A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VISÃO GLOBAL SOBRE OS DIVERSOS TIPOS DE DEFICIÊNCIAS ALEXANDRE LUIZ ALVES PROF. DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VISÃO GLOBAL SOBRE OS DIVERSOS TIPOS DE DEFICIÊNCIAS ALEXANDRE LUIZ ALVES PROF. DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA."— Transcrição da apresentação:

1

2 VISÃO GLOBAL SOBRE OS DIVERSOS TIPOS DE DEFICIÊNCIAS ALEXANDRE LUIZ ALVES PROF. DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA

3 APRESENTAÇÃO DA MATÉRIA CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA OBJETIVOS OBJETIVOS DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS E DAS AULAS DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS E DAS AULAS COMPLEXIDADE DO TEMA COMPLEXIDADE DO TEMA ESTÁGIOS E PALESTRAS ESTÁGIOS E PALESTRAS DESTINATÁRIOS DESTINATÁRIOS

4 O QUÊ É (D)EFICIÊNCIA? PARA ONU Toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica. PARA ONU Toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica. LEGALMENTE Art 3º, Inc. I e II - Dec 3.298/99 (Reg. da Lei nº 7.853/89) LEGALMENTE Art 3º, Inc. I e II - Dec 3.298/99 (Reg. da Lei nº 7.853/89)

5 Art 3º, Inc. I e II - Dec 3.298/99 (Reg. da Lei nº 7.853/89) I – Deficiência – toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano. I – Deficiência – toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano. II – Deficiência permanente – aquela que ocorreu ou se estabilizou durante um período de tempo suficiente para não permitir recuperação ou ter probabilidade de que se altere, apesar de novos tratamentos. II – Deficiência permanente – aquela que ocorreu ou se estabilizou durante um período de tempo suficiente para não permitir recuperação ou ter probabilidade de que se altere, apesar de novos tratamentos.

6 BREVE HISTÓRICO O TRATAMENTO EVOLUIU COM A SOCIEDADE O TRATAMENTO EVOLUIU COM A SOCIEDADE PREVISÃO DA MENOS VALIA – PIEDADE PREVISÃO DA MENOS VALIA – PIEDADE IDADE MÉDIA – POSSESSÃO DEMONÍACA IDADE MÉDIA – POSSESSÃO DEMONÍACA RENASCIMENTO – MUDANÇA DE CONCEPÇÃO RENASCIMENTO – MUDANÇA DE CONCEPÇÃO SÉC XVIII – BUSCA-SE MAIOR COMPREENSÃO A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA SÉC XVIII – BUSCA-SE MAIOR COMPREENSÃO A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA PERÍODO PÓS 2ª GRANDE GUERRA MUNDIAL – GRANDE Nº DE LESÕES ADQUIRIDAS PERÍODO PÓS 2ª GRANDE GUERRA MUNDIAL – GRANDE Nº DE LESÕES ADQUIRIDAS ATUALMENTE – DEFICIENTES COMO PROTAGONISTAS DE REIVINDICAÇÕES ATUALMENTE – DEFICIENTES COMO PROTAGONISTAS DE REIVINDICAÇÕES

7 COMO PORTAR-SE DIANTE DE UMA PPNE (Pessoa Portadora de Necessidades Especiais) A CONVIVÊNCIA DIMINUI OU EXTINGUE O DESCONFORTO A CONVIVÊNCIA DIMINUI OU EXTINGUE O DESCONFORTO NÃO FAÇA DE CONTA QUE A DEFICIÊNCIA NÃO EXISTE NÃO FAÇA DE CONTA QUE A DEFICIÊNCIA NÃO EXISTE NÃO SUBESTIME AS POSSIBILIDADES, NEM SUPERESTIME AS DIFICULDADES E VICE-VERSA NÃO SUBESTIME AS POSSIBILIDADES, NEM SUPERESTIME AS DIFICULDADES E VICE-VERSA A DEFICIÊNCIA NÃO TORNA UMA PESSOA MELHOR OU PIOR QUE OUTRAS A DEFICIÊNCIA NÃO TORNA UMA PESSOA MELHOR OU PIOR QUE OUTRAS A DEFICIÊNCIA DIFICULTARÁ A REALIZAÇÃO DE ALGUMAS TAREFAS, MAS FACILITARÁ A REALIZAÇÃO DE OUTRAS A DEFICIÊNCIA DIFICULTARÁ A REALIZAÇÃO DE ALGUMAS TAREFAS, MAS FACILITARÁ A REALIZAÇÃO DE OUTRAS A MAIORIA DOS DEFICIENTES NÃO SE INCOMODAM EM RESPONDER ALGUMAS DÚVIDAS A MAIORIA DOS DEFICIENTES NÃO SE INCOMODAM EM RESPONDER ALGUMAS DÚVIDAS SEMPRE QUE QUISER AJUDAR UM DEFICIENTE, OFEREÇA AJUDA, MAS AGUARDE A RESPOSTA SEMPRE QUE QUISER AJUDAR UM DEFICIENTE, OFEREÇA AJUDA, MAS AGUARDE A RESPOSTA NÃO FAÇA AQUILO QUE LHE INCOMODA NÃO FAÇA AQUILO QUE LHE INCOMODA HAJA COM NATURALIDADE MESMO DIANTE DE ERROS HAJA COM NATURALIDADE MESMO DIANTE DE ERROS

