A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Psicologia Organizacional – Unidade 1. Educação a Distância – EaD Professor: Flávio Brustoloni Psicologia Organizacional.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Psicologia Organizacional – Unidade 1. Educação a Distância – EaD Professor: Flávio Brustoloni Psicologia Organizacional."— Transcrição da apresentação:

1 Psicologia Organizacional – Unidade 1

2 Educação a Distância – EaD Professor: Flávio Brustoloni Psicologia Organizacional

3 Cronograma: Turma ADG 0096 Psicologia Organizacional DataAtividade 31/05 2º Encontro 1ª Avaliação Disciplina 24/05 1º Encontro 14/06 3º Encontro 2ª Avaliação Disciplina 21/06 4º Encontro 3ª Avaliação Disciplina (FINAL) 07/06 Atividade Acadêmica

4 Objetivos da Disciplina: Reconhecer a Psicologia enquanto ciência e profissão e sua inserção nas organizações; Contribuir para a compreensão do comportamento humano em contextos de trabalho ; Compreender aspectos relacionados a dimensões psicológicas e envolvidos nos processos de trabalho, tais como: processos de comunicação, percepção, liderança, trabalho em equipe; Identificar, nos ambientes de trabalho, fatores que podem propiciar qualidade de vida ou adoecimento; Identificar as principais doenças mentais relacionadas aos contextos de trabalho.

5 Unidade 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA PSICOLOGIA

6 Objetivos da Unidade: Conhecer a história da Psicologia enquanto ciência e profissão e seu campo de atuação e pesquisa na atualidade; Conhecer a Psicologia Organizacional como área de pesquisa e atuação da Psicologia; Compreender alguns processos básicos em Psicologia e sua relação com o comportamento humano; Compreender o significado de qualidade de vida no trabalho e os fatores associados a ela; Identificar comportamentos que se caracterizam como assédio moral;

7 TUTORIAL 2/45 Tópico 1 03 Indicação do Tópico Página da apostila Numeração do slide

8 TÓPICO 1 1/88 Psicologia, Ciência e Profissão

9 2 História da Psicologia Psyché - alma 2/88 4 Unid. 1 Tópico 1 Logos - razão A Psicologia é, em geral, definida como a ciência do comportamento dos seres humanos e dos animais. Estuda o comportamento com métodos da ciência e procura estabelecer teorias ou interferências a respeito da mente, a partir das informações que obtém sobre o comportamento (COFER, 1992).

10 2 História da Psicologia 3/88 5 Unid. 1 Tópico 1 Galeno, a partir das formulações de Hipócrates, distinguiu quatro temperamentos primários, que foram nomeados de acordo com os humores predominantes de cada pessoa.

11 2 História da Psicologia 4/88 5 Unid. 1 Tópico 1 Figura 1 - Galeno

12 2 História da Psicologia 5/88 5 Unid. 1 Tópico 1 1. Tipo Sanguíneo: caracterizado por indivíduos atléticos e vigorosos, nos quais o humor corporal predominante era o sangue.

13 2 História da Psicologia 6/88 5 Unid. 1 Tópico 1 Tipo Sanguíneo

14 2 História da Psicologia 7/88 6 Unid. 1 Tópico 1 2. Tipo Colérico: indivíduos facilmente irritáveis, nos quais predominava a bile amarela.

15 2 História da Psicologia 8/88 6 Unid. 1 Tópico 1 Tipo Colérico

16 2 História da Psicologia 9/88 6 Unid. 1 Tópico 1 3. Tipo Melancólico: indivíduos tristes e melancólicos, que exibiam excesso de bile negra.

17 2 História da Psicologia 10/88 6 Unid. 1 Tópico 1 Tipo Melancólico

18 2 História da Psicologia 11/88 6 Unid. 1 Tópico 1 4. Tipo Fleumático: indivíduos cronicamente cansados e lentos em seus movimentos, que possuíam excesso de fleuma 1.

19 2 História da Psicologia 12/88 6 Unid. 1 Tópico 1 Tipo Fleumático

20 Glossário (1) fleuma [Var. de flegma (q. v.).] Substantivo feminino. 1.Obsol. Med. Um dos quatro humores [v. humor (3)] de que trata o humoralismo. 2.Fig. Frieza de ânimo; serenidade, impassibilidade; 3.Fig. Falta de interesse, diligência ou pressa; lentidão, pachorra. [Outras var.: fleima, freima (q. v.).] Fonte: Novo Dicionário Aurélio Eletrônico versão 5.0, 2004.

