A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 1 Mercados Derivativos FGV PAULO LAMOSA BERGER.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 1 Mercados Derivativos FGV PAULO LAMOSA BERGER."— Transcrição da apresentação:

1 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 1 Mercados Derivativos FGV PAULO LAMOSA BERGER

2 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 2 Instrumentos do Mercado Financeiro Renda Fixa Renda Variável Derivativos

3 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 3 Instrumentos do Mercado Financeiro Renda Fixa Nesse tipo de instrumento o investidor sabe que irá receber um rendimento determinado, que pode ser pré ou pós- fixado. As cadernetas de poupança, os CDBs, FIFs e outros títulos são exemplos de aplicações de renda fixa.

4 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 4 Instrumentos do Mercado Financeiro Tipos de Ativos de Renda Fixa: Títulos da Dívida Interna: Federal, Estadual e Municipal Cédula de Debênture (CD) Certificado de Depósito Bancário (CDB) Depósito Interfinanceiro (DI) Recibo de Depósito Bancário (RDB) Cédula de Crédito Bancário (CCB) Debênture Export Note

5 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 5 Instrumentos do Mercado Financeiro Tipos de Ativos de Renda Fixa: Nota Promissória (Commercial Paper) Certificado de Privatização (CP) Certificado Financeiro do Tesouro (CFT) Certificado do Tesouro Nacional (CTN) Cota do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) Crédito Securitizado Letra Financeira do Tesouro de Estados e Municípios (LFTE-M) Título da Dívida Agrária (TDA)

6 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 6 Instrumentos do Mercado Financeiro Renda Variável Nos instrumentos de renda variável, o seu rendimento é incerto, pois o investidor está aplicando em títulos que não têm uma remuneração fixa. Os rendimentos variam de acordo com seu potencial de valorização. As ações e os fundos de renda variável são os investimentos desse tipo mais conhecidos.

7 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 7 Mercados nos quais são negociados contratos referenciados em um ativo real (mercadorias) ou em ativos financeiros (índices, taxas, moedas) com vencimento e liquidação, financeira e física, para uma data futura, por um preço determinado. Viabilizam aos agentes produtivos realizarem operações de hedge que permitem proteger do risco de preço as posições detidas no mercado à vista, ou mesmo futuras posições físicas. Objetivam a transferência dos riscos de preços inerentes à atividade econômica, entre os seus participantes. São ativos financeiros cujo valor resulta (deriva), total ou parcialmente, do valor de mercadorias ou de outros ativos financeiros, negociados no mercado à vista c c c c v v v v hojefuturo Instrumentos do Mercado Financeiro

8 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 8 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil dois grandes sistemas, o SELIC e a CETIP. Os ativos de renda variável e derivativos são também emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia das Bolsas de Valores e de Futuros - (Ex. CBLC e BM&F)

9 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 9 Mercados Mercado de Balcão Organizado – ambiente de negociação acessível as instituições integrantes do sistema de intermediação. Negocia ç ão de t í tulos, valores mobili á rios e derivativos. Administrado por institui ç ão auto reguladora. Supervisionado pelas Autoridades Reguladoras (CMN, Bacen, CVM) Sistemas de negocia ç ão e de registro eletrônicos ou não. Mercado de Balcão Não Organizado - over the counter - mercado de títulos e valores mobiliários, sem local físico definido para realização das negociações. Opera ç ões realizadas por telefone entre as institui ç ões. Não é supervisionado por Autoridades Reguladoras Não apresenta transparências quanto aos volumes e pre ç os negociados Bolsas - ambientes de negociação operado por sociedades corretoras. Sistema de negocia ç ão eletrônica ou viva-voz.

10 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 10 Mercados Mercado Primário Primeira emissão Participação do emissor Mercado Secundário Liquidez de mercado

11 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 11 Derivativos Podem ser definidos como contratos cujos valores dependem de outras variáveis mais básicas. Quatro modalidades de instrumentos: Ex.: Termo de soja Futuro de dólar Swap cambial Opções de juros TERMO R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ BALCÃO FUTURO R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ PREGÃO OPÇÕES R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ PREGÃO SWAPS R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ BALCÃO