8 COMPREENSÃO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO ESTATÍSTICAS – CENSO 2000 DEF. VISUAL – 48,1 % ( ) DEF. VISUAL – 48,1 % ( ) DEF. AUDIO COMUNICAÇÃO 16,7 % ( ) DEF. AUDIO COMUNICAÇÃO 16,7 % ( )

9 ESTATÍSTICAS – CENSO 2000 DEF. MENTAL – 8,3 % ( ) DEF. MENTAL – 8,3 % ( ) DEF. MOTORA 4,1 % ( ) DEF. MOTORA 4,1 % ( )

10 MÉDIA NACIONAL – 14,5% (APROX. 24,5 MILHÕES DE PESSOAS NO BRASIL) DEFICIÊNCIAS PRIMÁRIAS DEFICIENTES DA VISÃO DEFICIENTES DA VISÃO POUCA VISÃO - CEGOS DEFICIENTES DA ÁUDIO-COMUNICAÇÃO DEFICIENTES DA ÁUDIO-COMUNICAÇÃO POUCA AUDIÇÃO – SURDOS DEFICIENTES MENTAIS DEFICIENTES MENTAIS DEPENDENTES – TREINÁVEIS – EDUCÁVEIS DEFICIENTES FÍSICOS DEFICIENTES FÍSICOS DISFUNCIONADOS – EPILÉTICOS – PARALÍTICOS (MEDULARES E CEREBRAIS)

11 DEDICIÊNCIA VISUAL (DV) CONCEITO CONCEITO CEGUEIRA LEGAL - acuidade visual igual ou inferior a 20/200 no melhor olho após correção, ou campo visual restrito que seu maior diâmetro compreendendo uma distância angular inferior a 20 graus (20/200) CEGUEIRA LEGAL - acuidade visual igual ou inferior a 20/200 no melhor olho após correção, ou campo visual restrito que seu maior diâmetro compreendendo uma distância angular inferior a 20 graus (20/200) CEGUEIRA TOTAL – Incapacidade de reconhecer uma luz forte direcionada diretamente aos olhos. CEGUEIRA TOTAL – Incapacidade de reconhecer uma luz forte direcionada diretamente aos olhos. VISÃO DE PERCURSO – PERCEPÇÃO DE MOVIMENTO – PERCEPÇÃO DE LUZ VISÃO DE PERCURSO – PERCEPÇÃO DE MOVIMENTO – PERCEPÇÃO DE LUZ É A PERDA TOTAL OU PARCIAL DA VISÃO, NECESSITANDO O SEU PORTADOR, DE RECURSOS ESPECÍFICOS, MÉTODO BRAILLE, BENGALA E OUTROS, PARA ALFABETIZAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO

12 DV – PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO 85% DOS ATOS DO COTIDIANO DECORREM DE UM ESTÍMULO VISUAL NÃO ACARRETA DIRETAMENTE QQ DEFICIÊNCIA FÍSICA OU MOTORA – MAS ATRASA O DESENVOLVIMENTO FALTA DE ESTIMULAÇÃO (INTRÍNSECA E EXTRÍNSICA) FALTA DO MODELO VISUAL TRABALHO DE EXERCÍCIOS DE CORREÇÃO POSTURAL TENDÊNCIA A LENTIDÃO NA MARCHA FALTAM-LHE EXPERIÊNCIAS E NÃO CAPACIDADE

