A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR Investimentos em Sistemas Metroferroviários utilizando Engenharia e Análise do Valor Márcio Cazelli.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR Investimentos em Sistemas Metroferroviários utilizando Engenharia e Análise do Valor Márcio Cazelli."— Transcrição da apresentação:

1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR Investimentos em Sistemas Metroferroviários utilizando Engenharia e Análise do Valor Márcio Cazelli Marcus Vinícius Quintella Cury Belo Horizonte, 7 de Outubro de 2008 COMPANHIA BRASILEIRA DE TRENS URBANOS CBTU

2 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO I – Introdução II - Objetivo e Justificativa III – Aplicações da EV / AV em Transportes IV - O Estudo de EV / AV da CBTU A Sinalização do Trecho Recife - Barro VII – Conclusões e Recomendações VIII - Bibliografia

3 A Sustentação Econômica do Transporte Ferroviário Urbano Investimentos em infra-estrutura e custos operacionais elevados Impossibilidade de se cobrar dos usuários o custo efetivo dos serviços; Subvenções insuficientes para custear a operação e manutenção. Aportes de recursos freqüentes para evitar a degradação: infra-estrutura, sistemas fixos e material rodante.

4 Objetivo da Utilização da EV / AV Eficiência de Investimentos Fundamental para o transporte ferroviário urbano; Importante que aconteça de forma permanente; Diminuição dos custos do ciclo de vida do empreendimento metroferroviário; A EV / AV tem se comprovado eficiente para tornar um investimento mais produtivo; Estudar aplicações da EV / AV no setor de transportes e propor a adaptação de um plano de trabalho para aplicação no setor metroferroviário.

5 EV / AV em Sistemas Metroferroviários Aplicações no Exterior Estados Unidos da América Pasadena Blue Line and San Gabriel Valley Light Rail (California) Tacoma Link Light Rail (Seattle) Sistema BRT (Bus Rapid Transit) New Britain - Hartford (Connecticut)

6 EV / AV em Sistemas Metroferroviários Aplicações no Exterior Holanda: Agência Ferroviária ProRail 2003: Políticas para adoção de um Programa de EV / AV; 2004: Estabelecimento do Programa e Treinamento; 2005: EV / AV instituída como um Programa Corporativo; 2003 a 2006: 27 Estudos de EV / AV realizados; 55 milhões em economias; Relação de 1:60 em benefícios. Canadá: Metrô de Montreal 2001: Estudo para a extensão até Laval (5,3 Km); Principais Resultados: Redução da extensão de 5,3 Km para 5,2 Km; 3 estações relocadas reduzindo profundidades (30m 15m); Redução de 11% nos custos ($ 400 $ 345,4 milhões). Fonte: DONAIS, René. Value Engineering - Montreal Subway Project. CSVA - October 2001 Fonte: HENDRIKSEN, Timme. Tailoring VE to ProRail's Needs in Holland. CSVA - October 2006.

7 Estação Ferroviária de Tilburg – Holanda (ProRail) Oficinas de Manutenção Telhado a ser Preservado Comércio presente nos corredores da Estação Entrada Lado Sul Bicicletário Túnel: 8 m de Largura Situação Atual Principais Objetivos ProRail Principais Resultados Capacidade de transferência dos túneis e escadas da estação. Integração com ruas de pedestres e Interligação Sul-Norte (Área Central) Municipalidade Principais Necessidades ProRail Alargamento do túnel para 11,2 m. Construção de túnel: largura de 100 m. Municipalidade Economia de 43 % nos custos do túnel (5,9 milhões de Euros). Construção do túnel com 20 m de largura Economia total de 8,6 milhões de Euros nos custos da reforma da estação. Fonte: Hendriksen. Improving Transfer Capacity to Station Tilburg Gráfico de Custos Custos de Mobilização Acessos Lado Sul Construção Etapas Bicicletário Medidas Temporárias Comércio Local Novo Prédio Estação Novo Túnel Análise de Pareto

8 EV / AV no Setor de Transportes Metroferroviários Transporte Rápido por Ônibus (BRT) York – Ontário - Canadá Tecnologia adequada ao custo correto no tempo apropriado. Estabelecer uma base para TOD Propósitos Principais Aumentar usuários do transporte público Controle da urbanização Diminuição de Engarrafamentos Fonte: Chackeris. Viva Bus Rapid Transit – York Region

