A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tema: Alternativas de ações visando economia em energia elétrica para Shopping Centers 07/11/2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tema: Alternativas de ações visando economia em energia elétrica para Shopping Centers 07/11/2013."— Transcrição da apresentação:

1 Tema: Alternativas de ações visando economia em energia elétrica para Shopping Centers 07/11/2013

2 A Kroma atua nos segmentos de comercialização e gestão de energia. Através de uma estrutura completa e atualizada, atende seus clientes com soluções competitivas e adequadas às tendências do mercado de energia. Possui uma equipe capacitada e comprometida com os objetivos de cada cliente, tornando a Kroma referência nesse seguimento no Nordeste. Atualmente possui certificação de padrão internacional na ISO9001 e sendo a única comercializadora a possuir esses dois certificados no Brasil. Atualmente o volume médio de comercialização de energia da Kroma gira em torno de 100MWmed a 160MWmed e grande parte desta energia é de fontes incentivadas, comprovando a força da empresa no mercado. Kroma Energia

3 Tipos de conexao Tarifas de Baixa tensao; Tarifas para Alta tensao; –A1 (>= 230kV) –A2 (88 a 138 Kv) –A3 (69kV) –A3a (30 a 44 Kv) –A4 (2,3 a 25kV) –AS (sub-terranea) (< = 2,3 Kv) Menor será tarifa(R$/Mwh); maior o investimento a qualidade da energia Menor será tarifa(R$/Mwh); maior o investimento a qualidade da energia

4 Atribuições art. 2 da lei 8.987/95 Homologar reajustes e proceder a revisao das tarifas na forma desta lei, das normas pertinenentes e do contrato Atribuições art. 2 da lei 8.987/95 Homologar reajustes e proceder a revisao das tarifas na forma desta lei, das normas pertinenentes e do contrato. A missão da ANEEL é proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica se desenvolva com equilíbrio entre os agentes e em benefício da sociedade

5

6 Tarifas Residenciais Diferenciadas

7 Calendário de reajuste anual

8 Modalidades tarifarias Azul (grupo A): tarifas distintas para consumo e demanda ponta e fora ponta Verde (grupo A): tarifas distintas para consumo ponta e for a ponta e uma unica demanda; Convencional binomia (A): mesma tarifa de consumo e demanda independente da hora de utilizacao do dia Branca (grupo B, exceto tarifas baixa renda e B4) tarifas diferenciadas de acordo com as horas de utilizacao do dia Convencional monomia: mesma tarifa de consumo independente da hora de utilizacao do dia Geracao: apliacadas centrais de geracao Distribuicao: aplicadas as distribuidoras conectadas ao sistema de outars distribuidoras

9 Tarifas : Fio (TUSD) Energia Impostos

10 Resolução nº de 23/04/2013 (CELPE)

11 Bandeiras tarifarias A partir de 2014, as contas de energia terão uma novidade: o Sistema de Bandeiras Tarifárias. As bandeiras verde, amarela e vermelha indicarão se a energia custará mais ou menos, em função das condições de geração de eletricidade. Para facilitar a compreensão das bandeiras tarifárias, 2013 será o Ano Teste. Em caráter educativo, a ANEEL divulga mês a mês as bandeiras que estariam em funcionamento. Consulte ao lado quais bandeiras estariam valendo agora em cada um dos subsistemas que compõem o Sistema Interligado Nacional (SIN). Além disso, as distribuidoras de energia divulgarão, na conta de energia, a simulação da aplicação das bandeiras para o subsistema de sua região. O consumidor poderá compreender então qual bandeira estaria valendo no mês atual, se as bandeiras tarifárias já estivessem em funcionamento. O sistema possui três bandeiras: verde, amarela e vermelha – as mesmas cores dos semáforos - e indicam o seguinte: Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo; Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo consumidos; Bandeira vermelha: condições mais custosas de geração. A tarifa sofre novo acréscimo. Veja a qual subsistema o seu estado pertence: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste (SE/CO):Regiões Sudeste e Centro-Oeste, Acre e Rondônia; Subsistema Sul (S): Região Sul; Subsistema Nordeste (NE):Região Nordeste, exceto o Maranhão; Subsistema Norte (N): Pará, Tocantins e Maranhão.