13 SUGESTÕES NO TRATO COM O DV EXAGERE NA VERBALIZAÇÃO EXAGERE NA VERBALIZAÇÃO ESTEJA SEMPRE ATENTO A POSTURA ESTEJA SEMPRE ATENTO A POSTURA INCENTIVE O MOVIMENTO INCENTIVE O MOVIMENTO TRABALHE FLEXIBILIDADE E CORRIDAS TRABALHE FLEXIBILIDADE E CORRIDAS MANTENHA AMBIENTE COM CORES CONTRASTANTES MANTENHA AMBIENTE COM CORES CONTRASTANTES NÃO MUDE AS COISAS DO LUGAR NÃO MUDE AS COISAS DO LUGAR AJUDE O ALUNO A CRIAR SEU MAPA COGNITIVO E TRABALHE COM TODOS OS SENTIDOS AJUDE O ALUNO A CRIAR SEU MAPA COGNITIVO E TRABALHE COM TODOS OS SENTIDOS VERIFIQUE A BAGAGEM QUE O ALUNO POSSUI VERIFIQUE A BAGAGEM QUE O ALUNO POSSUI TRABALHE COM PISTAS AUDITIVAS TRABALHE COM PISTAS AUDITIVAS VERIFIQUE ATIVIDADES CONTRA-INDICADAS VERIFIQUE ATIVIDADES CONTRA-INDICADAS

14 DEFICIÊNCIA AUDITIVA CONCEITO É a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons, sendo considerado surdo o indivíduo cuja audição não é funcional na vida comum, e parcialmente surdo aquele cuja audição, ainda que deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva. É a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons, sendo considerado surdo o indivíduo cuja audição não é funcional na vida comum, e parcialmente surdo aquele cuja audição, ainda que deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva.

15 DA – GRAUS DA PERDA AUDITIVA Deficiência auditiva leve – perda auditiva de até 40 decibéis (dB) Deficiência auditiva leve – perda auditiva de até 40 decibéis (dB) deficiência auditiva moderada – perda auditiva entre 40 e 70 dB deficiência auditiva moderada – perda auditiva entre 40 e 70 dB deficiência auditiva severa – perda auditiva entre 70 e 90 dB deficiência auditiva severa – perda auditiva entre 70 e 90 dB deficiência auditiva profunda – perda auditiva acima de 90 Db deficiência auditiva profunda – perda auditiva acima de 90 Db Obs – Decibéis é a medida da intensidade (volume) dos sons

16 EXEMPLIFICANDO DECIBÉIS TIPO DE RUÍDO DECIBÉIS TIPO DE RUÍDO farfalhar das folhas farfalhar das folhas 20 – 40 conversação silenciosa 20 – 40 conversação silenciosa 40 – 60 conversação normal 40 – 60 conversação normal 60 – 80 ruído médio de fábrica ou trânsito 60 – 80 ruído médio de fábrica ou trânsito 80 – 100 apito de guarda e ruído de caminhão 80 – 100 apito de guarda e ruído de caminhão 100 – 120 ruído de discoteca e de avião decolando 100 – 120 ruído de discoteca e de avião decolando

17 COMO SE PORTAR DIANTE DE UMA PESSOA DEF. AUDITIVA Para chamar a atenção acene para ela ou a toque Fale de maneira clara, pronunciando bem as palavras, use a sua velocidade normal, a não ser que lhe peçam para falar mais devagar Use um tom normal de voz. Gritar nunca adianta Fale diretamente com a pessoa, não de lado ou atrás dela Faça com que a sua boca esteja bem visível Tente ficar num lugar iluminado. Evite ficar contra a luz Se você souber alguma linguagem de sinais, tente usá-la.

18 DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL CONCEITO Desenvolvimento mental incompleto ou inadequado acarretando transtornos para uma adequação social independente ou autônoma. Incapacidade de um comportamento intelectual dentro das habilidades permitidas pela idade cronológica, verificada por meio de testes psicométricos. Desenvolvimento mental incompleto ou inadequado acarretando transtornos para uma adequação social independente ou autônoma. Incapacidade de um comportamento intelectual dentro das habilidades permitidas pela idade cronológica, verificada por meio de testes psicométricos.

19 DM – CONSIDERAÇÕES GERAIS Q.I. = IDADE MENTAL x 100. IDADE REAL IDADE REAL GRADUAÇÃO SEGUNDO A OMS GRADUAÇÃO SEGUNDO A OMS Profunda: QI abaixo de 20 Profunda: QI abaixo de 20 Severa: QI entre 20 e 35 Severa: QI entre 20 e 35 Moderada: QI entre 36 e 52 Moderada: QI entre 36 e 52 Leve: QI entre 53 e 70 Leve: QI entre 53 e 70 SUPERDOTADOS SUPERDOTADOS

20 DM – DESENVOLVIMENTO DE UMA SESSÃO 1) ASPECTO PSICOMOTOR Estimula o aluno a pensar e agir simultaneamente 2) RECREATIVO Tem como vantagem agir de forma direta no desenvolvimento de todo o corpo, de acordo com a atividade desenvolvida, sem a monotonia de aulas calcadas em repetições. Estimula, também, a sociabilidade.