9 Objetivos e Metas do Projeto Aumentar Visibilidade Cumprir Metas Controlar Urbanização Reduzir Custos Atingir Expectativas Aumentar Velocidade Aumentar Freqüência Serviço Melhorar Conforto Promover Segurança Comunicar Situação Serviço Conectar Comunidades Estabelecer Imagem Suporte ao Adensamento Preservar Construções Históricas Respeitar Bairros Atrair Usuários Transportar Pessoa s Serviços às Comunidades Reduzir Engarrafamento Aumentar Visibilidade Encorajar Crescimento Valorizar Bairros Transferir Usuários Acomodar Intermodais Respeitar Meio Ambiente Manter Padrões Definir Padrões Funções de Caráter Permanente $17,6 M 11,7 % $12,9 M 8,6 % $21,7 M 14,7 % Acomodar Pedestres Adaptar Tecnologia Controlar Tráfego Melhorar Estética Restringir Acessos Estabelecer Faixa Domínio Alocar Espaços Elaborar Projeto $3,9 M 2,6 % $10 M 6,7 % $2,9 M 1,9 % $3 M 2 % $18,7 M 12,5 % $50 M 33,3 % Bilhetagem $9,3 M 6,2 % Escopo do Estudo Como? Por quê? Estudo e Custos Funcionais Sistema BRT – York – Ontário – Canadá Fonte: Chackeris. Viva Bus Rapid Transit – York Region

10 Decisões sobre o Estudo de EV / AV Sistema BRT – York – Ontário – Canadá Recomendações do Estudo EV / AV Impacto no CustoAvaliação da Idéia 6 faixas exclusivas para os ônibus. ($ )Rejeitada por questões políticas. 6 faixas para veículos com 3 ou mais ocupantes no período de pico. ($ )Adiada (monitorar após início do serviço). Eliminar algumas paradas.($ ) Aceitas – confirmar as paradas a serem eliminadas. Reduzir o tamanho das plataformas em algumas paradas. (25 a 35 % de economia no custo das paradas) Aceita. Eliminar os postes de fixação dos painéis de informação. ($ ) Aceita – definir no projeto onde instalar os painéis. Projetos individualizados das paradas (3 ou 4 tipos). Não avaliadoAceita. Informações do próximo ônibus somente em algumas paradas. ($ )Rejeitada. Criar Lei para regular o uso das faixas. MínimoAceito. Bilhetes Integrados.($14/100 viagens)Adiada por questões políticas. Fonte: Chackeris. Viva Bus Rapid Transit – York Region Lições Apreendidas com o Estudo O Estudo de Valor dessa primeira fase poderia ter identificado outras oportunidades de melhoria se profissionais de outras disciplinas fossem incluídos (Preservação, Meio Ambiente) ; A individualização de alguns elementos é uma oportunidade chave para reduzir custo sem perder funcionalidade: Ônibus, Coberturas, Pistas, Equipamentos de Controle e Rotas.

11 Fonte: Programa de Engenharia e Análise do Valor – DER / MG O PLANO DE TRABALHO DO CALTRANS

12 Alterações em Recife Interface (Linhas Sul e Centro) Adequações na Sinalização Linha Sul (em implantação) Rodoviária – Camaragibe (em operação) CBTU METROREC INVESTI- MENTOS EM SINALIZAÇÃO FERROVIÁRIA

13 Plano das Vias Sinalizadas Linha Centro

14 RECIFE – Nova Configuração das Vias Modificações Intertravamento Recife Centro Travessões de Interface (Linhas Sul e Centro) Novos Circuitos de Via Intertravamentos Independentes: Recife Centro e Recife Sul.

15 ESTUDO DE VALOR NOVA SINALIZAÇÃO RECIFE - BARRO Novos CDVs nas interfaces com a Linha Sul (AMVs 21, 23 e 25) e estacionamento de Recife (AMV 19); Circuitos de via de mesma tecnologia dos existentes (com emprego de relés do tipo reed); Novos intertravamentos de rotas, máquinas de chave e circuitos de via em função dos AMVs introduzidos; Novos códigos de velocidade; Equipamento Digital (CMT) em Recife Centro para as funções de intertravamento em substituição aos relés; Limite do projeto: até o início da plataforma de Joana Bezerra (940 m); Implantação pelo Contrato /DT (CBTU e ALSTOM). Projeto Original: Recife – Joana Bezerra

16 ESTUDO DE VALOR NOVA SINALIZAÇÃO RECIFE - BARRO O CMT adotado para Recife Centro tem capacidade para controlar trechos maiores; O emprego de CDVs próprios da projetista no trecho Rec - Joa cria oportunidade de aplicação num trecho maior; Elevado número de falhas de CDVs nesse trecho: 22 por mês; Alto custo de manutenção: bondes de impedância, juntas isolantes e implicações na via permanente. Projeto Alternativo: Recife – Barro MOTIVAÇÃO Avaliação da Modificação do Sistema de Sinalização do trecho Recife-Barro, com emprego de Circuitos de Via em Audiofreqüência visando aumento de velocidade, capacidade, confiabilidade e menor custo de manutenção.