21 2 História da Psicologia 13/88 7 Unid. 1 Tópico 1 A data do nascimento da Psicologia enquanto ciência é 1879, quando Wilhelm Wundt abriu um laboratório de psicologia experimental na cidade de Leipzig, na Alemanha.

22 2 História da Psicologia 14/88 7 Unid. 1 Tópico 1 Nos laboratórios de Psicologia Experimental realizavam-se pesquisas sobre percepção, aprendizagem e memória. Alguns dos aparelhos principais que se encontravam no laboratório eram:

23 2 História da Psicologia 15/88 7 Unid. 1 Tópico 1 * Aparelhos de tempos de reação: que têm por objetivo medir o tempo que decorre entre o aparecimento de um estímulo (visual ou sonoro) e a resposta motora dada pelo sujeito (resposta com a mão ou com o pé);

24 2 História da Psicologia 16/88 7 Unid. 1 Tópico 1 * Aparelhos para medir e avaliar a habilidade de coordenação motora na realização de movimentos; e ainda aparelhos para medir a força manual e a resistência à fadiga.

25 2 História da Psicologia 17/88 7 Unid. 1 Tópico 1 * Aparelhos para medir a percepção de profundidade.

26 3 Contextualização da Psicologia 3.1 Áreas de Conhecimento da Psicologia 18/88 10 Unid. 1 Tópico 1 * Psicologia do Desenvolvimento; * Psicometria; * Neurociências; * Psicologia da Personalidade; * Psicologia Social; * Psicopatologia;

27 3 Contextualização da Psicologia 3.1 Áreas de Conhecimento da Psicologia 19/88 10 Unid. 1 Tópico 1 * Psicologia da Saúde; * Psicologia Clínica; * Psicologia do Trânsito; * Psicologia Jurídica; * Psicologia Ambiental.

28 3 Contextualização da Psicologia 3.2 Áreas de Atuação da Psicologia 20/88 14 Unid. 1 Tópico 1 * Psicólogo Clínico; * Psicólogo Organizacional e do Trabalho; * Psicólogo do Trânsito; * Psicólogo Educacional;

29 3 Contextualização da Psicologia 3.2 Áreas de Atuação da Psicologia 21/88 15 Unid. 1 Tópico 1 * Psicólogo Jurídico; * Psicólogo do Esporte; * Psicólogo da Saúde; * Psicólogo Hospitalar.

30 3 Contextualização da Psicologia 3.2 Áreas de Atuação da Psicologia 22/88 16 Unid. 1 Tópico 1 O que é Psicoterapia? Como área profissional, refere-se à aplicação dos procedimentos psicológicos segundo modelos de desenvolvimento com a finalidade de explicar, prever e aliviar transtornos, deficiências e angústias, bem como desenvolver o indivíduo.

31 TÓPICO 2 23/88 Psicologia Organizacional e do Trabalho

32 1 Introdução 24/88 19 Unid. 1 Tópico 2 A Psicologia Organizacional aplica os conhecimentos produzidos pela Psicologia, visando melhorar processos relativos às organizações, assim como contribuir para que os ambientes de trabalho sejam locais mais humanizados.

33 2 O que é uma Organização? 25/88 21 Unid. 1 Tópico 2 Uma organização surge quando algumas pessoas estão em interação umas com as outras, alinham esforços e realizam ações coordenadas para a realização de uma meta ou objetivo que é comum a todas.

34 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 26/88 21 Unid. 1 Tópico 2 A Psicologia Organizacional e do Trabalho surge na metade do século XIX. Visava atender a uma demanda que surgiu na sociedade com o advento da Revolução Industrial: a de encontrar homens adequados para os novos postos de trabalho que estavam surgindo.

35 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 27/88 23 Unid. 1 Tópico 2 Dentro da História da Psicologia Organizacional e do Trabalho, podem-se citar alguns estudos e pesquisadores que influenciaram de forma significativa no desenvolvimento dessa área de atuação e de pesquisa:

36 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 28/88 23 Unid. 1 Tópico 2 Frederick Winslow Taylor: engenheiro que dedicou-se a estudar a produtividade dos funcionários (no final do séc. XIX e início do séc. XX). Desenvolveu a Administração Científica que inclui diversos princípios para guiar as práticas organizacionais.

