A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estudo de Diversificação e Inovação na Indústria Química Gabriel Lourenço Gomes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estudo de Diversificação e Inovação na Indústria Química Gabriel Lourenço Gomes."— Transcrição da apresentação:

1 Estudo de Diversificação e Inovação na Indústria Química Gabriel Lourenço Gomes

2 2 Indústria Química Brasileira - Desafios Fonte: Secex

3 3 Indústria Química Brasileira - Desafios Fonte: Abiquim

4 4 Indústria Química Brasileira - Desafios Fonte: ICIS-LOR

5 5 Plano Brasil Maior - Indústria Química Agenda Estratégica – curto prazo Desoneração de matérias-primas Incentivos aos investimentos Incentivos à inovação Política de utilização para o gás natural como matéria prima Agenda Estruturante – médio prazo Agenda Tecnológica Setorial – produtos de origem renovável Iniciativas estruturantes - capacitação de recursos humanos Melhorias na infraestrutura Regulação para os defensivos agrícolas Estudo da diversificação da indústria química

6 6 Estudo da Diversificação - Chamada Pública Participantes Bain/GasEnergy Booz/PUC-Rio Elabora/Maxiquim/Verax/Nexant McKinsey/IHS Monitor/Radix PwC UFPE Critérios de avaliação Experiência Metodologia Qualidade da equipe Cronograma Custo

7 7 Estudo da Diversificação - Comentários Perspectivas local, regional e global de cadeias químicas e mercados Escopo inédito para todos os proponentes Cuidadosa execução e acompanhamento Objetivo Final Políticas públicas com ampla participação dos stakeholders, destinadas a: Incentivar investimentos Diversificar a indústria Não é um estudo para substituição de importações É possível que as conclusões apontem para o reforço de exportações

8 8 Petroquímica Produção de petróleo Refinariia de petróleo Craqueamento (primeira geração) Polimerização (segunda geração) Transformação (terceira geração) Ativos Produtivos: Produtos: 7 milhões t/ano (180 mil barris/dia) 10 milhões t/ano (250 mil barris/dia) 1 milhão t/ano mil t/ano Pequeno porte Gasolina, diesel, querosene, nafta, etc. Eteno, propeno, butadieno benzeno, tolueno, xileno Polietileno, polipropileno, PVC, PET, SBR, etc. A cadeia Petroquímica clássica

9 9 Indústria Química Brasileira Fonte: Abiquim

10 Estudo da Diversificação da Indústria Química Metodologia Segmentação da Indústria Priorização inicial dos segmentos Descrição e avaliação dos segmentos prioritários Priorização final Análise econômico-financeira dos investimentos Estratégias de entrada Proposta de políticas públicas Dados quali/quantitativos Principal base de análise Importações, exportações e percepção de especialistas Principal base de análise Ambiente local para as cadeias químicas pré-selecionadas Seminários Indústria, governo, observadores Seminários Indústria, governo, observadores Fontes Balança comercial e entrevistas com especialistas e empresários

11 Cronograma

12 12 1ª Etapa Seminário 1 – 1º de julho Segmentação da Indústria Importações e exportações entre 2008 e 2012, incluindo os outros. Valor das importações de químicos embarcados Novas tecnologias e tendências

13 FarmacêuticaDefensivosCatalisadores e aditivosPolímeros especiais Sabões e detergentes, prods de limpeza e cosméticos Tintas, pigmentos, corantes e produtos afins Colas, adesivos e selantes FotográficosOutros Seminário 1 (1/7), validação da segmentação Cadeia de produto Mercado Lógica de Segmentação Fonte: Análise Bain / Gas Energy Cadeia Mercado OrgânicosInorgânicos Fertilizantes Benzeno e derivados Tolueno e derivados Estireno e derivados Alumínio e derivados Cloro e álcalis Dióxido de titânio Nitrato de Potássio Ácido Fosfórico Nitrato de Amônio Propeno e derivados P-xileno e derivados Outros Gases industriais SilícioOutros Sulfato de Potássio Nitrato de Sódio Outros Intermediários Exemplos: B B A A