17 ESTUDO DE VALOR SINALIZAÇÃO RECIFE - BARRO

18 SINALIZAÇÃO RECIFE – BARRO Objetivos do Estudo de Valor Criar alternativa de implantação antes de iniciar negociações com a Contratada; Enquadrar o investimento nos limites de alteração do valor contratual; Concentrar esforços nas soluções alternativas para: aumentar a capacidade do trecho Recife-Coqueiral; melhorar a confiabilidade; manter ou melhorar a segurança; reduzir custos de implantação e de manutenção. Obter um melhor perfil de códigos de velocidade para a entrada dos trens em Recife; Avaliar questões específicas de parâmetros de projeto e implantação lançamento de cabos; aproveitamento da infra-estrutura existente; realização de algumas atividades com equipes próprias da STU- REC.

19 NOVA SINALIZAÇÃO RECIFE – BARRO Equipe do Estudo de Valor CBTU-AC STU-REC NomeOrganizaçãoDisciplina / PosiçãoEspecialização Márcio CazelliCBTU-AC / Diretoria TécnicaLíder de EquipeSinalização Ferroviária Ricardo Esberard STU-REC / Gerência de Engenharia Engenheiro de ProjetosSinalização Ferroviária Fabiano Sales STU-REC / Departamento de Sistemas e Via Chefe Depto. ManutençãoManutenção Roberto MaranhãoSTU-REC / Depto. OperaçãoEngenheiro de OperaçãoOperação Ferroviária Júlio Cezar STU-REC / Gerência de Sistemas Fixos Gerente de ManutençãoSinalização Ferroviária Luís Alberto STU-REC / Gerência de Engenharia Interface com ManutençãoSinalização Ferroviária Marilton Uchoa STU-REC / Gerência de Laboratório Gerente do LaboratórioEletro - Eletrônica Alejandro LiveraSMZ / Coord. ImplantaçãoEngenheiro de ProjetosSinalização Ferroviária CONTATOS DA PROJETISTA Paulo Sérgio MoreiraAlstomCoordenador de ProjetosSinalização Ferroviária Paulo StuartAlstomCoordenador de PropostasComercial Sérgio MiwaAlstomGerente de ImplantaçãoSinalização Ferroviária

20 PREPARAÇÃO DOS DADOS Custos de Implantação – Projeto Original Elemento do SistemaQuantidadeCusto% do Total Intertravamento Equipamento CMT Equipamento GC Subtotal Intertravamento--x-- Circuitos de Via--x-- Transmissor - Receptor Geradores de Código Projeto--x-- Implantação--x-- Testes--x-- Sobressalentes Relés Intertravamento100R$ % Filtros Reed60R$ % Conjunto ATC Campo6R$ % Subtotal SobressalentesR$ % Geradores Linha de Teste10R$ % TOTALR$ %

21 PREPARAÇÃO DOS DADOS Custos no Ciclo de Vida – Projeto Original Período Ciclo de Vida: 20 anosTaxa de Desconto: 7,215 %Original A. Custos de ImplantaçãoR$ B. Custos Anuais SubseqüentesR$ Equipes de ManutençãoR$ Reposição de Componentes (Campo)R$ Reposição de Componentes (Laboratório)R$ C. Custos Subseqüentes Periódicos (CDVs Reed)R$ Reposição de Juntas Isolantes e FusíveisR$ Remoção de Colmatagem do LastroR$ Manutenção Bondes de ImpedânciaR$ D. Total dos Custos Subseqüentes (B + C)R$ E. Custos Anuais dos UsuáriosR$ Atrasos e Supressões de ViagemR$ F. TOTAL DOS CUSTOS Custos no Ciclo de Vida (D + E)R$ Fator do Valor Presente (FVP)10,42 Total dos Custos no Ciclo de Vida = (D + E) x FVPR$ Custos de ImplantaçãoR$

22 PREPARAÇÃO DOS DADOS Custos de Implantação – Projeto Alternativo Elemento do SistemaQuantidadeCusto% do Total IntertravamentoR$ ,61 % Ampliação CMT - GC - PCL1R$ ,36 % Cabos CMT – ECVs – TBs20 KmR$ ,25 % Circuitos de ViaR$ ,80 % ECVs – CIAs – Antenas Z-Bonds e Cabos de Controle ConjuntoR$ ,24 % Cabos: CIAs e BondeamentosConjuntoR$ ,56 % ProjetoVbR$ ,14 % ImplantaçãoR$ ,16 % Infra-estrutura e Materiais10 KmR$ % Lançamento de CabosVbR$ ,11 % Montagem EquipamentosVbR$ ,5 % Supervisão (Alstom e CBTU)VbR$ ,55 % Testes (Instalação e Operação)VbR$ ,27 % Sobressalentes--x-- Geradores Linha de Teste--x-- TOTALR$ %

