BRASIL REMOÇÃO DA VULNERABILIDADE EXTERNA REFORMAS RECUPERAÇÃO DA CAPACIDADE DE INVESTIMENTO DO GOVERNO EXPANSÃO DOS INVESTIMENTOS PRIVADOS REMOÇÃO DE GARGALOS INTERNOS


Carregar ppt "O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO O BRASIL EM NOVA ERA: AS CONDIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O CRESCIMENTO Rinaldo Campos Soares."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google