14 Importação dos produtos Cadeia Importações de produtos cadeia (US$B, 2012, exceto produtos fora do escopo) Fonte: AliceWeb, Receita Federal, Análise Bain e Gas Energy CADEIA

15 Importação dos produtos Mercado Importações de produtos mercado (US$B, 2012, exceto produtos fora do escopo) Fonte: AliceWeb, Receita Federal, Análise Bain e Gas Energy MERCADO

16 Crescimento da classe média Crescimento em bens de consumo, com aumento da demanda por especialidades químicas Mudanças demográficas Crescimento em saúde e personal care, como farmacêuticos, cosméticos e nutrição Tendências globais que deverão impactar inovações em químicos Mercados emergentes Crescimento de químicos ligados a indústrias de bens de consumo em países emergentes Escassez de combustíveis fósseis Demanda por químicos para aumen-to de eficiência energética e busca por fontes não convencionais Energias alternativas Crescente penetração de energias alternativas, biocombustíveis e bioquímicos Urbanização Crescimento em químicos para construção e indústrias ligadas a conveniência (ex.: embalagens) Sustentabilidade Aumento da reciclagem e do consumo de produtos biodegradáveis Regulamentação crescente Busca de eficiência devido à taxação da demanda, ex. crédito de carbono Novos padrões de consumo Demanda por produtos de maior performance e menor impacto para a saúde e o meio ambiente Escassez de Água Maior demanda por químicos p/ trata- mento de água e esgoto Fonte: Bain (Impact of Mega Trends on Industries e The Great Eight: Trillion-Dollar Growth Trends to 2020)

17 Outras áreas de interesse em P&D Fonte: American Chemistry Council; NNI; website da BASF Ruptura com a química tradicional Evolução da química tradicional Biotecnologia Nanotecnolgia Con- ceito Aplicação da biotecnologia para produção industrial de bioenergia e substâncias químicas, a partir de biomateriais e/ou utilizando células vivas e suas enzimas Ciência, engenharia e tecnologia em nano escala (1 a 100 nanômetros). Pode ser aplicada em diversos campos da ciência, como a química biologia, física, ciência de materiais e engenharia Desenvolvimento de novos produtos, processos e rotas químicas baseados em evoluções a partir do conhecimento acumulado em química tradicional Abor- dagem Acompanhamento da ATS e elaboração do modelo de atuação brasileiro Priorização das tecnologias e elaboração do modelo de atuação brasileiro Tratado durante a priorização dos segmentos químicos Exem- plos Indústria da biomassa Ácido succínico, usado em alguns poliésteres e resinas alquídicas Poli(ácido lático) (PLA) produzido a partir de milho ou dextrose Outros plásticos de biomassa (Bio-PP, PHB, PHA, etc.) Embalagens plásticas com nano argilas Potencial para redução do uso de plásticos nas embalagens Menor absorção de O 2 do exterior e perda de CO 2 interno Plásticos de engenharia para automóveis Polímeros avançados que combinam baixo peso com alta resistência mecânica, como co- poliamidas especiais SEMINÁRIO 1

18 18 Seminário 2 – 9 de setembro Proposta de priorização de segmentos a serem analisados Metodologia de Priorização Definição dos segmentos de alta prioridade Definição dos segmentos de média prioridade 2ª Etapa

19 Diversos critérios e cenários foram considerados, para garantir robustez da priorização Ferramenta de análise multicritério foi utilizada para garantir robustez do resultado