23 Custos de Implantação – Projeto Alternativo Gráfico de Pareto 83 % dos Custos de Implantação

24 NOVA SINALIZAÇÃO RECIFE - BARRO Matriz Critérios de Desempenho Segurança Operacional Aaaaaaa 6,029 % Eficiência Operacional Bbbbbb 5,024 % Confiabilidade Ccccc 4,019 % Facilidades de Manutenção Dddd 3,014 % Facilidades de Implantação Ee / fg 0,52 % Prazos de Implantação Fg 0,5 2 % Impactos Operacionais Durante a Implantação G 2,010 % TOTAIS 21,0100 % a – maior importânciaa / b – igual importância

25 CRITÉRIOS DE DESEMPENHO ESCALA PARA AVALIAÇÃO CritérioDefiniçõesEscalaQuantificação Confiabili- dade Uma medida da capacidade do sistema, equipamentos ou configuração de equipamentos utilizada, estar em condições de desempenhar suas funções, tendo em vista os impactos de suas falhas, principalmente atrasos e supressão de viagens, no cumprimento das metas de transporte num horizonte de 20 anos Sistema cujo tempo médio entre falhas que causem perturbação na operação seja superior a horas. Sistema cujo tempo médio entre falhas que causem perturbação na operação seja inferior a e superior a horas. Sistema cujo tempo médio entre falhas que causem perturbação na operação seja inferior a e superior a horas. Sistema cujo tempo médio entre falhas que causem perturbação na operação seja inferior a horas, implicando numa operação totalmente degradada.

26 ESTUDO DE VALOR - ANÁLISE FUNCIONAL Nova Sinalização Recife - Barro CBTU STU-REC ItemFUNÇÃO DescriçãoVerboSubstantivoTipo Necessidades e Propósitos GarantirSegurança do TráfegoAO ProverSegurança dos UsuáriosAO AumentarCapacidade de TransporteAO AumentarConfiabilidadeA Circuitos de Via Audiofreqüência DetectarOcupaçãoB TransmitirCódigos de VelocidadeB DetectarTrilho PartidoSR Intertravamento ProcessarSituação das ViasB ArmazenarTabela de RotasB AnalisarTabela de RotasB EstabelecerPerfil de VelocidadesB EstabelecerPerfil de FrenagemB Plano de Vias Sinalizadas EstabelecerTabelas de RotasB DimensionarCircuitos de ViaB EstabelecerPatamares de VelocidadeB Critérios de Projeto AplicarRegras de IntertravamentoA CalcularDistâncias de FrenagemA ConsiderarDesempenho dos TrensA AO = Alta OrdemB = BásicaR = RequeridaS = Secundária A = Adotada ou AssumidaSR = Secundária RequeridaU = Desnecessária

27 DIAGRAMA TÉCNICA DE ANÁLISE FUNCIONAL DE SISTEMAS – FAST Como? Por quê? Escopo do Estudo R$ ,65 % R$ % R$ % R$ ,35 % Aumentar Capacid. Transporte Garantir Segurança Tráfego Prover Segurança Usuário Estab. Perfil Frenagem Estab. Perfil Velocidade Alinhar Rotas Estab. Pla- no Vias Sinalizadas Gerar Comandos Seguros Códigos Sinais Mq.Chave Aplicar Critérios Projeto Melhorar Conforto Usuário Diminuir Intervalo Headway Dimens. Circuitos de Via Quantif. Circuitos De Via Diminuir Custos Manut. Facilitar Diagnós- tico Aumentar Velocidade Comercial Diminuir Tempos Percurso Aumentar Códigos Velocidade Processar Situação das Vias Analisar Tabela Rotas Detectar Ocupação e Rotas Detectar Posição AMVs Controlar Máquinas de Chave Aplicar Equações Lógicas Controlar Circuitos de Via Aumentar Confiabi- lidade

28 SINALIZAÇÃO RECIFE - BARRO Geração de Idéias Estender o intertravamento de Recife até o domínio de Werneck; Empregar CDVs em audiofreqüência com os mesmos comprimentos dos atuais; Redistribuir os CDVs em audiofreqüência e novos códigos de velocidade segundo novo PVS; Manter os atuais CDVs nas linhas de estacionamento do Pátio de Recife; Construir nova rede de dutos para lançamento de cabos; Permitir os serviços de abertura de valas, assentamento de dutos e lançamento de cabos em períodos diurnos; Lançamento de Cabos em Eletrodutos Corrugados Manter os atuais cabos de acionamento dos sinais e máquinas de chave.