37 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 29/88 23 Unid. 1 Tópico 2 Figura 2 – Frederick Winslow Taylor

38 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 30/88 23 Unid. 1 Tópico 2 Hugo Münsterberg e Walter Dill Scott: são considerados os principais fundadores da psicologia organizacional e do trabalho. Eram psicólogos experimentais e professores universitários que se envolveram em problemas de organizações.

39 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 31/88 23 Unid. 1 Tópico 2 Figura 3 – Hugo Münsterberg Figura 4 – Walter Dill Scott

40 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 32/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Casal Frank (Engenheiro) e Lillian (Psicóloga): estudaram maneiras eficientes de executar tarefas, combinando engenharia com psicologia com o intuito de elaborar sistemáticas para maximizar a eficiência no trabalho.

41 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 33/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Figura 5 – Frank e Lillian Gilbreth

42 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 34/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Elton Mayo e os estudos de Hawthorne: as pesquisas realizadas na fábrica da Wester Eletric visavam verificar a reação dos funcionários a alterações de luminosidade, porém acabaram mostrando fatores psicológicos e subjetivos tão importantes quanto os fisiológicos.

43 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 35/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Figura 6 – Elton Mayo

44 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 36/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Outro fato histórico que contribuiu para o desenvolvimento das pesquisas e para o desenvolvimento da psicologia na área organizacional foram as duas grandes guerras mundiais.

45 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 37/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Na 1ª Guerra Mundial foram utilizados testes para medir a habilidade mental dos soldados e colocá-los em funções para as quais apresentavam melhor adequação.

46 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 38/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Figura 7 – 1ª Guerra Mundial

47 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 39/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Na 2ª Guerra Mundial foram utilizados testes para seleção de soldados e para colocação deles em diferentes trabalhos. Também foram realizados trabalhos de treinamento, avaliação de desempenho, desenvolvimento de equipes entre outros.

48 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 40/88 24 Unid. 1 Tópico 2 Figura 8 – 2ª Guerra Mundial

49 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 41/88 26 Unid. 1 Tópico 2 Sampaio (1998) considerou três fases ou momentos da história da Psicologia Organizacional e do Trabalho:

50 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 42/88 27 Unid. 1 Tópico 2 Primeira Fase (de 1924 a 1970) Também chamada de Psicologia Industrial, preocupa-se com Recursos Humanos, com o intuito de aumentar a lucratividade e produtividade.

51 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 43/88 27 Unid. 1 Tópico 2 Segunda Fase (de 1970 a 1990) Psicologia Organizacional com atenção voltada aos efeitos da estrutura organizacional com foco no indivíduo. Utiliza dinâmica de grupos, desenvolvimento de equipes e estudos sobre liderança.

52 3 História da Psicologia Organizacional e do Trabalho 44/88 27 Unid. 1 Tópico 2 Terceira Fase (de 1990 em diante) Psicologia do trabalho preocupa-se com a saúde e bem-estar do trabalhador (ergonomia) e discute temas como poder e conflitos. Busca a compreensão do trabalho humano em todos os seus significados e manifestações.

53 4 O Psicólogo nas Organizações 45/88 28 Unid. 1 Tópico 2 Pode-se afirmar que sua atuação pode acontecer de forma individual ou em equipe multiprofissional, realizando atividades onde quer que se deem as relações de trabalho, sejam elas nas organizações sociais formais ou nas informais. Compreende e intervém em relação a fenômenos e processos relativos ao mundo do trabalho e das organizações. Explora, analisa, compreende e interage com as múltiplas dimensões que caracterizam as pessoas, os grupos e as organizações.

54 TÓPICO 3 46/88 Diferenças Individuais

55 1 Introdução 47/88 35 Unid. 1 Tópico 3 Os temas: percepção, inteligência, pensamento e atenção fazem parte do que usualmente se denomina processos básicos em Psicologia. Esses processos se combinam de maneira diversa em cada pessoa, constituindo as diferenças individuais dos seres humanos.