12 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 12

13 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 13 CARACTERÍSTICAS AS partes assumem compromissos de compra e venda, de ativos reais, em quantidade, qualidade e preço. O preço a termo é fixado adicionando-se, ao preço à vista, uma taxa de juros livremente pactuada. Liquidação física e financeira diferidas no tempo. Entrega efetiva do produto, contra recebimento total do preço. Vinculação entre comprador e vendedor. Risco de crédito mútuo - coberto ou não. Risco de perda - variação de preço. Baixa liquidez. Mercados de Balcão, Organizados ou não. TERMO

14 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 14 CARACTERÍSTICAS As partes assumem compromissos de compra e venda, em quantidades e qualidades pr é determinadas, de ativos financeiros ou ativos reais (mercadorias), representadas por contratos padronizados. Padroniza ç ão total dos ativos negociados Liquida ç ão f í sica ou financeira – por diferen ç a ou entrega f í sica. Desvincula ç ão entre comprador e vendedor. Elevada liquidez Risco de cr é dito homogêneo - gerenciado pelo sistema Dep ó sito de Margens / Ajustes Di á rios / Marca ç ão a Mercado Limites de oscila ç ão di á rios Negocia ç ão transparente em bolsas, mediante sistema de pregão Pre ç os formados pelo mercado Alta alavacagem a baixo custo FUTURO

15 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 15 CONTRATOS FUTUROS Padroniza ç ão Agiliza a negocia ç ão dos contratos Fungibilidade dos contratos Facilidade de zerar posi ç ões Liquidez Varia ç ões di á rias nos pre ç os Pre ç os de conhecimento p ú blico Ativo Objeto Quantidade / Qualidade Vencimento Forma de Liquida ç ão Garantias Pre ç o é o ú nico item flex í vel

16 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 16

17 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 17

18 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 18 MARGEM de GARANTIA Margem Inicial Calculada em fun ç ão da volatilidade do ativo Representa um valor percentual do contrato Alter á vel a qualquer tempo, a crit é rio da bolsa Para um mesmo ativo, aumentam com o prazo Exigida de ambos ao participantes Hedgers podem ter 20 % desconto na margem inicial Diversos ativos aceitos como garantias

19 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 19 Margem/Ajuste Exemplo

20 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 20 MARGEM de GARANTIA Ativos Aceitos Dinheiro Ouro T í tulos P ú blicos Federais T í tulos Privados * Cartas de Fian ç a * Ap ó lices de Seguro * A ç ões e Cotas de fundos de investimento em a ç ões * * a critério da BM&F

21 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 21 AJUSTES DIÁRIOS O ajuste di á rio representa a antecipa ç ão de lucros e perdas, geradas pela varia ç ão dos pre ç os di á rios. Testa a capacidade financeira do participante em suportar perdas proporcionais a sua posi ç ão. A falta de pagamento de um ajuste di á rio caracteriza a inadimplência do participante e aciona o mecanismo de execu ç ão das garantias da margem inicial. A despersonaliza ç ão do contrato protege o risco da contraparte, transferindo-o para a clearing da bolsa.

22 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 22 AJUSTES DIÁRIOS Bolsa debita perdedores Bolsa credita ganhadores D é bitos / Cr é ditos em cash D+1 Recursos pagos pelos perdedores são repassados os ganhadores - (Soma Zero)

23 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 23 INADIMPLÊNCIA Ajuste Di á rio / Margem de Garantia A bolsa liquida as posi ç ões inadimplentes na abertura do pregão seguinte. Os preju í zos serão cobertos pelo dep ó sito inicial de margem. Como os ajustes di á rios são liquidados em D+1 a margem deve cobrir 2 dias de oscila ç ão dos pre ç os.

24 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 24 GARANTIAS O sistema de ajuste di á rio permite que as margens de garantias sejam menores para cobrir a exposi ç ão total dos participantes. Muda o perfil do risco das posi ç ões : de longo prazo (vencimento do contrato) para curto prazo (dois dias)

25 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 25 CALLS de FECHAMENTO Determina o pre ç o para efeito do ajuste di á rio Regras claras e definidas Pre ç os devem representar a realidade Transparência O sistema à prova de manipula ç ão