29 AVALIAÇÃO DE IDÉIAS Nova Sinalização Recife – Barro CBTU / STU-REC IdéiasCritérios de Desempenho VantagensDesvantagens$ Classi- ficação NoFunçãoSOEOCFFMFIPIIO AC-2 Aumentar Capacid. Empregar CDVs AF conforme novo PVS a ser elaborado entre Recife e Barro Reduz quantidade de Circuitos de Via - Reduz desenvolvimento de software de intertravamento - Reduz custos de cabos e implantação - Maior custo para estabelecimento do PVS - Parâmetros de projeto mais desafiadores 5 ST-1 Garantir Segurança Estender o Inter- travamento de Recife até o domínio Werneck Maior segurança contra sabotagens - Maiores facilidades de manutenção - Maiores Custos: equipamento e desenvolvimento de software 5 CC-6 Acomodar Cabos Executar o lançamento dos cabos na posteação da Rede Aérea Necessita menos infra-estrutura - Alto risco de vandalismo - Dificuldade pelo número de cabos - Lançamento noturno com rede aérea desligada -21 Escala de Classificação:5 = Melhoria Significativa de Valor4 = Boa Melhoria de Valor 3 = Pequena Melhoria de Valor 2 = Pequena Degradação de Valor1 = Degradação Significativa de Valor - Não Atinge Propósitos Escala dos Critérios de Avaliação:Melhoria Significativa +2, +1, 0, -1, -2 Degradação Significativa SO = Segurança Operacional EO = Eficiência Operacional CF = Confiabilidade FM = Facilidades de Manutenção FI = Facilidades de ImplantaçãoPI = Prazos de ImplantaçãoIO = Impactos Operacionais - Implantação

30 ANÁLISE DE VALOR DE SOLUÇÃO ALTERNATIVA Nova Sinalização Recife - Barro CBTU / STU-REC FUNÇÃO: Aumentar a Capacidade de Transporte IDÉIA No: AC-2 Solução Alternativa No 2 TÍTULO: Empregar CDVs AF conforme novo PVS a ser elaborado entre Recife e Barro. PÁG. No 1 de 9 PROJETO ORIGINAL: Alteração do PVS somente entre Recife e Joana Bezerra para a interface de AMVs entre as Linhas Sul e Centro. PROJETO ALTERNATIVO: Alteração do PVS entre Recife e Barro com emprego de CDVs em audiofreqüência e maior número de códigos de velocidade. VANTAGENS: Redução do intervalo entre trens e aumento da velocidade comercial; Códigos de Velocidade: 90, 79, 62, 49, 32, 25, 15 e 10 Km / h; Elimina o emprego de fusíveis de proteção, bondes de impedância, juntas isolantes e seus efeitos na via permanente (colmatagem do lastro); Aumenta a confiabilidade no trecho Recife – Coqueiral – tronco principal da Linha Centro; Maiores facilidades de manutenção, com diagnóstico de falhas e redução de custos. DESVANTAGENS: Maiores custos os custos com o desenvolvimento de projeto e simulações de desempenho e segurança; Aumentam os custos com aquisição de equipamentos complementares; Maiores prazos e os custos de implantação (rede de dutos, cabos e equipamentos); Maiores impactos operacionais e inconveniências aos usuários durante o período de implantação. SUMÁRIO DE CUSTOS Custos de Implantação VP: Custos Subseqüentes Valor Presente Custos Usuários VPL Conceito OriginalR$ R$ R$ R$ Conceito AlternativoR$ R$ R$ R$ Ganhos ou Economias(R$ )R$ R$ R$

31 ANÁLISE DE VALOR - SOLUÇÃO ALTERNATIVA No 2 Nova Sinalização Recife - Barro Conceito OriginalConceito Alternativo Bonde de Impedância Junta Isolante Colmatagem do Lastro Caixa de Interface Junta Elétrica Z-Bond Antenas de Captação

32 ANÁLISE DE VALOR DE SOLUÇÃO ALTERNATIVA - MEDIDAS DE DESEMPENHO Nova Sinalização Recife - Barro CBTU / STU-REC TÍTULO: Empregar CDVs AF conforme novo PVS a ser elaborado entre Recife e Barro. Solução Alternativa 2 Pág.: 5 de 9 Critérios e Razões para a Solução Alternativa DesempenhoOriginalAlternativa Segurança Operacional O nível de segurança esperado para os CDVs é a detecção de shunts (curto-circuito entre trilhos) de até 0,4 ohms, detecção de trilho partido e trilhos topados. A solução alternativa é mais imune a atos de sabotagem. Pontuação79 Peso29 Contribuição Eficiência Operacional A eficiência cresce significativamente, uma vez que os trens poderão trafegar em velocidades maiores que na situação atual, o que crescerá a velocidade comercial, além de permitir um intervalo entre trens menor, face à elaboração de um novo PVS. Pontuação68 Peso24 Contribuição Confiabilidade Além de sua própria confiabilidade (MTBF de horas), há ainda uma contribuição pelo número menor de CDVs. É esperado que se reduza de 20 para um máximo de 2 falhas por mês no trecho Recife - Barro. Pontuação49 Peso19 Contribuição76171 Facilidades de Manutenção Além de programas de auto diagnose, indicações locais do estado das entradas e saídas, registro de eventos e alarmes com diagnósticos, são permitidas intervenções com o sistema em operação. Pontuação58 Peso14 Contribuição70112 Facilidades de Implantação Como a implantação se dará com o sistema atual em operação, é necessária uma montagem prévia antes da conexão aos trilhos. O projeto alternativo não necessita seccionar a via para instalar juntas isolantes. Sua maior extensão anula essa facilidade. Pontuação66 Peso22 Contribuição12 Prazos de Implantação O projeto alternativo envolve uma extensão maior e, portanto, tem prazo de implantação ampliado. Pontuação51 Peso22 Contribuição102 Impactos Operacionais durante a Implantação Poderão ser necessárias pequenas interrupções de tráfego ou restrições de velocidade devendo gerar inconveniências aos usuários. Pontuação84 Peso10 Contribuição8040 Desempenho Total: Mudança Líquida em Desempenho: + 32,8 %