12 A aplicação das bandeiras é realizada conforme os valores do Custo Marginal de Operação (CMO) e do Encargo de Serviço de Sistema por Segurança Energética (ESS_SE) de cada subsistema. O Custo Marginal de Operação (CMO) equivale ao preço de unidade de energia produzida para atender a um acréscimo de demanda de carga no sistema, uma elevação deste custo indica que a geração de energia elétrica está mais custosa. Um CMO elevado pode indicar níveis baixos de armazenamento de água nos reservatórios das hidrelétricas e condições hidrometeorológicas desfavoráveis, isto é, poucas chuvas nas bacias dos rios. O CMO também é impactado pela previsão de consumo de energia, de forma que um aumento de consumo, em decorrência, por exemplo, de um aumento da temperatura, poderá elevar o CMO. Quando isso acontece, as usinas termelétricas entram em operação para compensar a falta de água dos reservatórios das usinas hidrelétricas ou o aumento de consumo e, assim, preservar a capacidade de geração de energia dessas hidrelétricas nos meses seguintes. Os Encargos de Serviço do Sistema (ESS) são aqueles decorrentes da manutenção da confiabilidade e da estabilidade do Sistema Interligado Nacional (SIN). Os custos de ESS por segurança energética advêm da solicitação de despacho do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para realizar geração fora da ordem de mérito de custo, ou seja, despachar geração mais custosa (térmicas), visando garantir a futura segurança do suprimento energético nacional. Juntos, o CMO e o ESS_SE determinam a bandeira a ser adotada em cada mês, por subsistema: Bandeira verde: CMO + ESS_SE menor que R$ 100,00/MWh (cem reais por megawatt-hora); Bandeira amarela: CMO + ESS_SE igual ou superior a R$ 100,00/MWh e inferior a R$ 200,00/MWh; Bandeira vermelha: CMO + ESS_SE igual ou superior a R$ 200,00/MWh. Uma vez por mês, o ONS calcula o CMO nas reuniões do Programa Mensal de Operação (PMO) – quando também é decidido se haverá ou não a operação das usinas termelétricas e o custo associado a essa geração. Após cada reunião, com base nas informações do ONS, a ANEEL aciona a bandeira tarifária vigente no mês Seguinte. Bandeiras tarifarias

13

14

15 Geração no horário de ponta Solução: adequada para o enquadramento horo-sazonal verde, em virtude desta tarifa possuir apenas uma unica demanda ponta e fora ponta. Beneficios: - Reducao do custo do consumo na ponta para o custo da geracao a diesel (aproximadamente 0,26505 Litros/Kwh)+ custo de operacao e manutencao) ; Problemas: - No caso do diesel risco ambiental no armazenamento; - Custo de estoque (litros); -No caso do gas risco de abastecimento e regulatorio (variacao de preco do gas e contratos take or pay, apenas um fornecedor final Petrobras) ;

16 Estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuídas aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências. Resolução normativa nº 482,de 17/04/2012

17

18

19 Ambientes de contratação

20 Trata-se de uma ambiente de contratação que tem o objetivo de um beneficio numa economia no custo da energia elétrica. No País, o privilégio de escolher a quem comprar energia só é permitido aos consumidores de médio e grande porte, que têm uma demanda mínima de 500 quilowatt (kW). Os consumidores residenciais só podem comprar a energia da distribuidora que possui a concessão local. Sobre o Mercado Livre Mercado Livre Quem consome um pouco a mais de energia está dentro do perfil de grande consumidor. Por exemplo, uma empresa um shopping com consumo aproximado de cerca de kWh. A energia comercializada no mercado livre já corresponde a 27% de todo o consumo de energia do País. Dos 100% comercializados no mercado livre, somente 3% estão no Nordeste. Quem mais tem empresas no mercado livre é o Sudeste, com 72%. O Sul possui 11% e o Norte 4%(grandes empresas eletrointensivas)

21 Como é o mercado livre na América Latina Mercado Livre Países Elegível Argentina> 30 kW Uruguai> 250 kW Bolivia> 1 MW Brasil> 3 MW Chile> 500 kW opcional (> 2 MW obrigatório) Países Elegível Colômbia> 100 kW Guatemala> 100 kW Panamá> 100 kW Peru> 200 kW (> 2,5 MW obrigatório) Rep. Dominicana> 1 MW

22 Potencial ACL – Regulamentação Atual Mercado Livre Fonte: CCEE e Andrade e Canellas ACL 27% ACR 73% C. Livres APE Eletrointensivos Exp-Imp (25%) C. Livres APE Eletrointensivos Exp-Imp (25%) Consumidor especiais (2%) Situação atual Potencial Livres 5% Potencial Especiais 14% Potencial Especiais 14% O potencial máximo do Mercado Livre atual é de 46% da Carga Nacional 46%

23 Limites para migração Mercado Livre DEMANDA CONTRATADA TENSÃO DA CONEXÃO DATA DA INSTALAÇÃO PODE MIGRAR PARA O MERCADO LIVRE? CLASSIFICAÇÃO Menor de 500 kW----- NÃOConsumidor Cativo. Maior de 500 e Menor que kW SIM Consumidor potencialmente livre pra comprar energia apenas de "Fontes Alternativas". Maior que kWMenor que 69 kW Anterior a 07/07/1995 SIM Consumidor potencialmente livre para comprar energia apenas de "Fontes Alternativas". Maior que kWMenor que 69 kW Posterior a 07/07/1995 SIMConsumidor potencialmente livre. Maior que kWMaior que 69 kW-----SIMConsumidor potencialmente livre.