26 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 26 CÁLCULO DO AJUSTE DIÁRIO Ajuste Diário - Exemplo Compra de 10 contratos - US$ ,00 /contrato Dia Preço Compra/Venda Preço Ajuste Ajuste Diário D0 R$ 2,361 R$ 2,363 + R$ 1.000,00 D1 R$ 2,360 - R$ 1.500,00 D2 R$ 2,360 R$ 0,00 D3 R$ 2,362 + R$ 1.000,00 D4 R$ 2,364 + R$ 1.000,00 Total + R$ 1.500,00 [10 x 50,000 x (2, ,361)] = + R$ 1.500,00 A posição oposta (vendida) terá idêntica movimentação, mas com sinal trocado. Cotação = US$ * 1000 => Ajuste = R$ 50,00/ponto

27 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 27 TERMO X FUTURO Não muda o valor do contratoDiárias Var. de Preços No vencimentoDiários Ajustes Produtores e consumidoresQualquer pessoa física ou jurídica Participantes Negociado pelas partesEstabelecidos pela Bolsa de Futuros Vencimentos FacultativoGarantias pré-definidas Garantias Balcão - Over the CounterBolsa de Futuros Local Negociação Estabelecida pelas partesEstabelecida pela Bolsa Quantidade Partes ContratantesCâmara de Compensação Responsabilidade Não são negociadosPodem ser negociados antes do vencimento Negociabilidade Proteção contra variações nos preços. Visa o recebimento / entrega do produto contratado. Proteção contra variações nos preços. Liquidação por fechamento de posição. Objetivo Mercado a TermoMercado Futuro

28 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 28 Hedge :(Risco = 0 e Lucro = 0) Consiste em realizar uma ou mais operações que reduzam a exposição ao risco do implementador dessa(s) operação(ões) - Hedger. Tipos de Operações Exemplo: Importadores correm risco cambial. Perdem com a desvalorização da moeda.

29 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 29 Especulação: :(Risco > 0 e Lucro # 0) O objetivo é a aposta na variação de preços ou de taxas. Ao contrário dos hedgers, os especuladores aceitam correr riscos e ficar expostos a variações indesejáveis de preços Tipos de Operações Apostam na tendência: Alta compra Queda venda

30 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 30 Manipulação: Consiste em alterar artificialmente o preço de um ativo com objetivo de tirar proveito dessa variação de preço. Só é possível quando um participante (ou grupo de participantes) do mercado tem força suficiente para tal. Tipos de Operações

31 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 31 Arbitragem: Consiste em obter um lucro sem risco, através da realização de transações simultâneas em dois ou mais mercados. Procurar um conjunto de operações no mercado financeiro envolvendo os contratos de futuros que permitam um retorno livre de risco. Taxa Implícita: Taxa de Juros projetada pelo mercado futuro para um determinado período de tempo. Tipos de Operações

32 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 32 Fluxo implícito no merc. futuro Hoje Venc. 1 ano Pç. à vista = 2,70Pç. Futuro = 3,20 2,70 3,20 Tx. Implícita = [(3,20/2,70) – 1]*100 = 18,50%

33 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 33 Mercado Futuro Op. Caixa - Taxa Implícita < Taxa de aplicação Vender à vista Aplicar no mercado prefixado Comprar contratos futuros Op. Financiamento - Taxa Implícita > Taxa de aplicação Tomar empréstimo Comprar à vista Vender contratos futuros

34 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 34 FORMAÇÃO DE PREÇO FUTURO Preço Justo de um Derivativo F = S x (1+i) n/m F = Valor do Contrato Futuro S = Valor do spot i = Taxa de juros n = Dias úteis até o vencimento m = Dias da base (252 du)

35 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 35 EXERCÍCIOS Exemplo: Seja o mercado de futuro de ouro: Vencimento: 30 dias Operação: 1 kg do metal Taxa de juros: 10% a.m. Cotação futuro: R115,00/g taxa para captação = taxa de aplicação Cotação spot: R100,00/g Qual a melhor estratégia nestas condições de mercado. Monte uma tabela com o fluxo financeiro da operação.