20 Os 120 grupos originais foram reorganizados em 64 segmentos, agrupados segundo uma lógica de negócios Deriv. de alcatrão Orgânicos básicos Ácido acrílico e deriv. Ác. me- tacrílico e deriv. Ácidos graxos e deriv. Aromá- ticos Butadieno, Isopreno e deriv. Deriv. de celulose Ceras e parafinas do petr. Copolí- meros Cumeno e deriv. Elastô- meros Deriv. de eteno Deriv. de metano Óxido de eteno e deriv. Deriv. de propeno Derivados vinílicos Lubrifi- cantes Intermediários de química fina Intermediários para resinas Polímeros especiais Aramidas Fibras de carbono Policar- bonatos Poliacetais Poliamidas especiais Poliester de alta tenacidade Poliéteres polióis e Poliuretanos Politetra- metileno éter glicol Resinas epóxidas Polibuti- leno te- reftalato Catalisadores e aditivos Aditivos alimentícios Aditivos para construção Aditivos para couro Aditivos para mineração Aditivos para E&P Aditivos para polímeros Catalisadores Fragrâncias e aromas Tintas, pigmentos, coran- tes e produtos afins Corantes org. sin- téticos Tintas para im- pressão Tintas, vernizes e prod. afins Sabões, deterg., prod. limp. e cosmét. Produtos de limpeza Cosmé- ticos Outros Explo- sivos Fluidos refrige- rantes Reag. de labo- ratório Colas, ad. e selantes Colas, adesivos e selantes Defen- sivos Fotográ- ficos Filmes, revelado- res e papéis Cadeia Inorgânicos básicos Ácidos inorgâ- nicos Deriv. de Alumínio Deriv. de Boro Cloro e Álcalis Deriv. de Cobalto Fósforo branco e deriv. Gases indus- triais Iodo e deriv. Material radio- ativo Deriv. do Níquel Óxido de titânio e deriv. Deriv. do Nióbio Sulfatos Deriv. de terras raras Urânio Deriv. de carbono elementar Deriv. de Silício Nota: Os segmentos Farmacêutico,Fertlizantes e plásticos commodities (PE, PP, PVC e PET) estão fora do escopo Intermediários industriais Mercado

21 21 Segmentos priorizados para a etapa 3 Ácidos graxos e derivados Aditivos alimentícios Aditivos para construção Aditivos para couro Aditivos para E&P Aditivos para mineração Aromáticos Butadieno, Isopreno e derivados Cosméticos e higiene pessoal Defensivos Derivados da celulose Derivados de silício Fibras de carbono Fragrâncias e aromas Lubrificantes especiais Poliamidas especiais Poliester de alta tenacidade Poliéteres polióis e poliuretanos Ácido metacrílico e derivados Aditivos industriais Catalisadores Cloro e Álcalis Colas, Adesivos e Selantes Corantes orgânicos sintéticos Derivados do metano Elastômeros Outros derivados do propeno Óxido de titânio e derivados Produtos de limpeza e intermediários Reagentes de laboratório Tintas, vernizes e produtos afins

22 22 Entrega do relatório para os segmentos de média prioridade – nov/2013 Seminário 3 – mar/2014 Discussão e aprofundamento da análise dos segmentos de alta prioridade Relatório Final – Mai/2014 Detalhamento econômico financeiro das oportunidades Desenho dos modelos de negócios mais adequados Melhores práticas em políticas públicas Informações adicionais (incluindo cópias dos relatórios parciais) P/prospeccao/chamada_industria_quimica.html Próximas etapas

23 Centenas de projetos inovadores em todo mundo, a maioria em fase piloto ou de demonstração. Diversidade de soluções tecnológicas:... e uma grande diversidade de estratégias de inovação e de planos de negócio das empresas. Corrida tecnológica com divergência de apostas. Processo Matéria-prima Produto INOVAÇÃO Diferentes opções de biomassa (variedade de matéria-prima) Diferentes tecnologias de conversão (inovação em processo) Novos produtos (intermediários e finais): novas plataformas de building blocks Contexto - Química Verde Produtos químicos de fontes renováveis 23