33 CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO (CUSTOS INICIAIS) Nova Sinalização Recife - Barro CBTU / STU-REC TÍTULO: Empregar CDVs AF conforme novo PVS a ser elaborado entre Recife e Barro. Solução Alternativa 2 Pág.: 8 de 9 Elemento do SistemaProjeto OriginalProjeto Alternativo DescriçãoQuantidadeCustoQuantidadeCusto Circuitos de Via Gabinetes ECVs6R$ Caixas de Interface, Antenas, Z-Bonds e Cabos de Controle ConjuntoR$ Cabos ECVs – CIAs - BondeamentosConjuntoR$ Quadros de Alimentação - Aterramentos6R$ Subtotal Circuitos de ViaR$ Implantação Materiais e Acessórios de InstalaçãoR$ Montagem Equipamentos ViaR$ Montagem Gabinetes ECVsR$ Supervisão Técnica (Alstom + CBTU)R$ Subtotal ImplantaçãoR$ Sobressalentes Filtros tipo Reed60R$ Conjunto ATC Campo6R$ Subtotal SobressalentesR$ TOTALR$ R$ Ganhos ou Economias(R$ )

34 CUSTOS NO CICLO DE VIDA Nova Sinalização Recife - Barro CBTU / STU-REC TÍTULO: Empregar CDVs AF conforme novo PVS a ser elaborado entre Recife e Barro. Solução Alternativa 2 Pág.: 9 de 9 Período do Ciclo de Vida: 20 anos Taxa de Desconto: 7,215 %OriginalAlternativo A. CUSTOS DE IMPLANTAÇÃOR$ R$ Ganhos nos Custos Iniciais(R$ ) B. CUSTOS ANUAIS SUBSEQÜENTESR$ R$ Equipes de Manutenção em CampoR$ R$ Componentes de Manutenção em CampoR$ R$ Componentes de Manutenção de LaboratórioR$ R$ C. CUSTOS SUBSEQÜENTES PERIÓDICOS (CDVs REED)R$ x-- Substituição de Fusíveis de ProteçãoR$ Reposição de Juntas Isolantes (Aquisição e Substituição)R$ Remoção de Colmatagem do LastroR$ Manutenção dos Bondes de ImpedânciaR$ D. TOTAL DOS CUSTOS SUBSEQÜENTES (B + C)R$ R$ E. CUSTOS ANUAIS DOS USUÁRIOSR$ R$ Atrasos e Supressão de ViagensR$ R$ F. TOTAL DOS CUSTOS Custos no Ciclo de Vida (D + E)R$ R$ Fator do Valor Presente (FVP)10,42 Total dos Custos no Ciclo de Vida = (D + E) x FVPR$ R$ Ganhos no Ciclo de VidaR$ Ganhos Totais – Implantação e Ciclo de VidaR$

35 SUMÁRIO DAS SOLUÇÕES ALTERNATIVAS DE AV Nova Sinalização Recife - Barro CBTU STU-REC NúmeroDescrição Ganhos Potenciais Construção e Ciclo de Vida Desempenho 1.0Estender Intertravamento de Recife até o domínio de Werneck. (R$ ) R$ ,4 % 2.0 Empregar CDVs AF conforme novo PVS a ser elaborado de Recife a Barro. (R$ ) R$ ,8 % 3.0 Manter os atuais cabos de controle das máquinas de chave e sinais. R$ % 4.0 Construir uma nova rede de dutos para lançamento dos cabos, com dispensa da recomposição da camada de imprimação. (R$ ) R$ 0 + 2,3 % 5.0 Permitir serviços diurnos para abertura de valas, assentamento de dutos e lançamento de cabos, com cuidados de segurança. (R$ ) R$ % 6.0 Eliminar o conceito de condutores reserva nos cabos de circuitos de via. Montar bobinas reservas com as sobras do lançamento. Alternativa 2.0 R$ 0 - 1,4 % 7.0 Emitir documentos estritamente relacionados ao projeto evitando de manuais de equipamentos comuns aos demais trechos. (R$ ) R$ 0 0 % SUMÁRIO DOS CONJUNTOS DE SOLUÇÕES ALTERNATIVAS DE AV Conjunto No Descrição Ganhos Potenciais Construção e Ciclo de Vida Ganhos em Desempenho e em Valor 1 Estender o domínio do Intertravamento de Recife até Werneck e empregar circuitos de via em audiofreqüência até Barro: (1.0, 2.0, 3.0, 4.0, 5.0, 6.0 e 7.0). (R$ ) $ Conforme Matriz Graus Desempenho