21 TRABALHO PSICOMOTOR COM DEF. MENTAIS - OBJETIVOS 1) Adquirir a organização de seu esquema corporal e sua orientação no espaço. 2) Desenvolver a estruturação temporal. 3) Desenvolver um bom equilíbrio. 4) Adaptar-se ao meio. 5) Realizar atividades menos egocêntricas e de maior utilidade, ampliando a noção de responsabilidade social e de trabalho prolongado. 6) Desenvolver atividades que propiciem a reeducação motora e, tanto quanto possível, a realização pessoal.

22 SÍNDROME DE DOWN Sinônimo de Deficiência Mental? Características físicas Características Psicológicas

23 DEFICIÊNCIA FÍSICA CONCEITO Comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema ósteo-articular, o sistema muscular e o sistema nervoso. as doenças ou lesões que afetam quaisquer desses sistemas, isoladamente ou em conjunto, podem produzir quadros de limitações físicas de grau e gravidade variáveis, segundo o(s) segmento(s) corporais afetados e o tipo de lesão ocorrida. Comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema ósteo-articular, o sistema muscular e o sistema nervoso. as doenças ou lesões que afetam quaisquer desses sistemas, isoladamente ou em conjunto, podem produzir quadros de limitações físicas de grau e gravidade variáveis, segundo o(s) segmento(s) corporais afetados e o tipo de lesão ocorrida.

24 CLASSIFICAÇÃO MONOPLEGIA - um só membro afetado MONOPLEGIA - um só membro afetado HEMIPLEGIA - afetamento de um dos lados do corpo HEMIPLEGIA - afetamento de um dos lados do corpo TRIPLEGIA - três membros são afetados TRIPLEGIA - três membros são afetados PARAPLEGIA - são afetados os membros inferiores PARAPLEGIA - são afetados os membros inferiores DIPLEGIA - todos os membros (principalmente os DIPLEGIA - todos os membros (principalmente os inferiores) inferiores) TETRAPLEGIA - quatro membros afetados TETRAPLEGIA - quatro membros afetados

25 DF – CAUSAS MAIS COMUNS PARALISIA CEREBRAL PARALISIA CEREBRAL HEMIPLEGIAS HEMIPLEGIAS LESÃO MEDULAR LESÃO MEDULAR AMPUTAÇÕES AMPUTAÇÕES MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS ARTROPATIAS ARTROPATIAS

26 PARALESIA CEREBRAL CONCEITO Grupo de síntomas incapacitantes permanentes, resultantes de dano às áreas do cérebro responsáveis pelo controle motor. É um problema não progressivo que pode ter origem antes, durante ou logo após o nascimento (pré, peri ou pós natal) e se manifesta sobre a perda ou no comprometimento do controle sobre a musculatura voluntária (designa um distúrbio de movimento ou postura). Grupo de síntomas incapacitantes permanentes, resultantes de dano às áreas do cérebro responsáveis pelo controle motor. É um problema não progressivo que pode ter origem antes, durante ou logo após o nascimento (pré, peri ou pós natal) e se manifesta sobre a perda ou no comprometimento do controle sobre a musculatura voluntária (designa um distúrbio de movimento ou postura).

27 PC – CLASSIFICAÇÃO NEUROMOTORA (LIGADA AO TÔNUS MUSCULAR APRESENTADO) A) ESPÁSTICA – (Incidência +/- 75%) Hipertonia – Gera Deformidades Ósseas A) ESPÁSTICA – (Incidência +/- 75%) Hipertonia – Gera Deformidades Ósseas B) EXTRAPIRAMIDAL B) EXTRAPIRAMIDAL Atetose: Alternam o tônus Atetose: Alternam o tônus Coréia: Contrações involuntárias Coréia: Contrações involuntárias C) ATAXIA – Compromete o equilíbrio e a coordenação. C) ATAXIA – Compromete o equilíbrio e a coordenação.

28 Podemos fazer a diferença... EDUCAÇÃO Pressione ENTER

29 A professora Teresa conta que no seu primeiro dia de aula parou em frente aos seus alunos da 5ª série primária e, como todos os demais professores, lhes disse que gostava de todos por igual.

30 No entanto, ela sabia que isto era quase impossível, já que na primeira fila estava sentado um garoto um garoto chamado Ricardo.