56 2 Valores 48/88 36 Unid. 1 Tópico 3 Valores são basicamente convicções das pessoas sobre o que é certo ou errado. Variam de um grupo para outro, inclusive entre grupos dentro de uma organização e perpassam as relações interpessoais. Servem de guia de conduta, ou seja, orientam o comportamento das pessoas.

57 2 Valores 49/88 37 Unid. 1 Tópico 3 As organizações também possuem seus valores. É importante que os colaboradores conheçam esses valores e que exista uma compatibilidade de valores entre colaboradores e organização.

58 2 Valores 50/88 37 Unid. 1 Tópico 3 Situações que demonstram os valores: Postura da pessoa frente à uma situação; Diferenças no tratamento entre homens e mulheres (gênero); Diferenças educacionais.

59 3 Percepção 51/88 39 Unid. 1 Tópico 3 Pode-se compreender desse conceito que o processo de percepção começa com a captação de alguma informação no ambiente. Essa informação é lida pelo nosso cérebro e traduzida por ele. Esse processo vai guiar o comportamento das pessoas.

60 3 Percepção 52/88 39 Unid. 1 Tópico 3 Basicamente, o ser humano experimenta o mundo através dos sentidos da visão, audição, tato, olfato e paladar. Porém, nem sempre o que é percebido pelas pessoas não corresponde à realidade objetiva. Percebemos apenas parte dos estímulos, por isso diz-se que o que percebemos corresponde à realidade objetiva, não abarca a complexidade da situação ou do estímulo que se apresenta.

61 3 Percepção 3.1 Fenômenos Básicos da Percepção 53/88 42 Unid. 1 Tópico 3 Percepção Seletiva: Em uma festa, num determinado momento, a pessoa volta sua atenção para a conversa de um grupo de amigos, deixando de lado a conversa que acontece numa roda de pessoas a poucos metros dali. No momento seguinte, a atenção dessa mesma pessoa se volta para a porta do ambiente, local por onde entram pessoas com quem essa pretende se encontrar. A esse processo de selecionar estímulos dentro de um ambiente dá-se o nome de percepção seletiva.

62 3 Percepção 3.1 Fenômenos Básicos da Percepção 54/88 43 Unid. 1 Tópico 3 Adaptação Sensitiva: a percepção ajusta-se a variações no comportamento dos estímulos e, com o tempo, as variações deixam de ser percebidas. Isso significa que quando uma pessoa é exposta a um estímulo com certa frequência, aos poucos ela vai se adaptando a esse estímulo; e deixa de percebê-lo.

63 3 Percepção 3.2 Fatores que influenciam no processo de Percepção 55/88 44 Unid. 1 Tópico 3 Estímulo: refere-se a características do alvo (objeto/pessoa) que se está observando. Tem como atributos:

64 3 Percepção 3.2 Fatores que influenciam no processo de Percepção 56/88 44 Unid. 1 Tópico 3 Intensidade; Mudança; Dimensões; Mobilidade; Contraste; Frequência.

65 3 Percepção 3.2 Fatores que influenciam no processo de Percepção 57/88 44 Unid. 1 Tópico 3 Situação: São os fatores localizados no contexto dentro do qual os objetos, as pessoas ou as situações são percebidas. Uma pessoa com trajes de banho seria percebida como normal na praia, mas fora de contexto em um supermercado.

66 3 Percepção 3.2 Fatores que influenciam no processo de Percepção 58/88 45 Unid. 1 Tópico 3 Observador: Alguns aspectos influenciam na percepção e referem- se ao observador, tais como: atitudes, motivações, interesses, que determinam como os estímulos são percebidos. Também podem ser consideradas experiências anteriores (positivas, negativas e neutras)...

67 3 Percepção 3.2 Fatores que influenciam no processo de Percepção 59/88 45 Unid. 1 Tópico 3...Assim como a formação das pessoas, incluindo seus valores, crenças, regras, normas, motivações, emoções e expectativas: que envolvem o estímulo ou as circunstâncias que as geram, pressuposições a respeito do estímulo.

68 3 Percepção 3.3 Distorções da Percepção 60/88 45 Unid. 1 Tópico 3 Contraste; Estereótipos ou preconceitos; Efeito halo; Projeção.