36 CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO (CUSTOS INICIAIS) Nova Sinalização Recife - Barro CBTU STU-REC Elemento do SistemaQuantidade Proj. Alternativo Inicial Proj. Alternativo Aprimorado IntertravamentoR$ R$ Ampliação CMT - GC - PCL1R$ R$ Cabos CMT – ECVs – TBs20 KmR$ Circuitos de ViaR$ R$ ECVs – CIAs – Antenas Z-Bonds e Cabos de Controle ConjuntoR$ R$ Cabos: CIAs e BondeamentosConjuntoR$ ProjetoVbR$ R$ ImplantaçãoR$ R$ Infra-estrutura e Materiais10 KmR$ R$ Lançamento de CabosVbR$ R$ Montagem EquipamentosVbR$ R$ Supervisão (Alstom e CBTU)VbR$ Testes (Instalação e Operação)VbR$ R$ TOTALR$ R$ Ganhos ou EconomiasR$

37 CUSTOS NO CICLO DE VIDA Sinalização Recife – Joana Bezerra x Nova Sinalização Recife - Barro CBTU STU-REC Período Ciclo de Vida: 20 anos Taxa de Desconto: 7,215 %OriginalAlternativo A. Custos de ImplantaçãoR$ R$ B. Custos Anuais SubseqüentesR$ R$ Equipes de ManutençãoR$ R$ Reposição de Componentes (Campo)R$ R$ Reposição de Componentes (Laboratório)R$ R$ C. Custos Subseqüentes Periódicos (CDVs Reed)R$ R$ 0 Reposição de Juntas Isolantes e FusíveisR$ R$ 0 Remoção de Colmatagem do LastroR$ R$ 0 Manutenção Bondes de ImpedânciaR$ R$ 0 D. Total dos Custos Subseqüentes (B + C)R$ R$ E. Custos Anuais dos UsuáriosR$ R$ Atrasos e Supressões de ViagemR$ R$ F. TOTAL DOS CUSTOS Custos no Ciclo de Vida (D + E)R$ R$ Fator do Valor Presente (FVP)10,42 Total dos Custos no Ciclo de Vida = (D + E) x FVPR$ R$ Total dos Custos: Implantação + Ciclo de VidaR$ R$ Ganhos ou Economias(R$ )

38 MEDIDAS DE DESEMPENHO Sinalização Recife – Joana Bezerra x Nova Sinalização Recife – Barro CBTU / STU-REC Critérios e Razões para o Projeto Alternativo DesempenhoOriginalAlternativa Segurança Operacional Aumenta a segurança do sistema de sinalização, principalmente contra sabotagem (alterações de fiação). Permite redução de patamares de velocidade dependendo das condições da via. Mantém a detecção de shunts (curto-circuito entre trilhos) de até 0,4 ohms, trilho partido e trilhos topados. Pontuação79 Peso29 Contribuição Eficiência Operacional Agrega funções que permitem mais flexibilidade operacional (Rota de Chamada). A eficiência cresce significativamente pela disponibilidade de oito códigos de velocidade, com aumento da velocidade comercial e menor intervalo entre trens. Pontuação68 Peso24 Contribuição Confiabilidade Além de suas próprias confiabilidades (MTBF de horas para o CMT e horas para os Circuitos de Via), contribuem para aumentar a confiabilidade por eliminar dois Intertravamentos a Relés e emprego de um menor número de circuitos de via. Pontuação49 Peso19 Contribuição76171 Facilidades de Manutenção Além de programas de auto diagnose, indicações locais do estado das entradas e saídas, registro de eventos e alarmes com diagnósticos, são permitidas intervenções com o sistema em operação. A rede de dutos, com caixas de passagem facilita a substituição de lances de cabos entre caixas, emendas e lançamento de cabos sobressalentes. Pontuação59 Peso14 Contribuição70126 Facilidades de Implantação A colocação em operação por domínio de intertravamento permite uma programação mais segura para a migração do sistema atual a relés para o novo (digital). A rede de dutos facilita a divisão em etapas e permite separação de equipes. Trabalhos diurnos evitam os inconvenientes de montagem e desmontagem de equipamentos de iluminação. Pontuação66 Peso22 Contribuição12 Prazos de Implantação O projeto alternativo envolve uma extensão maior, um domínio de intertravamento maior e, portanto, tem prazo de implantação ampliado, apesar das facilidades propostas. Pontuação51 Peso22 Contribuição102 Impactos Operacionais durante a Implantação Poderão ser necessárias pequenas interrupções de tráfego ou restrições de velocidade que devem gerar inconveniências aos usuários. Pontuação84 Peso10 Contribuição8040 Desempenho Total: Mudança Líquida em Desempenho: + 35 %