24 Numero de agentes na CCEE no ACL Mercado Livre Fonte: CCEE

25 Histórico de preços no ACL Mercado Livre

26 Exemplos de Shoppings no ACL SHOP IGUATEMISHOP SANTANA SHOPSAOJOSESHOP ABC SHOP INTERLARSHOP SUZANO SHOP. METRO ITAQUERASHOP BOAVISTA SHOP LESTESHOP TIJUCA SHOP. METRO TATUAPESHOP CAMPO LIM SHOP LIGHTSHOP UBERABA BROOKFIELD BRASIL SHOP.SHOP CARUARU SHOP M ALVAROSHOP VILA LOBO WETS PLAZA SHOPPINGSHOP CIDADE BH SHOP MUELLERSHOP VITORIA S JARDIM SULSHOP CURITIBA SHOP NEUMARKTSHOPILHA PLAZA SALVADOR NSHOPSHOP D PEDRO SHOP P BELAS SHOPP VALESANPELEGRINOSHOP DEL REY SHOP PARALELA SHOPPING 7LSANTA URSULASHOP ESPLANADA SHOP PATIO MACEIO SHOPPING DSB PLAZA SHOPSHOP FIESTA SHOP PENHA SHOPPING RIOMARSC ELDORADOSHOP FLORIPA SHOP PLAZA SUL SHOPPIRACICABASERRAMARSHOP GRANJA VI SHOP PRAIA SHOPPVILAVELHASG SHOPPINGSHOP GUARA

27 Bolsa de Energia Mercado Livre BrixBBCE – Somos Sócios

28

29

30 Liberdade de negociação com fornecedor de energia (prazo, preço, índice de reajuste); Possibilidade de adequação da compra de energia ao processo produtivo; Previsão orçamentária (melhor previsibilidade do reajuste); Gerenciamento da energia elétrica como matéria prima ; Preços mais competitivos (redução de custos entre 5% ~ 20%); Mesmo preço de energia para horário ponta e fora ponta; Alocação de energia para empresas do mesmo grupo. Benefícios

31 CELPE CONSUMO Livre = Escolha da melhor oferta + distribuição feita pela concessionária local Cliente Cativo = Precos determinados pela ANEEL Energia Livre é adquirida diretamente dos geradores

32 MITOSFATOS A qualidade da energia pode alterar se o consumidor livre comprar energia de outro fornecedor. A energia fornecida no mercado livre é exatamente a mesma, portanto não há diferença de qualidade. O consumidor livre pode ficar sem energia caso haja algum problema técnico com o novo fornecedor. A garantia de entrega de energia continua sendo feita pela distribuidora e mesmo que o novo fornecedor não esteja gerando energia, o consumidor livre não é afetado. O consumidor livre pode ficar sem energia se consumir mais do que contratou. Não há risco do consumidor livre ficar sem energia, pois toda contabilização no mercado livre é feita posteriormente ao consumo. Mercado livre é apenas para consumidores eletrointensivos. Mercado livre oferece beneficio a todos os tipos de consumidores de energia. O consumidor livre será retaliado pela distribuidora se comprar energia de outro fornecedor. A qualidade do atendimento aos consumidores livres pela sua concessionária distribuidora é garantida em lei e segue os mesmos padrões exigidos aos clientes cativos. Se houver um racionamento, o consumidor livre pode ser prejudicado. Conforme previsto na legislação, as tratativas dos consumidores livres e cativos em caso de racionamento deverá ser a mesma. Mitos e Fatos

33 Atentar para o prazo legal de denuncia do contrato junto a distribuidora de energia; Iniciar do processo de migração com pelo menos 120 dias de antecedência; Adequar o volume de energia contratada as características de consumo; Ter uma gestão eficiente dos contratos de energia no Mercado Livre; Ter um agente representante na CCEE. Cuidados antes da migração para o Mercado Livre Riscos do ACL

34 Avaliação de Riscos Riscos 1 - Contratação do volume de energia superior ou inferior ao necessário; 2 - Déficit de oferta de energia; 3 - Curva de preços crescentes ; 4 - Mudança regulatória. Fatores de Mitigação 1 - Avaliação prévia do perfil de consumo e implantação de programas de eficiência energética ; 2 - Contratos de longo prazo para passar pelo período de baixa hidrologia; 3 - Contratos com preço e índice de reajustes pré-determinados ; 4 - Histórico do Mercado Livre o torna irreversível. Riscos do ACL

35 Gestão dos contratos Gerenciamento do contrato otimizando a contratação de energia (contratado x consumido); Gestão de riscos; Representação na CCEE ; Modelagem de contratos; Acompanhamento on-line do volume de energia consumido; Registro e ajustes dos consumos mensais junto a CCEE; Negociação com demais agentes (Distribuidores / CCEE / ANEEL); Comercialização de eventuais sobras / faltas de energia; Elaboração dos contratos inerentes ao mercado livre (CCVE, CUSD e CCD); Relatórios de gestão e disponibilização de dados de medição. Importância de um empresa especializada em gestão Gestão

36 O que fazer? A única coisa que é constante e definitiva é a mudança.

37 OBRIGADO São Paulo Avenida Paulista, 1636 – Conj São Paulo - SP Cep T (11) (11) Recife Av. Ayrton Senna da Silva, 111, Piedade Jaboatão dos Guararapes - PE - CEP: T (81) F (81)


Carregar ppt "Tema: Alternativas de ações visando economia em energia elétrica para Shopping Centers 07/11/2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google