36 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 36 EXERCÍCIOS - Solução Mercado Futuro caro em relação ao mercado à vista: Operação Financiamento => taxa mercado = 10% < taxa implícita = 15% Estratégia: Hoje toma R$ emprestados a 10% a.m. compra o ouro a vista vende simultaneamente contratos a termo / futuro de ouro por R$ 115,00 Em 30 dias: realiza a venda futura do ouro por R$ paga o empréstimo por R$ , realizando um lucro de R$ na operação, sem risco. DiaOperação FinanciamentoMovimentação financeiraSaldo $$ D+0toma R$ emprestado D+0compra ouro a vista por R$ D+0vende contrato futuro por R$ D+30liquida a posição futura D+30paga o empréstimo

37 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 37

38 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 38 Opção ò É um direito a comprar ou vender, em uma data específica, um determinado ativo por um preço pré-estabelecido. ò A negociação de uma opção envolve, para uma das partes um direito (exercível ou não); e para a outra parte uma obrigação que poderá vir a ser exigida ou não. MERCADO de OPÇÕES

39 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 39 Titular da Opção ò É quem comprou o direito, e poderá vir a exercê-lo ou não, segundo sua conveniência. Lançador da Opção ò É o vendedor da opção. Terá a obrigação, irrefutável, de vender ou comprar o ativo objeto, quando solicitado pelo titular. MERCADO de OPÇÕES

40 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 40 Opção de Compra - CALL ò Outorga ao comprador da opção (Titular) o direito de vir a comprar do Lançador, o ativo objeto a qualquer tempo, até a data de exercício. Opção de Venda - PUT ò Dá direito ao comprador da opção (Titular) de vender ao Lançador o ativo objeto na data de exercício. MERCADO de OPÇÕES

41 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 41 Opção Européia ò O titular da opção só poderá exercer o seu direito na data de vencimento da opção. Opção Americana ò O titular da opção poderá exercer o seu direito a qualquer momento, até a data de vencimento da opção. Opções sobre Ações na BOVESPA: CALL - geralmente tipo americana. Algumas séries tipo européia. Exp. PETR PUT - todas são do tipo Européias. MERCADO de OPÇÕES

42 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 42 Prêmio da Opção É o pre ç o da op ç ão. É pago, à vista, pelo comprador ao vendedor da op ç ão. Não integra o pre ç o de exerc í cio. Não é pass í vel de devolu ç ão. MERCADO de OPÇÕES

43 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 43 Preço de Exercício - Strike ò Preço pré-fixado, pelo qual o ativo objeto poderá ser comprado ou vendido. Data de Exercício ò Data limite de validade para o exercício da opção. ò Após a data (dia e hora) cessam tanto a obrigação do lançador como o direito do titular. MERCADO de OPÇÕES

44 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 44 Séries de Opções ò As Bolsas lançam várias séries de opções de compra (Calls) e de venda (Puts) para uma mesma data de exercício, com diferentes preços de exercício. ò Haverá sempre preços de exercício idênticos para Calls e Puts. ò Possibilitam montar diversas estratégias de captação ou aplicação de dinheiro ou operações especulativas em face a expectativas de alta ou baixa nos preços dos ativos objeto. MERCADO de OPÇÕES

45 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 45 Opção in the Money ò Opção de compra cujo preço de exercício é menor do que o preço de mercado a vista. òOpção de venda cujo preço de exercício é maior do que o do mercado à vista Opção Out of the Money ò Opção de compra cujo preço de exercício é maior do que o preço de mercado a vista. ò Opção de venda cujo preço de exercício é menor do que o do mercado à vista Opção at the money ò Opção de compra ou de venda cujo preço de exercício oscila muito próximo ao preço à vista da ação. MERCADO de OPÇÕES

46 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 46 TITULAR FAZ O QUE A OPÇÃO DIZ Se for opção de compra (Call) - COMPRARÁ Se for opção de venda (Put) - VENDERÁ LANÇADOR FAZ O CONTRÁRIO DA OPÇÃO Se for opção de compra (Call) - VENDERÁ Se for opção de venda (Put) - COMPRARÁ Exercícios de OPÇÕES

47 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 47 CLASSIFICAÇÃOCALLPUT "In the Money" Dentro do Dinheiro Preço do ativo é maior que o preço de exercício Preço do ativo é menor que o preço de exercício "At the Money" No Dinheiro Preço do ativo é igual ao preço de exercício Preço do ativo é igual ao preço de exercício "Out of the Money" Fora do Dinheiro Preço do ativo é menor que o preço de exercício Preço do objeto é maior que o preço de exercício Resumo

48 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 48 Variáveis que influenciam os preço das opções VARIÁVEISEFEITO na CALLEFEITO na PUT Ativo-Objeto Aumenta Diminui Volatilidade Aumenta Taxa de Juros Aumenta Diminui Evolução no tempo Aumenta Preço Exercício Aumenta DiminuiAumenta