24 Variedade de inova ç ão em mat é rias-primas Cana (açúcar)Milho (amido)Madeira Resíduos agrícolas (casca de arroz, bagaço de cana) Resíduos industriais ricos em material orgânico (ex: glicerol, licor negro) Resíduos urbanos orgânicos Matéria-prima Processo Produtos INOVAÇÃO Contexto - Química Verde Produtos químicos de fontes renováveis 24

25 Logística como limitadora da escala de produção; Sazonalidade da oferta da mat é ria-prima; Falta de estabilidade (natureza perecível) dificulta transporte e gerência de estoques; Dificuldade de controle do processo de conversão, com oscila ç ão na qualidade da MP (composi ç ão irregular e excesso de oxigênio); Garantia de disponibilidade (integra ç ão com agroneg ó cios x contratos de longo prazo). Matéria-prima Processo Produtos INOVAÇÃO Contexto - Química Verde Produtos químicos de fontes renováveis Desafios para uso da biomassa como Matéria-prima 25

26 Biomassa rica em açúcar (caldo de cana) Produtos químicos Fermentação com microorganismos geneticamente modificados = + Biomassa rica em lignocelulose (bagaço de cana) Pré-tratamento (abertura das fibras) Quebra da celulose (via enzimas ou química) + Produtos químicos = Contexto - Química Verde Produtos químicos de fontes renováveis Rotas biotecnol ó gicas Matéria-prima Processo Produtos INOVAÇÃO Variedade de inova ç ão em processos 26

27 Processos tradicionais (preserva ativos existentes) Reforma catalítica Bio-óleo Craqueamento (primeira geração) Polimerização (segunda geração) Transformação (terceira geração) Refinaria Inovação Biomassa (peletizado) DesidrataçãoEtanol Eteno Gaseificação Gás de síntese de biomassa Síntese química Rotas químicas Matéria-prima Processo Produtos INOVAÇÃO Pirólise Bio-óleo Contexto - Química Verde Produtos químicos de fontes renováveis Variedade de inova ç ão em processos 27

28 Produtos existentes: polietileno, polipropileno, borrachas, poliester, tintas Novos produtos: Plásticos biodegradáveis Surfactantes especiais Matéria-prima Processo Produtos INOVAÇÃO Contexto - Química Verde Produtos químicos de fontes renováveis Variedade de inova ç ão em produtos e aplicações com base em biomassa 28

29 29 Empresas de base tecnológica Empresas estabelecidas (setores de óleo e gás, sucroalcoleiro e química) Plano BNDES FINEP de apoio à inovação dos setores sucroenergético e sucroquímico PAISSPAISS 29

30 Resultados do Fomento para Renováveis - PAISS Foco temático nº de operações Valor (R$ milhões) Linha I - Etanol 2G Linha II - Químicos Linha III - Gaseificação1 255 Total R$ milhões 30

31 Resultados do Fomento para Renováveis Aprovações PAISS – US$ milhões CompanyCountryFundingProductAmount (USD million) Centro de Tecnologia Canavieira (CTC)BrazilFINEPButanol, enzymes, cellulosic ethanol133 Centro de Tecnologia Canavieira (CTC)BrazilBNDESCellulosic ethanol demo plant36 Odebrecht AgroindustrialBrazilFINEPCellulosic ethanol4 VTTFinlandFINEPEnzymes5 DowUSAFINEPPropanol and propionic acid1 BraskemBrazilFINEP Butadiene, Isoprene, PEF and green propylene 103 MethanumBrazilFINEPBiogas2 GranBio BrazilBNDES Cellulosic ethanol 150 "FINEP63 GranBioBrazilBNDES ¹ Cellulosic ethanol + bio-based chemicals 300 DSM NetherlandsBNDES Succinic acid 2 "FINEP136 MetsoFinlandBNDESPre-treatment system10 PHBBrazilBNDESBiodegradable plastics5 Solazyme/BungeUSABNDESRenewable oils123 PetrobrasBrazilFINEP Gasification: syngas + cellulosic ethanol 127 Eli LillyUSAFINEPEnzymes4 BaraúnaBrazilFINEPFertilizers1 ¹ GranBio: equity participation through BNDESPar Total