69 4 Inteligência 61/88 46 Unid. 1 Tópico 3 A Inteligência também pode ser compreendida como um potencial biopsicológico para processar informações que pode ser ativado num cenário cultural para solucionar problemas ou criar produtos que sejam valorizados numa cultura. (GARDNER, 1995).

70 4 Inteligência 4.1 As Inteligências Múltiplas 62/88 46 Unid. 1 Tópico 3 Gardner (1995) identificou as inteligências múltiplas divididas em: linguística, lógico-matemática, espacial, musical, sinestésica, naturalista, interpessoal e intrapessoal. (Vide quadro página 47).

71 5 Atenção 63/88 48 Unid. 1 Tópico 3 Pode considerá-la como a capacidade que uma pessoa possui para se concentrar, que pode ser espontânea ou ativa. Está relacionada à percepção e tem impacto nos comportamentos das pessoas.

72 5 Atenção 64/88 49 Unid. 1 Tópico 3 * Atenção Espontânea: resulta da tendência natural da atividade psíquica em se orientar espontaneamente para as solicitações sensoriais e sensitivas necessárias à adaptação com a realidade, sem que para tal haja necessidade imperiosa da consciência. É utilizada quando caminhamos ou manuseamos objetos.

73 5 Atenção 65/88 49 Unid. 1 Tópico 3 * Atenção Voluntária: é aquela que exige certo esforço, no sentido de orientar a atividade psíquica para determinado fim. Ao estudar, esse está se utilizando de atenção voluntária.

74 5 Atenção 66/88 49 Unid. 1 Tópico 3 São considerados transtornos de atenção, segundo Cunha (2000):

75 5 Atenção 67/88 49 Unid. 1 Tópico 3 * Hipoprosexia: é a diminuição da atenção ou o enfraquecimento acentuado da atenção em todos os seus aspectos. É observada em estados infecciosos, embriaguez alcoólica, psicoses tóxicas, esquizofrenias e depressão.

76 5 Atenção 68/88 49 Unid. 1 Tópico 3 * Aprosexia: ausência de atenção; * Hiperprosexia: atenção espontânea exagerada (ocorre nos casos de mania); * Distrabilidade: atenção excitável, inconstante.

77 6 Pensamento 69/88 50 Unid. 1 Tópico 3 O pensamento traduz a aptidão de uma pessoa para elaborar conceitos, articular esses conceitos em juízos e, com base nisso, construir raciocínios, de modo a solucionar problemas com os quais se depara.

78 TÓPICO 4 70/88 Qualidade de Vida no Trabalho

79 1 Introdução 71/88 55 Unid. 1 Tópico 4 Um dos grandes anseios de todo ser humano é sentir-se bem, feliz, ter saúde. Resumindo: ter qualidade de vida! Sabe-se que qualidade de vida não diz respeito apenas aos aspectos físicos da constituição de uma pessoa (ter saúde), mas também emocionais, ambientais, laborais e sociais.

80 1 Introdução 72/88 56 Unid. 1 Tópico 4 É consenso que um profissional que esteja bem e tenha qualidade de vida produza mais. Por isso, muitas organizações têm buscado rever suas práticas e a forma de organização do trabalho, visando melhorar a vida de seus funcionários.

81 2 Qualidade de Vida 73/88 56 Unid. 1 Tópico 4 A Organização Mundial da Saúde (2000) define qualidade de vida como a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto da cultura e do sistema de valores nos quais ele vive, considerando seus objetivos, expectativas, padrões e preocupação.

82 3 Qualidade de Vida no Trabalho 74/88 58 Unid. 1 Tópico 4 A Qualidade de Vida no Trabalho começa com a reflexão sobre as condições em que o trabalho é executado, evoluindo para o questionamento sobre a necessidade da reorganização do trabalho e seu ambiente. Essas reflexões visam proporcionar um ambiente favorável e bem-estar de todos, na tentativa de humanizar as relações e o trabalho nas organizações.