39 MATRIZ DAS ESCALAS DE DESEMPENHO – PROJETO ALTERNATIVO Sinalização Recife – Joana Bezerra x Nova Sinalização Recife - Barro CBTU STU-REC CritériosPesosProjeto Graus de Desempenho Desempenho Total Segurança Operacional 29 Original7203 Alternativo9261 Eficiência Operacional 24 Original6144 Alternativo8192 Confiabilidade19 Original4133 Alternativo9152 Facilidades de Manutenção 14 Original570 Alternativo980 Facilidades de Implantação 2 Original614 Alternativo616 Prazos de Implantação 2 Original584 Alternativo1112 Impactos Operacionais Implantação 10 Original810 Alternativo416 Desempenho Total Total de Pontos % Melhoria Desempenho Custo Total (Milhões) Índice Valor Desempenho/ Custo % Melhoria de Valor Projeto Original595R$ 13,245,08 Projeto Alternativo80435 %R$ 14,8154,2920,43 %

40 Decisões sobre as Soluções Alternativas Benefícios já quantificados (simulação) Tempo da manobra de retorno na estação Recife: 130 segundos; Intervalo entre trens no trecho Recife-Barro: 130 segundos; Tempo de percurso entre Joana Bezerra e Recife: passa de 122 s (original) para para 96 s (alternativo). O processo decisório de implantação seguirá formalidades da CBTU. A Equipe de Análise do Valor recomenda a implantação do Projeto Alternativo pela: Melhoria na segurança do tráfego; Aumento da capacidade de transporte; Facilidades e menor custo de manutenção. Benefícios a serem verificados (simulação) Tempo de percurso Recife – Jaboatão e Recife – Camaragibe; Repercussão na frota de TUEs; Melhorias para os usuários: conforto e tempo de viagem.

41 Conclusões e Recomendações ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR - TRANSPORTES É aplicada cada vez mais de forma permanente nas agências de governo no exterior (Rodovias e Ferrovias); As agências de governo no Brasil iniciam essa aplicação de forma permanente (DER / MG); Aplicação cada vez maior nas fases de concepção e planejamento, vinculando o transporte público a projetos de urbanização. METODOLOGIA CALTRANS – ESTUDO DE VALOR DA CBTU Plenamente aplicável ao setor metroferroviário; Adequações necessárias nos critérios de avaliação de idéias; O enfoque essencialmente funcional fez com que o empreendimento fosse estudado como um meio para atingir propósitos mais amplos; Por ser estruturada e sistematizada, funcionou como facilitadora do trabalho em equipe, compensando a inexperiência em EV / AV. RECOMENDAÇÕES Buscar modelo para melhor avaliar benefícios e custos dos usuários; Utilização da EV / AV nos empreendimentos metroferroviários pela constatação que propiciará maior eficiência dos recursos públicos.

42 Referências Bibliográficas CALTRANS-CALIFORNIA (April 2003). Value Analysis Team Guide - 3. Edition. Disponível em guide-3rd-rev-0803.pdf (capturado em 21/10/2006). CBTU - Companhia Brasileira de Trens Urbanos – Galerias - Mapas. Disponível em (capturado em 03/03/2008). CHACKERIS, Peter. Viva Bus Rapid Transit VE Study – York Region. CSVA - October Disponível em csva.org/publications.php?id=42&nav=18 (capturado em 08/06/2008). DER / MG – Departamento de Estradas de Rodagem, MG. Programa de Engenharia e Análise do Valor (2001 / 2002). DONAIS, René. Value Engineering - Montreal Subway Project. CSVA - October Disponível em csva.org/publications.php?id=51&nav=51 (capturado em 08/03/2008). HENDRIKSEN, Timme. Improving Transfer Capacity to Tilburg Railway Station. CSVA - October Disponível em csva.org/publications.php?id=42&nav=18 (capturado em 08/06/2008). HENDRIKSEN, Timme. Tailoring VE to ProRail's Needs in Holland. CSVA - October Disponível em csva.org/publications.php?id=37&nav=18 (capturado em 08/06/2008). Obrigado!


Carregar ppt "ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR Investimentos em Sistemas Metroferroviários utilizando Engenharia e Análise do Valor Márcio Cazelli."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google