32 32

33 Cronograma 1 Plano detalhado do trabalho e mapeamento e segmentação da indústria química 2 Priorização inicial dos segmentos 3 Caracterização dos segmentos priorizados 4 Priorização final 5 Detalhamento econômico financeiro das oportunidades 6 Desenho dos modelos de negócios mais adequados 7 Mapeamento da situação atual e melhores práticas de políticas de desenvolvimento 8 Desenho de um conjunto de políticas de desenvolvimento e projeção de impacto no setor 9 Priorização de políticas de desenvolvimento 10 Relatório Final e apresentação pública PE Painel de Especialistas , Atividade x Relatórios S1 S2 PE S4 SI SX SI= Seminário Interno com o BNDES SI S3

34 Preparar plano detalhado do trabalho, incluindo seminários e painéis de especialistas. Organizar os dados de importação e exportação dos últimos 5 anos. Classificar e agrupar os produtos comercializados em cadeias químicas ou segmentos. Analisar e adicionar as importações "invisíveis" aos segmentos identificados. Incluir os novos produtos químicos (nanoprodutos, química verde). Entrevistar executivos e observadores da indústria, avaliando cadeias químicas com potencial de desenvolvimento no país. 1 – Plano, mapeamento e segmentação da Indústria

35 Analisar indicadores quantitativos Vendas globais e no Brasil Consumo aparente Valor unitário Importação e Exportação Comércio mundial Composição de Indicadores. Ex.: Importação – Exportação / Importação + Exportação Taxas de crescimento Analisar e descrever segmentos novos Produtos fabricados a partir de matérias primas renováveis Nanotecnologia Fibra de carbono Analisar e descrever segmentos com potencial de competitividade no país Cosméticos Agronegócio Relacionados ao pré-sal 2 - Priorização inicial dos segmentos

36 Analisar Condições da demanda Segmentos de consumo Comportamento da demanda Tendências Condições dos fatores Matérias-primas Recursos humanos Infraestrutura Tecnologia Recursos de capital Regulamentação 3 - Caracterização dos segmentos priorizados Características da Indústria Perfil da produção local e mundial Investimentos Capacitação da gestão Natureza e intensidade da competição Situação econômica das empresas Sinergias possíveis Barreiras de entrada Indústrias relacionadas Características das indústrias fornecedoras e relacionadas

37 Analisar os resultados econômicos e sociais dos investimentos nas cadeias selecionadas Lucro econômico Benefícios socioeconômicos Redução do déficit Investimentos Geração de empregos Valor agregado P&D Seleção e definição das variáveis a serem incluídas na Análise Multicritério 4 – Priorização final

38 Efetuar análise financeira (simplificada). Analisar questões tributárias para os investimentos. Identificar riscos Mercado Fatores macroeconômicos Execução Gestão Obtenção de recursos, etc. 5 – Detalhamento econômico e financeiro das oportunidades nos segmentos

39 Analisar alternativas de modelos de negócios para as cadeias e players possíveis. Identificar mercados e clientes internacionais. Analisar mecanismos de superação de barreiras de entrada. Formular estratégias de atuação nas cadeias selecionadas. 6 – Estratégias de negócios

40 Mapear melhores práticas mundiais em políticas de desenvolvimento para os segmentos. Mapear políticas brasileiras. Identificar objetivos socioeconômicos das políticas de desenvolvimento nos segmentos. Identificar benefícios, custos e obstáculos para o apoio à indústria. Nota: Podem ser necessárias entrevistas com stakeholders diferentes. 7 – Melhores práticas em políticas públicas

41 Desenvolver proposta Identificar regiões mais adequadas para os investimentos. 8 – Propostas iniciais para as políticas públicas