83 3 Qualidade de Vida no Trabalho 75/88 60 Unid. 1 Tópico 4 Em 1973, Walton foi o primeiro autor norte-americano a fundamentar um conjunto de critérios sob a ótica organizacional, para conceituar qualidade de vida no ambiente de trabalho. São oito critérios, no total:

84 3 Qualidade de Vida no Trabalho 76/88 61 Unid. 1 Tópico 4 Remuneração justa e suficiente; Segurança e salubridade no trabalho; Oportunidade de utilizar e desenvolver as habilidades humanas; Oportunidade de progresso e Segurança no emprego;

85 3 Qualidade de Vida no Trabalho 77/88 61 Unid. 1 Tópico 4 Integração Social na organização; Leis e normas sociais; Trabalho e a Vida Privada; Relevância social da vida no trabalho.

86 3 Qualidade de Vida no Trabalho 78/88 62 Unid. 1 Tópico 4 Outra autora que elencou critérios para avaliar a qualidade de vida no ambiente de trabalho foi Limongi- França (2002).

87 3 Qualidade de Vida no Trabalho 79/88 63 Unid. 1 Tópico 4 É certo afirmar que a melhoria da qualidade de vida repercute não apenas na vida dos colaboradores, mas também gera benefícios para a organização: redução da rotatividade e do absenteísmo, melhoria do desempenho no trabalho.

88 TÓPICO 5 80/88 Assédio Moral no Trabalho

89 1 Introdução 81/88 71 Unid. 1 Tópico 5 Mesmo após o fim da escravidão e com o início do trabalho dos imigrantes no país, esse quadro sofreu poucas alterações. Longa jornada de trabalho, desrespeito, assédio sexual, descumprimento de acordos trabalhistas, discriminação racial eram algumas das violências praticadas.

90 1 Introdução 82/88 71 Unid. 1 Tópico 5 O assédio moral é considerado uma forma de violência, que acaba por denegrir e humilhar o outro, tendo diversas repercussões na saúde física e emocional de quem sofre a situação de violência. Pode ser considerada uma perseguição de um chefe em relação ao seu subordinado ou, até mesmo, de colegas, uns em relação aos outros.

91 2 Assédio Moral no Trabalho 83/88 72 Unid. 1 Tópico 5 Entre 2000 e 2005, a psicóloga Margarida Barreto entrevistou 42 mil funcionários de empresas públicas e privadas, ONGs entre outras. Desses, 42% afirmaram sofrer constantemente humilhações ou constrangimentos em seu ambiente de trabalho.

92 2 Assédio Moral no Trabalho 84/88 72 Unid. 1 Tópico 5 Outra pesquisa recente afirma que num total de profissionais ouvidos, 68% deles afirmaram sofrer humilhações várias vezes e 66% afirmaram que já foram intimados por seus superiores.

93 2 Assédio Moral no Trabalho 85/88 72 Unid. 1 Tópico 5 Para Marie-France Hirigoyen (2001, p.17), assédio moral no trabalho é: Toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, comportamento, atitude...) que atente, por sua repetição ou sistematização, contra a dignidade ou integridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho.

94 2 Assédio Moral no Trabalho 86/88 73 Unid. 1 Tópico 5 Alguns exemplos de assédio moral: Dar instruções confusas, imprecisas e contraditórias; Bloqueio ao trabalho; Atribuição de erros imaginários; Ignorar a presença de funcionário na frente de outros; Pedir urgência sem necessidade; Etc.

95 2 Assédio Moral no Trabalho 87/88 78 Unid. 1 Tópico 5 Cada pessoa reage de forma diferente perante as situações de assédio moral, em especial homens e mulheres. Em uma pesquisa realizada sobre o assunto, 870 pessoas, sendo homens e mulheres vítimas de opressão no ambiente profissional, revelam como reagem perante essa situação. (vide quadro pág. 78)

96 2 Assédio Moral no Trabalho 88/88 79 Unid. 1 Tópico 5 O assédio moral tem sérias consequências, acarretando em perdas não apenas para o trabalhador, mas também para a organização e seus empregadores. Podem-se dividir essas perdas em custos tangíveis (que podem ser percebidos diretamente) e perdas intangíveis (não são percebidas diretamente).

97 Parabéns!!! Terminamos a Unidade.

98 PRÓXIMA AULA: Psicologia Organizacional 2º Encontro da Disciplina 1ª Avaliação da Disciplina (Redação com consulta)


Carregar ppt "Psicologia Organizacional – Unidade 1. Educação a Distância – EaD Professor: Flávio Brustoloni Psicologia Organizacional."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google