31 Ela, aos poucos, notava que ele não se dava bem com os colegas de classe e muitas vezes suas roupas estavam sujas e cheiravam mal. Houve até momentos em que ela sentia Houve até momentos em que ela sentia um certo prazer em lhe dar notas vermelhas ao corrigir suas provas e trabalhos.

32 Ao iniciar o ano letivo, era solicitado a cada professor que lesse com atenção a ficha escolar dos alunos, para tomar conhecimento das anotações. Ela deixou a ficha de Ricardo por último. Mas quando a leu foi grande a sua surpresa...

33 Ficha do 1º ano: Ricardo é um menino brilhante e simpático. Seus trabalhos sempre estão em ordem e muito nítidos. Tem bons modos e é muito agradável estar perto dele.

34 Ficha do 2º ano: Ricardo é um aluno excelente e muito querido por seus colegas, mas tem estado preocupado com sua mãe que está com uma doença grave e desenganada pelos médicos. A vida em seu lar deve estar sendo muito difícil.

35 Ficha do 3º ano: A morte de sua mãe foi um golpe muito duro para Ricardo. Ele procura fazer o melhor, mas seu pai não tem nenhum interesse e logo sua vida será prejudicada se ninguém tomar providências para ajudá-lo.

36 Ficha do 4º ano: Ricardo anda muito distraído e não mostra interesse algum pelos estudos. Tem poucos amigos e muitas vezes dorme na sala de aula.

37 Ela se deu conta do problema e ficou terrivelmente envergonhada... E ficou pior quando se lembrou dos lindos presentes de Natal que ela recebera dos alunos, com papéis coloridos, exceto o de Ricardo, que estava enrolado num papel de supermercado.

38 Lembrou que abriu o pacote com tristeza, enquanto os outros garotos riam ao ver que era uma pulseira faltando algumas pedras e um vidro de perfume pela metade.

39 Apesar das piadas ela disse que o presente era precioso e pôs a pulseira no braço e um pouco de perfume sobre a mão.

40 Naquela ocasião Ricardo ficou um pouco mais de tempo na escola do que o de costume. Relembrou, ainda, que ele lhe disse: - A senhora está cheirosa como minha mãe!

41 E, naquele dia, depois que todos se foram, a professora chorou por longo tempo... Em seguida, decidiu mudar sua maneira Em seguida, decidiu mudar sua maneira de ensinar e passou a dar mais atenção aos seus alunos, especialmente a Ricardo.

42 Com o passar do tempo ela notou que o garoto só melhorava. E quanto mais ela lhe dava carinho e atenção, mais ele se animava. Ao finalizar o ano letivo, Ricardo saiu como o melhor da classe.

43 Seis anos depois, recebeu uma carta de Ricardo contando que havia concluído o segundo grau e que ela continuava sendo a melhor professora que tivera.

44 As notícias se repetiram até que um dia ela recebeu uma carta assinada pelo Dr. Ricardo Stoddard, seu antigo aluno, mais conhecido como Ricardo. Mas a história não terminou aqui...

45 Tempos depois recebeu o convite de casamento e a notificação do falecimento do pai de Ricardo. Ela aceitou o convite e no dia do casamento estava usando a pulseira que ganhou de Ricardo anos antes, e também o perfume.

46 Quando os dois se encontraram, abraçaram-se por longo tempo e Ricardo lhe disse ao ouvido: Obrigado por acreditar em mim e me fazer sentir importante, demonstrando-me que posso fazer a diferença.

47 E com os olhos banhados em lágrimas sussurrou: Engano seu! Depois que o conheci aprendi a lecionar e a ouvir os apelos silenciosos que ecoam na alma do educando.

48 Mais do que avaliar as provas e dar notas, o importante é ensinar com amor mostrando que sempre é possível fazer a diferença... (Autor Desconhecido)

49 Afinal, o que realmente faz a diferença?

50 É o fazer acontecer a solidariedade, a compreensão, a ajuda mútua e o amor entre as pessoas... O resto vem por acréscimo... É este o segredo do Evangelho. Tudo depende da Pedagogia do Amor Pedagogia do Amor.

51

52 Nisto todos saberão que sois meus discípulos: Se vos amardes uns aos outros como eu vos amei (Jo 13, 34-35)

53 UMA ATITUDE PODE MUDAR A VIDA DE UMA PESSOA MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO


Carregar ppt "VISÃO GLOBAL SOBRE OS DIVERSOS TIPOS DE DEFICIÊNCIAS ALEXANDRE LUIZ ALVES PROF. DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google