42 Avaliar o impacto dos incentivos Produção nacional Valor agregado] Nível de emprego P&D Balança comercial da indústria química para os próximos 5, 10 e 15 anos Impacto fiscal Avaliar a aplicabilidade e efetividade das políticas selecionadas. Elaborar proposta detalhada de política setorial para a indústria química brasileira. 9 – Apresentação das políticas públicas

43 Objetivo Validar a segmentação e sua associação com os mercados relevantes para a química no futuro. Perfil dos participantes Visão mais técnica em relação à segmentação das cadeias e suas perspectivas Associações industriais (Abiquim, Abiplast, Abifina) Empresas químicas diversificadas BNDES – MDIC – ABDI – FINEP - CGEE Participantes da Agenda Tecnológica Setorial do PBM Petrobras Universidades Novas empresas (Solazyme, Amyris, LS9, Graal) Seminário 1 – Validação dos segmentos

44 Objetivo Concluir a 1ª filtragem assegurando que segmentos relevantes não sejam eliminados pelo filtro quantitativo. Perfil dos participantes Orientação técnica e estratégica Associações industriais (Abiquim, Abifina, Abiplast) Empresas químicas diversificadas BNDES – MDIC – ABDI – FINEP - CGEE Participantes da Agenda Tecnológica Setorial do PBM Petrobras Universidades Novas empresas (Solazyme, Amyris, LS9, Graal) Seminário 2 - Priorização inicial dos segmentos

45 Objetivo Efetuar a filtragem final Perfil dos participantes Visão estratégica da indústria, não tendenciosa, conhecimento de políticas públicas e capacidade de contribuição para implementação das medidas. Grupo diferente do painel de especialistas, para aportar novas contribuições. Órgãos do governo Especialistas internacionais com conhecimento do Brasil Representantes setoriais (Abiquim) Universidades Outsiders Empreendedores Grupo Movimento Brasil Competitivo; representantes da CNDI (instância de aconselhamento do Plano Brasil Maior) Seminário 3 - Priorização Final (com Análise Multicritério)

46 Objetivo Apresentar versão inicial do documento final, com sumário executivo das principais conclusões sobre a diversificação e as políticas de desenvolvimento. Perfil dos participantes Visão estratégica da indústria e capacidade para discutir e implementar as medidas. Instância decisória. Órgãos do governo Especialistas internacionais com conhecimento do Brasil Representantes setoriais (Abiquim) Universidades Outsiders Empreendedores Grupo Movimento Brasil Competitivo; representantes da CNDI (instância de aconselhamento do Plano Brasil Maior) Seminário 4 - Versão inicial do relatório final

47 Objetivo Apresentar versão inicial das: (1) Estratégias Empresariais; e (2) Políticas Públicas. Perfil dos participantes Empregados do BNDES; participantes de órgãos do governo (MDIC, ABDI). Participação mais limitada da iniciativa privada Seminários internos (2)

48 Objetivo Contribuir para caracterizar e avaliar as dimensões relevantes do ambiente local para os segmentos priorizados: Perfil dos participantes Visão estratégica da indústria e não tendenciosa. Órgãos do governo Especialistas internacionais com conhecimento do Brasil Representantes da indústria (ex.: ABIQUIM) Universidades Outsiders Empreendedores Grupo Movimento Brasil Competitivo Representantes da CNDI - Instancia de aconselhamento do Plano Brasil Maior Painel de Especialistas

49 Plano detalhado do trabalho, mapeamento e segmentação da indústria química, com: Planejamento do trabalho Mapeamento e segmentação da indústria química, contendo: Dados de importação e exportação de produtos químicos dos últimos 5 anos, classificados em cadeias químicas ou segmentos, origem, destino e indicadores (ex.: corrente de comércio, crescimento de exportações anual, etc.). Dados estimados de importação e exportação dos últimos 5 anos de produtos químicos embarcados em produtos de outras indústrias (importações invisíveis). Estimativas de vendas, importação e exportação de novos produtos químicos (nanoprodutos, química verde, fibra de carbono), agrupados nas cadeias químicas respectivas. Resultados das entrevistas efetuadas com executivos e observadores da indústria, com indicação de cadeias químicas com potencial de desenvolvimento no país. Produto 1