49 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 49 Operações com Opções Compra de Opção de Compra Perda limitada / Ganho Ilimitado Venda de Opção de Compra Ganho limitado / Perda Ilimitada Compra de Opção de Venda Perda e Ganho Limitados Venda de Opção de Venda Perda e Ganho Limitados

50 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 50 Gráfico Opção de Compra

51 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 51 Gráfico Opção de Venda

52 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 52 Estratégias com Opções Tx. Implic. = VE / (PV - PRÊMIO) Operação Caixa - Taxa Implícita < Taxa de aplicação Vender à vista Comprar opções Aplicar no mercado prefixado (aluguel de ações) Operação Financiamento - Taxa Implícita > Taxa de aplicação Tomar emprésimo Comprar à vista Vender opções

53 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 53 Estratégias com Opções Trava de Alta - Compra uma Opção e Vende outra com preço de Exercício superior Trava de Baixa - Vende Opção e Compra outra com preço de Exercício superior Spread Butterfly - Compra de duas opções de compra com preços de exercício diferentes (n1 e n3 contratos) e venda de n2 contratos de uma série com preço de exercício entre os da operação de compra.

54 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 54 Estratégias com Opções

55 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 55

56 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 56 Swaps são contratos particulares entre duas partes para a troca futura de fluxos de caixa. obedece uma fórmula de cálculo preestabelecida no contrato. esses contratos visam a troca de rentabilidade e/ou de indexadores entre as partes. as partes acordam entre si o prazo, o valor e a forma de correção. SWAPS

57 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 57 Operação livremente arbitrada onde as partes trocam os riscos de oscilações de indexadores, preços ou taxas de juros. Objetivo de hedge, casar posições ativas e passivas, equalizar preços, gerar gaps, arbitrar mercados ou alavancar exposições ao risco. Valor (nocional), prazos, indexadores e taxas fixados pelas partes. Contrato particular (over the counter). Não envolve movimentação financeira na contratação. Não implica em assunção de ativos ou passivos. Liquidação por diferença - Valores apurados na data de vencimento. SWAPS

58 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 58 Contabiliza ç ão nas contas de compensa ç ão. Registro obrigat ó rio no Cetip ou BM&F (se uma das partes IF) CETIP – somente registro da opera ç ão. Aponta valores de liquida ç ão. BM&F – Dois sistemas: Sem Garantias Somente registro da opera ç ão. Com Garantias : Bilateral - Garante duas partes – dep ó sito de margens para ambos. Unilateral – Garante uma das partes apenas, que deposita margem. SWAPS

59 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 59 Imposto de Renda na Fonte – Tabela Regressiva. Riscos - As duas partes estão expostas a risco. Não quantific á vel quando da contrata ç ão, s ó na liquida ç ão. Equivale a um percentual do descolamento entre os indexadores, calculado sobre o valor do nocional. SWAPS

60 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 60 Taxa de Juros Pr é -fixada Varia ç ão Cambial - D ó lar Comercial Taxa de Certificado de Dep ó sito Interfinanceiro – CDI Taxa Referencial - TR Í ndice Geral de Pre ç os Mercado - IGPM IBOVESPA Ouro BM&F - Contrato de 250 Gramas Taxa Selic Taxa B á sica Financeira – TBF Taxa de Juros de Longo Prazo – TJLP Taxa ANDIB Í ndice FGV SWAPS

61 FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 61 Paga Variação CDI Paga Taxa Pré-fixada Valor do Contrato - R$ ,00 Data Início - 30 / 05 / 2006 Valor atualizado pela taxa pré-fixada = R$ ,00 Taxa Ativo BANCO - 15 % a.a. Prazo dias (132) Taxa Ativo P L B - Variação CDI Vencimento - 30 / 11 / 2006 No vencimento Valor atualizado pela variação do CDI = R$ ,00 Diferencial (bruto) a favor do Cliente = R$ 3.433,00 Valor líquido a favor da PLB (IR 20%) = R$ 2.746,40 Variação do CDI = 7, % Banco SWAPS


Carregar ppt "FIDC - Diagnóstico e Perspectivas Derivativos 1 Mercados Derivativos FGV PAULO LAMOSA BERGER."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google