50 (a)Priorização inicial dos segmentos Dados quantitativos sobre os segmentos analisados: vendas, comércio exterior etc. Análise de novos segmentos e aqueles em que o Brasil possui ou possuirá vantagens competitivas (b) Primeiro terço da etapa de caracterização dos segmentos priorizados, com: Caracterização qualitativa e quantitativa de cada segmento, detalhada, com o auxílio do painel de especialistas, de: Condições de demanda Condições dos fatores Características da Indústria, com a descrição, análise e quantificação Indústrias relacionadas, com a descrição, análise e quantificação Análise estratégica preliminar, consolidando as alternativas, considerando as qualificações e quantificações obtidas para cada um dos segmentos. Produto 2

51 (a) Mapeamento da situação atual e melhores práticas de políticas de desenvolvimento Levantamento de políticas setoriais brasileiras relevantes para a indústria química A identificação dos principais objetivos sócio-econômicos das políticas de desenvolvimento. Os principais benefícios, custos e obstáculos para implantação de políticas de apoio à indústria. A descrição das melhores práticas em políticas de desenvolvimento para os segmentos, como por exemplo, nas indústrias: americana, alemã, indiana, coreana e chinesa (b) Segundo terço da etapa de caracterização dos segmentos priorizados Produto 3

52 Terceiro terço da etapa de caracterização dos segmentos priorizados Produto 4

53 (a) Priorização final dos segmentos, com: A quantificação do lucro econômico das alternativas de investimento nos segmentos analisados A estimativa dos benefícios sócio-econômicos das alternativas de investimento nos segmentos analisados redução do déficit; investimentos; geração de empregos; valor agregado; intensidade de P&D A seleção e definição das variáveis a serem incluídas na Análise Multicritério. (b) O projeto de um conjunto de políticas de desenvolvimento, incluindo mudanças no marco regulatório dos segmentos e projeção de impacto no setor: A identificação de oportunidades de incentivos para complementar as políticas existentes A identificação das regiões mais adequadas para os investimentos Produto 5

54 (a) Detalhamento econômico financeiro das oportunidades de investimentos, com: Análise financeira dos projetos de investimento nos segmentos selecionados Análise de questões tributárias para os investimentos Identificação de riscos: mercado, fatores macroeconômicos, execução, gestão, dificuldade na obtenção de recursos, etc. (b) Desenho dos modelos de negócios, contendo: Alternativas de modelos de negócios para as cadeias e players possíveis A identificação de mercados e clientes internacionais e os mecanismos de superação de barreiras de entrada. A análise e formulação das estratégias de atuação nas cadeias selecionadas, incluindo a viabilidade em termos de: tipos de produtos, segmentos de mercados, canais de distribuição, grau de integração vertical, mecanismos de entrada e movimentação, como: investimentos greenfield, brownfield, alianças, M&A, internacionalização, investimentos no exterior Produto 6

55 (a) Priorização de políticas de desenvolvimento, contendo: A descrição e a avaliação do resultado dos incentivos públicos propostos, com o impacto para a produção nacional de produtos químicos, o valor agregado, nível de emprego, P&D, balança comercial e o impacto fiscal das medidas de políticas públicas, para os próximos 5, 10 e 15 anos. A descrição das políticas de desenvolvimento que melhor atendam aos objetivos socioeconômicos definidos, considerando a facilidade de implementação, riscos e iniciativas de mitigação. Avaliação da aplicabilidade e efetividade das políticas selecionadas Proposta detalhada de política setorial (e sua gestão por parte do governo brasileiro) para a indústria química brasileira. (b) Relatório final e Apresentação pública Produto 7


Carregar ppt "Estudo de Diversificação e Inovação na Indústria Química Gabriel Lourenço Gomes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google